Porto Alegre: Campanha de vacinação contra sarampo começa segunda-feira

Porto Alegre: Campanha de vacinação contra sarampo começa segunda-feira

Agenda Cidade Notícias Poder Política Porto Alegre Saúde Trabalho

Crianças de seis meses a cinco anos incompletos sem esquema vacinal completo contra sarampo devem atualizar a caderneta de vacinação em outubro. A campanha de vacinação é nacional e se estende de segunda-feira, 7, ao dia 25. Sábado, 19, será o Dia D de imunização em todo o Brasil. Em novembro, a campanha entra na segunda etapa, sendo dirigida à atualização da carteira de jovens entre 20 e 29 anos.

Em Porto Alegre, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) oferecerá a vacina em todas as unidades de saúde, com horários diferenciados de atendimento (unidades de saúde, 8h às 17h; US Tristeza, Ramos, Modelo e São Carlos, das 8h às 22h; Clínica da Família, na Restinga, das 8h às 20h).

De acordo com informação do Ministério da Saúde, a vacinação nas duas etapas será feita de forma seletiva, ou seja, serão vacinadas, na primeira etapa, crianças que não têm nenhuma dose da vacina ou que ainda estejam com esquema incompleto de vacinação, conforme orientações previstas no calendário nacional de vacinação (veja o esquema vacinal por faixa etária abaixo).

A priorização deste grupo na primeira etapa deve-se à elevada incidência da doença nesta faixa etária, em surtos registrados em 2019 no país. As crianças menores de cinco anos apresentam maior risco de desenvolver complicações, tais como cegueira, encefalite, diarreia grave, infecções no ouvido, pneumonias e óbitos pelo sarampo. O objetivo da campanha é interromper a circulação viral e controlar a doença no Brasil.

Dados do Ministério da Saúde indicam que, em 2019, foram notificadas 26.421 suspeitas de sarampo no país. Desses, 5.346 foram confirmados. Em Porto Alegre, até 28 de setembro, foram confirmados oito casos da doença, todos em adultos jovens, público que compõe a segunda etapa da campanha (18 a 30 de novembro, com Dia D dia 30, sábado).

Esquema Vacina por Faixa Etária do SUS – Rotina:
– 12 meses a menores de cinco anos: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e uma dose aos 15 meses de idade (tetra viral) – Em 2019, por tempo indeterminado, o MS determinou a chamada dose zero – fora da rotina – para crianças entre seis meses e menos de um ano. O intervalo mínimo entre a dose zero e a 1ª dose (aos 12 meses), deve ser de 30 dias;

– cinco anos a nove anos não vacinadas anteriormente: Vacina Tríplice Viral – duas doses com intervalo de um mês entre as doses;

– 10 a 29 anos – Vacina Tríplice Viral – duas doses;

– 30 a 49 anos  – Vacina Tríplice Viral – uma dose;

– Profissionais da saúde, independentemente da idade – Vacina Tríplice Viral – duas doses.

Porto Alegre: 185 candidatos concorrem a 50 vagas do Conselho tutelar neste domingo

Porto Alegre: 185 candidatos concorrem a 50 vagas do Conselho tutelar neste domingo

Agenda Destaque Direito Poder Política Porto Alegre
A eleição para a escolha dos novos conselheiros tutelares em Porto Alegre ocorrerá neste domingo, 6, das 8h30 às 17h. Na Capital, 185 candidatos, que passaram por análise documental e provas de conhecimentos, concorrem a 50 vagas, em dez microrregiões da cidade.
O processo terá validade para o mandato 2020-2023, e o eleitor poderá escolher até cinco candidatos de sua microrregião. Cada microrregião da cidade funcionará com cinco membros, totalizando os 50 conselheiros tutelares.
Os eleitores podem conferir informações sobre locais de votação e a lista com os candidatos no site e também através do telefone 156. Ao todo, serão 239 urnas eletrônicas distribuídas em 82 locais.
Cerca de 700 pessoas vão trabalhar durante a votação, além de sete funcionários do Escritório das Eleições da prefeitura. O pleito é realizado pelo Conselho Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (CMDCA), com o apoio da Secretaria Municipal de Relações Institucionais, Ministério Público do Rio Grande do Sul, Tribunal Regional Eleitoral e Brigada Militar.
Serviço:
Quem pode votar – Todos os eleitores aptos a votarem nas eleições gerais e municipais podem votar. Apesar de facultativo, o voto importa, porque são os conselheiros tutelares escolhidos por cada comunidade que vão cuidar para que as crianças e adolescentes tenham os seus direitos garantidos.
Como votar – Para ter acesso à urna, o eleitor deve apresentar um documento com foto. Eleitores podem votar em até cinco candidatos de sua microrregião. Não precisa votar em cinco, pode votar em até cinco.
Passe livre – No domingo, dia da votação, os ônibus terão passe livre em Porto Alegre.
Apuração dos votos – os eleitores poderão acompanhar em tempo real a apuração dos votos a partir das 17h de domingo através deste link. A totalização dos votos da eleição ocorrerá a partir das 17h de domingo, no Plenário Otávio Rocha na Câmara Municipal de Porto Alegre.

Conselho Tutelar – O Conselho Tutelar é o órgão permanente e autônomo encarregado de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente. Porto Alegre tem papel de destaque nessa função, pois foi a primeira cidade do país a formar o órgão, uma exigência do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O conselho foi instituído na Capital em janeiro de 1991 e entrou em funcionamento a partir de agosto de 1992.

Opinião: Poder sem controle, descontrolado fica; por Mateus Bandeira*

Opinião: Poder sem controle, descontrolado fica; por Mateus Bandeira*

Destaque Direito Opinião Poder Política Trabalho

As confissões de Rodrigo Janot poderia ser nome de livro. Mas, na verdade, as inconfidências do ex-procurador-geral da República desnudam ainda mais um sistema que, por não ter controle, pode se tornar nocivo.

O Ministério Público (MP) surgiu como o conhecemos hoje na Assembleia Nacional Constituinte de 1987-1988. A intenção era criar um sistema persecutório independente.

Cabe aos procuradores acusar. Já ao Judiciário é reservado o julgamento.

O Executivo deve fornecer os meios de investigação e punição – por meio das polícias e de fiscais. No começo de tudo, está o Legislativo que tem a prerrogativa de decidir o que é crime.

Aparentemente, trata-se de uma engrenagem onde nenhuma instância atua sozinha. O conhecido checks and balances estaria garantido.

Mas eis que não. Procuradores e promotores agem sem controle. E quem não tem controle, descontrolado fica.

Quarto poder

Primeiro, é preciso perceber que, informalmente, o Ministério Público transformou-se num quarto poder já que, na prática, são plenamente independentes. Basta ver suas prerrogativas.

Procuradores estão no topo da pirâmide salarial brasileira. Trabalham se e quando quiserem, pois ninguém deles pode cobrar produtividade. Caso cometam um delito grave são punidos com a aposentadoria compulsória – assim como os magistrados.

Estas regalias, inalcançáveis para os demais brasileiros, não constituem o aspecto mais grave da instituição. Esta casta abastada e apartada dos brasileiros comuns tem poderes ilimitados sobre os investigados.

Um procurador pode deliberar quando e quem acusar. Pode sentar indefinidamente sobre uma investigação. Pode decidir que um caso mais novo tem prioridade sobre um mais antigo.

Com salários incompatíveis para um país cuja renda média é de R$ 2.286, de acordo com o IBGE, os abastados membros do Ministério Público apartam-se dos demais. A ponto de um procurador de Minas Gerais considerar um salário-miserê os R$ 68 mil mensais percebidos em 2019 – considerados os indefectíveis penduricalhos.

Diante das estapafúrdias declarações de Rodrigo Janot, comento aqui apenas o caso dos procuradores. Mas juízes não perdem em nada no quesito de moralidade pública. Ou da falta dela.

Quem controla o controlador?

Sobressaem, assim, duas conclusões importantes.

Primeiro, a de que o presidente Jair Bolsonaro acertou em não ceder ao lobby da casta do MP. Indicar o procurador-geral da República (PGR) é prerrogativa presidencial assegurada na Constituição.

Seguir a lista tríplice indicada pelos procuradores seria encastelar ainda mais a categoria hiperpoderosa. Augusto Aras, o novo PGR, integra a casta, mas não faz parte da panelinha de procuradores que se entende dona do MP.

Segundo, o Congresso Nacional cumpriu seu papel ao votar a Lei do Abuso de Autoridade. Acertou, também, talvez por outras motivações, ao derrubar parte dos vetos presidenciais.

Não são os juízes e procuradores quem têm que se defender da cidadania que lhes paga os gordos vencimentos. Somos nós, cidadãos, os que sustentam com impostos todo o sistema público, que precisamos de meios que nos protejam das arbitrariedades de todo o funcionalismo.

Autoridade tem quer ser exemplo

A Operação Lava-Jato estabeleceu um marco na história do Brasil. Com ela, pela primeira vez na nossa história, poderosos ricos e brancos amargam a vida atrás das grades por terem roubado dinheiro público.

Entretanto, sistemas que não podem ser fiscalizados tendem à arbitrariedade. Atualmente, juízes e procuradores trabalham num mundo à parte, sem controle.

É preciso integrá-los ao convívio dos demais cidadãos. Para tanto, a categoria não pode ficar imune às investigações fiscais (Receita Federal, Coaf) e policiais (Polícia Federal, Polícia Civil).

Ao contrário, como responsáveis por fazer justiça, devem todos ser fiscalizados com maior rigor, já que o exemplo deve vir das autoridades. Se não faz nenhum sentido que parlamentares disponham de foro privilegiado, tampouco juízes e procuradores devem tê-lo.

A incontinência verbal de Janot fez soar mais um alerta contra o mal do poder sem controle e sem fiscalização. Não se pleiteia que o MP pare de investigar e denunciar, mas que seus membros sejam submetidos ao mesmo rigor dos demais cidadãos.

mateus-bandeira* Mateus Bandeira foi CEO da Falconi, presidente do Banrisul, secretário de Planejamento do RS e candidato ao governo gaúcho

Medo do desemprego diminui e satisfação com a vida aumenta, informa CNI.  Pesquisa trimestral foi feita com 2 mil pessoas em 126 munícipios entre 19 e 22 de setembro

Medo do desemprego diminui e satisfação com a vida aumenta, informa CNI. Pesquisa trimestral foi feita com 2 mil pessoas em 126 munícipios entre 19 e 22 de setembro

Destaque Economia Negócios Poder Política Trabalho

Depois de dois aumentos consecutivos, o Índice de Medo do Desemprego caiu 1,1 ponto em relação a junho e ficou em 58,2 pontos em setembro. Com isso, o indicador está 7,5 pontos abaixo do registrado em setembro do ano passado. Mesmo assim, continua acima da média histórica, que é de 50,1 pontos. As informações são da pesquisa divulgada nesta quinta-feira, 3 de outubro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador varia de zero a cem pontos. Quanto mais alto o índice, maior é o medo do desemprego.

medododesemprego_e_satisfacaocomavida_grafico_setembro2019A maior queda no medo do desemprego foi verificada entre as pessoas com menor escolaridade e renda. Entre os que têm até a quarta série do ensino fundamental, o indicador caiu 5,4 pontos e saiu de 65,1 pontos em junho para 59,7 pontos em setembro. Entre os que recebem até um salário mínimo, o medo do desemprego recuou 4 pontos, passando de 72,8 em junho para 68,8 em setembro.

“O medo do desemprego diminuiu porque há uma melhora, modesta mas gradual, no mercado de trabalho. Isso aumenta o sentimento de segurança nas pessoas”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo. O medo do desemprego é maior entre os moradores da região Nordeste, onde alcançou 69,7 pontos – a região foi a única a registrar aumento do medo do desemprego em setembro. O medo é menor no Sul, onde o indicador ficou em 47,7 pontos. No Sudeste, foi de 58,5 pontos e, no Norte/Centro-Oeste, de 49,3 pontos.

SATISFAÇÃO COM A VIDA – A pesquisa também mostra o grau de satisfação dos brasileiros com a vida. O índice de satisfação com a vida alcançou 69 pontos em setembro, 1,6 ponto acima do de junho. O indicador, que é 3,1 pontos superior ao de setembro do ano passado, também está abaixo da média histórica de 69,6 pontos. A satisfação com a vida aumentou em todas as regiões do país. A satisfação com a vida é maior no Sul, onde alcançou 71 pontos. No Nordeste ficou em 68,1 pontos, no Sudeste foi de 68,8 pontos e, no Norte/Centro-Oeste, de 68,6 pontos.

Clique aqui e obtenha mais informações da pesquisa trimestral.

Ideias que vão mudar o futuro da educação passaram pelo Sesi com@Ciência esta semana na Fiergs

Ideias que vão mudar o futuro da educação passaram pelo Sesi com@Ciência esta semana na Fiergs

Educação Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre Tecnologia Trabalho

Os números do Sesi com@Ciência 2019 mais do que confirmam a necessidade de tornar a educação um foco definitivo de atenção da sociedade. Em apenas dois dias de programação totalmente gratuita e de múltiplas atividades, o Centro de eventos FIERGS, em Porto Alegre, recebeu 11 mil pessoas, 200 projetos, protótipos de 28 cidades na Mostra Científica, desenvolvidos por 832 estudantes que frequentam algum programa educacional do Serviço Social da Indústria (Sesi-RS), e 35 palestrantes e painelistas. “Em relação ao primeiro ano do evento, o público mais do que dobrou. É com satisfação que comemoramos, pois este é um marco histórico. O futuro só virá com coisas boas se trabalharmos para isso e a educação pode, e deve ser prioridade”, comentou o presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry. Desde os pequenos da modalidade Contraturno Escolar, aos jovens das Escolas Sesi de Ensino Médio, até os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de todo o Estado, professores da rede e também de escolas privadas e públicas, gestores em educação e pais, o Sesi-RS mobilizou este público para um objetivo comum: desenvolver e melhorar os caminhos da educação no Brasil. “É  muito bom poder dizer que é para o Brasil e não somente para o Rio Grande do Sul”, destacou o superintendente do Sesi-RS, Juliano Colombo.

IMG_1583
Foto: Dudu Leal

Colombo fez referência ao reconhecimento e recomendação por parte da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), uma área de extrema relevância no Ministério da Educação, para o modelo de consultoria de educação do Sesi-RS junto à prefeitura da cidade de Panambi. Neste aspecto, vale observar que o Sesi-RS tem feito esforços há alguns anos para chegar a esses resultados. “No caso de Panambi, a comunidade entendeu a urgência que é a educação como cidade e que não cabe a ninguém ficar de fora, professores, alunos, pais e empresários”, complementa a gerente da área de educação do Sesi-RS, Sônia Bier.
Em relação aos temas tecnológicos, algumas das palestras da segunda edição do Sesi com@Ciência chegaram a emocionar professores e jovens na  plateia. A educadora Debora Garofalo, que atua há 14 anos na rede pública de São Paulo e foi considerada uma das dez melhores professoras do mundo pelo Global Teacher Prize 2019, foi uma delas. Em sua apresentação, ela contou sobre a experiência de dar aula de tecnologias na Comunidade Alba, na periferia de São Paulo, que apresenta um dos maiores índices de violência urbana e tráfico de drogas na cidade.
Segundo ela, o local, que fica na Zona Sul da capital paulista, próximo a bairros nobres como Jabaquara, e do Parque Ibirapuera, sequer tem saneamento básico. E as crianças vivem uma realidade ainda mais dura. “70% dos pais ou mães das crianças estão presos. A escola estava rodeada de lixo, o que provocava mau cheiro, doenças e alagamentos em dias de chuva. Tive a ideia de transformar esse lixo em robótica”, contou. A princípio, os alunos não gostaram da proposta, de ir recolher lixo nas ruas. Ela sugeriu, então, que eles levassem os celulares e fotografassem a missão. O resultado é que não só registraram o lixo e a sucata, como também passaram a refletir sobre a situação em que viviam.
Em outro momento, a professora coordenadora da Área de Matemática do Programa de Formação de Professores do Sesi-RS, Mônica Bertoni, ministrou a “Oficina Construção de Modelos Mentais”. Ela tem 81 anos e é percebida no meio pedagógico como um exemplo de busca pelo conhecimento e adaptação aos novos tempos. Quando completou 80 anos, Mônica foi para a Universidade de Stanford, nos EUA, para fazer mais um curso de aperfeiçoamento.  Entre autoridades e nomes conhecidos que realizaram palestras no Sesicom@Ciência, o navegador Amir Klink, um dos grandes ícones da superação de desafios pessoais, declarou o quanto aprendeu ao mergulhar em busca de conhecimento em livros e pesquisas durante o planejamento de suas viagens. Ele disse que primeiro é preciso construir seu próprio barco para depois poder velejar e seguir em sua viagem. “No mar, não é possível cortar caminho. E na educação também não é possível. Temos que construir o caminho”, concluiu.
O Sesi com@Ciência reforçou a importância do Sesi-RS como um propulsor da qualificação da educação do Rio Grande do Sul. Em relação à educação pública, um exemplo desse movimento é a parceria com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e a Capes na realização da Formação Continuada de Professores e Gestores da Rede Pública de Ensino do Rio Grande do Sul, para qualificar diretores e professores em módulos de gestão escolar, culturas juvenis, projetos e tecnologias, a partir da metodologia das Escolas Sesi de Ensino Médio.

Advogado de Flávio Bolsonaro quer achar ‘mandante’ de Adélio Bispo: ‘Atendado terrorista contra Bolsonaro’; da Jovem Pan

Advogado de Flávio Bolsonaro quer achar ‘mandante’ de Adélio Bispo: ‘Atendado terrorista contra Bolsonaro’; da Jovem Pan

Destaque Direito Poder Política

Advogado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) nas investigações sobre sua quebra de sigilo bancário, Frederick Wassef se tornou, também, defensor do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e agora representa o chefe do Executivo no caso Adélio Bispo.

Em entrevista ao Jornal da Manhã desta quarta-feira (2), Wassef declarou que, mesmo com caso já encerrado, vai trabalhar “pelos interesses do presidente”, uma vez que tem “certeza absoluta” de que Adélio foi apenas o executor do crime e que há um mandante. “A minha convicção pessoal após mais de 25 anos na advocacia criminal é que temos elementos suficientes para entender que seria impossível ele ter agido sozinho”, afirma.

Clique aqui, leia a íntegra e ouça a entrevista no site da Jovem Pan.

Luciano Hang anuncia que vai pagar defesa de Gilberto Alves Junior. Deputado josé Guimarães deve processar o homem que viralizou vídeo chamando ele de ‘Capitão Cueca’

Luciano Hang anuncia que vai pagar defesa de Gilberto Alves Junior. Deputado josé Guimarães deve processar o homem que viralizou vídeo chamando ele de ‘Capitão Cueca’

Destaque Direito Poder Política Tecnologia Trabalho Vídeo

O empresário Luciano Hang anunciou em suas redes sociais que se Gilberto Alves Junior quiser ele patrocinará os advogados para defende-lo contra o processo que será movido pelo deputado federal José Guimarães (PT-CE). Durante voo entre Fortaleza e Brasília, na noite de 2ª feira (30/09), Gilberto Alves Junior, que viajava ao lado do parlamentar gravou um vídeo que viralizou onde chama José Guimarães de “corrupto” e “capitãocueca”.

“Eu estou do lado do capitão cueca, que foi pego com dinheiro na cueca aqui, ó. É o Zé Guimarães do PT, que roubou o Brasil inteiro, mandou dinheiro pra Cuba, para Venezuela”, disse.

Na chegada ao Aeroporto de Brasília, Guimarães anunciou que processaria Gilberto Alves Junior. O deputado federal registrou boletim de ocorrência na sede da Polícia Federal, por se sentir segundo ele “insultado”com o que ouviu durante o voo.

 

‘Nenhum partido presta, nem o meu’, diz deputado Boca Aberta. Em entrevista ao Pânico, o deputado federal do PROS falou sobre sua atuação no Congresso; por Jovem Pan

‘Nenhum partido presta, nem o meu’, diz deputado Boca Aberta. Em entrevista ao Pânico, o deputado federal do PROS falou sobre sua atuação no Congresso; por Jovem Pan

Notícias Poder Política

O deputado federal Boca Aberta (PROS-PR) criticou, em entrevista ao Pânico, nesta sexta-feira (27), os partidos políticos e disse que todos são ruins.

“Nenhum partido presta, nem o meu”, afirmou o parlamentar. Ele destacou que não recebeu apoio partidário para se eleger deputado nas eleições do ano passado. “Ganhei a eleição rompendo o sistema, quebrando barreira”, disse. “Sem grupo econômico, sem apoio de grupo político, levando a campanha no peito”, continuou.

O congressista defendeu ainda a candidatura avulsa, em que os candidatos não precisam ser filiados a partidos políticos para concorrerem a cargos eletivos. “Sou adepto e vou batalhar muito pela candidatura avulsa”, prometeu. “Se partido fosse bom, não seria partido, seria inteiro”, ironizou.
Trabalho na Câmara

Boca Aberta também comentou seu trabalho na Câmara dos Deputados e defendeu os altos gastos de seu gabinete. Ele é um dos deputados federais que mais utiliza as verbas parlamentares.

Clique aqui leia mais informações e ouça a entrevista no site da Jovem Pan.

Governador do Rio quer processar Paraguai na ONU por tráfico de armas

Governador do Rio quer processar Paraguai na ONU por tráfico de armas

Destaque Poder Política Segurança Tecnologia
O governador do Rio Wilson Witzel pretende processar o Paraguai junto à Organização das Nações Unidas (ONU) pelo tráfico de armas ao Brasil, um dos principais vetores de violência no estado, segundo ele. Witzel disse que uma das soluções é fechar com forças de segurança a fronteira paraguaia e se prontificou em enviar policiais do estado para ajudar na tarefa. Ele falou com a imprensa nesta sexta-feira (27), no Palácio Guanabara, após um evento dirigido a empresários.

“Vamos fechar a fronteira com o Paraguai. Não comercialmente, mas policialmente. Eu colaboro, mando policiais para a fronteira. E vou pedir a outros estados que mandem policiais para lá. Não é possível que o Brasil continue sangrando com essas armas e ninguém faça nada. Determinei à Procuradoria-Geral do Estado que iniciasse estudos para nós representarmos o Paraguai perante a ONU e a Corte Interamericana dos Direitos Humanos. O Paraguai é um grande comerciante de armas e não tem controle para quem as vende. As armas do Paraguai, dados da Polícia Rodoviária Federal, indicam que vêm pela fronteira à vontade”, disse Witzel aos jornalistas.

Questionado como faria isso, Witzel salientou que a violência no Rio de Janeiro não é responsabilidade exclusivamente do governador, mas de todos, principalmente do governo federal.

“Não sou eu que patrulho fronteiras. Não sou eu que determino o que a Polícia Federal tem que investigar. A responsabilidade da fronteira não é minha e a responsabilidade por processar o Paraguai nem é minha. É o Ministério das Relações Exteriores que deve tomar as providências para orientar o presidente da República a exigir do Conselho de Segurança da ONU retaliações ao Paraguai, à Colômbia e à Bolívia pelo tráfico de armas e de drogas que inundam a América do Sul”, declarou Witzel.

Além de responsabilizar os países sul-americanos pelo tráfico de drogas e de armas, o governador do Rio também pretende processar as fábricas de armas, por comercializarem seus produtos a países que não controlam o destino das mesmas.

“Determinei um estudo, se for o caso a contratação de um escritório, para processar as empresas que vendem essas armas de forma irresponsável para esses países que não têm controle da venda de armas. Serão processadas, em cortes internacionais, com indenização ao povo do Rio de Janeiro. Porque essas famílias que estão sangrando não podem ficar apenas como mais um dado na estatística. Nós não vamos mais ficar calados. Vamos enfrentar essa questão nas cortes internacionais, nas sedes dessas empresas, porque elas têm que ser responsabilizadas. Esses fuzis não são produzidos no Brasil”, disse.

Metrô

Em outro assunto abordado na coletiva com os jornalistas, o governador anunciou que pretende terminar a Estação Gávea, da Linha 4 do metrô, até o próximo ano. Depois de inicialmente ter dito que aterraria o buraco da estação, por falta de dinheiro para terminá-la, Witzel mudou de ideia e revelou que terá dinheiro para começar as obras ainda este ano. Ele esteve em Brasília para tratar do repasse de royalties do petróleo para o estado referentes aos leilões do pré-sal.

“O advogado-geral da União me disse que já estava ultimando o parecer para que nós possamos ter em torno de R$ 350 milhões, imediatamente, e iniciarmos as obras da Linha 4 do metrô, para finalizar a estação da Gávea. Vão faltar outros R$ 400 milhões ou R$ 600 milhões, mas como nós vamos receber de bônus de assinatura 3%, o que vai dar em torno de R$ 2,5 bilhões, vamos ter que investir isso em obras. Com mais um ano, estaremos inaugurando a Linha 4 da Gávea. Acredito ser possível iniciar as obras ainda este ano”, contou o governador. (Agência Brasil)

Porto Alegre: CRESCE/RS nasce como um Conselho de Estado, não de Governo, diz Lara, em encontro do LIDE RS com empresários

Porto Alegre: CRESCE/RS nasce como um Conselho de Estado, não de Governo, diz Lara, em encontro do LIDE RS com empresários

Destaque Negócios Poder Política Porto Alegre

Convidado para falar sobre o projeto CRESCE RS, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, Luis Augusto Lara, participou nesta quinta-feira, 26, do café empresarial do LIDE RS, realizado no Porto Alegre Country Club. Cerca de 80 pessoas entre empresários, autoridades e imprensa ouviram atentamente os detalhes do CRESCE RS, que tem como finalidade monitorar e destravar o andamento de investimentos governamentais, que irão gerar emprego e renda e melhores condições de infraestrutura para o Estado nos próximos anos.

-h_pYc_g“O CRESCE RS surgiu, recentemente, da união de esforços do poder público e privado para que, mais rapidamente, o Estado cresça e se desenvolva, disse Lara, explicando que esta ação “é, na verdade, um Conselho de Estado, não de Governo, que conseguiu identificar prioritariamente uma carteira de 18 itens de investimentos, que se encontram paralisados em três grandes áreas: Infraestrutura e Logística, Desburocratização e Fomento dos Bancos Públicos”. Segundo o deputado, o movimento gerado pelo CRESCE RS já está produzindo uma intensa agenda de trabalho, com resultados visíveis, como é o caso do monitoramento da extensão da pista do Aeroporto Salgado Filho.

Aos empresários, Lara destacou que, no Brasil, “este talvez seja um dos melhores  momentos, pelo ambiente propício aos investimentos, na medida em que o Governo Federal dá mais liberdade aos empresários, elevando o nível de desburocratização para quem quer trabalhar e empreender. A burocracia é um dos gargalos principais aqui no RS”, destaca.

Na mesma linha, o presidente do LIDE RS, afirma que o Rio Grande do Sul sofre com o excesso de burocracia e morosidade na resolução de projetos que geram desenvolvimento. “Precisamos de ações voltadas para a reformulação do modelo do Estado, como o Cresce RS, que objetiva um ambiente mais saudável para a execução de projetos.” Para ele, o debate com empresários é extremamente importante para se alcançar o crescimento esperado e trazer de volta o protagonismo para o Estado no cenário nacional.