Barreira militar retém Renan e Jorge Viana, no Jaburu, ao visitarem Dilma Presidenta Dilma Rousseff recebe a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo no Palácio da Alvorada. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Barreira militar retém Renan e Jorge Viana, no Jaburu, ao visitarem Dilma

O presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), visitou hoje a presidente afastada Dilma Rousseff, no Palácio da Alvorada. De acordo com a assessoria de Renan, a visita ocorreu a pedido da presidente e foi um “encontro institucional” – o primeiro depois que Dilma foi afastada da Presidência da República. O vice-presidente do Senado, Jorge Viana (PT-AC), acompanhou Renan no encontro e se queixou, na tribuna, de que ambos foram retidos em uma barreira militar nas proximidades do Palácio do Jaburu, onde o presidente interino Michel Temer mora, e que fica no caminho do Palácio da Alvorada.

Viana apelou para que as autoridades garantam as visitas à Dilma e disse ter achado “muito estranho” que, mesmo após identificados como senadores, os dois tenham tido de aguardar uma autorização superior para o militar permitir a passagem deles à residência da presidente afastada.

“Estou dizendo que acabei de fazer uma visita à presidenta Dilma. Estava com o presidente do Congresso Nacional e tivemos de nos identificar, esperar um bom tempo para que telefonemas fossem dados, para que ligações fossem feitas para ver se podíamos passar para uma simples visita à presidenta Dilma. Isso significa que a presidenta eleita está sitiada? […] Faço um apelo ao presidente do Supremo, ministro Ricardo Lewandowski, para que ele questione as autoridades instaladas provisoriamente no Palácio do Planalto se isso é legal”, disse o senador petista da tribuna.

Viana informou que foi retido por duas vezes em três dias na mesma barreira. “O Brasil nunca tinha experimentado cumprir essa Lei do Impeachment . São dois presidentes na mesma rua: um provisório, que pode fazer tudo, mudar tudo, demitir todos e tudo; e a presidente afastada, que veio das urnas, não pode sequer receber uma visita”, afirmou Jorge Viana.

O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI) esclareceu à Agência Brasil que a barreira é parte de um protocolo de segurança dos dois presidentes. Segundo a assessoria do GSI, ela foi colocada pela primeira vez em 13 de março, de modo a proteger a presidente Dilma no dia de uma manifestação. Depois disso, foi retirada e recolocada várias vezes e está em funcionamento. O GSI informou ainda que a assessoria de Dilma repassa uma lista com nomes das visitas previstas no dia e que todas elas garantem passagem liberada após a devida identificação e checagem do nome. Para o caso de visitas eventuais, que não constem da lista, os militares são orientados a telefonar para a assessoria do Alvorada e checar se há permissão para que a pessoa siga. Em caso positivo, o visitante é imediatamente liberado, acrescentou a assessoria da GSI. A assessoria da presidente afastada não se manifestou. (Agência Brasil)

Notícias

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *