Artigo: Os desafios extras do treinador brasileiro; by Tinga

Artigo: Os desafios extras do treinador brasileiro; by Tinga

Os treinadores brasileiros são mais completos do que seus colegas de outros países. Não é uma opção, mas sim uma exigência imposta pela complexidade da gestão de quatro variáveis simultâneas e com pesos similares: diretoria, jogadores, jornalistas e torcida. Talvez os treinadores europeus e até mesmo os demais sul-americanos se defrontem com os mesmos fatores, mas aqui, no Brasil, a dificuldade é infinitamente maior, gerando uma distorção no exercício do cargo.

No Brasil, treinador tem que ser pai e amigo dos jogadores, segurar as broncas e os egos da diretoria, ser simpático com os jornalistas e representar a torcida. Tudo isso sendo um profissional, na essência, solitário. Tão solitário, que se a imprensa pressionar, os jogadores ficarem insatisfeito, a diretoria precisar de um bode expiatório ou a torcida se revoltar, o treinador cai – devido a cada a esses fatores, combinados ou isolados. A questão é tão desafiadora que leva a uma realidade estranha. O treinador brasileiro deve gerir quatro variáveis que podem derrubá-lo, mas tem poder limitado sobre elas.

A complexidade da função de treinador e o fato de os profissionais brasileiros serem mais completos não garante necessariamente vitórias. Às vezes, é o contrário. Ao investir energia na gestão dos humores e de outros fatores exageradamente emocionais, o treinador perde a oportunidade de focar no que realmente interessa: a busca do resultado dentro de parâmetros profissionais. Isso exige cobrança, autoridade e profissionalismo extremo de cada um dos atores envolvidos no futebol.

Estamos caminhando nessa direção. Ainda devagar, mas chegaremos lá. Até porque, cada vez mais, o esporte de alta performance não nos deixa outra opção.

 

imagesPaulo César Fonseca do Nascimento, Tinga

Artigos Destaque Esporte Trabalho