‘Fachin e Janot ajudam o Centrão’. Principal articulador da fidelidade de seu filho a Temer, César Maia diz que DEM não deve estar ‘a reboque’ do PSDB; por Valmar Hupsel Filho/O Estado de S.Paulo

‘Fachin e Janot ajudam o Centrão’. Principal articulador da fidelidade de seu filho a Temer, César Maia diz que DEM não deve estar ‘a reboque’ do PSDB; por Valmar Hupsel Filho/O Estado de S.Paulo

Destaque Entrevistas

Principal articulador da fidelidade de seu filho, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) e de seu partido, o DEM, ao presidente Michel Temer no momento mais crítico de seu governo, o vereador pelo Rio César Maia minimiza sua participação no processo. Para ele, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, foram os responsáveis pelo fortalecimento do Centrão e diz que o DEM não deve estar “a reboque” do PSDB em 2018.

A mosca azul de ver seu filho presidente não picou o sr.? Quais foram os motivos que levaram o sr. a aconselhá-lo a ficar ao lado do presidente Temer?

Rodrigo não é mais meu filho. Eu é que sou o pai dele. Eu não aconselhei. Eu concordei. Aquilo que a imprensa disse, que Rodrigo articula parado, é espetacular. Não teve mosca azul nenhuma. Pergunta lá quantas vezes eu fui a Brasília, na residência oficial da Câmara dos Deputados ou no gabinete dele. Nenhuma. A entrevista completa está em O Estado de São Paulo.

Carlos Araújo morre aos 79 anos em Porto Alegre. Na minha última entrevista com ele falamos sobre denúncias da imprensa, economia, governo Dilma…

Carlos Araújo morre aos 79 anos em Porto Alegre. Na minha última entrevista com ele falamos sobre denúncias da imprensa, economia, governo Dilma…

Destaque Entrevistas Vídeo

O ex-marido de Dilma Rousseff, o advogado e ex-deputado estadual Carlos Franklin Paixão de Araújo morreu aos 79 anos, na madrugada deste sábado, no Complexo da Santa Casa, em Porto Alegre. Ele havia sido internado no último dia 25 de julho com quadro de cirrose medicamentosa. Durante o tratamento, Dilma realizou algumas visitas ao ex-marido. A ex-presidente estava no Rio de Janeiro participando de um evento na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e está retornando para Porto Alegre.

Carlos Araújo era político histórico do PDT, partido do qual se afastou no ano de 2000, junto com Dilma e outros correligionários. Ele retornou à sigla em 2013, partido que ajudou a fundar com o ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, Leonel Brizola.

Ex-guerrilheiro, Araújo é reconhecido como um defensor das ideias de esquerda e do trabalhismo. Durante a gestão de Dilma Rousseff na presidência e mesmo após o impeachment, foi uma das pessoas mais próximas da petista.

Ainda não há informações sobre os atos fúnebres. O presidente regional do PDT, Pompeo de Mattos, disse em entrevista para a Rádio Guaíba que gostaria que velório ocorresse na Assembleia Legislativa. “É um dia triste, que vai marcar de forma muito profunda na memória de quem tinha relações com Carlos Araújo”, destacou.

“(Araújo) era uma referência. Foi nosso candidato a prefeito em 1992. Um ativista, homem de articulação muito profunda, de conhecimento político muito relevante. Colocou em risco a sua próporia vida para lutar contra a ditadura militar, ao lado da Dilma Rousseff”, lembrou Pompeo de Mattos. “Tinha um convívio muito grande com o (ex-governador Leonel) Brizola. Brizola o ouvia e o respeitava”.

 

 

Abaixo minha última entrevista com Carlos Araújo…

Fiz centenas de entrevistas com ele, especialmente no período que foi deputado estadual. De todas, sinto que não tenho arquivado a entrevista que ele concedeu, pós derrota eleitoral em 1992, na garagem da casa dele. Naquele dia ele se emocionou e falou sobre a trajetória política antes, durante e depois da ditadura. Da luta armada, das prisões (o tempo que ficou Ilha do Presídio), a abertura, a eleição para deputado, as duas derrotas para prefeitura de Porto Alegre…

 

 

Felipe Vieira com informações do Correio do Povo)

Porto Alegre: Expoagas 2017 vai movimentar R$ 497 milhões em negócios. Feira acontece de 22 a 24 de agosto, no Centro de Eventos Fiergs

Porto Alegre: Expoagas 2017 vai movimentar R$ 497 milhões em negócios. Feira acontece de 22 a 24 de agosto, no Centro de Eventos Fiergs

Agenda Cidade Destaque Entrevistas Negócios Poder Política Porto Alegre Sartori Tecnologia Vídeo

 

 

 

Projetada para receber varejistas dos mais diferentes portes e de diversos segmentos da economia, a 36ª Convenção Gaúcha de Supermercados – Expoagas 2017 irá congregar 44 mil pessoas ligadas ao varejo, ao setor atacadista, ao segmento produtivo e à indústria no Centro de Eventos Fiergs, em Porto Alegre, entre os dias 22 e 24 de agosto, para a maior feira do setor no Cone Sul. A exposição e o ciclo de palestras, oficinas práticas e visitas técnicas vão oportunizar networking, novas parcerias, qualificação e negócios para toda a cadeia do abastecimento, em um evento cada vez mais voltado para a concretização de negócios: realizadora da Expoagas 2017, a Associação Gaúcha de Supermercados projeta a movimentação de R$ 497 milhões em transações entre visitantes e os 347 expositores somente nos três dias de feira, volume 6% superior ao da edição passada. Tradicional termômetro de vendas para o setor supermercadista gaúcho, o encontro vai oportunizar aos expositores o lançamento de pelo menos 800 novos produtos, equipamentos e serviços que chegarão ao alcance dos consumidores cerca de 15 dias após o encerramento da feira.

Presidente da Agas, o supermercadista Antônio Cesa Longo aposta na qualificação e na diversificação do público visitante para alavancar o crescimento dos negócios desta edição. Segundo ele, a Associação desenvolveu um trabalho de prospecção de novas empresas varejistas para conhecerem a feira, ampliando cada vez mais o leque de setores impactados pela Expoagas – neste ano, as inscrições realizadas até 18 de agosto mais uma vez são gratuitas para supermercadistas e para representantes de padarias, farmácias, bares, restaurantes, lojas de conveniência, açougues, bazares, lojas de 1,99, petshops e hotéis. Os valores para visitantes de outros setores vão variar de R$ 30,00 a R$ 150,00 para os três dias de evento. “Queremos desmistificar a ideia de que a feira é para grandes empresas. O pequeno comerciante que visitar a Expoagas 2017 certamente sairá melhor e mais preparado para os desafios do mercado, seja pelo ciclo de palestras proporcionado no evento ou pelas parcerias comerciais que estarão à disposição na feira”, projeta Longo.

Longo
Antônio Cesa Longo, presidente da AGAS

Participação de gaúchos entre os expositores caiu – Realizada há 17 anos consecutivos no Centro de Eventos Fiergs, a Expoagas 2017 mais uma vez contará com pequenos espaços de 4m² e de 9m², com valores reduzidos, para que pequenos expositores participem. “A feira estava praticamente 100% comercializada há um ano, o que nos deu a tranquilidade de cuidarmos dos detalhes e da programação”, explica o presidente da Agas. Majoritária, a participação de empresas gaúchas entre os 347 expositores é de 72% neste ano, enquanto em 2016 era de 76%. “É um dado que nos preocupa, já que queremos alavancar o crescimento da indústria regional. O varejo só terá um crescimento consistente e sustentável se a indústria e os demais setores também crescerem no mesmo ritmo. Uma economia só é forte se sua indústria for pujante, e por isso fazemos questão de realizar a Expoagas no Centro de Eventos Fiergs, justamente a casa da indústria gaúcha”, sublinha o dirigente. Além de empresas gaúchas, os estandes serão formados por companhias paulistas, catarinenses, pernambucanas, paranaenses, goianas, cearenses e argentinas.

Entre as 347 empresas expositoras, 81,9% já participaram de outras edições da Expoagas. O presidente da Associação comemora, entretanto, uma renovação de 18,1% nos expositores, que estarão estreando no evento nesta edição. “É importante oportunizarmos a cada vez mais empresas este grande palco de negócios e de novas parcerias, já que teremos varejistas de 25 estados da Federação visitando a feira”, lembra Longo. Reflexos das mudanças do setor, dois novos segmentos ganham destaque e aparecem pela primeira vez entre os estandes: em 2017, estrearão na Expoagas expositores dos ramos de eficiência energética e de engenharia. “A feira é um grande espelho das necessidades do setor varejista, cada vez mais atento aos custos e à minimização de desperdícios, sem abrir mão de reformas e inaugurações”, observa Longo. Também ganham destaque entre os expositores as empresas com soluções em segurança, prestadoras de sérvios administrativos e indústrias que apostam em linhas de alimentos com apelo saudável, garantindo aos consumidores a preocupação com sua qualidade de vida e bem-estar.

Na área da tecnologia e equipamentos, softwares que garantem a segurança da gestão e robôs que podem auxiliar no atendimento das lojas estarão novamente em destaque. Empresas fornecedoras de alimentos, materiais de higiene e limpeza, beleza, bebidas e equipamentos seguem, entretanto, sendo majoritárias entre os estandes da Expoagas 2017.

Para fomentar a participação de varejistas do Interior do Estado, a Agas está subsidiando 50% dos custos de viagem para caravanas que contemplarem pelo menos três empresas varejistas. “São 90 núcleos regionais que alugam um ônibus e vêm à feira dos mais diferentes pontos do Estado”, explica o presidente da entidade.

Carro será sorteado entre os compradores – Para estimular que os negócios sejam concretizados durante os três dias da Expoagas 2017, a Agas sorteará seis notebooks e um automóvel HB20 zero quilômetro entre os visitantes que efetuarem pelo menos R$ 1 mil em compras junto aos expositores. “Muitas negociações são levantadas na feira e concluídas posteriormente. Os sorteios são incentivos para que o fechamento das transações ocorra já durante o evento”, justifica Longo.

Prêmio aos estandes mais destacados é uma das novidades – Em uma iniciativa inédita na história do evento, a Agas concretizou uma parceria com a Popai Brasil para premiar os expositores que mais criarem diferenciais para atrair os visitantes durante os três dias da Expoagas 2017. Serão agraciados os três melhores estandes nas categorias Melhor design de estande, Melhor ação promocional e Melhor exposição de produtos, subdivididos nas classificações Médio Porte (até 50 m²) e Grande Porte (mais de 50 m²). Para a avaliação dos destaques, cada participante terá seu estande visitado por uma comissão de jurados no primeiro dia da Expoagas. Este comitê julgador deverá atribuir, baseado nos critérios referidos e nas categorias escolhidas, notas de zero a dez. A somatória das notas dará a pontuação final do participante e determinará a sua classificação e premiação. No segundo dia da Expoagas, os estandes mais bem classificados serão marcados como finalistas e receberão a informação sobre a divulgação da premiação, que será entregue às 20h30 do dia 24 de agosto, após o sorteio do automóvel entre os compradores do evento.

 

Inscrições:

Até 18 de agosto em www.agas.com.br

Varejista – Gratuito

Fornecedor Sócio Agas – R$ 30,00

Fornecedor não sócio Agas/ Visitante – R$ 150,00

 

Após 18 de Agosto – Na secretaria do evento

Varejista sócio Agas – R$ 30,00

Varejista não sócio Agas – R$ 80,00

Fornecedor sócio Agas – R$ 50,00

Fornecedor não sócio Agas/ Visitante – R$ 150,00

Eleições 2018: Mateus Bandeira para governador e Feijó para o Senado? Ex vice-governador assina ficha no Partido NOVO

Eleições 2018: Mateus Bandeira para governador e Feijó para o Senado? Ex vice-governador assina ficha no Partido NOVO

Destaque Entrevistas Poder Política Vídeo

Em ato realizado nesta sexta-feira, 4, no restaurante da Federasul, em Porto Alegre, o Partido Novo recebeu novos filiados da Capital, Pelotas e Taquara.  Entre as lideranças que formalizam seu ingresso na sigla, Mateus Bandeira, pré-candidato do partido ao Palácio Piratini, em 2018. Mateus tem uma trajetória bem-sucedida no setor público (presidente do Banrisul, Secretário Estadual de Planejamento  e Gestão e com importantes passagens no Ministério da Fazenda) e privado (presidente da Falconi Consultores nos últimos seis anos),

Mateus Bandeira tem se dedicado a difundir e fortalecer o projeto do Novo, que defende o princípio da igualdade, liberdades individuais com responsabilidade, livre mercado e o indivíduo como agente de mudanças. Coloca-se, ainda, contra o Fundo Partidário, exige ficha limpa de seus candidatos e veta que os filiados eleitos para cargos legislativos concorram a mais de uma reeleição consecutiva, entre outros preceitos inovadores e diferenciados da “política tradicional”. Confira algumas das ideias do candidato na entrevista que concedeu a Rádio Guaíba.

Entre os novos filiados do Partido NOVO, surpreendeu a presença do ex vice-governador do Rio Grande do Sul, Paulo Afonso Feijó. Segundo ele, sem intenção de concorrer em 2018, mas como a sigla pretende montar uma chapa “puro-sangue”, se cogitou no evento a possibilidade dele em concorrer ao Senado. É bom lembrar que antes de fazer dobradinha com Yeda Crusius, Paulo Afonso era candidato ao Senado pelo DEM, em 2006.

Quem também circulou pelo evento foi o vereador e secretário municipal, Ricardo Gomes, hoje filiado ao PP. Gomes e o deputado Marcel Van Hatten já foram convidados para integrar o NOVO e podem se transferir na próxima janela eleitoral.

Nas próximas semanas, o Novo prossegue com filiações de lideranças e com a formação de núcleos em Porto Alegre e nas principais cidades do Interior do Estado.  Ele e o deputado estadual, Marcelo Van Hattem, também do PP são  pretendidos pelo NOVO. A transferência se daria na próxima janela permitida pela legislação eleitoral. Gomes, negou a especulação e disse que estava ali para cumprimentar amigos que estavam ingressando na vida partidária.

Foram filiados ao Novo

Ademir Piccoli – Empresário e consultor de TI, ex-presidente da Procergs

Adriana Salvadori Zaca

Alexandre Martins – Professor universitário e empresário

André dos Santos Oliveira – Empresário do setor de TI

Angelo Tedesco Muratore – Empresário, sócio da Sá Pierpar

Bruno Miragem – professor da Faculdade de Direito da UFRGS, advogado e consultor jurídico, ex-procurador-geral do município de Porto Alegre

Bruno Otávio dos Santos – Empresário, sócio da Fertilizantes Piratini

Carmen Barth Cláudio Goldsztein – Empresário, sócio das empresas Goldstein

César Mendes – analista de sistemas e consultor, ex-secretário de Gestão da Prefeitura de Pelotas

Cristiano Martins – Empresário, sócio da Egali Intercâmbio

Cristiano Krause – Educador físico

Daniel Rigon – Administrador e consultor de Gestão

Evandro Karpss – Empresário

Eduardo Baltar – CEO Makena Máquinas

Eurico Tatsch Nunes -Dirigente de empresa

Fernando Carravetta – Advogado

Felipe Beck – Administrador e empresário, sócio da Fiatesi

Fernando Conrado – Fotógrafo profissional

Gabriel Gil – Empresário, sócio e diretor da Qualicoco

Guilherme Foletto  – Médico

João Verner Juenemann – Consultor de Administração de Empresas

José Adil Albrecht – Engenheiro Eletricista

Lívia Wurth

Leandro Santos – Empresário da construção civil

Luís Antônio Nasi – Superintendente Médico do Hospital Moinhos de Vento

Micael Schneider

Marcelo Gazen – Advogado e consultor Jurídico

Marisa Maia

Marco Antonio Foletto

Milene Blessmann

Oduvaldo Dornelles Pinto – Ex-auditor da Receita Estadual do RS (aposentado)

Rael Colpo Mairesse

Reginaldo Back – Empresário e consultor de TI

Richard Gerdau Johannpeter – Empresário e conselheiro do Grupo Gerdau

Sonia Szabo

Vanessa Oliveria – Publicitária

Walmir Bandeira – Empresário da construção civil

 

Temer diz que saída de Janot deixará a Lava Jato no ‘rumo correto’.

Temer diz que saída de Janot deixará a Lava Jato no ‘rumo correto’.

Destaque Entrevistas Poder Política

Dois dias após a Câmara barrar a denúncia por corrupção passiva, com o apoio de 263 deputados, o presidente Michel Temer disse que as mudanças na Procuradoria-Geral da República “darão o rumo correto à Lava Jato”. Em seu gabinete, redecorado, Temer também não descartou a possibilidade de troca de comando na Polícia Federal e afirmou que nunca pretendeu destruir a operação da qual virou alvo. “O rumo certo é o cumprimento da lei”, disse, em entrevista ao Estadão/Broadcast, quando questionado sobre qual caminho vislumbra para a Lava Jato, de agora em diante. Autor da denúncia chamada por Temer de “ridículo jurídico”, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deixa o cargo em 17 de setembro.

Em uma hora de entrevista, o presidente procurou amenizar as traições na base aliada durante a votação da denúncia e apostou na aprovação de uma reforma da Previdência mais enxuta em setembro. Temer afirmou que não haverá retaliação aos infiéis, mas sugeriu que quem não vota com o governo deveria entregar os cargos. Questionado sobre a divisão no PSDB, que ameaça deixar a Esplanada, ele disse esperar apoio dos tucanos nas próximas batalhas no Congresso. “Quem estiver sentindo-se mal no PSDB sairá do governo, não tenho dúvida. Não estou dizendo o partido como um todo, porque lá há uma divisão muito grande.”

Procurado nesta sexta-feira à noite, 4, para falar sobre as declarações do presidente, Janot não respondeu até a publicação da entrevista.

Confira a íntegra da entrevista de Temer as repórteres: Carla Araújo, Irany Tereza, Vera Rosa e Tânia Monteiro, em O Estado de S.Paulo

Porto Alegre: Líder do governo afirma que projetos de Marchezan sobre transporte ficarão para 2018

Porto Alegre: Líder do governo afirma que projetos de Marchezan sobre transporte ficarão para 2018

Agenda Cidade Destaque Economia Entrevistas Marchezan Poder Política Porto Alegre prefeitura Vídeo

 

O vereador Clàudio Janta (SD), líder do governo Marchezan (PSDB) na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, afirmou nesta sexta-feira, em entrevista ao programa AGORA/Rádio Guaíba, que os projetos prevendo alterações no transporte público da cidade só devem ser apreciadas em 2018. O pacote de medidas, enviado pelo prefeito na última semana, tem enfrentando resistências entre a base aliada.

Segundo Janta, que é contrário às medidas do prefeito, o pacote primeiro será analisado por 120 dias por uma comissão especial, instalada ontem. Neste processo, todas as partes interessadas devem ser ouvidas. ”Não temos pressa para discutir esse problema. Temos que chamar todos os atores da cidade de Porto Alegre e porquê não da Região Metropolitana que usa o nosso sistema de transporte para discutir essa questão”, disse, em entrevista ao programa Agora.

Janta, que pediu suspensão da tramitação do pacote à Mesa Diretora da Casa, explicou que os textos voltam à apreciação normal após o período de 120 dias de análise. O vereador disse também entender que o sistema de transporte está sucateado e que as empresas não cumprem o edital. Para ele, a instalação de sistema de reconhecimento facial e GPS para controle de horários ajudará coibir fraudes e a recompor os custos das empresas, defendendo que não é possível mexer em pontos importantíssimos como a gratuidade dos idosos, dos deficientes e a segunda passagem dos estudantes.

Na última quinta-feira, o prefeito decretou o fim da segunda passagem gratuita para quem usa o cartão TRI, medida em vigor desde 2011 para quem pega duas linhas de ônibus diferentes em um intervalo de até meia hora. Pelo decreto, a segunda passagem gratuita seguirá valendo somente para estudantes. A justificativa da Prefeitura é buscar um impacto menor em reajustes futuros da passagem. O decreto não depende de aprovação e passa a valer após 30 dias.

Dois dias antes, o prefeito já havia enviado à Câmara seis projetos que reduzem isenções. Um deles acaba com a passagem escolar para estudantes que não comprovarem renda mensal inferior a três salários mínimos. Outro texto acaba com a isenção para idosos entre 60 e 64 anos. Um terceiro texto acaba com a concessão de passe escolar a professores. Em outro projeto, a Prefeitura autoriza que os ônibus circulem sem cobradores.

Sobre a tramitação do projeto de revisão da planta do IPTU na Câmara, Janta disse que os técnicos da Secretaria da Fazenda estão avaliando os índices do IPTU em Porto Alegre. Disse acreditar que o texto deve chegar à Casa em agosto. “Em alguns bairros nobres de Porto Alegre, as pessoas pagam o IPTU como se fosse em bairros populares”, destacou. Para Janta é preciso fazer uma correção da planta do imposto.

“A população não tem obrigação de entender o que são reformas”, diz Darcísio Perondi

“A população não tem obrigação de entender o que são reformas”, diz Darcísio Perondi

Destaque Entrevistas Poder Política Vídeo

 

Um dia depois de conquistar votos suficientes na Câmara dos Deputados para rejeitar a denúncia contra Michel Temer, a base aliada do governo já articula dar prosseguimento à impopular Reforma da Previdência. Em entrevista ao programa Agora/ Rádio Guaíba, o deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS) afirmou que os governistas têm confiança na aprovação do projeto, pois contam com apoio da maioria dos parlamentares e da “coalizão dominante”.

Questionado sobre a impopularidade do governo, que teve só 5% de aprovação, o parlamentar afirmou“opinião pública é diferente de coalizão dominante”. “Opinião pública é a população, e a população não tem obrigação de entender o que são reformas. Em qualquer parte do mundo, as reformas deram briga. Na Grécia, deu incêndio. Para quem faz reforma, não tem jeito, porque não é imediato. O brasileiro quer trabalhar menos, quer se aposentar cedo, não tem jeito”, afirmou o parlamentar.

“O que o Michel (Temer) tem é o apoio da coalizão dominante, que é a grande imprensa, os formadores de opinião, o capital político extraordinário da base do Congresso. Ele tem o capital pessoal, que é a capacidade de dialogar. Ele tem o apoio de quem emprega, das forças econômicas. Apoio quase todo dos articulistas, tirando os da esquerda, isso se chama coalizão dominante”, completou.

Segundo Perondi, esse apoio é fundamental para fazer as reformas. “Se as elites não participam das reformas, até as elites pensantes, não saem as reformas. Esse é o capital do Michel (Temer), da coalizão dominante, comparando com a opinião pública”, disse o deputado. “Quem olha para a opinião pública e para a popularidade não governa, por isso que a Dilma (Rousseff) fracassou, porque só pensou na popularidade”, acrescentou.

Além da Reforma da Previdência, reformas econômicas e tributárias estão na pauta do governo. “O Brasil está nos trilhos, mas a locomotiva precisa pegar velocidade. Tem uma agenda muito boa que vamos seguir agora”, afirmou Perondi. A preocupação dos articuladores de Temer e do próprio presidente, segundo o parlamentar, “é aumentar a base para continuar reformando o país”.

Isso porque a votação da denúncia contra Temer mostrou que muitos parlamentares de partidos da base acabaram ficando do lado da oposição. Até o PSDB, que possui quatro ministérios no governo peemedebista, orientou a bancada a votar contra o presidente. “Quem não votou (a favor de Temer) terá uma chance na Reforma da Previdência, se não vai perder os cargos”, afirmou o deputado.

Sobre a possibilidade do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhar ao Congresso novas denúncias contra o Temer, o que pode desgastar ainda mais o governo, Perondi afirmou que “os procuradores querem impedir a Reforma da Previdência e continuar se aposentando com 50 anos”.

Já sobre as emendas parlamentares empenhadas à base aliada antes da votação, Perondi afirmou que são “constitucionais e obrigatórias”, acrescentando que parlamentares da oposição teriam recebido até mais do que ele. (Correio do Povo/Rádio Guaíba)

Maria do Rosário: “Governo Temer gastou até última gota para escapar”. Deputada vê governo enfraquecido e diz que oposição irá obstruir pauta para barrar projetos

Maria do Rosário: “Governo Temer gastou até última gota para escapar”. Deputada vê governo enfraquecido e diz que oposição irá obstruir pauta para barrar projetos

Destaque Entrevistas Poder Política Vídeo

Em entrevista ao programa Agora/Rádio Guaíba, a deputada federal gaúcha Maria do Rosário (PT) afirmou nesta quinta-feira que a estratégia da oposição na Câmara passa ser agora de obstruir a pauta do governo. Para ela, Michel Temer “gastou sua última gota de sangue” para escapar da admissibilidade da denúncia por corrupção passiva no plenário da Câmara.
“Quando a votação terminou, percebemos que o governo não tem todos os votos que queria”, disse ela à Rádio Guaíba, na manhã desta quinta. Para ela, apesar da derrota, a oposição sai fortalecida e poderá viabilizar uma eventual próxima denúncia encaminhada pela Procuradoria Geral da República. “Tem condições de mudar o placar, porque Temer não consegue mais fazer nada como governante do Brasil”, projetou. “Outra questão, a denúncia por obstrução de justiça certamente deve ser analisada pelo o que ele já fez no passado e agora, eu diria.”

A parlamentar criticou a forma com o que o governo articulou para vencer no plenário. “Obstrução de justiça foi o que vimos nas últimas horas e nos últimos dias. Usar o governo, a máquina pública para comprar votos, liberar e emendas para garantir votos no plenário. Por isso que digo que o governo gastou até a última gota de sangue. Eles tinham uma planilha e contavam com uns votos a mais do que tiveram”, argumentou.

Obstrução de pauta

Maria do Rosário disse acreditar que o governo terá ainda mais dificuldade para aprovar projetos como da Reforma da Previdência na Câmara. “A gente faz obstrução porque a pauta que o governo propõe é muito ruim. A partir deste momento percebo que não apenas a oposição, que somos nós de PT, Rede, PCdoB, PDT, vamos crescer na sociedade”, afirmou. “O resultado de ontem mostra que eles não têm votos para colocar estas reformas em votação, como a da previdência, que somos completamente contrários”, declarou. (Correio do Povo / Rádio Guaíba)

Reitor da UFRGS diz que cortes de Temer podem levar a parcelamento de salários. Rui Oppermann afirmou que medidas provocarão perdas irreparáveis para a educação

Reitor da UFRGS diz que cortes de Temer podem levar a parcelamento de salários. Rui Oppermann afirmou que medidas provocarão perdas irreparáveis para a educação

Destaque Economia Educação Entrevistas Saúde Vídeo

 

O reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Rui Oppermann, disse em entrevista ao programa Agora/Rádio Guaíba, nesta segunda-feira (31), que os cortes de recursos que o governo federal está promovendo na educação pública podem levar ao parcelamento de salários de professores e demais servidores da instituição. No curto prazo, o reitor prevê dificuldade para quitação das contas básicas, como água e luz, mas também para o pagamento de funcionários terceirizados que fazem os trabalhos de manutenção, limpeza e segurança.

Segundo Oppermann, na semana passada houve uma reunião “muito dura” com o MEC durante encontro do Conselho Pleno da Andifes, em Natal, em que foram tratadas as restrições orçamentárias impostas pelo governo federal. Segundo o reitor, a Universidade trabalha com déficit previsto de R$ 45 milhões para este ano.

“Nossa demanda para o MEC é que eles não só liberem 100% do orçamento de custeio como também façam uma suplementação para se pagar o déficit, o que acho muito difícil dada a política restritiva que o atual governo está colocando”, destacou.

Oppermann projetou que a situação prejudique diretamente os alunos, uma vez que o custeio da assistência estudantil também sofreu cortes. Segundo ele, o tamanho do corte de verbas será sentido a médio e longo prazos para a pesquisa, o ensino e a extensão, classificando como perdas “irreparáveis”. O reitor disse ainda que não há possibilidade de fechamento de cursos ainda este ano, desde que as verbas para 2018 sejam mantidas.

Leia mais: Serviços à beira de um apagão

 

Já o diretor Administrativio-Financeiro do Grupo Hospitalar Conceição, Ibanez Filter, garantiu que os repasses para o maior grupo de atendimento exclusivo do SUS, estão em dia e não prevê nenhuma dificuldade para fechar o ano.

 

 

Ministro de Minas e Energia fala sobre utilização do carvão mineral gaúcho e mudanças nas regras do setor de mineração

Ministro de Minas e Energia fala sobre utilização do carvão mineral gaúcho e mudanças nas regras do setor de mineração

Agenda Destaque Economia Entrevistas Negócios Poder Política Porto Alegre prefeitura Sartori Vídeo

 

O governo Temer anunciou nesta terça-feira (25) mudanças nas regras do setor de mineração. As alterações serão feitas por meio de três medidas provisórias que serão enviadas pelo governo ao Congresso. Entre as principais medidas estão a alteração na base de cálculo e aumento nas alíquotas da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (Cfem), o royalty cobrado das empresas que atuam no setor, e a transformação do Departamento Nacional de Mineração em uma agência reguladora para o setor, a Agência Nacional de Mineração (ANM). Em entrevista ao programa Agora/Rádio Guaíba, o ministro Fernando Coelho Filho falou as MPs e também sobre a visita que fez ao Rio Grande do Sul, onde tratou da presença do carvão mineral, na matriz energética nacional.