Aod Cunha: A economia política do impeachment e das necessárias reformas Aod Cunha

Aod Cunha: A economia política do impeachment e das necessárias reformas

Quando a presidente Dilma foi eleita eu comentei que talvez o PSDB estivesse, para sua sorte, escapado de uma missão quase impossível de ser executada com o PT na oposição : consertar os erros da “nova matriz econômica” e fazer o ajuste fiscal com as reformas estruturas necessárias, como a reforma da previdência.

Continuo achando que esta perspectiva vale em tempos de expectativa de impeachment, embora o PT tenha se desgastado muito desde a posse da presidente Dilma.

É claro que os valores que devem guiar um eventual impeachment ou a permanência da presidente no cargo são mais relevantes que a lógica econômica e devem ser inegociáveis para uma sociedade democrática. Meu único ponto aqui é que todos devem estar preparados para tempos duros de necessários ajustes na política econômica e de reformas muito difíceis.

A atual euforia dos mercados domésticos de câmbio e ações, ao meu ver, ainda subestimam o tamanho do esforço e da capacidade de liderança que o País precisará para voltar a crescer consistentemente. Não se deve ter a ilusão de que o atual apoio da sociedade para o impeachment e a troca de governo garantam apoio para as reformas que um novo governo, seja lá quem for, precisará construir.

Artigos Comportamento Economia Negócios Notícias Poder Política