Em reunião com ‘blocão’, Ciro fala em ajustar discurso para atrair o DEM; por Luís Lima e Gustavo Schmitt/O Globo

Em reunião com ‘blocão’, Ciro fala em ajustar discurso para atrair o DEM; por Luís Lima e Gustavo Schmitt/O Globo

Destaque Notícias Poder Política Porto Alegre

 

Benjamin Steinbruch volta para sua casa após encontro com Ciro e caciques do centrão. Foto: Luís Lima/O Globo

Estiveram presentes no encontro o presidente do PP, Ciro Nogueira, do Solidariedade, Paulinho da Força, do PRB, Marcos Pereira, do PDT, Carlos Lupi, além do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A reunião foi dividida em dois momentos, um com Ciro e outro reservado aos parlamentares do centrão. De acordo com interlocutores, Ciro falou e ouviu muito e se comprometeu em acatar parte das demandas dos partidos. O encontro durou quase três horas.

Na negociação com os democratas, as principais resistências são sobre as posições de Ciro em relação às reformas trabalhista e da Previdenciária. Ciro fala em revogar a reforma trabalhista aprovada por Temer e defende um sistema de capitalização para a Previdência. A intenção do pedetista de modificar a regra do teto de gastos, também aprovada por Temer, é encarada como um “problema menor”.

Ao sair do encontro, perto das 11h30, antes de acabar, o ex-ministro Marcos Pereira afirmou que o grupo estava “caminhando”, sem dar mais detalhes. Às 12h30, Paulinho da Força disse que o clima do encontro foi “bom” e ACM Neto afirmou que o fato de ele ter acontecido na casa de Steinbruch foi devido à relação de amizade com o empresário.

Porto Alegre encerra com sucesso as Jornadas Brasileiras do Trabalho

Porto Alegre encerra com sucesso as Jornadas Brasileiras do Trabalho

Destaque

Porto Alegre encerrou hoje o ciclo das Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho no Rio Grande do Sul. O evento, que lotou o auditório do Hotel Sheraton marcou um ano da Lei Nº 13.467, também conhecida como nova lei trabalhista, e sancionada pela Presidência da República no dia 13 de julho de 2017.

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo da Fonseca, declarou que todos os cuidados foram tomados para proteger o trabalhador e garantir seus direitos. “É uma reforma de apenas um ano e muitas críticas vieram, sendo todas bem-vindas. São muito importantes estas Jornadas; a discussão é importante ao Brasil”, concluiu Fonseca.

O deputado federal Ronaldo Nogueira, idealizador da modernização trabalhista, relembrou toda a negociação e todas as ações para que as mudanças acontecessem. “Quero chamar todos para lutar contra o grande inimigo que é o desemprego. Sem emprego, não há salário, todos têm que estar sintonizados. A lei possibilitou um ambiente seguro para essas mudanças. Custe o que custar o Brasil vai dar certo”, argumentou Nogueira.

Já o desembargador e vice-presidente do TRT-RN, Bento Herculano Duarte Neto destacou que a lei não vai resolver tudo sozinha. “A reformulação trabalhista pode ajudar a resolver o problema da empregabilidade. A reforma atualizou as leis, e qualquer protecionismo mais atrapalha do que ajuda. Essa história de que o juiz do trabalho não vai cumprir a lei é mentira. A Justiça do Trabalho tem consciência da sua importância e fará o seu trabalho”, garantiu.

Fechando o ciclo de palestras, o Ministro do TST Aloysio Corrêa da Veiga disse que a nova lei trabalhista fez uma mudança de paradigma. “A reforma veio para incentivar o trabalho e atualizar mecanismos para combater a informalidade. A grande mudança que veio foi a da negociação coletiva”, frisou.

Diversas autoridades e representantes de entidades estiveram presentes esta tarde, como o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry; o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn; o presidente da Farsul, Gedeão Pereira; o secretário Executivo da Secretaria-Geral da Presidência da República, Pablo Tatim; o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo; o presidente da ADCE de Porto Alegre, Renê Ferreira de Oliveira; o secretário Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, Luciano Marcantônio; o secretário Estadual da Agricultura do Rio Grande do Sul, Odacir Klein; o secretário Estadual da Fazendo do Rio Grande do Sul, Luiz Antônio Bins; o representante da Assembleia de Deus de Porto Alegre, Marcio Fabiano Cezar; o vice-presidente da Igreja Pentecostal Ministério da Restauração, Pastor Silvio Machado. A próxima capital a receber as Jornadas Brasileiras de Relações do Trabalho será Curitiba, no dia 3 de agosto.

Porto Alegre: Definida empresa que vai projetar Centro de Convenções ao lado do Beira-Rio. Contrato vai ser assinado na manhã desta sexta-feira

Porto Alegre: Definida empresa que vai projetar Centro de Convenções ao lado do Beira-Rio. Contrato vai ser assinado na manhã desta sexta-feira

Agenda Cidade Destaque Economia Negócios Porto Alegre prefeitura Turismo

A Prefeitura de Porto Alegre firma, com a Mafra Arquitetura, na manhã desta sexta-feira, o contrato de elaboração do projeto arquitetônico do Centro de Convenções e Eventos da Capital, a ser erguido em uma área de 3,7 hectares, vizinha ao estádio Beira-Rio, no bairro Praia de Belas.

A empresa vai ter 10 meses para concluir o trabalho, a um custo de R$ 910 mil. A Caixa Econômica Federal é a gestora dos R$ 60 milhões destinados pela União ao projeto via PAC Turismo, a fundo perdido.

A assinatura ocorre um mês e meio depois que o Tribunal de Contas do Estado (TCE/RS) reconsiderou a medida cautelar que suspendia o pregão eletrônico para contratar os projetos executivos da obra. O modelo de concorrência havia sido questionado pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul. A Prefeitura argumentou, ao se defender, que a suspensão do pregão impunha risco de perda da verba federal.

Desde dezembro de 2013, o Município vem prorrogando o início efetivo do projeto. A atual gestão definiu o terreno, com título de propriedade e viabilidade técnica, e construiu, nos últimos meses, o termo de referência da contratação.

Saiba mais sobre a obra

A expectativa é de que o empreendimento, de proporção suficiente para comportar até 30 mil pessoas por dia, conte ainda com um espaço comercial, ampliando o chamado turismo de negócios da Capital.

A primeira etapa do empreendimento envolve a elaboração dos estudos de viabilidade e dos projetos executivos, orçados em até R$ 3 milhões.

Os R$ 57 milhões restantes vão ser aplicados pela Prefeitura na construção de estruturas operacionais básicas, como estacionamento e área de convenções.

Posteriormente, em parceria com a iniciativa privada, a área recebe a instalação completa de infraestrutura que caracteriza o Centro de Convenções, como auditório, salas de convenções e espaço de alimentação, por exemplo. (Ricardo Pont/Rádio Guaíba)

Collor garante que é candidato e fala que não há provas contra Lula; por Taline Oppitz/Correio do Povo

Collor garante que é candidato e fala que não há provas contra Lula; por Taline Oppitz/Correio do Povo

Destaque Direito
Vinte e seis anos após ser destituído da Presidência da Republica, o senador Fernando Collor de Mello confirmou que vai disputar o cargo pela segunda vez. Collor confirmou, em entrevista para o programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba, que é pré-candidato pelo PTC ao Planalto e atribuiu a pulverização de candidaturas à fragilidade política do atual presidente Michel Temer (MDB).
Apesar de discordar da narrativa sustentada pelo PT, de que há articulação para impedir Lula de ser candidato, Collor defendeu o petista, sustentando que não há provas contra ele. Para o senador, Lula não teve possibilidade de defesa e a ampliação da pena, de nove para 12 anos, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, se estabeleceu sem fato novo.
“Todos sabem que eu não tenho procuração e sequer afinidade ideológica com o ex-presidente, mas entendo que vêm sendo cometidas enormes injustiças em relação a Lula. Ele foi submetido a uma pena de nove anos de detenção sem ter sido concedido direito à resposta a uma pergunta: onde está o documento que prova que o apartamento do Guarujá é de minha propriedade ou de alguém de minha família?”, disse o senador.
O presidenciável afirmou ainda ter convicção do registro de Lula pelo PT junto ao Tribunal Superior Eleitoral e que, portanto, como pré-candidato, entende que é direito do petista se manifestar, mesmo estando preso. “Deixem ele falar. Poderia ser dada a oportunidade de receber um advogado que grave uma declaração para ser divulgada”, defendeu Collor.
Ainda assim, o senador disse não concordar com a tese do PT que Lula vem sendo “perseguido”: “Aí já acho que é uma viagem na maionese”, comentou.
Inocentado em 2014, pelo Supremo Tribunal Federal, das acusações que embasaram juridicamente o impeachment, Collor criticou a condução do processo e as ferramentas utilizadas pela Lava Jato. “Estas delações são super premiadas. Mais premiadas que Mega Sena de Natal. É um pau de arara moderno”, disse.
“A operação em si tem seus bons propósitos. Acontece que a execução dessa operação foi dada a pessoas imberbes, de calças curtas, que não têm ainda consciência da realidade que nos cerca nem a experiência necessária. E mais do que isso, que estão atraídas pelos holofotes da mídia”, completou.
STJ recebe mais 260 habeas corpus em favor de Lula. Defensores e defesa do ex-presidente argumentam que existem falhas no processo do triplex

STJ recebe mais 260 habeas corpus em favor de Lula. Defensores e defesa do ex-presidente argumentam que existem falhas no processo do triplex

Destaque Direito

Após a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, negar na última quarta-feira, de uma só vez, 143 pedidos de habeas corpus em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Tribunal já registrava, até as 14h desta quinta-feira, mais 264 solicitações do mesmo recurso. Os habeas corpus pedem a liberdade de Lula, que está cumprindo pena de 12 anos e um mês na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo o triplex na cidade do Guarujá, no litoral de São Paulo.

Nesta quarta-feira, a presidente do STJ, Laurita Vaz, em seu despacho, fez críticas aos pedidos, afirmando que eles não possuíam “nenhum substrato jurídico adequado”. A ministra argumentou que apesar da solicitação de habeas corpus ser um direito de qualquer cidadão, esse recurso não pode ser usado como um “ato popular”. Ela se referia à articulação de vários processos, identificados com o subtítulo “Ato popular 9 de julho de 2018”.

Defensores do ex-presidente, assim como a sua defesa, vêm tentando obter habeas corpus argumentando falhas no processo, ausência de provas e falta de necessidade da prisão. Lula foi preso em 7 de abril após ter confirmada, na segunda instância, sua condenação pelo juiz Sérgio Moro, por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá (SP).

Desde então ele é mantido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), segunda instância da Justiça Federal, que impôs a pena ao ex-presidente, determinou a prisão seguindo entendimento atual do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite a execução de pena mesmo que ainda haja possibilidade de recurso a instâncias superiores. (Agência Brasil)

Juiz do DF absolve Lula em ação por “compra de silêncio” de Cerveró. Decisão também beneficiou o ex-senador Delcídio do Amaral

Juiz do DF absolve Lula em ação por “compra de silêncio” de Cerveró. Decisão também beneficiou o ex-senador Delcídio do Amaral

Destaque Direito Lula

O juiz substituto Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, absolveu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo em que ele é réu por supostamente ter comprado o silêncio do ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. O caso estava concluso para sentença desde novembro do ano passado e teve origem no acordo de colaboração do ex-senador Delcídio do Amaral. Lula era réu por obstrução de Justiça. A informação completa está no Correio do Povo.

Raquel Dodge pede investigação de Favreto por prevaricação

Raquel Dodge pede investigação de Favreto por prevaricação

Destaque

Raquel Dodge enviou hoje ao STJ pedido de abertura de inquérito judicial contra Rogério Favreto pelo crime de prevaricação.

Segundo a PGR, ao agir fora de sua jurisdição e sem competência para conceder e reafirmar liminares para que Lula fosse solto, o desembargador do TRF-4 cometeu infração disciplinar.

Dodge descreveu o caso como “episódio atípico e inesperado que produziu efeitos nocivos sobre a credibilidade da Justiça e sobre a higidez do princípio da impessoalidade, que a sustenta”. Mais informações em O Antagonista.

Juíza proíbe Lula de gravar vídeos e fazer pré-campanha na prisão; por Gustavo Schmitt/O Globo

Juíza proíbe Lula de gravar vídeos e fazer pré-campanha na prisão; por Gustavo Schmitt/O Globo

Destaque

A juíza Carolina Moura Lebbos, titular da 12ª Vara Federal de Execuções Penais (VEP) de Curitiba, negou, nesta quarta-feira, pedido apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para gravar vídeos, conceder entrevistas e fazer, por meio de videoconferência, atos de pré-campanha, além de participar “presencialmente” da convenção do PT. Filmagens na sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba também estão vedadas. É lá que o petista cumpre, desde 7 de abril, pena de 12 anos e um mês de prisão pela condenação no caso do tríplex do Guarujá.

A decisão é mais um revés no caminho do petista. No último domingo, após uma série de desentendimentos judiciais, foi negado um habeas corpus apresentado por três deputados federais petistas para que o ex-presidente deixasse a prisão.

“Como já afirmado, o executado cumpre pena decorrente de condenação pelos delitos de corrupção ativa e lavagem de dinheiro, confirmada pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Portanto, o caso em tela se subsume plenamente à hipótese legal, tratando-se de situação de inelegibilidade”, escreveu a juíza.

Ao tratar sobre os pedidos para fazer campanha e dar entrevistas na cadeia, Lebbos justificou sua decisão com base nas regras da Justiça Penal. Ela também frisou que é preciso respeitar a segurança prisional e disse que se concedido o benefício ao petista não haveria tratamento isonômico em relação aos demais presos.

Athos Editora lança 4º volume da série Nomes Que Fizeram a Imprensa Gaúcha

Athos Editora lança 4º volume da série Nomes Que Fizeram a Imprensa Gaúcha

Agenda Comunicação Destaque Publicidade Trabalho

A Athos Editora está lançando no próximo dia 18 de julho, às 11h, no Salão Negrinho do Pastoreio, do Palácio Piratini, o 4º volume da série Nomes Que Fizeram a Imprensa Gaúcha, destacando a vida, o trabalho e o legado de profissionais que ajudaram a formar a história do jornalismo no Rio Grande do Sul. Os dez biografados desta edição são: Bira Valdez, Celito de Grandi, Clóvis Duarte, Danilo Ucha, Jayme Copstein, Jose Abraham, Paulo Sant’Ana, P.F. Gastal, Plínio Saraiva e Tatata Pimentel.

Segundo Julio Ribeiro, diretor geral da Athos Editora, as novas gerações de profissionais precisam saber que não estão inventando a roda, ela já existia há muitos anos, décadas, séculos até. E muita gente, ao longo deste tempo, contribuiu para que a imprensa se modernizasse, ganhasse novos contornos, se tornasse relevante e uma profissão digna.

O projeto NOMES QUE FIZERAM A IMPRENSA GAÚCHA tem esse objetivo muito claro. Não apenas resgatar essas contribuições, como também reconhecer e reverenciar o trabalho de radialistas, jornalistas, profissionais de comunicação que, de alguma forma, ajudaram a construir a imprensa que é feita no Rio Grande do Sul.

Este 4º volume tem pesquisa e textos de Fernando Soares, Jair Stangler, Lucas Vidal Domingues, Marcel Horowitz e Thaís Seganfredo, com a coordenação de Marcelo Beledeli, e projeto gráfico assinado pela Esparta Comunicação. A obra tem o patrocínio de Corsan e Celulose Riograndense e se destina a jornalistas, radialistas, estudantes e professores de comunicação, bibliotecas públicas, entes políticos, entidades profissionais e líderes de opinião. O livro terá distribuição gratuita, através de mailling dirigido.

37022856_2136570403228618_7011966381998473216_n

Saúde: “Como lidar com a depressão em tempos de crise” será tema de palestra gratuita

Saúde: “Como lidar com a depressão em tempos de crise” será tema de palestra gratuita

Agenda Comportamento Destaque Porto Alegre Saúde

A psicóloga Anissis Moura Ramos fará palestra sobre como lidar com a depressão em tempos de crise no próximo dia 23 de julho, às 19h30min, na Livraria Saraiva do Shopping Praia de
Belas. O evento é gratuito. Anissis destaca que os casos de depressão e os suicídios vêm aumentando assustadoramente, conforme a Organização Mundial da Saúde. “É fundamental
conscientizar sobre os riscos que a doença oferece e mostrar meios de superar as dificuldades vivenciadas em um período de crise, sem precisar afundar em sofrimento.”

Anissis Moura Ramos é especialista em Psicologia Clínica, mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do RS, psicóloga Clínica com experiência na identificação de doenças e
sintomas. Atua em consultório privado como psicóloga clínica e é psicóloga Perita credenciada pelo TJRS e professora dos Cursos de Perícia Psicológica em Vara de Família; Alienação
Parental e Falsas Memórias no Núcleo Médico Psicológico.

A palestra aborda conceitos de depressão, sintomas e mostra como enfrentar as dificuldades sem ceder ao desespero, convidando à reflexão sobre as saídas para seus conflitos.

Serviço
Nome do Evento: Lidando com a depressão em tempos de crise
Autora: Psic. Anissis Moura Ramos CRP 07/11.688
Dia: 23/07/18
Horário: 19h30m
Local: Saraiva Praia de Belas
Evento gratuito