Purim: Fantasias e comidas típicas para comemorar o carnaval judaico

Purim: Fantasias e comidas típicas para comemorar o carnaval judaico

Agenda Cidade Cultura Destaque Mundo Porto Alegre

Fantasiar-se, presentear amigos, fazer comidas típicas e ajudar pessoas carentes. Assim é o Purim, festividade judaica que, por sua alegria e diversão, é normalmente associada ao carnaval, mas recorda a milagrosa salvação dos judeus na Pérsia Antiga. Em Porto Alegre, diversas entidades judaicas se reunirão para comemorar Purim em conjunto na Sinagoga da União Israelita Porto-alegrense, no dia 28 de fevereiro, a partir das 19h, na sede localizada na Rua Barros Cassal, 750.

É uma data que lembra a coragem de Esther e Mordechai ao enfrentar e vencer o ministro Haman, o malvado, que por antipatia e preconceito pretendia convencer o Rei Assuero a exterminar o povo judeu do seu reino. Existem quatro preceitos (Mitzvot) que são respeitados no Purim: Ouvir a leitura do Livro de Esther (Meguilá), que conta toda a história da Pérsia sob o reinado do rei Assuero.

É costume ouvir a história na véspera do Purim e na parte da manhã, fazendo muito barulho toda vez que é mencionado o nome do malvado Haman. Também é tradição enviar presentes aos amigos; fazer “Tzedaká”, ajudando a pelo menos dois necessitados; e celebrar com uma grande festa o milagre que ocorreu com o Povo Judeu (Mishté). É comum as pessoas usarem fantasias, inclusive realizando concursos para mobilizar as crianças. Em Israel, as ruas são tomadas por pessoas fantasiadas, com bandas, djs e carros de som tocando em cada esquina, o que se assemelha com um carnaval de rua aqui do Brasil.

SIGNIFICADO DO PURIM – Origina-se da palavra “Pur”, sorteio. Referente à data em que Haman sorteou e marcou para o aniquilamento de todo o povo judeu. Na verdade, transformou-se na data de sorte do povo judeu, quando então foi salvo e saiu-se vitorioso. Esta data marcou para sempre o dia em que comemora-se com grande alegria a festa de Purim.

Japonês inventa tela de LED comparável a uma segunda pele

Japonês inventa tela de LED comparável a uma segunda pele

Destaque Mundo Tecnologia

Uma tela ultrafina e flexível como uma bandagem que se pode colar na mão para receber, ou enviar mensagens. É a invenção de um acadêmico japonês, que sonha com que sua criação seja utilizada no campo da saúde. O dispositivo, de um milímetro de espessura, permite ao paciente comunicar dados clínicos a seu médico a distância, explica o inventor, Takao Someya, professor da Universidade de Tóquio.

Colado na palma, ou no dorso da mão, o aparelho também pode servir para enviar mensagens aos pacientes para que não se esqueçam de tomar sua medicação, ou para permitir que as crianças se comuniquem com seus avós quando estiverem longe.

“Se você o coloca diretamente sobre a pele, tem a impressão de que faz parte do seu corpo. Quando alguém lhe envia mensagens à mão, isso o aproxima emocionalmente do remetente”, entusiasma-se Someya.  Mais informações no Correio do Povo.

NY Times Opinion: Onde estão os liberais da Venezuela?; por John Sexton

NY Times Opinion: Onde estão os liberais da Venezuela?; por John Sexton

Destaque Mundo Opinião Poder Política

Bret Stephens tem um artigo de opinião no NY Times hoje perguntando por que a esquerda americana parece ter tão pouco interesse em uma causa de direitos humanos acontecendo aqui em nosso próprio hemisfério. Toda geração de ativistas abraça uma causa de política externa digna: acabar com o apartheid na África do Sul; parar a limpeza étnica nos Balcãs; salvar Darfur da fome e do genocídio. E então há a perene – e perenemente indigna – causa de “libertação” da Palestina, para a qual nunca há escassez de fanáticos crédulos do campus. Depois, há as causas humanitárias que os jovens ativistas de esquerda geralmente não abraçam, pelo menos não em grande parte. Prisioneiros políticos de Cuba. A violência islâmica contra os cristãos no Oriente Médio. O vasto e aterrorizante campo de concentração que é a Coréia do Norte. Onde estão os protestos esquerdistas sobre qualquer um desses?

O caso da Venezuela deve ser especialmente digno para estudantes universitários. É urgente. Está por perto. Suas vítimas estão lutando pela democracia, pelos direitos humanos, pela capacidade de alimentar seus filhos. Stephens diz que um motivo para o silêncio relativo pode ser que, até dois anos atrás, o socialismo venezuelano foi considerado um ponto brilhante por muitos à esquerda: O regime venezuelano foi uma causa da esquerda, animado por pessoas como Naomi Klein, Sean Penn e Danny Glover. As publicações de esquerda, como “The Intercept”, de Glenn Greenwald, fizeram desculpas para o regime e tratam seus críticos como Washington Stooges. Jeremy Corbyn, que ainda poderia ser o próximo primeiro-ministro da Grã-Bretanha, memorializou o falecido ditador Hugo Chávez em 2013 por suas “contribuições massivas para a Venezuela e um mundo muito amplo”. Ainda hoje, a crítica é surpreendentemente silenciosa. Se Klein tenha chegado a um acordo formal com a tirania de Maduro ou a catástrofe da Venezuela, ela não fez isso na The Nation, The Guardian ou em qualquer lugar indexada pela LexisNexis ou Factiva. A resposta de Corbyn à repressão de Maduro foi expressar sua condenação de “a violência que foi feita por qualquer lado, por todos os lados” – uma peça de equivalência ofuscante digna da observação de Charlottesville de Donald Trump. Apenas para enfatizar esse ponto sobre os fãs de esquerda da Venezuela, aqui está o primeiro parágrafo para um dos meus artigos favoritos de todos os tempos:

Durante mais de uma década, as pessoas que se opuseram ao governo da Venezuela argumentaram que sua economia implodiria. Como os comunistas na década de 1930 rooteando para a crise final do capitalismo, viram o colapso econômico ao virar da esquina. Quão frustrante tem sido para eles testemunhar apenas duas recessões: uma diretamente causada pelo ataque petrolífero da oposição (dezembro de 2002 a maio de 2003) e uma provocada pela recessão mundial (2009 e primeiro semestre de 2010). No entanto, o governo obteve o controle da empresa petrolífera nacional em 2003 e o desempenho econômico de toda a década mostrou-se bastante bem, com um crescimento anual médio de renda real por pessoa de 2,7% e a pobreza reduzida em mais de metade e grandes ganhos para a maioria no emprego, acesso a cuidados de saúde, pensões e educação.

Isso foi publicado em novembro de 2013. Quatro anos depois, a inflação venezuelana agora é estimada em dígitos quadruplicados e pode levar horas para colecionar dinheiro suficiente de caixas eletrônicos para comprar uma xícara de café. E, claro, isso realmente é apenas arranhar a superfície do pesadelo, a vida diária tornou-se para muitas pessoas lá. Este é um país onde as crianças estão indo para os hospitais por desnutrição porque os grampos básicos como o leite e o pão são extremamente difíceis de encontrar.

Estamos testemunhando uma lição de objeto de uma década sobre as alegrias do socialismo, mas nunca parece chegar a uma massa crítica aqui nos EUA, quase como se não fosse relevante para o que está acontecendo aqui. Suspeito que Stephens tenha razão sobre tudo isso. Se a Venezuela não tivesse sido promovida como um paraíso socialista de esquerda até alguns anos atrás, provavelmente estaríamos ouvindo muito mais sobre seu declínio agora.

 

*Joe Sexton, hoje é editor sênior,  antes trabalhou por 25 anos como repórter e editor do The New York Times.

Ex-presidente da Guatemala e ex-presidente da Oxfam são presos por corrupção

Ex-presidente da Guatemala e ex-presidente da Oxfam são presos por corrupção

Mundo Notícias

O ex-presidente da Guatemala, Álvaro Colom Caballeros, e oito ex-ministros de seu governo (2008-2012), além de um ex-vice-ministro, foram presos ontem (13), acusados de fraudar e desviar milhões de dólares do sistema de transporte público implantado na Cidade da Guatemala a partir de 2009. Entre os ex-ministros detidos na operação coordenada pelo Ministério Público (MP) guatemalteco está Juan Alberto Fuentes Knight, que até ontem presidia a organização humanitária Oxfam International. Durante o governo Colom, Fuentes chefiou a pasta de Finanças Públicas. Pouco após ser detido em sua residência, Colom disse a jornalistas que, para sua equipe, todo o projeto transcorreu dentro da legalidade. “Veremos o que diz o juiz [do caso]”, declarou o ex-presidente guatemalteco, segundo os principais veículos de imprensa do país.

Juan Alberto Fuentes também disse a jornalistas que é inocente. A Oxfam anunciou que Fuentes renunciou ao cargo para se defender das acusações “com vigor”. Colom estava à frente da entidade desde abril de 2015 – quando a organização não-governamental (ONG) anunciou que sua nomeação coincidia com uma “importante mudança institucional, em um momento em que a Oxfam se reorganiza para se converter em uma entidade mais global, dinâmica e influente”.

Acusações de exploração sexual

A prisão de Fuentes é mais um duro golpe na credibilidade da organização não-governamental (ONG), que enfrenta acusações de que dirigentes locais e colaboradores pagavam para ter relações sexuais com mulheres no Haiti, no Chad e no Sudão do Sul. No Haiti, onde a prostituição é proibida, os casos teriam ocorrido logo após o terremoto que devastou o país, em 2011.

Os escândalos sexuais motivaram a diretora adjunta da Oxfam, Penny Lawrence, a pedir demissão do cargo, lamentando os ocorridos. “Me envergonho de que isto tenha sucedido sob o meu mandato e assumo toda a responsabilidade”, lamenta Penny Lawrence em nota divulgada pela Oxfam. “Sinto profundamente o dano e a angústia gerada naqueles que apoiam a Oxfam, em todos os setores e, sobretudo, nas pessoas em situação de vulnerabilidade que confiaram em nossa organização.”

A Oxfam Brasil se manifestou hoje (14) sobre os casos, afirmando que os abusos sexuais “são revoltantes e inadmissíveis”. Segundo a instituição, uma comissão independente investigará os casos relatados e os processos de recrutamento estão passando por uma revisão.  “Não pode haver espaço na Oxfam para quem abusa da posição de poder e da confiança de milhares de pessoas”, disse a instituição em nota.

A filial brasileira também se manifestou sobre a prisão de Fuentes e considerou que seu indiciamento e prisão provisória tornaram “insustentável sua permanência no cargo de presidente do Conselho da Oxfam Internacional, ainda que o caso seja do período anterior ao seu mandato com a organização”, completou.

Fraudes na Guatemala

Segundo a Procuradoria-Geral da Guatemala, os indícios de irregularidades na gestão do chamado Transurbano indicam que cerca de US$ 35 milhões foram desviados por meio de mecanismos legais fraudulentos. De acordo com o MP, agentes públicos e empresários de transporte participavam do esquema.

Investigadores da Promotoria Especial Contra a Impunidade, do Ministério Público e da Comissão Internacional Contra a Impunidade analisaram documentos, mensagens eletrônicas e a movimentação financeira dos suspeitos, bem como as normas legais e os procedimentos administrativos aprovados no período sob suspeita.

De acordo com o MP, testemunhas afirmaram que, em 2007, a Associação de Empresários de Ônibus (AEAU), não só financiou parte das campanhas eleitorais dos dois principais candidatos à presidência do país, como mobilizou eleitores – um dos favorecidos foi Álvaro Colom, que acabou eleito.

Ainda segundo o MP, após a vitória de Colom, a associação de empresários se organizou para “monopolizar” o sistema de transporte público, criando quatro empresas anônimas com o propósito de captar os recursos destinados ao Transurbano. (Agência Brasil)

Temer vai editar medida provisória para instituir emergência social na fronteira com a Venezuela

Temer vai editar medida provisória para instituir emergência social na fronteira com a Venezuela

Destaque Mundo

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou hoje (14) que o governo vai instituir emergência social em Roraima devido ao alto fluxo de migração de venezuelanos, por meio de uma medida provisória a ser editada pelo presidente Michel Temer. Jungmann participou hoje de reunião com Temer e ministros no Palácio da Alvorada para discutir a situação da região.

Segundo Jungmann, as Forças Armadas passarão a coordenar toda a ação do governo federal em Roraima e o efetivo militar para apoio às questões humanitárias será duplicado, passando de 100 para 200 homens.

As medidas estarão previstas na medida provisória que será editada entre amanhã (15) e sexta-feira (16), de acordo com o ministro da Justiça, Torquato Jardim. “Amanhã, no máximo depois de amanhã, será editada uma medida provisória sobre o fundamento da emergência social para garantir os meios e os recursos necessários da ajuda federal”, disse. Segundo Torquato, o comitê coordenador das ações será criado com representantes de oito ministérios.

Outra medida informada pelo ministro Raul Jungmann foi o envio de um hospital de campanha para o estado com salas de atendimento e cirurgia para dar reforço ao atendimento na área de saúde. O ministro da Defesa acrescentou que serão criados mais postos de controle no interior de Roraima e será ampliado o controle da fronteira na cidade de Pacaraima. “Não vamos ficar apenas na fronteira. Também vamos colocar pessoal e controle no interior para fazer esse processo de triagem, de apoio ao que está sendo feito”, disse.

Migração

O ministro Torquato Jardim explicou que o objetivo das medidas não é proibir a entrada de venezuelanos no Brasil, o que seria contrário aos tratados internacionais de direitos humanos dos quais o país é signatário. “Seria fazer uma seleção para saber quem está chegando e que tipo de ajuda cada um precisa. Uns precisam de ajuda médica, outros já estão mais qualificados para conseguir um emprego”, explicou.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Sérgio Etchegoyen, informou que há ainda um trabalho de inteligência em parceria com outros países para identificar os fluxos de migrantes, a intensidade e o resultado das políticas que forem adotadas. “Um dos propósitos é proteger nossa população sem descuidar da gravíssima tragédia humanitária que temos hoje na nossa fronteira”, disse Etchegoyen.

Além dos ministros da Defesa, da Justiça e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, também participaram da reunião com o presidente Temer os ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha. A reunião foi fechada à imprensa e as falas dos ministros foram divulgadas pela Presidência da República.

Na segunda-feira (12), Temer esteve em Boa Vista e anunciou que o governo editaria uma medida provisória para criar um grupo responsável por coordenar assuntos relacionados à migração dos venezuelanos.

Para fugir da crise política e econômica na Venezuela, diariamente imigrantes ingressam no Brasil pela fronteira com Roraima. A prefeitura de Boa Vista estima que cerca de 40 mil venezuelanos tenham entrado na cidade. O número corresponde a mais de 10% da população local, de cerca de 330 mil habitantes. (Agência Brasil)

Crise venezuelana já se equipara à do Mediterrâneo

Crise venezuelana já se equipara à do Mediterrâneo

Mundo Notícias

O fluxo de migrantes venezuelanos para Colômbia e Brasil já se assemelha ao movimento mensal de refugiados que cruzaram o Mar Mediterrâneo para a Itália no auge da crise migratória europeia de 2015. O alerta é de Joel Millman, da Organização Internacional de Migrações. Mais de 500 mil deixaram a Venezuela em 2017. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

GNC Cinemas do Praia de Belas Shopping apresenta o filme “O Destino de uma Nação” na 9ª Edição do CinePsiquiatria

GNC Cinemas do Praia de Belas Shopping apresenta o filme “O Destino de uma Nação” na 9ª Edição do CinePsiquiatria

Agenda Comunicação Cultura Destaque Mundo Vídeo

Com seis indicações ao Oscar, o filme Darkest Hour (O Destino de uma Nação) será tema debate do CinePsiquiatria, que ocorre próximo dia 3 de fevereiro, às 10h30, no GNC Cinemas do Praia de Belas Shopping. A sessão comentada é realizada sempre no primeiro sábado do mês e recebe o público em geral, com 50% de desconto nos ingressos. Após a apresentação, psiquiatras convidados comentam e abrem espaço para discussão.

Sob a coordenação do Dr. Walmor Piccinini, a exibição contará com o comentário do psiquiatra convidado, o Dr. Altair Marcelo Tavares. O filme escolhido para esta nona edição tem como enredo a posse de Winston Churchill (interpretado por Gary Oldman) como Primeiro Mnistro da Grã-Bretanha. Paralelamente a este grande desafio, ele começa a costurar um tratado de paz com a Alemanha nazista que pode significar o fim de anos de conflito.

Promoção da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Associação de Psiquiatria da América Latina (APAL) e localmente pelo Centro de Estudos Cyro Martins (CCYM), o projeto tem como objetivo promover a saúde mental, tirar o estigma da doença mental e do tratamento psiquiátrico.

SERVIÇO

CinePsiquatria: Filme Darkest Hour (O Destino de uma Nação)

Data: 3 de fevereiro, às 10h30

Sessão comentada com o psiquiatra:

– Dr. Altair Marcelo Tavares

Coordenação:

– Dr. Walmor Piccinini

Local: GNC Cinemas do Praia de Belas Shopping

Ingresso: Meia-entrada. Podem ser adquiridos pelo site www.gnccinemas.com.br ou no local

 

 

 

 

 

 

Macri pede que reformas e Lava Jato continuem. Argentina diz que antecipará multa cobrada de montadoras

Macri pede que reformas e Lava Jato continuem. Argentina diz que antecipará multa cobrada de montadoras

Mundo Notícias

O presidente da Argentina, Maurício Macri, afirmou em Davos que vê com bons olhos as reformas no Brasil e pediu que elas sejam mantidas pelo próximo presidente, já que precisa “de um sócio forte no Mercosul”. À Folha disse esperar que a Lava Jato continue. “E que saibamos quem são os que receberam na Argentina pelas obras da Odebrecht.” A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Em resolução publicada nesta semana, o governo argentino afirmou que antecipará a cobrança de multas de montadoras brasileiras cujas exportações para o país ultrapassam o acordado em compromisso bilateral. O regime especial prevê que a cada US$ 1,50 exportado em autopeças e veículos, sem impostos, US$ 1 pode ser importado. Com a crise, porém, as vendas para fora têm sido maiores. Inicialmente, os valores seriam cobrados em 2020. A reportagem completa está na Folha de São Paulo.