Feira do Livro: Flávio Ilha autografa hoje Ralé

Feira do Livro: Flávio Ilha autografa hoje Ralé

Agenda Comportamento Cultura Destaque Educação Feira do Livro

ilharaléO jornalista e editor Flávio Ilha, autografa hoje sua mais nova obra, Ralé. A sessão acontece a partir das 19h30, na Praça de Autógrafos, da Feira do Livro.

São 12 contos escritos pelo autor, divididos em três partes: Medo, Amor e Ódio. Redigido entre os anos de 2016 e 2019, esta é a segunda publicação que ele realiza pela Diadorim Editora. Segundo Flávio, os temas tem o objetivo de organizar as histórias de acordo com os sentimentos mais básicos dos protagonistas, os quais, na maioria das vezes, fazem parte da base da pirâmide social do País. “O medo é, desde sempre, nosso primeiro sentimento ao nascer, seguido do amor. Andam juntos, como irmãos siameses. Já o ódio é o refinamento máximo da nossa triste condição humana”, diz o jornalista.

Responsável por assinar a orelha do livro, Vitor Necchi cita que os contos retratam as dores da carne e da alma. “Flávio Ilha cria diversos caminhos de sentidos e possibilidades, alargando o alcance, mas sem perder o comedimento inerente ao conto ao evocar geografias, subjetividades, enredos e ritos múltiplos”, acrescenta.

Ralé

7 de novembro, 19:30
Praça de Autógrafos, Praça da Alfândega, s/nº – Centro Histórico
Porto Alegre, RS 90020-015 Brasil
+ Google Map

Flávio Ilha
Editora Diadorim

Paim Comunicação lança Laboratório de Experiências do Consumidor. Centro de pesquisa é resultado de uma parceria com a Escola de Negócios da PUCRS

Paim Comunicação lança Laboratório de Experiências do Consumidor. Centro de pesquisa é resultado de uma parceria com a Escola de Negócios da PUCRS

Comportamento Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Tecnologia Trabalho

Entender o comportamento do consumidor sempre foi um dos maiores desafios das marcas – e de quem trabalha para aumentar a sua competitividade. É o caso da Paim, que há quase 30 anos desenvolve soluções de comunicação para os seus clientes e que lança, nesta segunda-feira, 4 de novembro, o seu mais novo centro de pesquisa: o Laboratório de Experiências do Consumidor (Labex), uma área de 100m2 no sexto andar do prédio 50 da PUCRS. Resultado de uma parceria do braço de inovação da Paim – o PaimLab – com a Escola de Negócios da universidade, o espaço simula uma loja tradicional que, por meio de um mobiliário adaptável, permite criar múltiplos formatos, desde o segmento de cosméticos até o ramo alimentício. A primeira parceria já está definida: será com uma das marcas de sapatos femininos da Grendene, a Zaxy – os consumidores serão convidados a participar de estudos que avaliarão a experiência no ambiente da loja integrada ao e-commerce da marca.

190LABEX-e1561575113409
O primeiro projeto é com a Zaxy, marca do grupo Grendene Foto: Camila Cunha

Em meio às prateleiras, o primeiro laboratório da Região Sul dedicado a estudar as experiências de consumo está equipado com programas de realidade virtual, rastreamento de visão, mapas de calor e reconhecimento facial – tudo com a intenção de mapear a jornada do cliente e detectar padrões de escolha. “O Labex se propõe a ser um espaço de pesquisa multidisciplinar. Além da abordagem da Comunicação e de Negócios, ele também envolve áreas como Psicologia, Marketing, Computação e Arquitetura”, explica Kim Gesswein, diretor de Inovação da Paim, professor da Escola de Comunicação, Artes e Design da PUCRS e um dos coordenadores do Labex ao lado de Vinícius Sittoni Brasil e Stefânia Ordovás de Almeida, docentes da Escola de Negócios.

A Paim Comunicação se movimenta a partir de um ecossistema de serviços empenhada em contribuir com a competitividade de marcas, ideias e empresas, colocando a tecnologia a serviço da emoção. Com 28 anos de atuação, a Paim acredita na competência, na verdade e na ética como requisitos para a criatividade eficaz e para a inovação que faz sentido. Além da atuação no Labex, a busca pelas soluções de ponta está presente no cotidiano da equipe, com o suporte de suas estruturas junto a plataformas de inovação: PaimLab Tecnosinos, no RS, e InovaBra, em São Paulo. A equipe interdisciplinar deste ecossistema hoje é formada por parceiros de pesquisa e serviços complementares que operam junto aos 172 profissionais da Paim, que atendem 33 clientes no Brasil e na América Latina.

Para as marcas, espaços como o Labex representam a oportunidade de realizar testes para entender mais sobre o comportamento do consumidor, ampliando a competitividade dos seus produtos, melhorando a experiência de compra e explorando novas possibilidades tecnológicas. “Em vez de investir em espaços específicos ou de fazer testes nas próprias lojas, elas poderão testar modelos e fórmulas no Labex”, explica Vinícius. “As marcas precisam estar próximas do consumidor para serem relevantes. É muito importante acompanhar o que acontece em toda a jornada do consumidor”, comenta César Paim, presidente da empresa.

 

Inauguração do Labex

Data: 4 de novembro (segunda-feira)

Horário: 16h (experimento prático apenas para a imprensa) e 17h (abertura oficial do Labex)

Local: Sexto andar do prédio 50 da PUCRS

Psiquiatra Nelio Tombini lança site e reforça trabalho nas redes sociais com insights comportamentais

Psiquiatra Nelio Tombini lança site e reforça trabalho nas redes sociais com insights comportamentais

Comportamento Cultura Destaque Saúde Tecnologia Trabalho

Nelio Tombini, psiquiatra, escritor, palestrante e consultor especializado em relações institucionais e corporativas, acaba de lançar seu site www.neliotombini.com.br.  Autor do livro A Arte de Ser Infeliz , o médico criou uma forma simples e verdadeira de se comunicar com as pessoas sobre problemas e questões que perpassam a vida de todos nós. São esses insights que ele leva para suas palestras por todo o Brasil e que têm como mote o tema Desarmando as Armadilhas Emocionais.

nelio_400x400Em 1989, criou o Serviço de Doenças Afetivas da Santa Casa de Porto Alegre, onde foi coordenador da Psiquiatria por 18 anos. Foi responsável por implementar terapias de grupo para dar conta das demandas dos pacientes do SUS. Atualmente, desenvolve um projeto de suporte psicológico aos médicos residentes na Santa Casa. Fundou e dirige a Clínica de Psicoterapia Breve – Psicobreve. Colaborador de vários veículos de comunicação, já escreveu artigos para o jornal Zero Hora, Jornal do Comércio, Pioneiro e NH. Tem inserções frequentes na Rádio e TV Gaúcha e na Band. Colunista do programa Happy Hour BandNews FM de Porto Alegre.

Empresas como Claro São Paulo, Fasa América Latina, Unimed, Panvel, Petrobras, Tintas Killing, RBS e laboratórios Weinmann já contrataram suas palestras, além de instituições e órgãos públicos como Santa Casa de Porto Alegre, Prefeitura de Porto Alegre, Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, AJURIS, Universidade de Caxias do Sul, IPE, Amrigs, Federasul e Hospital Mãe de Deus, entre outros.

O psiquiatra, escritor e palestrante desenvolve workshops sobre conflitos emocionais no trabalho e levou para o YouTube a série de vídeos “5 minutos com o psiquiatra Nelio Tombini”, nos quais aborda os aspectos emocionais vinculados ao cotidiano.

 

http://neliotombini.com.br

https://www.instagram.com/drneliotombini/

https://www.facebook.com/psicobreve/

https://www.youtube.com/user/Psicobreve

Porto Alegre: Especialistas propõem ações para combater clínicas geriátricas irregulares

Porto Alegre: Especialistas propõem ações para combater clínicas geriátricas irregulares

Comportamento Notícias Porto Alegre Saúde Trabalho
IMG_1357
Evento do SINDIHOSPA e da OAB/RS discutiu desafios no cuidado dos idosos. Fotos: Antonio Purcino

O reforço de políticas públicas na atenção à população idosa é chave para combater a proliferação de clínicas geriátricas irregulares. Esse é o consenso de especialistas reunidos no workshop “ILPIs – Desafios e tendências em moradia para idosos”, que ocorreu nesta segunda-feira (28), na OAB Cubo, em Porto Alegre. Desde o ano passado, operações da Polícia Civil e de secretarias municipais fecharam diversos locais clandestinos na capital gaúcha.

“A população de idosos no Rio Grande do Sul já é superior à de crianças e adolescentes. Esse é um fenômeno demográfico irreversível. Temos de aproveitar as oportunidades e discutir como sociedade e poder público estão preparados para esse tema”, ressaltou Cristiano Martins Lisboa, membro do Núcleo de Residenciais Geriátricos do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA) e presidente da Comissão Especial dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB/RS, entidades que organizaram o encontro.

Diretora de Atividades Culturais da Escola Superior da Advocacia da OAB/RS (ESA), Cristiane da Costa Nery destacou que “os residenciais sérios são verdadeiros centros de convivência”, que oferecem um tratamento adequado à terceira idade. Presidente do Conselho Municipal do Idoso, Lélio Luzardi Falcão ressaltou que Porto Alegre foi recentemente reconhecida como Cidade Amiga do Idoso. “Precisamos trabalhar para que ela seja a melhor cidade para essa população viver”, salientou. “É necessário fortalecer a rede de acolhimento. Somos poucos os que trabalhamos nessa área. Temos de nos unir e discutir cada vez mais”, apontou Cristine Ramos, titular da Delegacia do Idoso.

Atuação do MP

Com mais de 100 participantes no local e 300 assistindo pela internet, o workshop teve como destaque o painel sobre o trabalho do Ministério Público na fiscalização das clínicas irregulares. Maristela Schneider, promotora de Justiça do MP de Cachoeira do Sul, apresentou a experiência do Projeto Cuidar, realizado na cidade.

“Cachoeira virou um nicho de mercado para casas geriátricas. Havia situações extremas, com péssimas condições, idosos misturados com deficientes e outras pessoas”, afirmou. Desenvolvido desde 2015, o projeto formou uma força-tarefa que fechou diversas casas irregulares. Com o apoio do poder público, articulou uma rede de proteção, encaminhando as pessoas para locais adequados. “A família tem de se fazer presente nessas instituições, não apenas jogá-las naqueles locais”, orientou.

Edes Cunha, da Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos de Porto Alegre, falou da atuação na capital para combater os espaços insalubres. “A fiscalização, além de cumprir a lei, tem de garantir um atendimento de qualidade, dentro de um preço razoável. Não podemos inviabilizar as entidades que prestam um serviço relevante”, disse. O promotor pediu ainda que a população denuncie os locais irregulares pelo Disque 100, ou no próprio MP.

Fórum Nacional de ILPIs

Na sequência do evento, a diretora técnica da Senescentis, Michelle Clós, palestrou sobre as inovações em moradias para idosos, como condomínios, apartamentos e hotéis adaptados para essa população. Ela ainda abordou aspectos que devem ser levados em conta na decisão da mudança para um residencial geriátrico. “Esse é um processo difícil. Ninguém acorda e decide ir para um residencial. A escolha de um modo de modo de morar é também a escolha de um jeito de viver”, alertou.

Encerrando as atividades, o encontro marcou o lançamento do 1º Fórum Nacional de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), que acontecerá no dia 24 de abril de 2020, em Porto Alegre. “Será uma grande oportunidade de discutirmos, com especialistas e empresas de todo o país, as necessidades do segmento, como legislação, fiscalização e novos tipos de moradia”, salientou Henri Siegert Chazan, presidente do SINDIHOSPA.

Rogério Guaraldi, coordenador do Moderna Idade – Núcleo de Residenciais Geriátricos do Sindicato, apresentou o trabalho desenvolvido pelo grupo, que hoje reúne 17 empresas, com mais de 300 profissionais e 600 leitos na capital. “Não adianta termos uma instituição barata, mas sem condições de cumprir o que promete. Precisamos ter gestão e nos diferenciar pelo cuidado aos idosos”, ressaltou.

Porto Alegre: Barra em Movimento traz Consuelo Blocker para falar sobre comportamento e elegância

Porto Alegre: Barra em Movimento traz Consuelo Blocker para falar sobre comportamento e elegância

Agenda Cidade Comportamento Comunicação Cultura Destaque

O BarraShoppingSul traz a Porto Alegre esta semana a influencer Consuelo Blocker para um bate-papo sobre comportamento e elegância em qualquer idade. A quarta edição do Barra em Movimento acontece no dia 23 de outubro, às 19h30, na Praça Rosa dos Ventos, com entrada gratuita. Quem nunca se sentiu pressionado pelos padrões da sociedade? É a partir desse ponto que as jornalistas de moda, Patrícia Parenza e Patrícia Pontalti, fundadoras da consultoria de moda OiPati, vão conduzir o bate-papo. Consuelo ficou conhecida ao posar de lingerie aos 50 anos de idade. Hoje, inspira mulheres ao falar sobre o envelhecimento. A conversa também abordará temas como padrões de beleza e estilo.

vt-as-patricias
Patrícia Parenza e Patrícia Pontalti comandam a empresa As Patrícias. Foto: Reprodução/RBS TV

O evento será o fechamento do ano desse projeto de conteúdo e interatividade, que já trouxe para Porto Alegre a empresária Manuela Bordasch, para falar Moda como Manifesto e Empreendedorismo Feminino; o escritor Fabrício Carpinejar e a youtuber Kika Gama Lobo, que debateram sobre relacionamentos; e o ultramaratonista Márcio Villar que bateu um papo sobre superação. “A proposta do Barra em Movimento foi abordar diversos temas de interesse do nosso público e proporcionar uma experiência exclusiva para os clientes”, destaca a gerente de marketing do BarraShoppingSul, Tânia Nascimento.
 

Serviço:

O quê: Barra em Movimento – 4ª edição

Quando: 23 de outubro, às 19h30

Onde: Praça Rosa dos Ventos no BarraShoppingSul (Av. Diário de Notícias, 300).

Entrada: Gratuita

Opinião: Cinco formas de matar o jornalismo; por Luiz Artur Ferraretto*

Opinião: Cinco formas de matar o jornalismo; por Luiz Artur Ferraretto*

Cidade Comportamento Comunicação Notícias

(1) Pelo menor custo possível, contrate pessoas jovens e inexperientes. Demita profissionais de referência. Não dê, portanto, a menor possibilidade para os focas de que o seu adestramento tenha alguma validade no futuro. Aliás, faça a garotada trabalhar tanto que ninguém tenha tempo de refletir sobre nada.
(2) Aposte em bobagens que bombam nas redes sociais e esqueça dos grandes temas. Fuja de assuntos polêmicos. Ouça apenas um lado, aquele que interessa para quem se interessa pelo que menos interessa.


(3) Se você possui vários veículos e um deles é impresso, misture o povo do jornal ou da revista com o do rádio e da televisão. Não dê treinamento para ninguém e aposte no aprender fazendo. É certo que você não vai recuperar o seu jornal ou a sua revista e a rádio ou a TV vão afundar. Comemore isso oferecendo o portal a custo cada vez mais baixo. E divulgue o crescimento constante no número de assinantes mesmo que esse seja muito inferior ao dos tempos áureos dos impressos.


(4) Contrate consultorias com gente cheia de ideias, Sabe aquele pessoal que cita a Apple e o Google em tudo? É deles que você precisa. Melhor ainda se a experiência de vida desses robozinhos for zero. Vão falar uma série de coisas que ninguém entende e usar quase somente palavras em inglês. Não vai adiantar nada, porque a sua empresa não está no Vale do Silício. Mesmo assim, você vai se sentir poderoso. Quando estiver vendendo cachorro-quente na praia, terá excelentes lembranças desse momento em que começou a se reposicionar no mercado.


(5) Faça podcast. Podcast com tanto conteúdo quanto o que tem sido oferecido ao seu público (ou seja nada). Não vai adiantar nada, mas você vai se sentir supermoderno. Faça isso com quaisquer novidades. O legal é tentar, gastando dinheiro com o que deveria ser consequência e esquecendo das bases reais de tudo.

Pois é. Existem dezenas de outras formas de matar negócios envolvendo jornalismo. Várias delas estão em alguma empresa de comunicação perto de você. Afinal, para acabar com o jornalismo, não precisa mesmo prática, nem habilidade, duas ausências que se completam.

 

Luiz Artur Ferraretto*Luiz Artur Ferraretto, Jornalista, Doutor em Comunicação e Professor da UFRGS

Livros: Léo Gerchmann lança “Jayme Copstein ao quadrado”. Uma obra que mostra a essência de um dos mais importantes comunicadores gaúchos.

Livros: Léo Gerchmann lança “Jayme Copstein ao quadrado”. Uma obra que mostra a essência de um dos mais importantes comunicadores gaúchos.

Agenda Comportamento Comunicação Cultura Entrevistas Notícias Tecnologia Trabalho

Um dia antes de morrer, o meu guru, ídolo, amigo, grande jornalista e escritor Jayme Copstein entregou ao editor Marco Cena, originais de um novo livro.  O editor da Besouro Box, prometeu a Jayme que trabalharia todo aquele rico material e pensaria como transformar em um ou mais livros. Conversei com Cena sobre esta obra, em entrevista na Rádio Guaíba. Em outro momento, na TVU falamos sobre a riqueza intelectual da vida de Jayme e ali ele revelou a ideia de uma biografia, reafirmou o compromisso de uma homenagem póstuma ao grande comunicador e a promessa foi cumprida. Foi com emoção que recebi no início desta semana um exemplar  de “Jayme Copstein ao quadrado”, escrito pelo também meu amigo Léo Gerchmann. Jornalista experiente, formado pela UFRGS, autor de livros sobre a história do Grêmio. Se antes de ler, eu acreditava que Léo era a pessoa certa para escrever sobre Jayme, após a leitura tenho a convicção de que ninguém faria melhor.

jayme2Na introdução feita pelo autor da biografia, a explicação para o nome do livro: “Uma curiosidade pra lá de casual (ou não): Jayme Copstein usava o nome original, sem qualquer apelo artístico, e, apesar de adotar apenas um dos sobrenomes, contemplava também o da mãe – ou seja, tinha dois sobrenomes num só. Como o pai e a mãe eram primos de segundo grau, ele poderia ser Kopstein Copstein (o “K” da mãe de Jayme ainda tinha a grafia usada pela família na Europa). Era, então, nome real e artístico.
– Sou Copstein ao quadrado – costumava brincar.
Pode parecer algo banal, mas essa situação alcança forte simbolismo: Jayme sempre foi uma pessoa intensa. Radialista? Ok, mas muito mais que isso. Ele tinha o orgulho de ser jornalista. Mais que isso: homem de comunicação. Ainda mais: homem das artes.”

Em um texto que escrevi logo após a morte de Jayme relatei minhas visitas ao ídolo já internado na Santa Casa de Misericórdia. Apesar do quadro de saúde, seguia criativo e cheio de ideias. Rodeado de livros, anotações e reclamando da baixa velocidade de conexão da internet no apartamento 313, que ocupava no Pavilhão Pereira Filho, se negava a parar de trabalhar. Em uma caderneta tinha notas para vários artigos e algumas frases para um perfil que pretendia escrever sobre o médico José Jesus de Camargo que o tratava. “Conheci” Jayme aos 19 anos, quando comecei a ouvi-lo no Gaúcha na Madrugada. Me apaixonei pelo tom coloquial, pelo comentário bem elaborado que fazia o ouvinte refletir mesmo que estivesse sonolento e pelo respeito ao que hoje é comum, mas naquela época não era… a interatividade. Quando cheguei na Gaúcha em 1989, muitas vezes varei madrugadas quieto dentro do estúdio acompanhando a realização do programa e algumas vezes tive a honra de substituir Jayme Copstein. Graças ao conselhos do Antônio Carlos Niederauer não mexi na estrutura e mantive o programa como meu amigo o fazia. E por isso recebi elogios inesquecíveis do Jayme, Niederauer, Ranzólin e outros. Era simples, mas não era facil subsituir o gênio criativo, excelente redator, produtor de mão cheia, leitor voraz e jornalista perfeccionista. Na simplicidade está a genialidade. O programa era feito, o horário era mantido, mas sem a genialidade do mestre.  Jayme trabalhou nos principais jornais e emissoras de rádio do Rio Grande do Sul. Conquistou vários prêmios de jornalismo, entre eles a Medalha de Prata no Festival Internacional de Rádio de Nova York e vai se juntar ao Streck, Flávio(de quem era grande amigo e tinham entre eles uma admiração reciproca), Julio Rosemberg e tantos outros. Jayme, faz falta, muita falta no rádio e nas mesas de bar onde bebemos “alguns muitos chopes”.

Por isso, ler o livro  foi um alento, concordo com a minha querida Cíntia Moscovich, “Não se trata de mera sucessão de datas ou de eventos: aqui dentro, Jayme Copstein se movimenta, fala, gesticula, ri, numa narração vívida e afetuosa.”  O jornalista e biógrafo, Léo Gerchmann ancora a obra na trajetória profissional de Jayme. Ali você entenderá como um homem das letras enveredou para o rádio e o revolucionou. Jayme ficou conhecido pelo grande público como o jornalista de voz serena que criou um icônico programa de talk show na madrugada da rádio gaúcha e brasileira. Mas antes disso ele foi um literato, um homem de crônicas altamente líricas, contos divertidos, edições de Mario Quintana no Caderno H. Na Rádio Gaúcha, o comunicador, nascido em Rio Grande, exerceu todo seu conhecimento erudito para fazer melhor a vida dos notívagos. Em uma situação que surgiu quase que por acaso, ele abriu o microfone para as angústias dos ouvintes. Desbravou o vasto campo da comunicação interativa. O livro conta sobre o homem Jayme e seus trabalhos também como roteirista de radionovela e radioteatro. Mostra até mesmo o humanismo e a ousadia que levaram a Rádio Gaúcha a um prêmio internacional. Enfim, este livro trata de ir à essência de Jayme Copstein.  Ao escrever, Léo tinha a pretensão de mostrar ao leitor quem foi Jayme por inteiro. Conseguiu!
Anos-1980-Foto-10-Brasil-na-Madrugada-733x1024Lançamento(s) agendados:

Sinagoga Centro Israelita – 17/10/2019 (quinta) às 19h30– (Rua Henrique Dias, 73 – Bom Fim). Bate-papo com Lucy Copstein, Cintia Moscovich e Léo Gerchmann (dirigido a comunidade judaica)

Sarau Elétrico – Sarau do Rádio com Mauro Borba e Léo Gerchamnn – 05/11/2019 (terça) às 21h no Ocidente.

65ª Feira do Livro de Porto Alegre – 10/11/2019 (domingo), às 15h encontro com Léo Gerchmann, Felipe Vieira, Cláudio Brito, Luiz Ferraretto e Carlos Nélson seguido de sessão de autógrafos (aberto ao público em geral)

 

 

 

 

Porto Alegre recebe em novembro ufólogos que denunciam que o Governo Americano esconde a verdade sobre os discos voadores

Porto Alegre recebe em novembro ufólogos que denunciam que o Governo Americano esconde a verdade sobre os discos voadores

Agenda Comportamento Comunicação Cultura Destaque Segurança Tecnologia

Os Estados Unidos sempre negaram veementemente que os discos voadores existam e que venham de algum outro planeta do universo. Esta política de refutação, que os ufólogos chamam de “acobertamento ufológico”, vem ocorrendo sistematicamente desde 1947, quando houve a queda de uma nave extraterrestre em Roswell, no Novo México. Foi apenas o Governo Americano descobrir que havia no veículo acidentado uma elevadíssima tecnologia — que poderia usar em seu proveito para fins bélicos —, que começou a negação da existência de discos voadores e sua origem exógena à Terra.

Esta política também foi implementada na época por outros governos, como a Rússia, China e Inglaterra, pelos mesmos interesses, mas não teve eco no América do Sul, apesar de vários países do continente sofrerem forte pressão americana para que também refutassem a existência dos discos voadores. No Brasil, ao contrário, em vez de negar sua existência, os militares da Aeronáutica os investigavam por meio de programas, como o Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados (Sioani), implantado em São Paulo em 1969 e que durou até 1972, ou seja, em pleno regime militar.

Formas de vida inteligente no universo

A tradição do Brasil de aceitar a existência de outras formas de vida inteligente no universo, que vêm até aqui em naves que chamamos de discos voadores, fez com que o país estivesse sempre na dianteira das discussões mundiais sobre Ufologia. E isso se confirmará mais uma vez em novembro, quando a Revista UFO realizará em Recife, Porto Alegre, São Paulo e Curitiba o maior evento na área que já se fez no país. Será o UFO Summit Brazil 2019, que trará ao Brasil celebridades do cenário ufológico internacional que denunciam abertamente que o governo americano ainda esconde a verdade sobre os discos voadores.

Um deles é Nick Pope, que foi diretor do organismo confidencial do governo inglês que pesquisava discos voadores, o chamado “UFO Desk”, que funcionou no Ministério de Defesa daquele país. O órgão investigava secretamente ocorrências ufológicas com interesse científico e militar — muitas vezes em conjunto com os Estados Unidos — para descobrir se seriam possíveis ameaças à segurança nacional britânica. Pope trabalhou para o Governo Inglês por nada menos do que 21 anos nesta função. “Minha tarefa era analisar casos de avistamentos de discos voadores e contatos com seus tripulantes para determinar se poderiam ser perigosos à Inglaterra. E foram milhares”, afirma.

unnamed(3)
Stephen Bassett (À esquerda)e Nick Pope: ativistas pela liberaçãode informações sobre discos voadores. Foto: Revista UFO

O outro conferencista que também participa do UFO Summit Brazil 2019 é o americano Stephen Bassett, físico e maior ativista ufológico dos Estados Unidos. Ele é diretor do Paradigm Research Group (PRG), que tem como objetivo lutar contra a política de acobertamento ufológico. Segundo Bassett, existem evidências contundentes da presença e ação de outras formas de vida inteligente na Terra. “Se esses fatos forem expostos como devem, muitos governos terão de criar um plano emergencial para lidarem com um novo futuro da humanidade, a começar pelos Estados Unidos”, diz Bassett.

Orçamento milionário para pesquisa dos discos voadores

Nick Pope e Stephen Bassett virão ao Brasil para apresentar, entre outros fatos, a revelação que o Pentágono mantinha até 2017 um órgão secreto de pesquisa ufológica com verba milionária. Era o Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP), que só em 2016 teve um orçamento de 22 milhões de dólares para investigação de ocorrências ufológicas, tudo evidentemente em segredo — a suspeita de Pope e Bassett é de que, após a revelação de sua existência, o órgão tenha mudado de nome e formato, mas continue investigando avistamentos de discos voadores, especialmente de militares americanos.

Quando houve a revelação da existência do AATIP no Pentágono, que se deu por meio do jornal “New York Times”, causando enorme polêmica em todo o mundo, seu próprio ex-diretor veio a público confirmar os fatos. Luis Elizondo, analista sênior de Inteligência que atuou em guerras no Irã e Iraque, com ampla experiência no meio militar americano, declarou com todas as letras: “O Governo Americano sabe muito bem da existência de outras formas de vida extraterrestre visitando a Terra. Negar isso se tornou insustentável. É hora de o mundo saber a verdade”. Quando fez a revelação, Elizondo apresentou três vídeos de UFOs feitos pela Marinha americana e se demitiu do Pentágono.

unnamed(5)
Luis Elizondo (à esquerda) e Tom Delonge: Juntos criaram a To the Stars Academy e runiram notáveis para pesquisar os discos voadores. Foto: TTSA

Elizondo se juntou ao roqueiro da banda Blink 182 Tom DeLonge, um aficionado por UFOs desde criança, tendo tido várias experiências ufológicas, e juntos fundaram uma entidade para pesquisar ocorrências de discos voadores e contatos com tripulantes. É a To the Stars Academy (TTSA), que hoje conta com Nick Pope e Stephen Bassett em seus quadros, além de várias celebridades do mundo político e científico dos Estados Unidos, que também divergem do governo quanto à refutação dos discos voadores — um deles é Jim Semivan, que foi chefe de operações da Agência Central de Inteligência (CIA) por 25 anos, e outro é o doutor Hal Puthoff, um dos mais reconhecidos cientistas americanos.

Confrontar o governo e demandar abertura de informações

“A To the Stars Academy é a mais importante iniciativa que já se fez nos Estados Unidos e no mundo para confrontar o governo e demandar que se faça uma ampla e completa abertura de documentos secretos sobre a manifestação na Terra de outras formas de vida inteligente provenientes de outros planetas”, declara Bassett, que pretende mostrar no UFO Summit Brazil 2019 tudo o que já se descobriu a respeito. Ele é acompanhado nesta declaração por dezenas de ufólogos dos Estados Unidos e de outros países.

Nick Pope também sustenta que a revelação da verdade é de máxima importância para a população não apenas americana, mas mundial. “O que pode ser mais importante para todos do que saber que existem inúmeras outras formas de vida extraterrestre inteligente espalhadas por incontáveis planetas do universo — e que muitas delas chegam até aqui em veículos que chamamos de discos voadores?”. E completa: “Nenhum governo tem o direito de esconder essa informação sob qualquer pretexto”.

 

A realidade da abertura ufológica brasileira

A dupla estará ladeada no evento pelo ufólogo brasileiro A. J. Gevaerd, referência nacional e internacional em Ufologia. Gevaerd é criador e editor da Revista UFO, a mais antiga publicação sobre Ufologia do mundo, com 36 anos de existência. Foi ele quem, em 2004, elaborou a campanha “UFOs: Liberdade de Informação Já”, para pedir ao Governo Brasileiro que abrisse seus arquivos secretos sobre discos voadores. Gevaerd então formou a Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU) com mais importantes pesquisadores do país e, por meio da UFO, recolheu 70 mil assinaturas de simpatizantes da causa.

Deu certo. A partir de 2007, após uma reunião que os membros da CBU tiveram do militares da Aeronáutica no Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) e Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra) — a convite deles —, o Governo passou a liberar seus documentos antes secretos sobre suas pesquisas de discos voadores no país. Em 2013 o grupo foi recebido novamente por militares, desta vez no Ministério da Defesa, em Brasília, para demandar que mais arquivos fossem abertos — hoje são cerca de 20 mil páginas de documentos já entregues à sociedade, alojadas para escrutínio público no Arquivo Nacional.

unnamed(6)
A. J. Gevaerd (À direita) entrevista o coronel Uyrangê Hollanda, que comandou a Operação Prato secretamente na ilha de Colares, no Pará

Gevaerd, Nick Pope e Stephen Bassett pretendem no UFO Summit Brazil 2019 voltar a pedir ao Governo Brasileiro que continue seu processo de abertura ufológica, agora revelando novos e importantes ocorrências ufológicas. Ao mesmo tempo, desde seu tour pelas quatro cidades brasileiras, Gevaerd, Pope e Bassett reforçarão a participação brasileira no movimento global que pede a revelação imediata e completa da verdade sobre a existência de discos voadores e sua ação na Terra. “O Brasil é parte fundamental em um processo que vise a abertura oficial e definitiva sobre realidade ufológica”, diz o editor. O próximo passo é alinhar estão ação com movimentos semelhantes hoje ocorrendo na Argentina, Chile, Inglaterra, Itália, Rússia e China, entre outras nações, e levar o pleito à Organização das Nações Unidas (ONU) em 2020.

Serviço:

O UFO Summit Brazil 2019 em sua fase Porto Alegre ocorrerá no dia 19 de novembro, às 20h00, no Auditório Diplomata do Hotel Embaixador, na Rua Jerônimo Coelho 354, Centro Histórico. Os ingressos custam R$ 120,00 e pode ser pagos em até 12 vezes no site oficial do evento: www.ufosummit.com.br. As inscrições são limitadas a 600 pessoas e mais da metade das vagas já foi vendida.

Escritor Mauro Castro divide histórias coletadas dentro de um táxi em bate-papo com Tânia Carvalho e Ivan Mattos no Instituto Ling

Escritor Mauro Castro divide histórias coletadas dentro de um táxi em bate-papo com Tânia Carvalho e Ivan Mattos no Instituto Ling

Cidade Comportamento Cultura Notícias

Personalidade conhecida pelos passageiros de Porto Alegre, o escritor e taxista Mauro Castro é o convidado da oitava edição do Café no Ling. Em um bate-papo descontraído com os jornalistas Tânia Carvalho e Ivan Mattos, Mauro dividirá relatos verídicos coletados em 30 anos de profissão circulando pelas ruas da capital, e também histórias ficcionais que foram adicionadas ao livro Taxitramas: diário de um taxista. O encontro com entrada franca ocorre nesta sexta-feira, dia 11 de outubro, às 19h30, no Instituto Ling.

Mauro Castro começou como motorista de táxi na década de oitenta. Antes disso, trabalhava com desenho publicitário. Em 2003, a convite do jornal Diário Gaúcho, passou a assinar uma coluna semanal, onde contava as histórias da profissão de taxista. Paralelo à coluna, fundou o Taxitramas, blog onde registra as histórias do cotidiano de um táxi. Além de Taxitramas: diário de um taxista, que foi sua obra de estreia em 2006, lançou mais três livros independentes. Atualmente, no Instagram, mantém um projeto no qual fotografa a cidade de Porto Alegre pelo retrovisor de seu táxi.

Tânia Carvalho é jornalista, radialista e apresentadora de televisão brasileira há mais de 40 anos. Foi a primeira apresentadora do programa Jornal do Almoço, na TV Gaúcha (atual RBS TV), lançado em março de 1972 e no ar até hoje. Também foi apresentadora e âncora de diversos programas de televisão e rádio da RBS TV, incluindo os programas Gurias de Quinta e Café TVCOM, na emissora TVCOM. Participa do programa Gaúcha Comportamento, comentando sobre literatura, todos os sábados, na Rádio Gaúcha.

Ivan Mattos é jornalista colunista, editor, ator, apresentador e locutor, responsável pela edição da coluna Clubes do Jornal do Comércio, trabalho que executa há 16 anos. É responsável também pelo seu próprio site de variedades, onde publica textos, vídeos e colaborações de correspondentes do Brasil e do Exterior.

O Café no Ling promove uma série de encontros mensais gratuitos, sempre comandados pelos jornalistas Tânia Carvalho e Ivan Mattos, com escritores, músicos, cineastas, psicanalistas e outros convidados. O projeto iniciou em março deste ano e já recebeu o cineasta Zeca Brito, a cantora Anaadi, a psicanalista Ana Paula Terra Machado e os escritores Lya Luft, Letícia Wierzchowski e Tobias Carvalho. A atividade tem patrocínio da Crown Embalagens e financiamento do Ministério da Cidadania/ Governo Federal.

SERVIÇO
Café no Ling – Transportando Histórias
Com Tânia Carvalho, Ivan Mattos e Mauro Castro
Dia 11 de outubro, sexta-feira, às 19h30
Instituto Ling (Rua João Caetano, 440 – Três Figueiras – Porto Alegre/RS)
Entrada franca (sujeita à lotação do espaço – 80 lugares)

Classificação etária: Livre
Duração: 90 minutos

Caxias do Sul: V Jornada “O Estranho Que Nos Habita” promove lançamento da nova coleção das obras de Freud

Caxias do Sul: V Jornada “O Estranho Que Nos Habita” promove lançamento da nova coleção das obras de Freud

Comportamento Notícias Saúde Trabalho

41CiEdM27fL._SX330_BO1,204,203,200_Nada mais atual para ajudar a compreender um século que inicia sob o signo da solidão e da fragmentação subjetiva, que se manifestam através de uma série de novos sintomas, desde as depressões às adições de todas as espécies e, ainda, a comportamentos perigosos e irrupções de violência contra si e o outro, pouco usuais até então. Desafio não só para os agentes de saúde, mas para toda a sociedade.

A nova tradução das obras de Sigmund Freud será lançada em Caxias do Sul, dia 04 de outubro próximo, com a presença do psicanalista, germanista e tradutor Pedro Heliodoro Tavares. Promoção do Centro de Estudos Psicanalíticos de Porto Alegre, com sede em Porto Alegre e Caxias do Sul, lançamento integra as atividades da V Jornada de Estudos na serra gaúcha.

A obra publicada pela Autêntica Editora, é bilingue e além do grande aparato de notas conceituais, que procura resolver problemas nas traduções anteriores, dedicou cuidado especial à estilística do texto.

O destaque será dado ao último volume, recentemente publicado, intitulado “O infamiliar” com posfácios dos psicanalistas Christian Dunker e Gilson Ianini. Homenagem aos 100 anos de publicação do original “Das Unheimliche”, aborda a temática da angústia e do sentimento do horror diante de conteúdos estranhamente familiares.

WhatsApp Image 2019-10-02 at 11.55.42V Jornada “O Estranho Que Nos Habita”
Hotel Intercity – Caxias do Sul
04 e 05 de outubro 2019
Centro de Estudos Psicanalíticos – Fone: 54 984166397

Agenda Cultura Notícias