Papas da Língua: A música Um dia de Sol tem estreia oficial nesta terça-feira na trilha da novela Tempo de Amar

Papas da Língua: A música Um dia de Sol tem estreia oficial nesta terça-feira na trilha da novela Tempo de Amar

Comunicação Cultura Destaque

Um dia de Sol do Papas da Língua, que faz parte da trilha sonora nacional da telenovela Tempo de Amar desde a estreia em setembro, terá no capítulo desta terça-feira, dia 21 de novembro, às 18h, seu lançamento oficial. Ouça aqui a nova versão.  Composta em 2002, a canção Um dia de Sol recebeu arranjo especial com piano e cordas para ser o tema do personagem Fernão, vivido pelo ator Jayme Matarazzo, que faz o primeiro vilão de sua carreira. A novela Tempo de Amar tem direção de Jayme Monjardim e é transmitida pela Rede Globo.  Em 23 anos de estrada, a banda já emplacou inúmeras músicas na telinha. Na Rede Globo foram: Cara e Coroa (1995), Páginas da Vida (2006), Viver a Vida (2010) e outras tantas em Malhação. Na Record, Balacobaco (2013), e na TV Argentina, a música Por Amor a Vos. Trilhas de filmes como: “Até que a Sorte nos Separe II” e “Houve uma vez Dois Verões” também levaram a assinatura do Papas.

20170926_214510
Maria Vitória e Fernão

Além de dedicar toda atenção à música Um dia de Sol, nos últimos tempos, a banda Papas está em turnê do DVD 20 anos, que contou com participações de Gabriel, o Pensador, e Alexandre Carlo do Natiruts. Recentemente, chegaram de uma temporada por Portugal com shows nas cidades do Porto e Açores, e agenda dedicada à divulgação do trabalho em tevês, rádios e jornais. Antes de desembargar no Brasil, ainda cantaram em Madrid. Em tempo: o Papas da Língua é atração confirmada no festival Planeta Atlântida em 2018.

Confira clicando aqui, o depoimento do ator Jayme Matarazzo, que interpreta Fernão, exclusivo para a banda Papas da Língua.

Papas da Língua

Serginho Moah -voz e violão

Leo H – guitarra e violão

Zé Natálio – baixo

Fernando Pezão – bateria

Cau Netto – tecladista convidado

 

Fique de olho na telinha!

O quê: estreia oficial da música Um Dia de Sol do Papas da Língua

Onde: na novela Tempo de Amar – transmitida pela Rede Globo

Quando: terça-feira, dia 21 de novembro, às 18h

TRF4 nega recurso de José Dirceu

TRF4 nega recurso de José Dirceu

Destaque Direito

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou nesta terça-feira recurso para o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), ao rejeitar embargos de declaração interpostos por sua defesa. A decisão se estende a outros réus da Operação Lava Jato do núcleo da empreiteira Engevix. Neste processo, Dirceu foi condenado a 30 anos e dez meses de prisão. Atualmente, ele está em liberdade, por decisão do Supremo Tribunal Federal. Além de Dirceu também é acusado no processo o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque.

Os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal negaram os recursos de Dirceu, Gerson de Mello Almada e Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, “mantendo-se assim a integralidade do acórdão julgado em 29 de setembro”. Neste processo, o juiz federal Sérgio Moro havia condenado Dirceu a 20 anos e dez meses de prisão. O TRF4 aumentou em mais dez anos a pena.

Dirceu alegava as seguintes omissões ou obscuridades no acórdão: violação à ampla defesa, ilegitimidade na utilização do depoimento de réus colaboradores, ausência de participação de Luiz Eduardo nos crimes de corrupção, equívocos nos critérios de progressão de regime e temas referentes à dosimetria da pena.

O colegiado deu parcial provimento ao recurso de Duque e corrigiu erro material, reconhecendo erro de cálculo no valor individual de cada dia-multa, passando o valor de 540 dias-multa para 448 dias-multa, no valor unitário de três salários mínimos.

Não foram reconhecidos os embargos de declaração do ex-sócio de José Dirceu, Júlio César Santos por ajuizamento do recurso fora do prazo. Também não foram reconhecidos os embargos de declaração do lobista Fernando Antônio Guimarães Houernaux de Moura e do ex-assessor de Dirceu, Roberto ‘Bob’ Marques, por inadequação da via processual eleita, ou seja, o pedido feito não pode ser analisado em embargos de declaração. A Turma também negou provimento ao recurso do ex-sócio da Engevix José Antunes Sobrinho. (Correio do Povo, com Estadão Conteúdo)

BC vai proteger dados de banco infrator por 5 anos. Só Procuradoria saberá detalhes de instituição que colaborar em apuração

BC vai proteger dados de banco infrator por 5 anos. Só Procuradoria saberá detalhes de instituição que colaborar em apuração

Destaque

O Banco Central promete manter em sigilo por cinco anos a maior parte das informações recebidas de instituições financeiras que reconhecerem infrações e aceitarem colaborar com investigações conduzidas pelo órgão. Esses acordos foram regulamentados por lei em vigor desde a semana passada. Ela autoriza o BC a fechar colaborações e determina que seus termos sejam divulgados em atê cinco dias após a assinatura de termo. Normas internas para a aplicação da lei, porém, indicam que só serão liberadas as cláusulas do acordo e “exposição sucinta dos fatos relativos à infração”. Já documentos dos casos serão mantidos em segredo por cinco anos, como previsto em lei. Só o Ministério Público poderá acessá-los. Nos acordos de leniência da Procuradoria-Geral e órgãos como o Cade, o sigilo só tem sido mantido sobre o que pode atrapalhar apurações após as homologações. Advogados que acompanharam a elaboração da circular dizem que o BC precisou ser mais restritivo porque é preciso proteger o sigilo bancário e também para evitar o risco de pânico no sistema financeiro, como corridas a bancos, no caso de revelação de dados sensíveis de investigados. A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

STF deve limitar alcance de foro privilegiado de políticos

STF deve limitar alcance de foro privilegiado de políticos

Destaque Direito Poder Política

Em julgamento previsto para ser retomado nesta quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal deverá formar maioria pela restrição à abrangência do foro privilegiado. Quando o julgamento foi suspenso, havia quatro votos a favor da restrição – a maioria é formada quando se atinge seis votos, entre os 11 ministros. A tendência no STF é que prevaleça o entendimento de Luís Roberto Barroso de que políticos só devam ter direito a uma corte especial se o crime do qual forem acusados tiver sido cometido no exercício do mandato e for relacionado ao cargo que ocupam. Até agora acompanharam a posição de Barroso os ministros Marco Aurélio Mello, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Nos bastidores, sinalizaram que concordam com uma restrição ao foro os ministros Luiz Fux e Edson Fachin. Celso de Mello também é um crítico ao uso da prerrogativa. Existe a possibilidade de a discussão ser novamente interrompida, por um pedido de vista de Dias Toffoli. Ontem, ele não quis falar sobre o assunto. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

Em 15 anos, servidor custou R$ 500 bi mais do que a Saúde. Aposentadoria de 1 milhão de funcionários consumiu R$ 1,3 trilhão

Em 15 anos, servidor custou R$ 500 bi mais do que a Saúde. Aposentadoria de 1 milhão de funcionários consumiu R$ 1,3 trilhão

Destaque

O regime de aposentadoria de um milhão de servidores federais consumiu R$ 1,325 trilhão entre 2001 e 2016, cerca de meio trilhão de reais a mais do que os R$ 800 bilhões destinados à Saúde pela União no período. Os números, elaborados pelo economista José Márcio Camargo, serão apresentados a deputados em jantar oferecido pelo presidente Michel Temer amanhã, para reforçar o discurso de que a reforma da Previdência é necessária para acabar com privilégios. Ontem, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que as mudanças previdenciárias são a “salvação” do Brasil. Ele articula apoio dos parlamentares à proposta, que foi enxugada. A reportagem completa está em O Globo.

Fala de Marchezan em congresso do MBL leva vereadores a pedir explicações. ‘Aqui entre nós, parlamentar é ‘cagão”, disse o prefeito de Porto Alegre; por Camila Diesel/Rádio Guaíba

Fala de Marchezan em congresso do MBL leva vereadores a pedir explicações. ‘Aqui entre nós, parlamentar é ‘cagão”, disse o prefeito de Porto Alegre; por Camila Diesel/Rádio Guaíba

Cidade Marchezan Notícias Poder Política Porto Alegre prefeitura

 

Vereadores de Porto Alegre utilizaram a tribuna durante a sessão desta segunda-feira para criticar declarações do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) durante o congresso do Movimento Brasil Livre (MBL) no fim de semana retrasado, em São Paulo. O vereador Cláudio Janta (SD) solicitou a exibição de um vídeo em que o prefeito fala que “parlamentar é cagão”, sugerindo que líderes da esquerda gaúcha são “erva-daninha”. ”Só é valente quem não consegue resolver os problemas da cidade, atacando os parlamentares”, disse Janta, que era líder de governo da gestão de Marchezan até o fim de agosto.

“Aqui entre nós, parlamentar é ‘cagão’. Tem 50 berrando e ele diz que é a sociedade que tá (sic) lá”, disse Marchezan (Veja no vídeo, a fala de Marchezan, a partir dos 31min até os 50min) em referência a mobilizações sindicais e à greve do funcionalismo. Em outro trecho, ele agradece a fala de outro prefeito e, com ironia, deseja “sucesso para matar a erva daninha pela raiz lá, no início no nascedouro. Dizer também que eu posso concorrer muito contigo lá. Eu tenho Olívio Dutra, Tarso Genro, Luciana Genro, Manuela D’Ávila, Maria do Rosário, Henrique Fontana. Então não te exibe muito aqui que eu tenho também raízes pra arrancar lá”.

Em nota, o vereador Aldacir Oliboni (PT) declarou que “são inadmissíveis numa democracia ataques com palavras de baixo calão a quem tem opinião diferente”. O petista integra um grupo de 17 vereadores que protocolou requerimento solicitando a presença de Marchezan em sessão da Câmara para que se explique. O pedido precisa ser votado em plenário, o que deve ocorrer na próxima quarta-feira.

Quem também assinou o protocolo é Adeli Sell (PT), que se manifestou na tribuna e através de nota. “Se ele continuar com esse tipo de linguagem, atacando os servidores, a Carris e outros setores, bem como se não mostrar comportamento, atitudes e trabalho adequados ao cargo, ele não ficará nos quatro anos no cargo de prefeito”, disse no texto enviado à imprensa.

Procurada, a assessoria de imprensa do prefeito disse que Marchezan está em viagem oficial pela Europa e evitou manifestação nesse momento.

Lista dos vereadores que assinaram o protocolo:

Aldacir Oliboni (PT)

Adeli Sell (PT)

Alvoni Medina (PRB)

André Carus (PMDB)

Caren Santos (PSOL)

Claudio Janta (Solidariedade)

Dr. Marcelo Rocha (PSOL)

Dr. Thiago Duarte (DEM)

Fernanda Melchionna (PSOL)

João Bosco Vaz (PDT)

José Freitas (PRB)

Marcelo Sgarbossa (PT)

Marcio Bons Ely (PDT)

Paulinho Motorista (PSB)

Prof. Alex Fraga (PSOL)

Reginete Bispo (PT)

Sofia Cavedon (PT)                                                             (Camila Diesel/Rádio Guaíba)

Sartori detalha nesta terça projeto de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal

Sartori detalha nesta terça projeto de adesão ao Regime de Recuperação Fiscal

Destaque

O governador José Ivo Sartori recebe a imprensa, às 9h desta terça-feira, no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini, para a apresentação do projeto de lei que autoriza o Rio Grande do Sul a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal proposto pelo governo federal. O projeto segue ainda nesta terça para a apreciação da Assembleia Legislativa.

Também serão encaminhados, agora separadamente, três propostas de emenda constitucional (PECs) retirando a exigência de plebiscito para a venda da Sulgás, da Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM) e CEEE.

A proposta é consideravelmente objetiva e não aborda todas as exigências feitas pela União para viabilizar a transação. Pelo menos três itens constarão no texto da matéria, que vai ser discutida e votada pelo plenário do Legislativo gaúcho durante a convocação extraordinária, na semana entre o Natal e o Ano Novo: a proibição da realização de novos saques na conta dos depósitos judiciais, a realização de leilão entre os credores do Estado, visando deságio dos valores devidos com o objetivo de estabelecer perspectiva de pagamento e a redução de 10% na concessão de incentivos fiscais.

Também vão integrar o pacote do governo projetos relativos a ações na segurança pública e os de alterações no Instituto de Previdência do Estado.

Para evitar que as propostas corram o risco de serem retiradas da pauta da convocação extraordinária, por meio de manobra parlamentar permitida no regimento interno, obrigatoriamente, as que ainda não estão em tramitação devem ser protocoladas na Assembleia pelo governo até quarta-feira. (Rádio Guaíba)

“Você é o que lê” apresenta Maria Ribeiro, Xico Sá e Gregorio Duvivier em descontraído bate-papo sobre literatura

“Você é o que lê” apresenta Maria Ribeiro, Xico Sá e Gregorio Duvivier em descontraído bate-papo sobre literatura

Agenda Cidade Comportamento Comunicação Cultura Destaque Porto Alegre

Fazer uma abordagem dinâmica e criativa da literatura como prazer e diversão. Esta é a motivação do bate-papo “Você é o que lê”, que chega ao sul do Brasil em novembro de 2017, depois de passar por várias cidades brasileiras no último ano. O evento reúne no palco três autores e representantes da atual cena literária, jornalística, artística e cultural brasileira: Maria Ribeiro, Gregorio Duvivier e Xico Sá. O encontro acontece dia 28/11 (terça-feira) em Porto Alegre no Teatro do Bourbon Country, e dia 29/11 (quarta-feira) em Novo Hamburgo no Teatro Feevale.

Você é o que lê_ Foto Ana Lícia Menezes (46)O elenco compartilha com o público seu amor pela leitura em uma conversa descontraída em que tudo se transforma em literatura: redes sociais, correntes do WhatsApp, ganhadores do prêmio Nobel – o que importa para os três é o encantamento por um bom livro e por boas histórias. A ideia do projeto é atrair leitores fiéis e futuros leitores para uma abordagem da literatura como prazer e diversão.

“Tornar a literatura muito séria prejudica muito o livro no Brasil, como uma coisa obrigatória, solene, ligada a grandes chatices. E o que projetos como o ‘Você é o que lê’ têm de bom é roubar a solenidade da literatura, mostrar que podemos falar do prazer de ler sem mesóclise, por exemplo. A literatura pode ir para o bar, a literatura pode ir para qualquer lugar”, diz o jornalista Xico Sá.

Os livros dão o tom da conversa, mas como na vida, o que estamos lendo também se confunde com a nossa narrativa pessoal. Maria Ribeiro, Gregorio Duvivier e Xico Sá contam como diferentes autores marcaram fases distintas das suas vidas e contribuíram nas suas trajetórias como artistas e escritores. Discussões sobre a sociedade, política e educação também são constantes nos encontros, que já passaram por Salvador, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Aracaju, além dos festivais literários Flip (Paraty-RJ) e Tarrafa Literária (Santos-SP).

 

SERVIÇO

“Você é o que lê” em Porto Alegre e Novo Hamburgo

 

PORTO ALEGRE/RS

Dia 28 de novembro de 2017 (terça-feira), às 20h

No Teatro do Bourbon Country (Rua Tulio de Rose, n° 80 SUC 301 A. Porto Alegre/RS)

Ingressos: R$30 (inteira) | R$15 (meia)

  • Clientes que levarem um livro não-didático têm direito a meia entrada

 

NOVO HAMBURGO/RS

Dia 29 de novembro de 2017 (quarta-feira), às 20h

No Teatro Feevale (ERS-239, n° 2755, Campus II – Universidade Feevale. Novo Hamburgo/RS)

Ingressos: R$20 (inteira) | R$10 (meia)

  • Clientes que levarem um livro não-didático têm direito a meia entrada
Porto Alegre: Aprovada criação da Frente Parlamentar da Desestatização

Porto Alegre: Aprovada criação da Frente Parlamentar da Desestatização

Agenda Cidade Destaque Marchezan Negócios Poder Política Porto Alegre prefeitura

Os vereadores de Porto Alegre aprovaram, na tarde desta segunda-feira (20/11), a constituição da Frente Parlamentar da Desestatização, de autoria do vereador Ricardo Gomes (PP). De acordo com o parlamentar, a frente fundamenta-se na necessidade do debate acerca do tema, de forma a permitir que a administração municipal tenha maior capacidade de realização do serviço público e mais eficiência em suas atividades.

De acordo com Gomes, a desestatização é um modelo viável e frutífero para resolver problemas públicos por meio do apoio da iniciativa privada. “Atualmente diversos órgãos públicos operam de maneira deficitária onerando a população. Há uma série de barreiras a serem superadas para que estas parcerias possam avançar, a principal delas parece ser o embate ideológico, que ignora que a finalidade dos serviços públicos deve ser única e exclusivamente atender a população, seja por uma entidade pública ou privada”, comenta.

A proposta ainda defende que diversas cidades do mundo têm evoluído com modelos de parcerias púbico-privadas, concessões ou têm diversos de seus serviços prestados pela iniciativa privada, serviços estes que em Porto Alegre são totalmente estatizados. “A partir da implantação da frente serão realizados encontros de discussão para definir as prioridades, estudando áreas de serviços onde o governo pode buscar auxilio da iniciativa privada para fazer de forma mais eficiente, acelerando o futuro e poupando o bolso da população”, disse.