Casa de Carlos Araújo à beira do Guaíba é colocada à venda. Residência onde morou Dilma Rousseff abrigou vários encontros da política gaúcha e nacional nos últimos anos

Casa de Carlos Araújo à beira do Guaíba é colocada à venda. Residência onde morou Dilma Rousseff abrigou vários encontros da política gaúcha e nacional nos últimos anos

Agenda Cidade Destaque dilma Negócios Política Porto Alegre Prédio

Seis meses após a morte de Carlos Araújo, os herdeiros do advogado e ex-deputado colocaram a casa onde ele viveu boa parte da vida à venda. No local, à beira do rio Guaíba, Araújo recebia políticos de todas tendências políticas para longas conversas e jantares que seguidamente atravessavam a madrugada. A residência pode ser considerada um “monumento político”  da recente história do Estado e do País. No texto, “Um homem que tinha histórias para contar”, a jornalista Rosane de Oliveira, lembra que: “A casa em que Carlos Araújo viveu nas últimas décadas, à beira do Guaíba, no bairro Tristeza, diz muito sobre o animal político que ele era. Da varanda envidraçada vê-se a ilha em que esteve preso na época da ditadura. Em vez de apagar da memória as más lembranças, Araújo fazia questão de contar histórias e fazer articulações políticas olhando para a Ilha das Pedras Brancas, cenário de um dos capítulos mais dramáticos da vida de militante de esquerda capturado pelas forças da repressão.”

No livro, “O lado B dos Candidatos”, os jornalistas Chico de Gois e Simone Iglesias relatam que: – A casa em que Dilma e Araujo moravam na Zona Sul de Porto Alegre, às margens do Rio Guaíba, sempre foi ponto de encontros políticos. Abrigou inúmeras reuniões partidárias, almoços e jantares para tratar de campanhas eleitorais. Era 1986, Araujo concorria à reeleição para deputado estadual. Num sábado, convidou companheiros de partido e amigos para um jantar. ‘Ele organizou um churrasco para o pessoal que trabalhou na campanha. Dilma foi dormir, não gostava muito de farra. Lá pelas onze da noite, sai ela de dentro da casa, vestindo um chambre e chinelos. Passou reto por todos nós, sem dar uma palavra. foi até a churrasqueira, recolheu uns cinco, seis espetos com carne. Jogou tudo no rio. Virou para todos nós e disse: ‘Acabou o churrasco. Quero dormir'”, conta um dos convidados.

A casa está à venda na imobiliária Vera Bernardes, pelo valor de R$ 2,5 mi.

Dilma fala que Lava Jato foi distorcida e critica politização do Judiciário

Dilma fala que Lava Jato foi distorcida e critica politização do Judiciário

Agenda Comunicação Destaque dilma Direito Poder Política Porto Alegre Vídeo

 

A ex-presidente Dilma Rousseff disse acreditar que a Operação Lava Jato tenha sido distorcida. Antes, uma ação de combate à corrupção e ao desvio de dinheiro público e agora uma “perseguição política”. Dilma, que concedeu entrevista ao jornalista e colunista do Correio do Povo, Juremir Machado da Silva, afirmou que a politização do Judiciário é perigosa. “Dependendo da situação, eu posso entrar no radar da perseguição política.”

Para ela, é isso o que vem acontecendo com o ex-presidente Lula, que na próxima quarta vai ter um recurso julgado no TRF4. Lula foi condenado em 1ª instância pelo juiz Sérgio Moro no caso do triplex do Guarujá.

“O fato é que desde o começo de 2017, quando o Lula sai do julgamento da mídia e passa para o da Justiça, saber do que é acusado, o fato da gente recorrer a instâncias internacionais e mostrar que o triplex estava sob júdice, tudo isso demonstra essa distorção da Lava Jato”, afirmou.

Dilma espera que os desembargadores responsáveis por julgar o petista interrompam o que chamou de desequilíbrio gravíssimo, que é o uso político da Justiça. “A força da vontade te conduz para a esperança e a força da razão te conduz para o pessimismo. Sou capaz de perceber que talvez seja improvável isso, talvez eles possam se iluminar”. (Correio do Povo)

 

Líder no ano anterior venceu 4 das últimas 6 eleições presidenciais; por Marco Rodrigo Almeida/Folha de São Paulo

Líder no ano anterior venceu 4 das últimas 6 eleições presidenciais; por Marco Rodrigo Almeida/Folha de São Paulo

Aécio Destaque dilma Poder Política

É possível prever, um ano antes da eleição, o resultado das urnas? Tome-se um caso concreto e atual: Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PSC) lideram até o momento a corrida presidencial deste ano.

Em pesquisa Datafolha divulgada no início de dezembro de 2017, o ex-presidente aparece em primeiro lugar, com 34% a 37% das intenções de voto, a depender da simulação; o deputado federal vem em segundo, com 17% a 22%.

Mas qual é a probabilidade de os dois candidatos serem os mais votados em outubro de 2018?

Levando em conta as derradeiras pesquisas divulgadas pelo Datafolha nos anos anteriores às seis últimas eleições para a Presidência da República, de 1994 a 2014, o nome mais bem colocado quase um ano antes do pleito confirmou favoritismo nas urnas em quatro pleitos.

Nos outros dois, o candidato favorito no início da campanha não foi eleito.

A eleição de 1994 é um exemplo de como muitas variáveis podem alterar o rumo de uma disputa. A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Corpo do ex-deputado Carlos Araújo será velado na Assembleia Legislativa a partir das 15h. A cerimônia de cremação acontece ainda hoje

Corpo do ex-deputado Carlos Araújo será velado na Assembleia Legislativa a partir das 15h. A cerimônia de cremação acontece ainda hoje

Destaque dilma

O ex-deputado estadual Carlos Araújo faleceu na madrugada deste sábado, 12 de agosto, na Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva por complicações decorrentes de doença pulmonar obstrutiva crônica, complicada por quadro cardíaco. Advogado e defensor dos direitos humanos, tinha 79 anos. O corpo será velado na Assembleia Legislativa de Porto Alegre a partir das 15h até as 21h deste sábado. Em seguida, a família de Carlos Araujo fará uma cerimônia privada para a cremação do seu corpo.

Porto Alegre: Serviços integrados contemplarão 34 praças na próxima semana

Porto Alegre: Serviços integrados contemplarão 34 praças na próxima semana

Agenda Cidade Destaque dilma Marchezan Porto Alegre prefeitura


Dar transparência às ações da prefeitura para que a população e a imprensa auxiliem na fiscalização dos serviços é o grande objetivo da programação de praças. Por isso, a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) divulga semanalmente a previsão de atendimentos em diversos locais da cidade, contemplando serviços integrados de limpeza, manutenção de iluminação pública, de mobiliário e podas de árvores.
“Divulgar a programação, garantindo que a população tenha acesso ao cronograma de atividades, é uma das metas desta gestão”, afirma o secretário Ramiro Rosário.

De 7 a 12 de agosto, estão programadas 34 praças localizadas em bairros como Vila Ipiranga, Sarandi, Parque Santa Fé, Floresta, Moinhos de Vento, Morro Santana, Jardim do Salso, Guarujá e 1ª Unidade da Restinga. A SMSUrb aponta, no entanto, que a programação pode sofrer alterações devido às condições climáticas. Os serviços compreendem limpeza geral, capina e roçada, pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), e manutenção de lâmpadas e posteamento de luz, pela Divisão de Iluminação Pública (DIP). Alguns pontos também têm conserto e pintura de bancos e brinquedos, por meio da Divisão de Conservação e Manutenção de Praças (DCM), além de podas, supressões e levantamento de copas de árvores pelo Setor de Arborização.
Na próxima semana deverão receber atendimento da DCM e Arborização as seguintes praças: Bartolomeu de Gusmão, no bairro Floresta, Doutor Maurício Cardoso, no Moinhos de Vento, e Jaci, no Guarujá.
Serviço – Porto Alegre possui mais de 600 praças e a previsão é de que sejam atendidos 200 locais por mês. Neste caso, os serviços devem ocorrer a cada três meses, de segunda-feira a sábado até o meio-dia. A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb), por meio do DMLU, é a pasta responsável pela manutenção das praças desde outubro de 2016, e a limpeza é feita por contrato de equipes que realizam a manutenção rotativa dos locais. Os oito parques do município têm equipes próprias de serviços, mantidas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams).

 

image001

Defesa do presidente teme novas gravações. Advogado de Temer afirma que Janot teria áudios ainda não revelados

Defesa do presidente teme novas gravações. Advogado de Temer afirma que Janot teria áudios ainda não revelados

Destaque dilma Poder Política

O advogado do presidente Temer, Gustavo Guedes, afirmou ontem que teme um “armazenamento tático” de gravações da delação da JBS pelo Ministério Público Federal, que seriam reveladas durante o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral. A Corte começa a decidir amanhã se o peemedebista deve perder o mandato por abuso de poder econômico na eleição de 2014, que disputou como vice de Dilma Rousseff. Com isso, o Planalto tenta neutralizar qualquer iniciativa que influencie os votos dos ministros. A reportagem completa está em O Globo.

TSE marca para 6 de junho retomada do julgamento da ação da chapa Dilma-Temer

TSE marca para 6 de junho retomada do julgamento da ação da chapa Dilma-Temer

Destaque dilma Direito

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, marcou para 6 de junho a retomada do julgamento da ação em que o PSDB pede a cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014. No despacho, foram definidas quatro sessões para a análise do processo, que serão realizadas nos dias seguintes.

A ação foi liberada ontem para julgamento pelo relator, ministro Herman Benjamin. A liberação para julgamento ocorreu após a chegada da manifestação do Ministério Público Eleitoral (MPE) e das alegações finais das defesas do presidente Michel Temer e da ex-presidenta Dilma Rousseff.

O novo parecer, feito pelo vice-procurador eleitoral, Nicolau Dino, repete o posicionamento enviado ao TSE em março, antes da interrupção do julgamento, quando o tribunal decidiu conceder mais prazo para as defesas se manifestarem. De acordo com o procurador, além da cassação da chapa, o tribunal também deve considerar a ex-presidenta inelegível por oito anos.

Processo

Após o resultado das eleições de 2014, o PSDB entrou com a ação, e o TSE começou a julgar suspeitas de irregularidade nos repasses a gráficas que prestaram serviços para a campanha eleitoral de Dilma e Temer. Recentemente, Herman Benjamin decidiu incluir no processo o depoimento dos delatores ligados à empreiteira Odebrecht investigados na Operação Lava Jato. Os delatores relataram que fizeram repasses ilegais para a campanha presidencial.

Em dezembro de 2014, as contas da campanha da então presidente Dilma Rousseff e do vice, Michel Temer, foram aprovadas com ressalvas e por unanimidade no TSE. No entanto, o processo foi reaberto porque o PSDB questionou a aprovação, por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma, acusada de ter recebido recursos do esquema de corrupção investigado na Lava Jato. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil da presidenta e do vice-presidente é julgada em conjunto. (Agência Brasil)

MP Eleitoral volta a pedir cassação da chapa Dilma-Temer ao TSE

MP Eleitoral volta a pedir cassação da chapa Dilma-Temer ao TSE

Destaque dilma Direito Poder Política

O Ministério Público Eleitoral (MPE) enviou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) novo parecer a favor da cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais de 2014. A nova manifestação foi entregue na sexta-feira e se refere ao processo em que o PSDB pediu a cassação do resultado das eleições.

O parecer repete o posicionamento feito pelo vice-procurador eleitoral, Nicolau Dino, enviado ao TSE em março, antes da interrupção do julgamento. De acordo com o procurador, além da cassação da chapa, o tribunal também deve considerar a ex-presidente Dilma Rousseff inelegível por oito anos.

índice
vice-procurador eleitoral, Nicolau Dino

A novidade na manifestação é a inclusão dos depoimentos de delação premiada dos publicitários João Santana e Mônica Moura, responsáveis pelas campanhas eleitorais do PT. Nos depoimentos, o casal citou suposto recebimento de propina na campanha por Dilma.

Na sexta-feira, o relator da ação no TSE, Herman Benjamin, encaminhou aos demais ministros da Corte o complemento do relatório final do processo. A próxima etapa é a retomada do julgamento, que foi suspenso no mês passado para novo prazo de alegações para as defesas. Cabe ao presidente do tribunal, ministro Gilmar Mendes, marcar a data do julgamento, que deve ocorrer a partir da última semana de junho.

Processo

Após o resultado das eleições de 2014, o PSDB entrou com a ação e o TSE começou a julgar suspeitas de irregularidades nos repasses a gráficas que prestaram serviços para a campanha eleitoral. Recentemente, Herman Benjamin decidiu incluir no processo os depoimentos dos delatores ligados à empreiteira Odebrecht, investigados na Operação Lava Jato. Os delatores relataram que fizeram repasses ilegais para a campanha presidencial.

Em dezembro de 2014, as contas da campanha da então presidente Dilma Rousseff e do vice, Michel Temer, foram aprovadas com ressalvas e por unanimidade no TSE. No entanto, o processo foi reaberto porque o PSDB questionou a aprovação, por entender que há irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma, que é acusada de ter recebido supostos recursos do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Segundo entendimento do TSE, a prestação contábil da presidente e do vice-presidente é julgada em conjunto. (Agência Brasil)

Porto Alegre: Documentário “Impeachment-O Brasil nas ruas”, de Beto Souza e Paulo Moura estreia hoje no Capitólio

Porto Alegre: Documentário “Impeachment-O Brasil nas ruas”, de Beto Souza e Paulo Moura estreia hoje no Capitólio

Cultura Destaque dilma Poder Política

Registro em documentário sobre o episódio político mais marcante da história recente do país, “Impeachment – O Brasil Nas Ruas”, do jornalista e cineasta Beto Souza e do cientista político e produtor Paulo Moura, estreia hoje às 20:00 horas na Cinemateca Capitolio, rua Demétrio Ribeiro 1085 – Esq. com Borges de Medeiros, em Porto Alegre. A obra, integralmente construída em rede, por meio de contribuições voluntárias e crowdfunding, reúne cerca de 30 entrevistados, entre juristas, ativistas e analistas políticos. Dentre os organizadores e mobilizadores ouvidos estão Fernando Holiday (MBL), Rogério Chequer (Vem Pra Rua), Heduan Pinheiro e Rico Ferrari (Movimento Brasil Melhor) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (Movimento Liberal Acorda Brasil); já Miguel Reale Jr., Janaína Paschoal, Hélio Bicudo, Ives Gandra Martins e Cláudio Lamachia apresentam a defesa da constitucionalidade do processo.

O filme ainda conta com a participação de alguns dos principais analistas políticos e econômicos do país, como Augusto de Franco, Luiz Felipe Pondé, Fernando Schuler, Demétrio Magnoli, Igor Morais e Marco Antônio Villa, com enfoques que transitam entre as teorias social, política e econômica. As gravações das entrevistas começaram em junho de 2016. O documentário se completa com imagens cedidas por ativistas dos movimentos do impeachment e gravadas pela própria produção.

“Impeachment – O Brasil Nas Ruas” propõe ao espectador uma viagem ao futuro e, de lá, um olhar para os fatos ocorridos entre 2013 e 2016 para que ele possa entender o que aconteceu no país nesse período. “A produção enfoca os fatos pelo ângulo da sociedade e dos principais e maiores grupos e movimentos de rua que se mobilizaram pelo impeachment,”, lembra Paulo Moura.

Para desenvolver a narrativa, o documentário divide-se em se seis blocos: corrupção, movimentos, processos no Senado e Câmara, manifestações, argumentos jurídicos e análises. As imagens – cenas colhidas nas ruas por celulares e câmeras dos ativistas – retratam ações em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e publicações em jornais de todo país.

beto-souza-paulo-mouraBeto Souza
É bacharel em Jornalismo Gráfico e Audiovisual pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e possui mais de 25 anos de experiência no mercado audiovisual, como produtor e diretor. Assinou vídeos como Spleft, A Paixão Segundo Bruce e O Líquido do Amor, todos bem recebidos em festivais nacionais e internacionais. Nos anos 1990 diversificou seu portfólio, com trabalhos como o clipe Screw You Susie Doll, da banda DeFalla, vencedor do 1º Programa Demo MTV; até o curta-metragem A Morte No Edifício Império, sua estréia no cinema.

Na TV dirigiu os programas institucionais Cidade Viva e Terra Gaúcha, além de Rota 051, para a MTV. Também dirigiu alguns capítulos das séries Legalidade 40 Anos, Histórias Extraordinárias e Continentes de São Pedro para a RBS. E acumula experiências na direção de vídeos empresariais.

Em 2001, sua ficção em longa-metragem Netto Perde Sua Alma, cuja direção assinou com Tabajara Ruas, recebeu 13 prêmios em festivais nacionais e internacionais. Depois, produziu e dirigiu Cerro do Jarau, com o qual conquistou outros seis. A volta aos documentários se deu com Inacreditável – A Batalha dos Aflitos e Grêmio 10×0. Seus trabalhos mais recentes incluem os longas Dias e Noites, Enquanto A Noite Não Chega e Insônia.

Paulo Moura
Cientista político pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com doutorado em Comunicação pela PUC-RS, atuou por dez anos na produção de vídeos para movimentos sociais. Participou da TV dos Trabalhadores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC desde a cobertura da Constituinte de 1988 até a antevéspera da campanha presidencial de 1989. Após esta experiência muito próxima ao chamado “núcleo duro” do Partido dos Trabalhadores, afasta-se como ativista e torna-se um crítico contumaz da legenda.
Foi professor universitário por cerca de 20 anos e analista e consultor de marketing político. É autor dos livros “PT: Comunismo ou Socialdemocracia?”, resultado de sua dissertação de mestrado que analisava a relação do Partido dos Trabalhadores com o Plano Real; e “O Gauchismo no Marketing de Olívio”, estudo de caso da estratégia de marketing que venceu a eleição gaúcha de 1998; além de uma série de obras didáticas.