Planalto tenta conter ameaça de rebelião após ataques de Maia

Planalto tenta conter ameaça de rebelião após ataques de Maia

Destaque

Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusar o PMDB e o governo de dar uma “facada nas costas” do DEM, o presidente Michel Temer assumiu a articulação para apaziguar a base. Temer reuniu auxiliares e disse que conversaria com Maia para resolver o problema. As declarações do deputado foram feitas no momento em que Temer precisa de apoio para barrar a segunda denúncia contra ele. Ontem, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por 10 votos a 1, que a acusação apresentada pelo ex-procurador- geral da República Rodrigo Janot contra o presidente deve ser encaminhada à Câmara. O desabafo de Maia foi feito após assédio do PMDB a parlamentares do PSB que negociavam transferência para o DEM. O partido de Temer conseguiu, recentemente, filiar o senador Fernando Bezerra Coelho (ex-PSB). Pelo menos outros seis deputados do PSB que migrariam para o DEM foram procurados pela cúpula do PMDB. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

“Temos que privatizar ou licitar linhas”, sustenta Marchezan sobre a Carris; por Ananda Muller/Rádio Guaíba

“Temos que privatizar ou licitar linhas”, sustenta Marchezan sobre a Carris; por Ananda Muller/Rádio Guaíba

Agenda Cidade Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Marchezan Poder Política Porto Alegre
 O prefeito Nelson Marchezan Júnior declarou, na tarde desta quinta-feira, ao programa Conexão Guaíba que a empresa Carris “não é mais viável”, e que num prazo ainda incerto o projeto para privatização ou licitação das linhas da empresa vai ser levado para o Legislativo. Marchezan voltou a afirmar que o prejuízo da Carris gira em torno de R$ 50 milhões ao ano, que saem dos cofres públicos para custear esse serviço. “Tudo na Carris demanda licitação, então não podemos comprar peças de manutenção em grande quantidade, não podemos trocar os ônibus por outros com a própria empresa. Tudo isso gera prejuízo um prejuízo muito grande”, falou o prefeito.

O chefe do Executivo porto-alegrense prosseguiu afirmando que ainda não há um prazo para o encaminhamento dos projetos referentes à Carris à Câmara de Vereadores, mas reafirmou não acreditar que a população queira pagar “R$ 50 milhões para manter um serviço inviável.” Quando assumiu a Prefeitura, Marchezan deu prazo de um ano para a empresa pública apresentar resultados, mas os números seguiram decaindo. “A Carris não consegue competir, é impossível o setor público competir com o setor privado”, finalizou.

Carris sofre com problemas internos

Escolhido através do banco de talentos da prefeitura, Luís Fernando Ferreira ficou três semanas à frente da Carris quando do início do mandato de Marchezan. Foi substituído por Helen Machado, que assumiu em abril. Na sequência, em junho, a procuradora-geral Jaqueline Simões pediu o desligamento após 161 dias no cargo. No começo de agosto, o Ministério Público de Contas (MPC) solicitou auditoria na empresa a pedido dos servidores, que alegaram sucateamento da frota, suspensão de linhas e condições precárias de trabalho.

Mais prejuízo

Já com as contas no vermelho, a Carris ainda precisa lidar com uma conta salgada. A empresa vai pagar R$ 9,1 milhões à Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP) por rodar menos quilometragem, em 2016, do que o estabelecido no edital de licitação do transporte público de Porto Alegre. O pagamento vai ser feito em sete vezes, mensalmente, à Câmara de Compensação Tarifária da Capital.

No final de agosto ocorreu o repasse da primeira parcela, no valor de R$ 1,3 milhão. Conforme a ATP, a Companhia ficou devendo cerca de 1,4 milhão de quilômetros.

Moro dá 15 dias a Lula para provar que valores bloqueados são de Marisa

Moro dá 15 dias a Lula para provar que valores bloqueados são de Marisa

Destaque

O juiz federal Sérgio Moro deu prazo de 15 dias para que a defesa do ex-presidente Lula prove que metade dos R$ 606 mil de contas bancárias ligadas ao petista tem como origem a parte da ex-primeira-dama Marisa Letícia no patrimônio do casal. Ela morreu em fevereiro.

Ao condenar o ex-presidente a 9 anos e 6 meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, Moro também mandou confiscar R$ 16 milhões supostamente oriundos de uma conta de propinas que a OAS teria com Lula e seu partido.

O magistrado entendeu que o petista é culpado por receber, como vantagem indevida, o triplex no condomínio Solaris, no Guarujá (SP), e suas respectivas reformas, custeados com R$ 2,2 milhões da empreiteira. O Banco Central bloqueou R$ 7,1 milhões de um plano de previdência empresarial em nome do presidente, R$ 1,8 milhão de aposentadoria privada e R$ 606 mil de contas bancárias.

A defesa havia pedido que R$ 303 mil fossem desbloqueados pelo magistrado sob o argumento de que eram parte da meação da ex-primeira-dama Marisa Letícia.

“Relativamente ao pedido de resguardo da meação dos ativos financeiros, deve igualmente a defesa realizar a demonstração necessária, juntando os extratos, a documentação e esclarecendo a origem dos recursos bloqueados, inclusive nos planos de previdência privada, a fim de que se possa verificar se trata-se de verbas de natureza comunicável ou não ao cônjuge”, anota Moro.

O magistrado ainda explica que “o Bacenjud (o sistema eletrônico de comunicação entre o Poder Judiciário e as instituições financeiras, por intermédio do Banco Central), bloqueia o saldo do dia, não impedindo a movimentação da conta posteriormente ou o recebimento nela de novos créditos”. (Correio do Povo)

Porto Alegre: Associação Comercial é contra atualização do IPTU e propõe privatização da Carris para equilibrar caixa da prefeitura

Porto Alegre: Associação Comercial é contra atualização do IPTU e propõe privatização da Carris para equilibrar caixa da prefeitura

Cidade Destaque Economia Marchezan Poder Política Porto Alegre

 

A diretoria da Associação Comercial de Porto Alegre fez várias críticas a atualização da Planta Genérica de Valores (PGV) do IPTU da Capital gaúcha – onde estão estabelecidos os valores unitários de metro quadrado de terreno e de construção do Município -, pretendida pela administração Marchezan. A manifestação ocorreu nesta terça-feira, durante encontro com o secretário municipal da Fazenda, Leonardo Busatto, que participou da reunião de diretoria da entidade, falando sobre a revisão do Imposto.

O presidente da entidade, Paulo Afonso Pereira, sugeriu que em primeiro lugar a prefeitura reduza as despesas, privatize a Carris que é deficitária e não promova aumento de impostos para equilibrar seu caixa. “Evidente que existe distorções, mas o resultado final é um aumento de 50% parcelado em quatro anos, comparado aos valores atuais do IPTU, em um momento de profunda crise econômica.”

O secretário municipal da Fazenda, Leonardo Busatto, participou da reunião de diretoria da Associação Comercial nesta terça-feira, 19/9, quando explicou as distorções da PGV de Porto Alegre. “Porto Alegre é a capital mais atrasada do País na atualização do IPTU”, disse ele. A última revisão foi feita em 1991.

Busatto lembrou que o Tribunal de Contas do Estado em diversas oportunidades se posicionou pela necessidade de revisão da planta de valores, “sob pena de concorrer para a evasão tributária, pela renúncia de receitas, e atentar contra o princípio da razoabilidade.”

A correção vai representar, na média, 13,4% no boleto de 2018. O reajuste no primeiro ano não pode ser maior do que 30%, mas Busatto reconhece que diluído em quatro ano o reajuste chega a 50%.

O projeto de correção pretendida pela prefeitura será encaminhado à Câmara de Vereadores e precisa ser aprovado e sancionado até 29 de setembro para valer em 2018.

 

Justiça gaúcha garante apresentação no Porto Alegre em Cena de peça proibida em SP; por Ananda Müller/Rádio Guaíba

Justiça gaúcha garante apresentação no Porto Alegre em Cena de peça proibida em SP; por Ananda Müller/Rádio Guaíba

Cidade Comportamento Cultura Destaque Direito Poder Política Porto Alegre prefeitura Saúde Segurança Turismo
 Uma decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre garantiu, na tarde de hoje, a exibição da peça “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” no Porto Alegre em Cena 2017. O juiz José Antônio Coitinho negou o pedido de uma advogado, em uma ação individual, para proibir a exibição da peça teatral na cidade, a exemplo do que já foi feito em Jundiaí, no estado de São Paulo. Na ocasião, o juiz paulistano afirmou que “não se olvida a liberdade de expressão (…) mas que não pode ser tolerado o desrespeito a uma crença, religião, enfim, a uma figura venerada no mundo inteiro.”

A peça – um monólogo do Jo Clifford – retrata a história de Jesus Cristo como uma figura transexual. Para Coitinho, magistrado que garantiu a exibição em Porto Alegre, “transexual, heterossexual, homossexual, bissexual, constituem seres humanos idênticos na essência, não sendo minimamente sustentável a tese de que uma ou outra opção possa diminuir ou enobrecer quem quer que seja representado no teatro”.

O juiz ainda garante que a peça propõe uma reflexão sobre o preconceito que recai sobre orientações sexuais das pessoas, e que a atriz e travesti Renata Carvalho corporifica a figura religiosa no tempo presente, com o que não pratica ilícito algum. (Ananda Müller/Rádio Guaíba)

Porto Alegre: Assembleia de sócios do Grêmio Náutico União aprova a incorporação do Petrópole Tênis Clube

Porto Alegre: Assembleia de sócios do Grêmio Náutico União aprova a incorporação do Petrópole Tênis Clube

Cidade Destaque Esporte Porto Alegre
O Petrópole Tênis Clube (PTC), tradicional agremiação sócio-esportiva de Porto Alegre, foi oficialmente incorporado pelo Grêmio Náutico União (GNU). A aprovação ocorreu em Assembléia Geral Extraordinária realizada na noite dessa segunda-feira (18 de setembro), com participação de associados e conselheiros unionistas, no Teatro União, na sede Alto Petrópolis.Debatida entre os dois clubes nos últimos meses, a incorporação já havia sido aprovada pelos congêneres petropoletanenses em agosto. Com a decisão, o PTC torna-se a quarta sede do GNU, que já possui endereços nos bairros Petrópolis, Moinhos de Vento e Centro Histórico (sede náutica na Ilha do Pavão).  “O União viveu nesta noite um momento especial. E tudo em nome de seu associado, que é o patrimônio de qualquer clube. Passaremos a contar com quatro sedes, o que reforça a nossa posição entre os maiores clubes do Brasil”, – afirmou o presidente do Grêmio Náutico União, José Naja Neme da Silva.As votações

21558531_10155067382007153_4832881471479794822_n
Assembleia do GNU. Foto: Ricardo de Bem

A noite começou com a reunião do Conselho Deliberativo, iniciada às 19h30 e finalizada com a aprovação da incorporação por maioria, com 133 votos a favor e um contra. A Assembléia Geral Extraordinária começou às 22h com a apresentação da proposta de incorporação para os associados presentes.

A seguir foram reveladas as vantagens que a incorporação trará, assim como o protocolo de intenções firmado entre os clubes pré-incorporação, o relatório realizado pela auditoria independente (com informações trabalhistas e tributárias) e os investimentos que serão necessários para administrar a nova sede.

Terminadas as apresentações, os associados puderam fazer os questionamentos e, após as respostas, o tema foi colocado em votação. A aprovação foi por maioria, com 18 votos contra. Passava da meia noite quando a incorporação foi oficialmente confirmada pelo presidente do Conselho Superior, Evaldo Rodrigues de Oliveira.

 

Motivos para a incorporação

Diversos motivos levaram o Grêmio Náutico União a incorporar o Petrópole Tênis Clube, quase todos girando em torno da ampliação e qualificação das ofertas de lazer para os seus associados. Entre eles estão:

  • Oferecer mais opções de lazer no bairro Petrópolis, que concentra o maior número de associados unionistas (quase 30%);
  • Ampliar a oferta de locais de recreação, cada vez mais utilizados devido ao crescimento do GNU, principalmente nos meses de verão;
  • Aumentar a oferta de espaços esportivos, ampliando o número de vagas nas escolas esportivas e espaços para formação de atletas. Cinco novas quadras de tênis externas e duas cobertas, um ginásio poliesportivo e quadras de beach tennis/vôlei de praia/futvôlei são alguns exemplos;
  • Incrementar o patrimônio, com acréscimo de 22 mil m² em área nobre da capital gaúcha com valor estimado de R$ 32,5 milhões.

 

Próximos passos

A incorporação, conforme as características previstas na Lei 6.404/1976, não tem custo. O GNU passará a ser responsável pela operação do PTC – que se torna sua quarta sede, intitulada Sede Petrópole Tênis Clube – a partir do momento que o cartório der o registro da incorporação, o que ocorrerá até outubro.

As quadras de tênis, externas e cobertas, estão em bom estado de conservação. Outros espaços, porém, exigem reparos. Os primeiros investimentos que serão realizados serão na revitalização da piscina de lazer e de seus vestiários, para estarem à disposição na temporada de piscinas 2017/2018. Todos os investimentos serão efetuados com responsabilidade, respeitando o orçamento do GNU. (Fonte:GNU)

Trump exige democracia na Venezuela em reunião com Temer e outros líderes

Trump exige democracia na Venezuela em reunião com Temer e outros líderes

Destaque Mundo

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, exigiu hoje a restauração “plena” da democracia e das liberdades políticas na Venezuela, no início de uma reunião com vários governantes latino-americanos, entre eles Michel Temer, para tratar a crise no país.

Trump disse que a situação atual na Venezuela é insustentável, “completamente inaceitável”, e lembrou as sanções que os EUA já impuseram durante o mandato dele contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

Além de Temer, participaram da reunião em um hotel de Nova York os presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos; e do Panamá, Juan Carlos Varela, assim como a vice-presidente da Argentina, Gabriela Michetti.

Segundo fontes diplomáticas brasileiras, que foram as primeiras a informar da reunião desta segunda-feira, hoje, o presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, também foi convidado ao encontro com Trump. No entanto, Kuczynski suspendeu a viagem a Nova York devido às atuais tensões políticas no Peru.

Após salientar que os países presentes na reunião são “alguns dos maiores aliados” dos EUA no continente, Trump denunciou a “ditadura” imposta por Maduro, sobre a qual destacou que provocou “terrível miséria e sofrimento” aos venezuelanos. “A Venezuela foi um dos países mais ricos e agora está colapsando e os seus cidadãos morrem de fome”, disse Trump.

O presidente americano também agradeceu aos governantes presentes por “condenar” o regime de Maduro e dar um “apoio vital” ao povo venezuelano, ao alertar que seu governo está “preparado” para tomar outras medidas, sem detalhar quais.

Nesse sentido, Trump não respondeu a uma pergunta sobre se segue avaliando uma solução militar para a Venezuela, como assegurou no mês passado. (Agência Brasil)

Professor que comparou cerveja escura a mulher negra se torna réu por racismo

Professor que comparou cerveja escura a mulher negra se torna réu por racismo

Comportamento Destaque Direito Educação

Um professor do Instituto Federal Fluminense (IFF), em Campos dos Goytacazes, no Norte do estado, vai ser investigado pelo crime de racismo. A 2ª Vara Federal de Campos aceitou denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra o docente Maurício Nunes Lamonica.

Em março do ano passado, o professor postou mensagem nas redes sociais comparando a mulher negra a uma cerveja escura. Em uma foto segurando uma cerveja, ele disse: “Para ninguém achar que eu não gosto de afrodescendente”. E acrescentou: “Nega gostosa. Uh! Foi mal”.

Para a Justiça Federal, a declaração do professor sugere desprezo pela população negra e se encaixa em discriminação pela cor de pele. Na denúncia, o MPF reforça que o racismo não está apenas na comparação entre a cerveja e as mulheres negras, mas também na ironia.

Na denúncia apresentada à Justiça, os procuradores destacaram também o fato de a agressão ter sido feita por um professor, cujo papel é o de educar, e ter sido disseminada pela internet, com rápida repercussão.

Na época, o professor foi denunciado pela Comissão de Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Campos, que elaborou uma notícia-crime contra Lamonica.

Racismo coloca em risco a vida de mulheres negras

O movimento de mulheres negras chama atenção para a relação entre machismo e racismo, que reforça estereótipos de gênero, além de contribuir para aprofundar desigualdades. A coordenadora da organização não governamental Criola, Lúcia Xavier, vem alertando para a sexualização de mulheres negras, que é responsável pela desvalorização da vida delas. O resultado, adverte, está no crescente índice de violência.

Pesquisa da Organização Mundial de Saúde (OMS) constatou, por exemplo, que o número de mortes violentas de mulheres negras aumentou 54% em dez anos, entre 2003 e 2013, chegando 2.875 vítimas. No mesmo período, homicídios de mulheres brancas caiu 9,8%.

Defesa

O advogado do professor do IFF, Amyr Moussalem, afirmou que Lamonica não foi notificado e prefere não se pronunciar. Ele adiantou, no entanto, que o acusado vem participando de diversas audiências sobre o tema e inclusive já se retratou publicamente.

Por meio da assessoria de imprensa, o Instituto Federal Fluminense informou que na época do ocorrido abriu um processo administrativo disciplinar para apurar a conduta do professor e decidiu pela aplicação de uma advertência. Segundo o instituto, ele ficou afastado das atividades durante o processo e atualmente voltou a dar aulas no ensino médio. (Agência Brasil)

Juiz permite que psicólogos ofereçam terapia de reorientação sexual. Conselho Federal de Psicologia vai recorrer

Juiz permite que psicólogos ofereçam terapia de reorientação sexual. Conselho Federal de Psicologia vai recorrer

Comportamento Destaque
 Um juiz federal do Distrito Federal autorizou, em caráter liminar, que psicólogos possam atender eventuais pacientes que busquem terapia para reorientação sexual. A decisão atendeu a uma ação de três psicólogos que pediam a suspensão de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que estabelece como os profissionais da área devem atuar nos casos que envolvam a orientação sexual de pacientes. O conselho vai recorrer da decisão.

Publicada em março de 1999, a Resolução nº 1 do CFP proíbe os psicólogos de exercerem qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, bem como de colaborarem com eventos ou serviços que proponham o tratamento e a cura da homossexualidade.

A determinação, segundo o CFP, baseia-se no entendimento da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que a homossexualidade não é uma doença, um distúrbio, nem uma perversão. Assim, na avaliação do conselho, a forma como cada um vive sua sexualidade é parte da identidade do sujeito, cabendo aos profissionais de psicologia única e exclusivamente contribuir para a superação dos preconceitos e das discriminações.

Para os autores da ação popular que questiona a resolução, a iniciativa do CFP impede os psicólogos não só de atender eventuais pacientes que procurem ajuda para tentar reverter sentimentos ou comportamentos que lhes provoquem desconfortos ou transtornos, como de desenvolver estudos científicos sobre a possível reversibilidade de práticas homoeróticas, restringido a liberdade de pesquisa.

A partir das informações fornecidas pelas partes, o juiz da 14ª Vara do Distrito Federal, Waldemar Cláudio de Carvalho, acatou parcialmente o pedido dos críticos da resolução. Sem suspender os efeitos gerais da regulamentação do conselho, o magistrado determinou que deve ser facultado aos profissionais interessados a possibilidade de pesquisar o tema ou atender os pacientes que os procurarem buscando a chamada reorientação sexual.

Na decisão, o juiz sustenta que a resolução do CFP não é inconstitucional, embora possa, “se mal interpretada”, levar a equívocos, como a proibição à realização de estudos ou mesmo ao atendimento relacionado à orientação ou reorientação sexual. Para o magistrado, em conformidade com o princípio constitucional que garante a liberdade científica, deve estar claro que os psicológicos estão aptos a estudar ou atender quem, voluntariamente, buscar orientação psicológica acerca da sexualidade.

“Resta evidenciada, pela interpretação da Resolução nº 1 do CFP, no sentido de proibir o aprofundamento dos estudos científicos relacionados à (re)orientação sexual, afetando, assim, a liberdade científica do país e, consequentemente, seu patrimônio cultural, na medida em que impede e inviabiliza a investigação da sexualidade humana”, finaliza Carvalho. Segundo o juiz, o impedimento afeta principalmente os “eventuais interessados nesse tipo de assistência psicológica”.

Apesar da decisão que cassa em parte os efeitos da resolução do CFP, o juiz critica o Projeto de Lei 4.931, que tramita na Câmara dos Deputados, e preconiza a chamada “cura gay”. Segundo ele, a proposta é “passível de críticas, na medida em que parece equiparar a homossexualidade a outros transtornos da sexualidade”.

Aplicação

Para o advogado Leonardo Loiola Cavalcanti, que representa os autores da ação popular, a liminar permite que os psicólogos comecem a atender adequadamente as pessoas que não admitem a orientação sexual, sem o receio de serem punidos pelo conselho.

Já para o CFP, a decisão judicial abre uma perigosa possibilidade de uso de terapias de reversão sexual, prática que o conselho entende representar “uma violação dos direitos humanos” sem “qualquer embasamento científico”. O conselho sustenta haver evidências científicas, técnicas e jurídicas demonstrando que as terapias de reversão sexual não só são ineficazes, como podem provocar sequelas e agravar o sofrimento psíquico.

Na avaliação do conselho, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho se equivocou ao definir como os psicólogos devem interpretar a resolução do próprio órgão de classe. “O Poder Judiciário se equivoca ao desconsiderar a diretriz ética que embasa a resolução, que é reconhecer como legítimas as orientações sexuais não heteronormativas, sem as criminalizar ou patologizar”. (Agência Brasil)

Novo programa automotivo terá incentivo igual para indústria local e importador

Novo programa automotivo terá incentivo igual para indústria local e importador

Destaque Economia

Lançado em abril, o programa Rota 2030, que substituirá o Inovar-Auto como política para o setor automobilístico, concederá créditos tributários tanto a empresas que produzem no Brasil quanto às que importam. A intenção é sanar os problemas que levaram a Organização Mundial do Comércio (OMC) a condenar o Inovar-Auto, em vigor até 31 de dezembro.

As informações são do secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Igor Calvet, que concedeu entrevista à Agência Brasil da Alemanha, onde participa de missão com representantes de outros órgãos públicos para conhecer as iniciativas do país europeu em eletromobilidade (veículos movidos a energia elétrica).

O secretário explicou que a condenação pela OMC abrange dois pontos do Inovar-Auto. Um deles diz respeito à discriminação de produtos importados por meio da oneração, em 30 pontos, do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O outro está relacionado à adoção de uma estrutura de conteúdo local (estabelecimento de valor percentual mínimo de componentes brasileiros para cada equipamento ou sistema da indústria de automóveis).

“Dessa vez, o governo brasileiro tem tentado e vamos conseguir, com razoável êxito, fugir dessa controvérsia. Vamos tentar fazer incentivos todos horizontais, que valem tanto para a indústria que produz como para a que apenas comercializa no país, no caso, os importadores”, afirmou.

Segundo ele, além de créditos tributários, a ideia é estabelecer no Rota 2030 metas mais rígidas de eficiência energética ou dispêndios mínimos em pesquisa, desenvolvimento e engenharia. A previsão é que as discussões sobre o programa terminem até o fim deste mês e, na sequência, sejam editados os primeiros atos legais pertinentes, sob forma de Medida Provisória (MP) ou decreto.

De acordo com o secretário, além do tratamento igualitário aos importadores, a nova política se diferenciará do Inovar-Auto pela ênfase em sustentabilidade e segurança veicular. Ele ressalta que, até pouco tempo atrás, esses temas não eram tratados como relacionados à política industrial.

“Será feito um esforço na área de eficiência energética. O Japão e a União Europeia têm feito isso. As montadoras precisam fazer grandes investimentos para que a emissão de CO2 (gás carbônico) diminua. Além disso, tem uma grande preocupação nesse novo ciclo com a segurança. Custos relacionados a acidentes de trânsito superam bilhões de reais, tanto em termos previdenciários como no âmbito do Sistema Único de Saúde”, afirma.

Continuidade

Apesar da condenação do Inovar-Auto, representantes do governo têm ressaltado que o programa foi positivo, no sentido de impulsionar a produção brasileira no setor automobilístico. “Nós temos, a partir do Inovar Auto, uma grande capacidade produtiva de pelo menos 450 mil veículos por ano. Tivemos ampliação da produção, vários investimentos foram feitos, várias montadoras chegaram ao país, assim como laboratórios de pesquisa e outras coisas mais”, enumera Calvet.

Segundo ele, a ideia é dar continuidade ao esforço feito no programa no que diz respeito à pesquisa e desenvolvimento. “Os dados que temos do Inovar Auto dão conta de que houve investimentos de pouco mais de R$ 5 bilhões por ano em pesquisa, desenvolvimento e engenharia. Esses são dados muito positivos”, ressalta. O secretário diz que, caso haja manutenção desse ritmo “o Brasil se posicionará em 2030, após três ciclos de investimentos, como um player global”.

Veículos elétricos

A missão do governo brasileiro na Alemanha inclui visita à empresa de serviços postais do país, a DHL, que atualmente tem 3,4 mil veículos elétricos em uma frota de 92 mil. A empresa também encomendou a construção de furgões elétricos para renovar sua frota. A comitiva também participou de uma reunião sobre ônibus elétricos com uma empresa de transporte público. A agenda no país europeu termina na segunda-feira (18).

Além do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a comitiva brasileira tem representantes dos ministérios de Minas e Energia (MME) e da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), e, ainda, da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Apesar do interesse do governo na eletromobilidade, os veículos elétricos não são uma perspectiva imediata para o Brasil. Por enquanto, não há previsão de incentivo para eles no Rota 2030. “Pode ser que os incentivos venham aí. Estamos repensando, para ver se vale a pena fazer uma reestruturação da forma de tributação de veículos híbridos e elétricos do país”, disse Calvet. (Agência Brasil)