Uso de celular com cabeça inclinada pode causar lesão na cervical

Uso de celular com cabeça inclinada pode causar lesão na cervical

Notícias Saúde
A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que pelo menos 37% da população brasileira, cerca de 60 milhões de pessoas, convivem com a dor gerada pela má postura ao manusear os smartphones. O número já é mais do que a média mundial que é de 35%.

Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), os celulares ativos já somam 230 milhões no Brasil, um crescimento de 10 milhões em comparação com 2018 .O Brasil tem mais dispositivos digitais do que brasileiros, uma média de dois smartphones, notebooks, computadores ou tablets por habitante.

Por isso, profissionais da saúde estão alertando os usuários com relação à postura ao utilizar os aparelhos. Se não for corrigida, pode gerar dor crônica e lesões que podem até precisar de cirurgia.

A ortopedista do Grupo Notedrame Intermédica, Liége Mentz-Rosano, explicou que o uso do celular faz com que a pessoa fique em uma posição viciosa, levando o pescoço a fazer uma flexão, que eleva o peso carregado pela região.

“Quando ficamos em uma posição neutra de zero graus, é exercida uma força de cinco quilos. À medida em que vamos dobrando o pescoço e fazendo uma curva, o ângulo aumenta e a pressão exercida ao chegar em 30 graus será de 18 quilos. Aos 60 graus, chega em 30 quilos”, destacou.

Segundo Liège, isso leva à sobrecarga nos discos, que são como borrachinhas entre cada vértebra, que servem como amortecedores para evitar lesões quando são feitos movimento de impacto, além de serem fundamentais para a mobilidade.

“Essas lesões causadas pelo uso excessivo do celular podem levar à degeneração do disco, que vai formando uma barriga, que nada mais é do que a hérnia de disco. Essas hérnias podem resultar na compressão dos nervos, ocasionando perda de força, formigamento braços, artrose precoce nas pessoas mais jovens, degeneração não só no disco, mas na parte óssea”, disse Liége.

A médica explicou ainda que muitas vezes as lesões da cervical podem levar o indivíduo a sentir dores fortes de cabeça, sem associar os fatos. “Muitas vezes as pessoas têm dor de cabeça e não sabem que é do pescoço. Temos inclusive, visto um aumento grande na incidência de pessoas mais jovens, adolescentes, jovens adultos e até crianças que relatam dor no pescoço e dores de cabeça por conta da lesão.”

Prevenção

Liége reforçou que a prevenção é a melhor forma para evitar esses problemas. Além de manter a postura correta ao manusear o celular, levando-o a uma posição neutra em que se consiga olhar discretamente para baixo, utilizar apoios, ou transferir os aplicativos possíveis para o computador, é preciso fazer exercícios de fortalecimento e alongamento de uma a mais vezes por dia. “Quando fortalecemos a musculatura anterior e posterior, fortalecemos as estruturas do pescoço. Isso protege e ajuda na correção postural.”

De acordo com o responsável técnico de hospital Anderson Benine Belezia, há diferentes métodos de imagem para avaliar a coluna cervical. O primeiro é uma radiografia simples da região, exame simples pelo qual é possível avaliar as estruturas ósseas e ver sinais que podem sugerir problemas no disco intervertebral. O segundo é uma tomografia computadorizada, que tem a maior capacidade de avaliação das estruturas ósseas. Já o terceiro, a ressonância magnética é o que tem melhor capacidade de avaliação de danos nos discos interverterias (hérnias principalmente), podendo avaliar eventuais compressões nervosas e da medula com maior precisão que outros métodos.

“Nos três exames, o médico radiologista avalia as alterações presentes ou não, correlacionando com os dados clínicos informados pelo médico solicitante ou pelo próprio paciente, e fornece uma descrição detalhada dos achados de imagem que poderão nortear o tratamento e manejo clínico ou cirúrgico do paciente”, explicou Belezia.

A nutricionista Jessica Ramos contou que tem o hábito de utilizar o celular de 12  a 15 horas por dia. Foi depois de concluir seu mestrado – momento em que teve mais tempo para ficar no celular – que começou a sentir mais dores no pescoço, irradiando para o ombro e braço. “Até meus dedos doem ao digitar. Eu acredito que esteja associado ao uso excessivo do celular. A médica me pediu para fazer alguns exames e me passou medicações leves. Agora estou tomando mais cuidado com a postura, tentando usar o fone de ouvido nas ligações e quando mando mensagem colocar a postura mais ereta possível”, disse. (Flávia Albuquerque/Agência Brasil)

Porto Alegre: Secretário do Ministério da Economia fala terça-feira na ACPA sobre desregulamentação da atividade produtiva

Porto Alegre: Secretário do Ministério da Economia fala terça-feira na ACPA sobre desregulamentação da atividade produtiva

Agenda Cidade Economia Negócios Notícias

“Desburocratização, Produtividade e Desregulamentação” é o tema do bate-papo com o número 2 da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, secretário especial adjunto Igor Calvet, nesta terça-feira, 27, durante a reunião-almoço MenuPOA, promovida pela Associação Comercial de Porto Alegre. “Queremos mudar a relação do Estado com o setor privado, remover obstáculos, desobstruir o que impede a atividade produtiva de avançar”, explica Calvet.

A equipe econômica do governo Bolsonaro está elaborando medidas para tentar aumentar produtividade das empresas. Entre as propostas, estão iniciativas para desburocratizar procedimentos, qualificar trabalhadores e modernizar processos de administração.

No governo Temer, Calvet foi o responsável pelo “Brasil Mais Produtivo”, programa voltado para pequenas e médias indústrias. Também lançou o modelo de gestão e informação Coletânea Guias BIM (da sigla em inglês para Building Information Modelling), com o objetivo de disponibilizar informações que orientem a prática de planejar, projetar, contratar, fiscalizar e aceitar obras públicas ou privadas.

Calvet é doutorando e mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília, especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Entre 2006 e 2016, atuou como Analista de Mercado, na Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), e secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços – MDIC.

MenuPOA acontece às 12h no Salão Nobre do Palácio do Comércio, no Centro Histórico de Porto Alegre.

Inscrições abertas para o 10° Fórum Liberdade e Democracia

Inscrições abertas para o 10° Fórum Liberdade e Democracia

Agenda Economia Notícias

 

O Fórum Liberdade e Democracia 2019, realizado pelo Instituto de Formação de Líderes de Belo Horizonte (IFL-BH), instituição que desenvolve novas lideranças com valores de liberdade, está com inscrições abertas. O evento, que acontece dia 23 de setembro, das 14h às 20h, no Palácio das Artes, traz uma série de painéis com ideias para a criação de uma sociedade mais livre e desenvolvida. Com o tema: “O Caminho para a Prosperidade”, o encontro busca despertar o olhar dos participantes para a importância de uma agenda de liberdade no Brasil. Com a presença de empresários, políticos, filósofos e economistas, a 10ª edição do fórum irá debater as questões mais relevantes para a construção de uma sociedade mais livre, justa e próspera.

Clique aqui e faça a inscrição até 23 de setembro.

Hospital Moinhos de Vento discute esclerose múltipla com pacientes

Hospital Moinhos de Vento discute esclerose múltipla com pacientes

Notícias Saúde Trabalho

Conceitos, sintomas e diagnósticos da esclerose múltipla foram apresentados neste sábado (24) em um evento do Hospital Moinhos de Vento. A coordenadora do Núcleo de Esclerose Múltipla e Doenças Desmielinizantes da instituição, Maria Cecília de Vecino, e os neurologistas Marco Aurélio Caneda e Marlise de Castro Ribeiro foram os painelistas da programação, que faz parte do Agosto Laranja, mês de conscientização da doença.

Dados revelam que há cerca de 35 mil brasileiros com a enfermidade — o que representa uma média de 30 para cada cem mil habitantes. A patologia é mais presente entre mulheres e tem dois fatores influenciadores. “São genéticos e ambientais, que consideram dados geográficos, históricos e hábitos”, explicou Marco Aurélio Caneda, que ainda falou sobre evidências do surgimento da esclerose e desmistificou aspectos de tratamentos alternativos.

FOTO3
 Marlise de Castro Ribeiro, Maria Cecília de Vecino e Marco Aurélio Caneda. Foto: Lucas Dalfrancis

Marlise de Castro Ribeiro abordou as situações enfrentadas na infância. Estudos recentes mostram que 5,5% das pessoas têm o início da doença ainda nessa etapa da vida. De acordo com a especialista, a esclerose múltipla apresenta entre as crianças os surtos clínicos mais severos. Ressaltou ainda a dificuldade de diagnóstico e as formas de acompanhamento e tratamento cientificamente comprovados.

Para a neurologista Maria Cecília de Vecino, é importante atualizar pacientes e familiares sobre a realidade de novas drogas e terapias. “É fundamental criar uma rede de informações, pois nem tudo é esclerose e quem a enfrenta costuma perceber tardiamente. O diagnóstico é demorado, e a própria pessoa não entende o que está acontecendo com ela”, alertou. Por isso, o paciente precisa saber o que lhe interessa, o que há de novo e de útil, as novas tecnologias e drogas disponíveis, sempre de fontes confiáveis.

Atividade física, dieta e estresse

Maria Cecília chamou atenção para a importância de um profissional acompanhar o processo de reabilitação. “O exercício precisa ser trabalhado com um educador físico que conheça bem a doença”, esclareceu. Salientou também a relevância da temperatura na realização de atividades físicas. “Algumas pessoas reagem bem ao calor, outras não. Por isso, é preciso de cuidado.”

 

A médica ainda enfatizou a necessidade de dieta balanceada e monitorada por um especialista, além dos efeitos positivos de atividades para controlar o estresse. “Meditação, yoga e tai chi têm um ganho brutal de equilíbrio e melhora, o que faz toda diferença”, recomendou.

Taxa de homicídios cai em 21 estados e no DF. Inteligência, integração policial e trégua entre facções contribuíram para queda

Taxa de homicídios cai em 21 estados e no DF. Inteligência, integração policial e trégua entre facções contribuíram para queda

Notícias

Ações específicas de governos estaduais e fatores independentes de políticas públicas, como a trégua entre as duas maiores facções criminosas no país, são as principais razões para a redução no número de assassinatos desde 2018, informam MARCO GRILLO e ALINE RIBEIRO. De janeiro a abril, houve 20% menos mortes violentas intencionais em relação ao mesmo período de 2018, com queda de homicídios em 21 estados e no DF, revela primeira reportagem da série. Investimento em inteligência e integração entre as polícias contribuíram para a melhora dos índices.

Clique aqui e leia a íntegra em O Globo.

Obituário: Morre ministro aposentado do STJ Ruy Rosado; do Conjur

Obituário: Morre ministro aposentado do STJ Ruy Rosado; do Conjur

Notícias

Morreu neste sábado (24/8), aos 81 anos, o ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça Ruy Rosado. Ele atuou na corte entre 1994 e 2003 e chegou a presidir a 4ª Turma entre 1999 e 2001.

O ministro do STJ Luís Felipe Salomão afirmou que Rosado deixa um valioso legado para o Direito do Consumidor.

“Além de grande jurista e professor,  foi um dos melhores juízes do Brasil. Não se transviava pelo preconceito, nem se envenenava pela paixão. Suave no trato. O Direito do Consumidor ganhou força graças a ele. Precedentes memoráveis no Tribunal da Cidadania. Vai fazer muita falta”, disse Salomão.

O ministro aposentado do STJ Cesar Asfor Rocha destacou o impacto das decisões de Rosado.

“Ruy Rosado foi o mais completo juiz que conheci na minha vida. E sempre que julgava ouvia o seu coração. Muitas teses hoje consagradas no STJ e na legislação tiveram inicio em nossos votos vencidos. Saiu desta para outra vida com o espirito mais elevado”.

O desembargador do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP e MS) Fábio Prieto ressaltou a inteligência e a dedicação do magistrado.

“Ruy Rosado representava o que há de melhor na tradição forense: culto, trabalhador, dedicado, comprometido com as instituições que tiveram a felicidade de tê-lo em seus quadros”.

Já o professor da USP Otávio Luiz Rodrigues Júnior opinou que o magistrado foi teve grande impacto na jurisprudência sobre Direito Privado.

“O ministro Ruy Rosado foi um ser humano superior. Elegante, afável e com uma rara capacidade de respeitar a divergência e de estimular os jovens juristas com sua generosidade. Herdeiro dos ensinamentos de Clovis do Couto e Silva, tanto no Tribunal do Rio Grande do Sul quanto no Superior Tribunal de Justiça, ele transformou a jurisprudência nacional no Direito Privado com acórdãos célebres sobre boa-fé, venire contra factum proprium e tu quoque. Perdemos hoje um grande brasileiro”.

Trajetória
Nascido em Iraí, no Rio Grande do Sul, Ruy Rosado de Aguiar Júnior era bacharel em ciências jurídicas e sociais, com pós-graduação em Direito (especialização em Direito Penal), além de ter feito mestrado em Direito Civil na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Foi promotor de Justiça entre 1963 e 1980, ano em que ingressou na magistratura. Rosado atuou no Tribunal de Alçada Civil e depois foi promovido a desembargador do Tribunal de Justiça gaúcho, onde trabalhou de 1985 a 1994. Presidiu o Conselho Estadual dos Juizados Especiais e de Pequenas Causas de 1989 a 1992.

Ele também foi Corregedor-Geral de Justiça do Rio Grande do Sul entre 1992 e 1993 e 2º vice-presidente do TJ-RS em 1994. Assumiu uma cadeira no STJ em 29 de abril de 1994 durante o governo Itamar Franco. Rosado se aposentou do tribunal em 12 de agosto de 2003. Ele também deu aulas de Direito Penal e Direito Constitucional em universidades gaúchas.

Força Nacional também será enviada à Amazônia

Começou ontem, por Rondônia, a operação militar de combate às queimadas na Amazônia, e outros cinco estados já tiveram ações autorizadas. Serão desbloqueados R$ 28 milhões e enviados às áreas agentes da Força Nacional, para reforçar a fiscalização contra o desmatamento. O presidente Bolsonaro afirmou que a situação “está indo para a normalidade”.  (O Globo)

Há diferenças com Bolsonaro, mas o respeito, afirma Evo; da Folha de São Paulo

Há diferenças com Bolsonaro, mas o respeito, afirma Evo; da Folha de São Paulo

Mundo Notícias

O presidente da Bolívia, Evo Morales, que esteve na posse de Jair Bolsonaro, negou aproximação com o colega brasileiro. Ele afirmou a Sylvia Colombo — que o acompanhou em viagem no jato presidencial — haver “uma diferença ideológica importante” entre eles, mas que o respeita. Evo criticou a flexibilização de armas. “A Bolívia nunca fará isso.”

 

Clique aqui e leia a íntegra na Folha de São Paulo.

Mesmo com diploma, trabalhador aceita vaga menos qualificada. Dos 17,6 milhões com ensino superior no mercado, 5,2 milhões estão nessa situação

Mesmo com diploma, trabalhador aceita vaga menos qualificada. Dos 17,6 milhões com ensino superior no mercado, 5,2 milhões estão nessa situação

Notícias

Pelo menos 30% dos trabalhadores brasileiros com ensino superior deixaram o diploma na gaveta nos últimos anos para exercer funções que não exigem formação universitária, segundo dados do IBGE. Análise da consultoria iDados mostra que, dos 17,6 milhões de trabalhadores formais ou informais graduados, 5,2 milhões estavam em empregos menos qualificados no trimestre encerrado em junho. Antes da recessão, em 2014, eram 3,2 milhões – e esse grupo tem crescido um ponto porcentual por ano. O problema é ainda maior entre os jovens: 34% dos que têm de 25 a 34 anos e ensino superior estão nessa situação.

Em alguns casos, até há vagas. O desemprego de quem tem formação universitária, de 7% no segundo trimestre, é mais baixo do que o da média da população (12%), mas o excesso de mão de obra oferecida – com a concorrência entre profissionais experientes, recém-formados e desempregados com graduação – derruba os salários pagos. Para analistas, a reindustrialização da economia e a retomada de obras de infraestrutura poderiam aumentar a demanda por profissionais mais qualificados.

Clique aqui e leia a íntegra em O Estado de São Paulo.