Porto Alegre: Trincheira da Anita será bloqueada para obra de acabamento

Porto Alegre: Trincheira da Anita será bloqueada para obra de acabamento

Cidade Destaque Marchezan Notícias Política Porto Alegre Trabalho
A partir deste sábado, dia 23, às 9h, a trincheira da Anita Garibaldi será fechada por 30 dias para obras de acabamento, conforme planejado desde maio de 2018. De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade (Smim) e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), o bloqueio é necessário para não colocar em risco os motoristas e os trabalhadores, e também para dar mais rapidez aos trabalhos.

“O fechamento da passagem vai garantir o cumprimento do cronograma para que se atenda o prazo da entrega total da obra”, explica Luciano Marcantônio, titular da Smim. A trincheira possui duas faixas de rolamento com largura total de aproximadamente sete metros. Os serviços terão mais de dez funcionários e equipamentos como andaimes, plataformas, escadas, talhadeira e lixadeira. “Não há como garantir a segurança no trecho com uma equipe trabalhando em andaimes em uma faixa e ao lado veículos circulando. Algum material pode ser projetado contra os veículos, por exemplo”, diz o diretor-técnico da EPTC, Marcelo Hansen.
Serão realizadas obras de drenagem, raspagem, acabamento grosso, aplicação de selador e tinta antipichação. A EPTC destaca que o desvio no trânsito, pela rua Furriel Luiz Antonio de Vargas e Alameda Raimundo Correa, segue aberto e será a alternativa para quem se deslocar no sentido Centro/bairro. Ficarão liberados o acesso local e a utilização da alça de acesso à Terceira Perimetral em direção à zona Sul de Porto Alegre.
As obras na trincheira da Anita foram retomadas em 12 de fevereiro de 2018. Junto com o trabalho que será executado na passagem de nível, prossegue a obra no muro do condomínio Província de Shiga. Posteriormente, será feito o alargamento da via. No momento, o percentual de execução é de 93%, e a conclusão está prevista para junho deste ano.
Porto Alegre: Presidente em exercício General Mourão participa de Painel sobre segurança pública nesta sexta-feira

Porto Alegre: Presidente em exercício General Mourão participa de Painel sobre segurança pública nesta sexta-feira

Agenda Cidade Destaque Política Segurança

O Presidente da República em exercício, General Hamilton Mourão, participa nesta sexta-feira (22/3) do painel Desafios de Uma Nação: Segurança Pública em Foco, a partir das 14h no Teatro do Sesi , em Porto Alegre. O Presidente Jair Bolsonaro estará em um encontro no Chile. O evento é uma promoção do gabinete do deputado estadual Tenente-Coronel Zucco (PSL).

Também participarão dos debates o secretário nacional de segurança pública, General Guilherme Theóphilo, e o vice-governador e secretário de Segurança Pública do Estado, Ranolfo Vieira Júnior.

O painel será dividido em quatro grandes tema: sistema prisional, crimes de fronteira, integração na segurança pública e políticas de segurança pública. Os debatedores responderão a questionamentos encaminhados pela plateia.

Trump: A verdade tarda, mas chega; por Glauco Fonseca

Trump: A verdade tarda, mas chega; por Glauco Fonseca

Agenda Artigos Destaque Mundo Negócios Opinião Poder Política

Desde o início do governo Trump, ele vem sendo fustigado violentamente pela mídia americana (exceção à Fox News e outros pequenos blogs e sites), pelo Partido Democrata, pela elite de Hollywood e pela esquerda internacional, tudo por conta de supostos “conluios” com os russos, que teriam sido responsáveis pelo resultado das eleições em que Trump saiu vitorioso.

Houve inclusive investigações ao longo de mais de dois anos, tudo a partir de um suposto dossiê que teria sido entregue ao FBI por um ex-agente secreto britânico, onde estariam relacionadas todas as “falcatruas” de Trump antes e depois das eleições.

A história é longa demais e com personagens demais para serem contados aqui. Segue um pequeno resumo:

1) Descobriu-se que o dossiê era fabricado e mentiroso, pago por Hillary Clinton e pelo Partido Democrata;

2) Este dossiê foi utilizado pelo FBI e pelo governo Obama para investigar membros da campanha de Trump por um tribunal especial, que fora enganado para autorizar tais investigações.

3) Já se descobriu que todos os envolvidos na perseguição a Trump estavam a serviço de uma CERTEZA de vitória de Hillary, o que não aconteceu.

4) Depois de iniciada a fraude do dossiê, eles não puderam voltar atrás e iniciaram outra investigação, que já dura dois anos e cujos os resultados – ZERO ABSOLUTO – serão apresentados aos americanos nos próximos dias.

Portanto, nada houve e há contra Donald J. Trump. Nada. Nenhum conluio, nada de corrupção, nada, ABSOLUTAMENTE NADA.

Este é o resumo do resumo.

A mídia internacional está em PÂNICO, pois sabe que o “Muller Probe” terá resultados conhecidos em breve e NADA terá contra Trump. Os democratas americanos estão em estado de pavor, pois já sabem que não têm chance contra a reeleição de Donald Trump. A elite americana, principalmente do nordeste americano e da Califórnia, está deprimida e apoiando candidatos obscuros e socialistas de extrema esquerda, que sempre foram e serão rechaçados pelos eleitores americanos.

Eis porque o governo Bolsonaro se alia e apoia o governo limpo, ousado, vitorioso e espetacular de Trump.

E esta aproximação com os EUA é vital para o futuro do Brasil.

Glauco*Glauco Fonseca, Headhunter e diretor da Strainer Talentos Estratégicos


Eduardo Leite e os CCs de Sartori

Eduardo Leite e os CCs de Sartori

Destaque Política

Faz 4 semanas que dezenas de CCs do Estado foram comunicados que não continuariam em suas funções. Até aí, tudo bem. Faz parte do jogo, já que eram Cargos em Comissão indicados no governo Sartori.

O que não tem explicação é o fato de estas pessoas até agora não terem sido exoneradas tampouco comunicadas de como e quando receberão seus direitos trabalhistas.

Nada! Zero de comunicação e respeito.

Não era só tirar a bunda da cadeira?

IPTU: inadimplência na Capital é a menor da Região Metropolitana

IPTU: inadimplência na Capital é a menor da Região Metropolitana

Cidade Comunicação Notícias Política Porto Alegre prefeitura

A Receita Municipal da Secretaria da Fazenda divulgou nessa sexta-feira, 15, dados do IPTU. O índice de inadimplência em 2017 ficou em 7.31%, o menor entre os municípios da Região Metropolitana. Em relação ao IPTU 2018, a inadimplência até fevereiro está em 10,41%. De acordo com o secretário municipal da Fazenda, Leonardo Busatto, o Município ainda está atuando sobre aqueles que não efetuaram o pagamento. “A tendência é que, ao longo de 2019, a inadimplência do IPTU 2018 alcance patamar inferior à verificada para o IPTU 2017.”

A prefeitura deixa de arrecadar com a falta de pagamento aproximadamente R$ 50 milhões por ano, o que acaba afetando setores fundamentais para a cidade. “Os recursos arrecadados de IPTU em parte são vinculados, devendo destinar 15% para a saúde e 25% para a educação. Os 60% restantes podem ser direcionados para áreas que a administração do município considere prioritárias, como infraestrutura, saneamento e pagamento do funcionalismo”, disse Busatto.

Conforme o superintendente-adjunto da Receita Municipal, Christian Fouchard Justin, um trabalho ostensivo de cobrança vem sendo realizado nos últimos anos, que iniciam por um contato pessoal, passando pela negativação, protesto extrajudicial, cobrança judicial, podendo resultar até em leilão do imóvel do inadimplente. “Somente em janeiro e fevereiro, foram concluídas negociações de 4.768 casos de IPTU. Alertamos que é importante buscar a regularização antes que essas ações mais ostensivas se iniciem, pois, após iniciadas, os custos para negociação são maiores, podendo envolver custas judiciais”, afirmou.

Em Porto Alegre, o trabalho realizado de recuperação de créditos tem sido eficiente. “Somos a capital do Brasil com maior retorno, muito à frente das demais. A tendência é que cada vez mais os contribuintes paguem o IPTU em dia, visto que as ações de cobrança acabam tornando a regularização tardia mais onerosa”, disse Chistian Fouchard.

Como regularizar a dívida – Na Área de Atendimento da SMF, é possível parcelar qualquer débito em atraso e colocar em débito em conta, evitando assim um novo esquecimento. Além disso, visando a facilitar e agilizar as negociações, está disponível um número de Whatsapp da Receita Municipal (51 99348-9424), onde é possível parcelar o imposto e receber a primeira guia de pagamento e o formulário para débito em conta.

RS: MBL convoca atos em defesa da Operação Lava Jato. Manifestações acontecem em Porto Alegre e mais cinco cidades

RS: MBL convoca atos em defesa da Operação Lava Jato. Manifestações acontecem em Porto Alegre e mais cinco cidades

Cidade Destaque Direito Política Porto Alegre

“Só você pode defender a Lava Jato agora. Vamos às ruas neste domingo exigir que o Congresso acabe com a palhaçada do STF”, diz mensagem publicada pelo Movimento Brasil Livre (MBL) em seu perfil oficial no Twitter.

O Movimento realizará os protestos “em defesa da Lava Jato”, em seis cidades gaúchas nesse domingo, 17 de março.

A indignação popular se deve à votação dos ministros do Suupremo que deu competência à Justiça Eleitoral para investigar casos de corrupção da Operação Lava Jato que envolvam caixa 2 e outros crimes comuns, como lavagem de dinheiro.

A Procuradoria-Geral da República, os membros da Lava Jato e o ministro da Justiça, Sergio Moro, posicionaram-se contra a decisão do STF.

Apesar de respeitarem a determinação, todos declaram que a Justiça Eleitoral não tem estrutura para julgar crimes complexos e há riscos de haver impunidade.

54435595_362942617630016_8275594010144276480_n

Cesárea política: Manuela D’Ávila ganha dano moral por crítica de médica no parto da filha; por Jomar Martins/Conjur

Cesárea política: Manuela D’Ávila ganha dano moral por crítica de médica no parto da filha; por Jomar Martins/Conjur

Crianças Destaque Direito Política Porto Alegre

O site CONJUR informa em reportagem de Jomar Martins, que por maioria da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul aceitou apelação da ex-deputada federal Manuela D’Ávila (PC do B), que teve ação de danos morais julgada improcedente pela 16ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre. Com a procedência da indenizatória, Manuela irá receber R$ 5 mil da médica Juliana Zanrosso Caran, que a criticou por motivos políticos em rede social logo após o parto da filha. O entendimento segundo o site especializado em questões jurídicas, foi de que pessoas públicas, como os políticos, estão sujeitas a críticas e, implicitamente, aceitam que seus direitos subjetivos de personalidade sejam afetados por diferentes opiniões. Entretanto, esta mitigação de direitos não se estende ao espaço de vida privada da pessoa criticada, núcleo que deve ser inexpugnável ao escrutínio alheio.

Vitória da divergência
O relator da apelação, desembargador Tasso Soares Delabary, se alinhou ao juízo de origem, por entender que a postagem não contém nenhum conteúdo ofensivo ou pejorativo, mas apenas manifestação livre do pensamento num debate público instaurado pela própria autora, que tachava a cesariana de “violência obstétrica”, o que gerou animosidade com a classe médica.

“Logo, se a própria autora contextualizou sua gravidez à agenda política de defesa da redução de cesáreas e contra o que denominou de ‘violência obstétrica, não se pode reputar como abusiva ou como ataque pessoal a conduta da demandada que, diante do parto por cesárea, manifesta sua contrariedade com a forma que a autora se refere à atividade obstétrica como um todo e lança, ainda que de forma irônica, questionamento quanto à posição defendida pela parlamentar”, justificou no voto.

Delabary, entretanto, foi voto vencido no colegiado, prevalecendo o entendimento do colega Eugênio Facchini Neto. Para o redator do acórdão, a médica mostrou “conduta reprovável” ao escolher o momento do parto para, indiretamente, criticar Manuela, ainda que tenha tido o cuidado de postar um texto não ofensivo, aparentemente neutro e com linguagem polida. “A fina ironia que deu tom ao texto pode ser mais ferina do que outro texto, explicitamente ofensivo, mas que ao mesmo tempo revelasse o despreparo e a falta de inteligência de quem tivesse elaborado. Não foi à-toa que o texto, segundo a própria demandada, foi curtido por mais de 22 mil pessoas e compartilhado por mais de 7 mil”, escreveu no voto.

A seu ver, este não era o momento para a ré provocar a autora, que estava em estado puerperal, que deixa a mulher mais vulnerável. “No hospital Divina Providência, não se internou a Deputada Estadual Manuela D’Ávila para defender ou debater questões relativas ao ‘parto humanizado’. (…) [Manuela] Desejava que a equipe médica que a assistia a auxiliasse nesse momento importante de sua vida. Ela, seu marido e seu médico decidiriam as condutas a adotar a partir do momento em que ela baixou hospital. Essas questões diziam respeito à vida privada da autora”, anotou no voto.

Crítica política pós-parto
O fato que deu ensejo à ação indenizatória ocorreu no dia 28 de maio de 2015, uma hora após Manuela ter dado à luz à filha, num trabalho de parto que durou 26 horas e precisou ser concluído por cesariana. Sabendo que Manuela é defensora do “parto humanizado” e crítica ferrenha da cesariana, a médica obstetra a criticou em sua página no Facebook.

Segundo a inicial, a médica aproveitou o momento de dificuldade da então deputada para fazer provocações para um debate irracional e agressivo, quando deveria ter aguardado seu retorno à militância política ou, pelo menos, que estivesse fora de perigo de complicações pós-parto.

Na contestação, Juliana Caran afirmou que sua manifestação, feita em sua própria página do Facebook, teve a intenção apenas de incentivar o debate e não de ofender a autora. Defendeu que não houve qualquer invasão à privacidade da autora, não podendo ser responsabilizada por eventuais ofensas praticadas por terceiros.

Clique aqui para ler a sentença.
Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 001/1.15.0208963-8 (Comarca de Porto Alegre)

RS: Secretaria da Cultura entregou livros no Presídio Madre Pelletier no Dia Internacional da Mulher

RS: Secretaria da Cultura entregou livros no Presídio Madre Pelletier no Dia Internacional da Mulher

Cidade Cultura Destaque Educação Notícias Política Porto Alegre
A literatura alterou a rotina no Presídio Feminino Madre Pelletier, em Porto Alegre, nesta sexta-feira (8) em que se comemorou o Dia Internacional da Mulher. A secretária da Cultura, Beatriz Araujo, entregou livros às diretoras do Departamento de Tratamento Penal Simone Messias Zanella e Maria Clara de Matos Oliveira, durante atividade promovida pelo Instituto Estadual do Livro (IEL), entidade ligada à Sedac.
Os livros serão encaminhados às apenadas. Beatriz esteve acompanhada da secretária adjunta Carmen Langaro e da diretora do Instituto Estadual do Livro (IEL) Patrícia Langlois. “A promoção da cultura passa por ações como esta do IEL. Neste dia tão representativo pra nós, mulheres, percebemos o alcance e a importância da literatura, que rompe barreiras ao mesmo tempo em que promove conhecimento.”
 Os livros fazem parte do acervo itinerante do Tudo a Ler – programa de mediação de leitura do IEL. As estantes podem ser facilmente deslocadas entre diferentes ambientes. Cada uma delas com cerca de cem livros, escolhidos a partir do acervo disponível no Instituto. As doações são feitas por entidades apoiadoras.
O Madre Pelletier conta com uma escola frequentada por 30 presas, onde são ministradas aulas do Núcleo Estadual de Educação de Jovens e Adultos (Neeja). O presídio tem mais de 200 internas. Algumas estão na Unidade Materno infantil – gestantes a partir do sétimo mês de gravidez e mães de bebês com até um ano de idade.

 

Partidos começam prospecções para eleição municipal de Porto Alegre de 2020; por Luiz Augusto Kern/Correio do Povo

Partidos começam prospecções para eleição municipal de Porto Alegre de 2020; por Luiz Augusto Kern/Correio do Povo

Destaque Política Porto Alegre

Ainda é cedo para que o quadro de possíveis pretendentes a comandar a Prefeitura de Porto Alegre no lugar do prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) seja considerado definitivo. Mas, nos bastidores, começam a surgir os primeiros nomes de interessados em concorrer no pleito do ano que vem. E a primeira fotografia deste cenário, ao menos antes da formação de alianças, aponta para um enfrentamento inusitado nas eleições municipais da Capital: cinco mulheres disputando o pleito com outros seis ou sete homens.

As definições, no entanto, dependem de acordos internos nas siglas. Marchezan, cuja administração recém-chegou ao meio do caminho, preferiu não se manifestar sobre possível candidatura à reeleição. “É muito cedo”, limitou-se a dizer no fim de semana. Caso não queira concorrer, há possibilidade de uma aliança com o PP. Neste caso o atual vice, Gustavo Paim, seria o candidato.

A reportagem completa de Luiz Augusto Kern está no Correio do Povo.

Porto Alegre: EPTC testa aluguel de patinete elétrico a partir deste sábado

Porto Alegre: EPTC testa aluguel de patinete elétrico a partir deste sábado

Comunicação Destaque Marchezan Notícias Política Porto Alegre

A prefeitura, por meio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), autorizou a empresa Grin, startup de micromobilidade urbana, a iniciar um projeto piloto para o serviço privado de compartilhamento de patinetes elétricas por meio de solução tecnológica, pelo período de 90 dias a partir deste sábado, 16. O custo será de R$3,00 para o desbloqueio e primeiro minuto e R$ 0,50 centavos por minuto rodado. Para experimentar a plataforma, a primeira corrida de até 10 minutos será gratuita. O horário de funcionamento é das 7h às 22h.

O cadastro, pagamento e liberação das patinetes, restritos a maiores de 18 anos, serão realizados por meio do aplicativo da Grin, disponível nas plataformas App Store e Google Play, que mostrará os locais conveniados com o comércio local, em áreas privadas, para a retirada ou entrega dos equipamentos disponíveis para a população nos bairros Moinhos de Vento, Rio Branco, Cidade Baixa e Bom Fim. “A proposta deste tipo de transporte que vai ser testado em Porto Alegre é uma tendência mundial para a microacessibilidade das cidades”, diz Fábio Berwanger Juliano, diretor de Operações da EPTC. A iniciativa é baseada no Decreto Municipal nº 19.701, de 15 de março de 2017, que possibilita ao poder público o teste de novas tecnologias que contribuam para soluções inovadoras para cidade.

Para a segurança, é recomendado que os clientes façam uso de capacete e que mantenham sempre as duas mãos no guidão e os dois pés dentro da patinete. Para a viabilização do serviço e organização da cidade, é importante a devolução correta dos veículos nas estações. A empresa monitora as patinetes em tempo real e conta com uma equipe local para realizar o processo de coleta, recarga e recolocação diária nas estações. A locação também pode ser realizada por meio do aplicativo de entregas Rappi, opção criada a partir de uma parceria estratégica entre as duas empresas.

As patinetes observam as mesmas regras atuais para as bicicletas. Podem transitar em ciclovias e ciclofaixas (até o limite de 20 km/h) e, se necessário, nas calçadas (neste caso, o limite é de 6 km/h), respeitando sempre a prioridade total aos pedestres e observando o que determina o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). O usuários da plataforma também contam com cobertura do seguro de acidentes pessoais da seguradora HDI para eventuais acidentes durante o passeio.

Divulgação/The Daily Company