Queda na confiança da indústria gaúcha é a maior desde 2015. ICEI-RS, divulgado pela FIERGS, chega a 50,4 pontos em junho

Queda na confiança da indústria gaúcha é a maior desde 2015. ICEI-RS, divulgado pela FIERGS, chega a 50,4 pontos em junho

Destaque Direito do Consumidor Economia Negócios

A incerteza em relação ao futuro da economia brasileira e à situação das empresas aumentou após a crise provocada pela paralisação dos caminhoneiros no mês passado. É o que revela o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI-RS) de junho, divulgado nesta quinta-feira (21) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), ao apontar uma queda de 6,2 pontos, a mais acentuada desde fevereiro de 2015, e atingir 50,4, o menor nível em dois anos. O resultado foi a terceira redução consecutiva, bem próxima da marca neutra de 50 pontos que separa presença ou ausência de confiança entre as 237 consultadas pela pesquisa.
Nos índices avaliados pelo ICEI-RS, o maior recuo ficou com o das Condições Atuais, 11 pontos, ao passar de 53,8 em maio para 42,8 em junho. O empresário gaúcho não percebia piora nas condições atuais, expressa pelo resultado abaixo dos 50 pontos, desde agosto de 2017. A principal influência veio da forte deterioração das Condições da Economia Brasileira, cujo recuo alcançou 15,6 pontos ante maio e chegou a 35,1. Nos últimos três meses, o percentual de empresários que percebem piora na economia brasileira subiu de 13% para 28,8%.
O Índice de Condições Atuais das Empresas também mostrou contração significativa em relação ao mês passado, de 8,6 pontos, e chegou a 46,8. A dimensão dessas quedas só encontra paralelo em janeiro de 2009, sob o impacto da crise de 20018, quando o ICEI/RS ainda era calculado em bases trimestrais.

PERSPECTIVAS – Este cenário de crise fez os empresários gaúchos reverem para baixo as perspectivas para os próximos seis meses. O Índice de Expectativas (IE) de junho recuou 3,8 pontos sobre maio, para 54,1, mas seguiu na faixa de otimismo. Mais uma vez, foram sobre a economia brasileira que incidiram as revisões mais profundas, com o otimismo cedendo lugar ao pessimismo: o índice caiu de 53,4 para 46,6 pontos. As expectativas sobre as empresas recuaram de 60,5 para 58 pontos entre maio e junho, sustentando o índice geral no campo otimista.
Diante de tamanha incerteza, o percentual de industriais que projetam melhora na economia brasileira caiu de 45,9% para 19,1% entre março e junho.
O período de coleta da pesquisa ocorreu entre 1º e 14 de junho, e foram consultadas 56 empresas pequenas, 87 médias e 94 grandes.

Mais informações no site da FIERGS.

Receita Federal confirma cota de 300 dólares para Free Shops Terrestres do Brasil e Exterior

Receita Federal confirma cota de 300 dólares para Free Shops Terrestres do Brasil e Exterior

Agenda Cidade Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Política Trabalho Turismo

A Receita Federal e o Ministério da Fazenda irão publicar até 1º de julho nova portaria ampliando o total de cidades brasileiras que poderão terão Free Shops Terrestres. Assim, o número passa de 26 para 32, incluindo a cidade gaúcha de Porto Mauá. Ao todo, o Rio Grande Sul terá lojas em 11 municípios: Aceguá, Barra do Quaraí, Chuí, Itaqui, Jaguarão, Porto Mauá, Porto Xavier, Quaraí, Santana do Livramento, São Borja e Uruguaiana.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (14), em Foz do Iguaçu (PR), durante o Seminário Sobre Instalação de Lojas Francas Terrestre CODEFOZ, pelo coordenador-geral de Administração Aduaneira, Jackson Aluir Corbari. Ele anunciou também ao coordenador da Comissão do Mercosul da Assembleia Legislativa, Cristiano Guerra – que representou o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Implantação de Free Shops em Cidades Gêmeas de Fronteira, deputado estadual Frederico Antunes_ – que o Ministério da Fazenda vai publicar também nova portaria prorrogando até 1° de julho de 2019 a cota de U$ 300 dólares para brasileiros que comprarem nos Free Shops estrangeiros em viagens terrestres.

“O coordenador confirmou a publicação da portaria oficializando estas duas medidas. A ideia é que nesse período de um ano, exista uma equiparação de cotas em 300 dólares para compras terrestres em todas as cidades do Mercosul. Trata-se de uma ótima notícia, a partir de uma demanda que encaminhamos em maio por nós, durante reunião na Receita Federal, em Brasília”, afirmou Frederico Antunes.

A respeito do software, Jackson Aluir Corbari, informou que a Receita Federal terminou os testes internos do programa. Disse que nos próximos dias estão devolvendo o programa para o SERPRO para dois pequenos reparos (vendas OFF line quando cair o sistema da Receita e a possibilidade de recolhimento do DARF pelas lojas Francas Terrestres). A expectativa é que em 40 dias o SERPRO devolva a Receita o software para a última homologação. (Cristiano Guerra/Alergs)

RS: Ônibus intermunicipal vai subir entre 8,94% e 22, 20%

RS: Ônibus intermunicipal vai subir entre 8,94% e 22, 20%

Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Sartori

O Conselho Superior da AGERGS aprovou, na tarde desta terça-feira (12/06), o reajuste de 8,94% para o transporte rodoviário intermunicipal de passageiros da Região Metropolitana de Porto Alegre. O índice foi aprovado por unanimidade pelos Conselheiros que participaram da Sessão.
O Conselho Superior da AGERGS aprovou, na tarde desta terça-feira (12/06), a revisão tarifária do Transporte Intermunicipal de Passageiros de Longo Curso e Suburbano do Interior.
De maneira unânime, os Conselheiros que participaram da Sessão Ordinária deferiram os índices de 18,91% para as linhas direto e semidireto e comum, cujos passageiros embarquem no decorrer do trajeto.
Já para os usuários que acabam adquirindo os bilhetes no balcão da Estação Rodoviária, o índice será de 22,20% para as mesmas linhas. A resolução da AGERGS deverá ser publicada amanhã (13/06) no Diário Oficial.

Porto Alegre: Na contramão do mercado, a Japesca reduz preço nas Temakerias para manter a competitividade

Porto Alegre: Na contramão do mercado, a Japesca reduz preço nas Temakerias para manter a competitividade

Agenda Cidade Direito do Consumidor Economia Gastronomia Negócios Notícias Porto Alegre Trabalho

O carro-chefe dos restaurantes japoneses é o salmão, que conquistou a mesa dos consumidores nos últimos anos. Originário do Chile, o produto enfrenta no momento uma séria crise, capaz de comprometer os hábitos dos apreciadores do sushi, consumido por uma grande parcela da população, principalmente jovens e mulheres. Atrelado ao dólar comercial, o produto, que reina absoluto no cardápio das temakerias, vem numa escalada assustadora de preços, entre 30 e 50% em relação aos últimos meses, seguido por um desequilíbrio na oferta em função da perda de produção nos cultivos, no Chile, atrelada ainda a uma maior demanda, puxada principalmente por países como Rússia, China e Estados Unidos.  Nesta gangorra de dificuldades muitos restaurantes japoneses no Rio Grande do Sul já elevaram seus preços.

IMG-20180607-WA0018 (1)
Gabriel Antonio Mendo da Cunha

Com visão de futuro e um olhar aguçado à expansão de mercado, a Japesca corre na contramão deste cenário. Sinônimo de tradição no segmento de pescados, a empresa, presente há 48 anos no mercado, opera um ponto de venda no Mercado Público da capital, conceituado pelo binômio qualidade X serviços ofertados, um Centro de Distribuição na zona norte de Porto Alegre e uma unidade industrial em São Lourenço do Sul/RS.

No sistema de franquias, as outras unidades já formam uma rede de 14 temakerias em Porto Alegre e Região Metropolitana, projeto que impulsiona os planos de crescimento da empresa, que pretende chegar ao final de 2018 com um total de 20 lojas em seu portfólio regional.

A estratégia para preservar a posição conquistada pela rede de temakerias ao longo dos anos, referendada pela exigência do público consumidor na escolha da marca e de seus produtos, passa pelo olhar empreendedor de seus diretores. A opção adotada, com o propósito de ampliar a competitividade do setor, preservando consumo e tradição da rede de franquias, centra esforços na redução de preços do salmão que desfila nos cardápios de opções ofertadas pelas Temakerias. Até porque, preço baixo e qualidade marcaram desde o início a trajetória de sucesso da Temakeria Japesca, que inovou aproximando a culinária japonesa da população, democratizando seus produtos e acesso a todas as classes sociais. “Inovamos oferecendo preço justo aliado a produtos de excelência”, reitera Gabriel Antonio Mendo da Cunha.

É ele que responde pela operação da Japesca, ao lado do irmão, Roberto, e do sócio Paulo Henrique Gottert, e defende a iniciativa, apontando a necessidade de preços acessíveis aos clientes, sem que se intimidem pela culinária japonesa por questões sazonais. “Por sua tradição, a Temakeria Japesca conta uma história única, diferente de seus concorrentes. Não apenas pelo preço, produto ou pela localização, mas porque consegue oferecer tudo isso de um jeito diferente, convidativo, sem rótulos sociais ou de idade”, no melhor estilo “fast-food” da culinária japonesa sentencia. Gabriel crê ainda na importância do empreendedorismo, com atitudes que possam fazer diferença no cenário econômico vigente. “Acreditamos que podemos fazer alguma coisa diferente e estamos apostando nisso, mesmo que seja com redução das nossas margens de lucro”, finaliza.

REDEMAC é benchmark para delegação alemã

REDEMAC é benchmark para delegação alemã

Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Trabalho

Há poucos dias a Redemac, indicada pela Febramat (Federação Brasileira de Redes Associativas de Materiais de Construção), recebeu representantes da INSE-Instituto federal de fomento econômico da Alemanha. O grupo que busca oportunidades de negócios fora da Europa veio conhecer como é a estrutura de uma rede associativa no país.

Esta não foi a primeira vez que a Redemac serve de benchamarking para outras organizações. Recentemente, a rede foi procurada também por um grupo de empresários de Pernambuco, liderados pelo SEBRAE, com o objetivo em conhecer e aprender os processos e as melhores práticas da atividade associativa no segmento de material de construção civil. A Redemac é referência no Brasil estando entre as 50 maiores redes associativas do setor.

Porto Alegre: Lei sobre estacionamento de food trucks é aprovada

Porto Alegre: Lei sobre estacionamento de food trucks é aprovada

Agenda Cidade Destaque Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre Trabalho

A Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou projeto de lei dos vereadores Comandante Nádia (MDB), Moisés Barboza (PSDB), Ricardo Gomes (PP), Mendes Ribeiro (MDB) e Felipe Camozzato (Novo) flexibilizando os pontos de estacionamento dos food trucks na capital. A proposta, votada durante a sessão ordinária desta quarta-feira (6/6), aponta para diversas alterações da lei do comércio ambulante e acena para que a prefeitura determine apenas os lugares proibidos para a atuação desse modelo de negócio. O argumento dos vereadores foi o de que essa forma de estabelecimento ambulante é antiga, data de 1872, nos Estados Unidos, e que a desregulamentação deverá contribuir para aumentar a oferta do serviço no município.

Junto ao texto principal, foram aprovadas também as emendas de n° 01, 02 e 03. A emenda de n° 01 altera parte dos artigos 38-A e 38-F; a emenda de n° 02 proíbe o comércio ambulante da modalidade gastronomia itinerante em algumas ruas do bairro Cidade Baixa e a emenda de n° 03 proíbe o uso de aparelhos sonoros de reprodução musical.

Na exposição de motivos, os proponente assinalam ainda que a nova lei deverá resultar na ampliação do número de empreendedores de food trucks na cidade. “Ao invés de determinar onde eles podem estacionar e obrigá-los a realizar um rodízio, prevê locais onde isso não será possível, a fim de respeitar os estabelecimentos fixos, deixando que o mercado possa atuar na seleção de pontos positivos para o empreendedor e para o consumidor”, enfatizam os vereadores.

Eles dizem ainda em seus argumentos acreditar que a flexibilização da lei irá facilitar a entrada de novos empreendedores sem a limitação ao seu funcionamento, respeitando a lógica da mobilidade proposta por esse modelo de comércio: “Não haverá desrespeito ao comércio fixo já estabelecido nem ao sossego e aos direitos de vizinhança”, argumentam.

Porto Alegre: Dia da Liberdade de Impostos venderá chope 60% mais barato hoje

Porto Alegre: Dia da Liberdade de Impostos venderá chope 60% mais barato hoje

Agenda Cidade Cultura Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Porto Alegre

Para marcar o Dia da Liberdade de Impostos diversos restaurantes e bares do país participam do Dia do Chope sem Imposto. O objetivo da ação é mostrar quanto gasto na cerveja ou chope corresponde à carga tributária. Em média, o imposto incidente na cerveja é em torno de 55,6% e, no chope, os impostos são ainda maiores (62,2%). Segundo dados de 2017 da Euromonitor, empresa que realiza pesquisa de mercado sobre produtos de consumo e estilos de vida de consumidores no Brasil e no mundo, o brasileiro consome, em média, 60,7 litros de cerveja por ano. Esse número poderia ser ainda maior, já que a cada chope consumido no Brasil, paga-se dois ao governo. Em Porto Alegre, a ação é promovida pelo Instituto Liberdade.

O Instituto Liberdade tem como missão promover a Cultura da Liberdade no sul do Brasil. Fundado em 1986, a entidade é um think tank independente, apartidário e sem fins lucrativos. Entre suas atividades, está a organização anual do Dia da Liberdade de Impostos, evento que tem o objetivo de alertar a população a respeito da alta carga tributária do Brasil.

Veja os estabelecimentos confirmados:

 

– Oak’s Burritos – Rua Félix da Cunha, 1215

Como será: Até 3 chopps de 330ml cada por pessoa, no valor de R$ 4,00 a unidade. Em parceria com o Instituto Atlantos, a ação contará com uma palestra na qual será debatido o projeto de aumento de impostos proposto pelo prefeito Nelson Marchezan

 

– Complex Skatepark – Av. Protásio Alves, 3839

Como será: Em parceria com o Livres/RS, disponibilizará a venda de 300 unidades de chopp Brahma ao valor de R$ 3,90.

 

– Cervejaria Perro Libre – Praça Dr. Maurício Cardoso, 71

Como será: O valor do chopp, das 17h às 20h, contará com uma redução de 62% do valor original cobrado.

 

 

Porto Alegre: Afternow debate estereótipos, moda e beleza do futuro nesta segunda-feira

Porto Alegre: Afternow debate estereótipos, moda e beleza do futuro nesta segunda-feira

Agenda Comportamento Cultura Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias

A terceira edição do AFTERNOW acontece hoje, com um tema para provocar e debater: “Como os estereótipos afetarão o futuro?”. Desta vez, quem terá a voz serão cinco pessoas inovadoras em diversos cenários: Estela Rocha, Patrícia Carneiro, Priscila Chagas, Jessica Balbino e Agni Oliveira. A noite contará com debates, palestras e um pocket slam com um “open mic”, em que o microfone fica aberto para uma competição de poesias sobre o tema.

As speakers do evento se destacam pela representatividade e quebra de preconceitos, principalmente no mundo dos estereótipos de moda e beleza. A Google Woman Will Leader PoA, Estela Rocha, vai comandar o debate, compartilhando as suas experiência de uma mulher em posição de liderança. Com ela estarão a planner premiada e co-fundadora do GPRS, Patricia Carneiro; a modelo plus size e líder do Projeto AMAA, Priscila Chagas; a Produtora Cultural premiada e freelancer do Catraca Livre, Jéssica Balbino e Agni Oliveira, mulher trans, integrante do Casulo Estratégico e modelo da Mega Models.

O AFTERNOW é uma iniciativa do Black Sheep Project e recebe convidados inspiradores de todas as áreas: tecnologia, gastronomia, entretenimento, entre outras. Ao total serão realizadas sete edições de abril a outubro, no Pier X (Av. João Wallig, 1800/2264 – Jardim Europa), em Porto Alegre. O objetivo ao longo do evento é discutir os próximos 35 anos do mercado.

Sobre o POCKET SLAM
Poetry slam é uma competição de poesia falada, nasceu em Chicago há mais de 25 anos, chegando em São Paulo em 2007 e, em Porto Alegre, em 2017. São permitidas poesias autorais, de até três minutos e sendo proibido o uso de adereços cênicos.

O Slam Peleia é um coletivo, sem fins lucrativos, atualmente majoritariamente feminino, que atua na Cidade de Porto Alegre, organizando uma edição oficial do Slam Peleia, na última sexta-feira de cada mês, desde março/2017.Hoje, estamos a caminho da 14ª edição.

No AFTERNOW#3 vai rolar um pocket Slam Peleia, com Slammers convidadas. Este formato é uma pequena fagulha do que é a potência de um Campeonato de Poesia. Prepare-se para sentir o gostinho de quero mais. Curadoria, organização e execução: Maitê Cidade De Angeli, Marina Minhote, Nati Gaspa e Shaiana Souza.

Sobre o AFTERNOW
Realizado pela BS Project, o AFTERNOW tem apresentação do Iguatemi Porto Alegre e patrocínio da Warren, Uniritter e Zenvia. O apoio é do SEBRAE-RS e Pier X. A promoção é da Rádio Atlântida. A programação completa ao longo do ano pode ser acompanhada no site www.afternow.com.br

Black Sheep Project
O Black Sheep Project é um hub que une soluções em inovação criativa. A sua filosofia acredita em inverter a lógica da criação e produção, unir talentos em rede e entregar soluções impactantes capazes de transformarem culturas, marcas e empresas. Já realizou evento como o BSP Day, que reuniu cinco speakers de grande renome para palestras com até 180 pessoas em uma fábrica de cervejas artesanais, O BS Festival, com mais de 70 speakers debatendo simultaneamente em sete lugares diferentes em Porto Alegre e reunindo um público de mais de mil pessoas. Também promoveu o BS Sunset, que reuniu 130 pessoas a bordo de um catamarã pelo Rio Guaíba para palestrar sobre inovação criativa.

SERVIÇO
O que: AFTERNOW #003 – por Black Sheep Project
Quando: 04 de junho
Onde: PierX (Av. João Wallig, 1800/2264 – Iguatemi Shopping)
Valor: R$ 44 a R$ 66
Inscrições: http://bit.ly/afternow03
O espaço tem acessibilidade para pessoas com deficiência, por isso todos e todas são bem-vindos.

Consumidor deve ter cuidado com alimentos perecíveis após a greve dos caminhoneiros

Consumidor deve ter cuidado com alimentos perecíveis após a greve dos caminhoneiros

Agronegócio Comunicação Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Saúde Trabalho

O Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Rio Grande do Sul (Simvet/RS) divulga nota alertando sobre os cuidados necessários com alguns produtos alimentícios devido à paralisação dos caminhoneiros que durou 10 dias, encerrando-se oficialmente na última quarta-feira, dia 30 de maio. Muitas cargas de alimentos perecíveis ficaram retidas, não foram entregues nos seus destinos e/ou foram submetidas a temperaturas de conservação inadequadas e incompatíveis com a manutenção da qualidade dos mesmos.

De acordo com a médica veterinária Andrea Troller Pinto, da diretoria do Simvet/RS, o consumidor, seja ele final ou o comerciante dos alimentos, deve ter em mente que estes produtos podem representar risco à saúde ou mesmo estarem com características indesejáveis que inviabilizam o uso. Destaca que o consumidor deverá atentar sobre prazos de validade e data de fabricação, condições gerais da embalagem (sem vazamentos), além das características do produto. “Um produto congelado, por exemplo, que apresente sinais de ter sido descongelado, alterações de cor, consistência ou formato da embalagem, não está próprio para o consumo”, explica.

Como medidas gerais, o conselho do Simvet/RS é de que os consumidores adquiram os produtos em locais habituais e que tenham sofrido algum tipo de inspeção sanitária, seja ela municipal, estadual ou federal (SIM, Cispoa ou SIF). Cuidados devem ser dispensados também, neste momento, para alimentos vendidos em promoções, cujo prazo de validade esteja muito perto do vencimento.

Viagens Corporativas: setores e atendimentos personalizados

Viagens Corporativas: setores e atendimentos personalizados

Comunicação Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias

As viagens corporativas representam espaço relevante nas estatísticas de turismo no Brasil. O setor, inclusive, alavanca a economia do País, ajudando a impulsionar vários players do mercado como Redes Hoteleiras, Companhias Aéreas, Agências de Viagem, Operadoras de Turismo, Receptivos e outros.

Ao mesmo tempo em que o setor cresce, ele se profissionaliza e busca soluções mais inteligentes e focadas, entre outros, na redução de custos. É o que mostra o Estatístico, estudo da ALAGEV que, na edição 2018, contou com a participação de 80 associados que, juntos, avaliaram 56 critérios. De acordo com o estudo apresentado, as políticas de viagens das empresas continuam direcionadas para a redução de custos e itens como a segurança e o bem-estar do viajante seguem entre as prioridades das companhias.

O desenvolvimento e a profissionalização do setor têm levado agências de turismo, até então especializadas no atendimento ao lazer, a reverem seus negócios e apresentarem soluções focadas, também, em viagens e eventos corporativos.

Este é o caso da Asaimagem_release_1306479 Norte Viagens e Turismo, de Porto Alegre (RS). Lúcia Bentz, sócia e diretora da agência, diz que sentiu a demanda na procura e viu a oportunidade de incrementar seu negócio e a performance de sua empresa nas viagens corporativas. “Começamos a sentir essa demanda há cerca de três anos, e hoje ela representa 10% do faturamento da agência”, diz Lúcia.

A agência possui um atendimento diferenciado no que se refere à oferta de crédito e atendimento aos clientes. “Nós temos clientes que nos procuram para criar uma linha de crédito. Eles nos pagam, tem a certeza e garantia da assistência 24 horas da agência e vão usando conforme a demanda vai aparecendo”, completa a executiva, citando como case uma construtora de sua cidade que utiliza os créditos de viagem para ações de incentivo com seus colaboradores, vendedores de imóveis. “A cada meta batida, eles recebem uma viagem como prêmio pelas vendas”, diz.

Também em Porto Alegre, a 24H Escritório de Viagens tem um setor específico para atendimento ao segmento corporativo. Liciane Rossetto, sócia e diretora da agência, diz que vem sentindo o crescimento do mercado ao longo dos últimos anos, quando inovou para atender esta demanda que hoje, representa 50% do volume de vendas da agência. “É um setor que requer muita disponibilidade e agilidade no atendimento. Mesmo sendo menos lucrativo do que as viagens de lazer, as viagens corporativas representam uma rentabilidade significativa”, diz.

A executiva destaca que, entre os diferenciais ofertados por sua agência está a criação de um setor de atendimento exclusivo ao corporativo que oferece facilidades como plantão pelo WhatsAPP e email, além de flexibilidade nas negociações.