Alvo de investigação do MP, vereador do PTB alega ser vítima de adversários políticos na Capital. Vereador é suspeito de exigir parte de salários dos servidores; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba Ministério Público Estadual cumpre mandados de busca e apreensão no gabinete do vereador Mario Manfro (PTB). Foto: Vitória Famer/Rádio Guaíba

Alvo de investigação do MP, vereador do PTB alega ser vítima de adversários políticos na Capital. Vereador é suspeito de exigir parte de salários dos servidores; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Após o Ministério Público Estadual ter cumprido mandados de busca e apreensão no gabinete do vereador Mario Manfro (PTB), na tarde dessa quinta-feira, o parlamentar alega estar sendo vítima de adversários políticos, que tentam barrar a candidatura a reeleição dele à Câmara de Porto Alegre. Manfro foi alvo de uma investigação do MP sobre denúncias envolvendo a suposta exigência de pagamento de parte do salário para manutenção dos cargos em comissão.

Em nota, o vereador diz ter recebido com surpresa e indignação a ação realizada pelo MP e assegura não ter praticado nenhum ato ilícito. Manfro também se colocou à disposição da Justiça para prestar esclarecimentos sobre o caso.

Segundo o Ministério Público, as investigações começaram a partir de uma denúncia feita no fim do ano passado por um ex-funcionário do gabinete de Manfro. A cobrança, que havia sido apelidada de “caixinha”, partia de uma contribuição mínima de R$ 300 mensais em troca de cargos, não só na Câmara, mas em vários órgãos da Prefeitura. Além do gabinete, mandados de busca também foram realizados na casa e no consultório dentário do vereador.

Surpreso, o presidente do PTB em Porto Alegre, Everton Braz, também desconhece o teor da denúncia contra o correligionário, mas estima que as investigações tenham começado quando Manfro era ligado a outros partidos – Rede e PSDB. Ele ingressou no PTB no início do ano. O PTB vai aguardar os desdobramentos da investigação para avaliar as medidas a serem tomadas pelo partido. O dirigente adiantou, porém, que caso seja comprovado o envolvimento de Manfro no esquema, o vereador pode ser suspenso do PTB e, inclusive, expulso.

Confira nota na íntegra:

Quero tranquilizar meus milhares de amigos, familiares, pacientes e eleitores de que não pratiquei nenhum ato ilícito.

Com surpresa e indignação fui alvo hoje de busca e apreensão de documentos e equipamentos no meu gabinete na Câmara de Vereadores, em minha residência e no meu consultório odontológico, requerida pelo Ministério Público.

Estou sendo vítima de adversários políticos que não querem a minha reeleição a vereador de Porto Alegre.

Estou à disposição da Justiça para com ela colaborar, aguardando, com serenidade e tranquilidade, o final das investigações. E o tempo, como senhor da razão, comprovará a inexistência de qualquer irregularidade por mim praticada.

Este ataque não me desmobilizará e ao contrário do que desejam meu adversários, me fortalecerá.

Sigo firme e forte rumo a vitória.

Vereador Mario Manfro                             

Cidade Comportamento Direito Notícias Poder Política Porto Alegre