Porto Alegre: I Fórum Gaúcho de Asma e Asma Grave alerta para a necessidade de conscientização e tratamento contínuo

Porto Alegre: I Fórum Gaúcho de Asma e Asma Grave alerta para a necessidade de conscientização e tratamento contínuo

Destaque Saúde
Aproximadamente 20 milhões de brasileiros sofrem com a asma. A doença crônica que afeta as vias respiratórias é a mais comum no país, ocasionando seis mortes por dia. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 10% dos portadores enfrentam a forma grave da enfermidade, que não está controlada entre 60% e 90% dos casos.

Isadora Lottici, 15 anos, convive com a doença desde o primeiro mês de vida, quando foi diagnosticada. Até os oito anos, ela chegava a ser internada sete vezes por ano. “Foi uma luta de muitos desafios. De dias correndo para o hospital em busca de socorro para minha filha. Por isso, todos precisam saber que existe prevenção, que há tratamento. Quem tem asma pode mudar sua trajetória de vida”, contou a mãe, Tanara Lottici.

67445283_462259751263608_8750102817345110016_n
Evento no Hospital Moinhos de Vento reuniu portadores da doença. Foto: Leonardo Lenskij

Ela atribui a qualidade de vida que a filha tem agora ao tratamento adequado que recebeu. “Hoje eu posso fazer atividades físicas com meus colegas. Minha vida mudou muito com o tratamento”, comemorou a menina.

Junto com os pais Everton e Tanara, Isadora participou do I Fórum Gaúcho de Asma e Asma Grave, realizado no sábado (13), no Anfiteatro Schwester Hilda Sturm, do Hospital Moinhos de Vento. Para completar o dia especial, a torcedora gremista teve a surpresa de ganhar das mãos do jogador do Grêmio, Rafael Galhardo, uma camisa autografada.

Doença silenciosa e negligenciada

O I Fórum Gaúcho de Asma e Asma Grave reuniu profissionais de saúde e pessoas que convivem com a condição. A programação, realizada pela Associação Crônicos do Dia a Dia (CDD), tratou do cenário atual, perspectivas de tratamento e políticas públicas sustentáveis.

Paulo Pitrez ressaltou que a asma é uma doença silenciosa e negligenciada muitas vezes pelos próprios pacientes. “A maioria se acostuma com a asma, tolerando os sintomas, crises, e limitações, sem buscar ajuda e tratamento, convivendo silenciosamente com a doença. Além disso, no Brasil, o acesso aos tratamentos de mais alto custo é muito complicado. Por isto, é preciso ouvir mais os portadores da asma e dar-lhes voz”, esclareceu o pneumologista pediátrico e pesquisador.

Dados publicados por um estudo da equipe de Pitrez com a participação de 2.500 alunos de escolas públicas de Porto Alegre mostraram que 20% das crianças são

66722036_876627719380526_3825994800427958272_n
Dr. Paulo Pitrez ressaltou a doença é silenciosa e negligenciada muitas vezes pelos próprios pacientes.Foto: Leonardo Lenskij

asmáticas, metade não tem a doença controlada, somente 30% tem medicação preventiva prescrita, e 8% foram hospitalizadas nos últimos 12 meses por causa da doença. Membro fundador e Presidente do Grupo Brasileiro de Asma Grave (Grupo BraSA), ele destaca que eventos como este são essenciais para chamar a atenção da doença e unir os pacientes em defesa de maior acesso a atendimento especializado e novos tratamentos.

Conscientização

O diretor-geral da CDD, Gustavo San Martin, abordou a importância da associação para a discussão do tema. “Criamos a associação a partir de ciclos de conversas com pessoas portadoras da asma, com base também no entendimento de que elas precisam saber como controlar as próprias crises e viver melhor com a doença crônica. Realizar essa primeira edição no RS é fundamental para expandir o diálogo”, explicou San Martin. A instituição tem a missão de ajudar quem convive com doenças crônicas a ter uma vida com mais qualidade, através da informação.

Mais qualidade de vida

A palestra do pneumologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Rafael Stelmach, apontou que a asma não se concentra apenas em adultos, sendo possível diagnosticar em crianças pequenas. “O objetivo é além de controlá-la, mostrar ao paciente que ele não pode abandonar o tratamento mesmo quando se sentir bem. A qualidade de vida é a grande finalidade”, explicou Stelmach.

O pneumologista também apresentou números positivos quando o paciente está conscientizado sobre a enfermidade. Em Minas Gerais, por exemplo, a implementação do programa Criança que Chia mostrou uma redução de hospitalizações próxima a 40%.

Porto Alegre: Hospital Moinhos alerta sobre insuficiência cardíaca

Porto Alegre: Hospital Moinhos alerta sobre insuficiência cardíaca

Agenda Cidade Notícias Saúde

O Dia Nacional de Alerta da Insuficiência Cardíaca, 9 de julho, foi criado para informar e conscientizar a população sobre a doença. Para reforçar a data, o Hospital Moinhos de Vento realiza nesta semana uma atividade com médicos e equipe assistencial especializados no cuidado dos pacientes com a enfermidade.

Nesta quinta-feira (11), no auditório da instituição, os profissionais vão esclarecer dúvidas e trazer informações sobre os sinais de alerta da doença, além dos tratamentos disponíveis. A atividade ocorre a partir das 19h30, no Anfiteatro Schwester Hilda Sturm (Rua Ramiro Barcelos, 910 – Bloco C – 4º andar). Inscrições gratuitas pelo site diadealertadainsufic.eventize.com.br

A insuficiência cardíaca é uma doença crônica em que o coração não bombeia o sangue como deveria. Não há cura e seus sintomas normalmente começam devagar. No início, podem aparecer apenas quando se está mais ativo. Com o passar do tempo, problemas respiratórios e outros sintomas podem começar a ser percebidos mesmo ao descansar.

Os sintomas mais comuns da insuficiência cardíaca são: falta de ar na atividade física ou logo após estar deitado por um tempo, tosse, inchaço dos pés e tornozelos, inchaço do abdômen, ganho de peso, palpitações, fadiga, fraqueza e desmaios.

 

SERVIÇO

O quêAtualizações sobre o tratamento da insuficiência cardíaca

Quando: 11 de julho, das 19h30 às 21h

Onde: Anfiteatro Schwester Hilda Sturm (Rua Ramiro Barcelos, 910 – Bloco C – 4º andar)

Começam hoje as inscrições para a 2ª fase do Programa Mais Médicos

Começam hoje as inscrições para a 2ª fase do Programa Mais Médicos

Comunicação Notícias Saúde

A partir desta segunda-feira (8) começam as inscrições para a 2ª fase do edital do Programa Mais Médicos, agora destinadas a brasileiros formados no exterior.

Os profissionais interessados em aderir ao programa terão entre os dias 8 e 12 de julho para fazer a inscrição.

As inscrições terão que ser feitas exclusivamente pela internet, através do Sistema de Gerenciamento de Programas (SGP).

Quanto aos médicos que tiveram as inscrições concluídas na 1ª fase do edital, o prazo para se apresentarem nas cidades escolhidas terminou no dia 28 de junho.

Os números consolidados dos médicos homologados e a lista dos municípios com vagas preenchidas serão divulgados a partir de hoje no site do programa.

Os municípios contemplados neste edital do Mais Médicos são de áreas historicamente com maiores dificuldades de acesso – a exemplo das ribeirinhas, fluviais, quilombolas e indígenas – e que dependem do atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

As pessoas que vivem nas áreas mais vulneráveis do Brasil terão um reforço na assistência à Atenção Primária pelo Programa Mais Médicos a partir deste mês. Até o momento, 1.481 profissionais brasileiros já começaram a atuar nas unidades de saúde.

Agência Brasil

Preservação da fertilidade é destaque do 6º Simpósio Internacional do Fertilitat

Preservação da fertilidade é destaque do 6º Simpósio Internacional do Fertilitat

Destaque Saúde

Chegando à sua 6ª edição, o Simpósio Internacional Fertilitat reuniu especialistas nacionais e internacionais em Gramado entre os dias 4 e 6 de julho. O evento ocorreu em parceria com o 9º Simpósio de Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Os principais temas da programação foram alto risco obstétrico, distúrbios ginecológicos e mastologia. Durante o simpósio, ganhou destaque a preservação da fertilidade. “Isso é possível através do congelamento de óvulos das mulheres que pretendem adiar a gravidez e, também, daquelas que enfrentam câncer”, afirmou a diretora do Fertilitat, Mariangela Badalotti. De acordo com a ginecologista, com esse procedimento, elas podem ter a chance de engravidar no futuro, no momento que julgarem mais adequado.

Outra atividade especial foi um bate-papo interativo, entre os participantes, sobre fertilidade e sexualidade. “Ficamos extremamente satisfeitos com o resultado do evento, que superou o sucesso das edições anteriores. Já estamos planejamento a próxima”, avaliou Mariangela.

Porto Alegre: Lideranças do Moinhos de Vento comemoram cinco anos do Hospital Restinga e Extremo-Sul

Porto Alegre: Lideranças do Moinhos de Vento comemoram cinco anos do Hospital Restinga e Extremo-Sul

Notícias Saúde
O superintendente executivo do Hospital Moinhos de Vento, Mohamed Parrini, e os superintendentes Luciano Hammes (Educação, Pesquisa e Responsabilidade Social), Evandro Moraes (Administrativo) e Tanira Torelly Pinto (Operações e Governos) participaram do Workshop Saúde Pública e Parceria Público-Privada. Em comemoração aos cinco anos de atividade do Hospital Restinga e Extremo-Sul (HRES), a programação ocorreu na última sexta-feira (5). Também estiveram presentes a gerente médica Gisele Nader, o gerente de Responsabilidade Social Luis Eduardo Mariath e lideranças do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS).

A implantação do Hospital da Restinga e Extremo-Sul foi o principal projeto institucional no Proadi-SUS no período de 2009 a 2014. Em sua palestra durante o workshop, Mohamed Parrini destacou a criação do HRES e a história de mais de nove décadas do Hospital Moinhos de Vento – marcada pela responsabilidade social e pelas parcerias público-privadas. “Estamos muito felizes de participar desta celebração. Temos a sensação de dever cumprido ao deixar um legado para a saúde da cidade de Porto Alegre”, afirmou Mohamed.

Durante a programação, o diretor executivo do Hospital Sírio-Libanês, Fernando Andreatta Torelly, tratou sobre entrega de valor em saúde e visões do público e do privado. Torelly, que atuava no Hospital Moinhos de Vento e coordenou a implantação do HRES, recebeu homenagem por sua dedicação.

Entre obras, equipamentos, operação e financiamento, a instituição investiu mais de R$ 250 milhões. Desde 2018, o Hospital Restinga Extremo-Sul é gerenciado pela Associação Hospitalar Vila Nova.

Hospital Moinhos de Vento amplia serviços do Centro de Oncologia Lydia Wong Ling e reforça atendimento contra o câncer

Hospital Moinhos de Vento amplia serviços do Centro de Oncologia Lydia Wong Ling e reforça atendimento contra o câncer

Notícias Saúde

Em 2016, com a inauguração do Centro de Oncologia Lydia Wong Ling, o Hospital Moinhos de Vento entregou à sociedade um dos mais modernos núcleos do tratamento do câncer na América Latina, unindo alta tecnologia, profissionais de excelência e cuidado centrado no paciente. Três anos depois, a instituição dá um novo passo na atuação contra a doença, com a ampliação dos serviços. As inovações e resultados obtidos pelo Centro serão apresentados em evento que ocorre na próxima terça-feira (9), no Anfiteatro Schwester Hilda Sturm do Hospital, às 19h. Especialistas da instituição falarão sobre o trabalho desenvolvido nos últimos anos, demonstrando os impactos nas taxas de sobrevida dos pacientes. Além disso, haverá um debate com a participação de profissionais do Moinhos e de Samir Abdallah Hanna, doutor em Medicina pela USP (Universidade São Paulo) e radio-oncologista do Hospital Sírio-Libanês.

O destaque será a inauguração de um novo equipamento TrueBeam. O acelerador linear é utilizado em diversas técnicas de radioterapia e radiocirurgia, oferecendo maior precisão para o tratamento de tumores, com um rigor milimétrico, reduzindo danos aos tecidos sadios do entorno. Presente nos maiores centros de oncologia do mundo, a tecnologia faz parte do Hospital Moinhos desde 2016, trazendo importantes resultados no combate ao câncer.

“Fomos pioneiros no Sul do Brasil na incorporação desse sistema ao tratamento oncológico. Desde então, ampliamos o atendimento aos pacientes, que contam com mais segurança, rapidez e conforto, além de um ganho terapêutico significativo. Com a implementação de mais um TrueBeam, avançaremos ainda mais”, avalia Luis Antônio Nasi, superintendente médico do Hospital Moinhos de Vento. O investimento total foi de R$ 8 milhões, contemplando a aquisição do equipamento e adequação da estrutura.

Outro diferencial do acelerador é o Sistema Calypso. Acessório acoplado ao TrueBeam, permite acompanhar em tempo real a movimentação do órgão que será tratado, como se fosse um GPS. A tecnologia, trazida de forma inédita ao país pelo Moinhos, é utilizada pelos principais hospitais oncológicos dos Estados Unidos.

Resultados reconhecidos

Em um modelo de assistência com o cuidado centrado no paciente, o Centro de Oncologia Lydia Wong Ling reúne, no mesmo local, especialistas de todas as áreas que atuam contra o câncer: clínicos, cirurgiões, oncologistas, radio-oncologistas, enfermeiros, nutricionistas, entre outros profissionais. O projeto foi concebido em parceira com a Johns Hopkins Medicine International, instituição norte-americana à qual o Hospital Moinhos é afiliado desde 2013.

O atendimento do Centro oferece ainda o conceito de “Nurse Navigator”: uma tutoria que acompanha o paciente em todas as fases da doença, contando com uma equipe multidisciplinar. Uma atuação reconhecida internacionalmente, com a publicação de estudo do Hospital no Clinical Journal of Oncology Nursing. Além disso, os resultados obtidos mostraram uma redução de 24 para 14 dias entre o diagnóstico da doença e o início do tratamento.

“Oferecemos à sociedade o que há de mais moderno no combate ao câncer, não apenas em tecnologia, mas em conhecimento e cuidado. Com as novidades que estamos apresentando, reforçamos ainda mais nossa missão de unir excelência médica e assistência humanizada para cuidar de vidas”, afirma o superintendente executivo do Hospital Moinhos, Mohamed Parrini.

SERVIÇO

O quê: Ampliação do Centro de Oncologia Lydia Wong Ling

Quando: 9 de julho de 2019, às 19h30

Onde: Anfiteatro Schwester Hilda Sturm do Hospital Moinhos de Vento (Rua Ramiro Barcelos, 910, 4º andar)

Ministério da Saúde anuncia R$ 233 milhões para atenção primária

Ministério da Saúde anuncia R$ 233 milhões para atenção primária

Comunicação Notícias Saúde

O Ministério da Saúde anunciou investimento de R$ 233,6 milhões para ampliar o atendimento à população em todo o país. Os recursos serão usados por 1,2 mil municípios para aumentar o acesso a exames, consultas e medicamentos nos atendimentos feitos por equipes de saúde da família que atuam em cuidados básicos e prevenção de doenças. Em 2020, o investimento deve aumentar e chegar a aproximadamente R$ 400 milhões. O anúncio foi feito pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante o Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, que é realizado nesta semana em Brasília.

Durante o evento, Mandetta assinou uma portaria para garantir as medidas e disse que a melhora no atendimento à população passa pela atenção primária à saúde, que é prioridade para o governo federal. “Vamos aumentar ao máximo a resolutividade da básica [saúde] porque é ela a alma do Sistema Único de Saúde e vocês [secretários] serão o corpo e as pernas desse Sistema Único de Saúde. Nós não vamos deixar ninguém para trás. Vamos pedir mais recursos para a saúde sempre, mas vamos aumentar a cobrança pelos resultados”, afirmou.

De acordo com a pasta, 10 milhões de pessoas devem ser beneficiadas e vão passar a ser assistidas na atenção primária, porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS). Devem ser credenciadas pelos municípios 1,4 mil equipes de saúde da família, 1,4 mil equipes de saúde bucal, além de agentes comunitários, laboratórios de próteses dentárias, consultórios de rua e unidade odontológicas móveis. As localidades vão receber os recursos após o cadastramento dos profissionais e o início dos atendimentos.

A meta do Ministério da Saúde neste ano é ter em funcionamento 50 mil equipes de Saúde da Família. Atualmente, são 43 mil, responsáveis pela assistência de 63% da população.

Hospital Moinhos de Vento amplia telemedicina pediátrica para instituições do Rio de Janeiro

Hospital Moinhos de Vento amplia telemedicina pediátrica para instituições do Rio de Janeiro

Destaque Saúde
Durante o 1º Simpósio de Inovação em Terapia Intensiva Pediátrica, o Hospital Moinhos de Vento anunciou a ampliação da Telemedicina para Pacientes Pediátricos internados na UTI (TeleUTIP). Na primeira quinzena de julho, a tecnologia auxiliará mais quatro instituições federais do Rio de Janeiro: os hospitais de Bonsucesso, Cardoso Fontes, da Lagoa e dos Servidores do Estado. A ação é uma parceria com o Ministério da Saúde, pelo Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS).

65428971_625781724583937_4671663398470025216_n
Superintendente Luciano Hammes Foto: Leonardo Lenskij

Pioneiro no país, esse modelo de atendimento iniciou em novembro de 2018 e já apresenta impactos. “A mortalidade reduziu de 23% para 10%, o que representa mais de 50%”, celebra o médico Felipe Cabral, responsável técnico pelos projetos de Telemedicina do Hospital Moinhos de Vento. O dado se refere aos complexos hospitalares de Palmas (TO) e Sobral (CE), ambos do SUS. Nesse período, foram 244 videoconferências profissionais, 2.059 atendimentos e 82% das recomendações médicas foram aceitas. “A parceria entre as equipes gera mais confiança no diagnóstico e potencializa resultados”, defende Cabral.

Para Martha Pompeu, médica do Hospital Regional Norte de Sobral (CE), o compartilhamento apara carências regionais, como a limitação de especialistas, e oferece mais segurança. “Esse suporte compartilha responsabilidades. Deixa os profissionais mais tranquilos e torna o tratamento mais eficaz”, afirma. Ela reitera que outro avanço é a assistência ao grupo multidisciplinar. “Não é só o médico, mas o enfermeiro, o técnico, o profissional de fonoaudiologia (…). Cresce toda equipe junto”, complementa.

Na mesma linha, sinaliza as melhorias na rotina, a médica Maria Regina Pinto Komka. Ela atua na UTI Pediátrica do Hospital Geral de Palmas (TO). “De segunda a sexta-feira conversamos sobre todos os pacientes. No início, tínhamos receio que poderia atrapalhar ou ser demorado, mas ao contrário: percebemos que essa conexão facilita e aprimora o trabalho”, salienta. A enfermeira nortista, Karina Ramos, igualmente se sente mais segura com a parceria com os profissionais gaúchos.

A troca de conhecimento e melhora da prática médica foram enfatizadas também pelo superintende de Educação, Pesquisa e Responsabilidade Social, Luciano Hammes. “O Proadi-SUS tem a mobilização de quase 300 profissionais e opera em mais de 20 projetos”, citou. Hammes também enfatizou o protagonismo da instituição. “Na contramão de muitas pediatrias que reduziam a estrutura, ampliamos e com tecnologia e padrão de excelência”, afirma.

65391926_453349655228507_5163172390603063296_n
Foto: Leonardo Lenskij

Mindset digital na medicina

O Simpósio foi uma imersão sobre óticas diversas na aplicação de tecnologias para pediatria. “Vivemos hoje um mindset globalizado. Mudou o jeito de ver TV, de usar o celular e também de fazer medicina. Essa realidade é irreversível”, frisou o coordenador do evento, Felipe Cabral, que explanou sobre Telemedicina e seus resultados. O evento contou com uma palestra internacional do médico John j. Mccloskey, da Johns Hopkins, sobre a administração de medicamentos no pós-operatório.

Medicina personalizada em UTI Pediátrica foi o tema explanado pelo médico Jefferson Piva; e o assunto Cardiologia Pediátrica debatido pelos profissionais médicos Alessandro Olszewski, Renato A. K. Kalil, Raul Ivo Rossi Filho e Keli Chemello. As novas tecnologias que estão transformando a saúde foi a palestra de Guilherme Rabello (Inovaincor USP) que mapeou desafios do setor.

Cristiano Feijó falou de inovação em cirurgia robótica e uma mesa redonda abordou a sistematização do atendimento ao paciente pediátrico crítico. Participaram da discussão os profissionais Elisa Baldasso, Aline Botta, Rosa Rolim e Leonardo Miguel Correa Garcia.

65694538_315393552679017_4656839237243502592_n
Foto: Leonardo Lenskij

Robô Laura

Em maio de 2010, a bebê Laura nasceu prematura em um hospital de Curitiba/PR. Sobreviveu por 18 dias na UTI neonatal e não resistiu à sepse, doença que mata mais de 230 mil brasileiros por ano. O pai dela e arquiteto de sistemas, Jacson Fressatto, participou por videoconferência do Simpósio para falar sobre a criação do primeiro robô cognitivo gerenciador de riscos do mundo.

O Robô Laura já ajuda a salvar dez vidas por dia e atualmente opera em seis hospitais. O software lê as informações dos pacientes e emite alertas que são enviados a cada 3,8 segundos à equipe médica com o objetivo de sinalizar o quadro de pacientes com riscos de infecção generalizada.

A realização teve o apoio do Serviço de Pediatria do Hospital e da Faculdade Moinhos de Vento.

Porto Alegre: Uso seguro de medicamentos é destaque na 5ª Jornada de Farmácia Hospitalar. Reunindo mais de 200 profissionais, evento do SINDIHOSPA trouxe palestrantes nacionais

Porto Alegre: Uso seguro de medicamentos é destaque na 5ª Jornada de Farmácia Hospitalar. Reunindo mais de 200 profissionais, evento do SINDIHOSPA trouxe palestrantes nacionais

Cidade Direito Direito do Consumidor Economia Notícias Saúde Tecnologia Trabalho

A manipulação e o uso correto da medicação são pontos essenciais para trazer mais segurança aos pacientes. Para falar sobre esse tema, o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA) convidou especialistas nacionais para sua 5ª Jornada de Farmácia Hospitalar. O evento ocorreu nesta sexta-feira (28), na Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS). Promovido pelo Comitê de Farmácia do sindicato, o encontro reuniu mais de 200 profissionais. Para o presidente da entidade, Henri Siegert Chazan, a evolução do setor requer atualização constante. “São perceptíveis as mudanças no ramo da farmácia, com o crescimento de tecnologias para a prática, a segurança e a personalização de medicamentos para os pacientes”, salientou.

Durante a programação, Mayde Seadi Torriani, do Hospital de Clinicas de Porto Alegre, abordou o preparo de quimioterápicos no dia a dia do farmacêutico na oncologia. “Toda prática e cuidado com prescrições e manutenção de drogas devem seguir protocolos internos de cuidados”, pontuou. No entanto, segundo a farmacêutica, é preciso atuar sempre próximo ao paciente e ao médico, pois a missão do profissional é ajudar para o bom desempenho do tratamento. Mayde detalhou aliados nesses cuidados, como uso de protocolos, monitoramento e auxílio farmacêutico na administração da medicação pelos familiares.

Abordando o monitoramento de eventos adversos, a farmacêutica Camila Rehen, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP), disse que é preciso haver uma harmonia entre questões assistenciais e financeiras. “Somos responsáveis por todo o processo. Deve-se ter cuidado especial em atenção ao paciente e também a processos internos sustentáveis, evitando desperdícios e gerenciando compras”, afirmou.

jornada2
Reunindo mais de 200 profissionais, evento do SINDIHOSPA trouxe palestrantes nacionais a Porto Alegre. Foto: Olga Ferreira

A especialista apresentou métodos de monitoramentos internos para evitar possíveis adversidades com os pacientes. Também compartilhou dados de sua instituição sobre principais falhas identificadas, trazendo formas de melhorar o desempenho prático. “Precisamos implementar ações tecnológicas, como prescrições eletrônicas, armários de dispensação e códigos de barras. Tudo isso é necessário para evitar erros e gerir de forma eficaz a farmácia hospitalar.”

Segurança desde a prescrição

Ao dividir sua experiência como responsável técnica do Hospital Divina Providência, Michele John Müller apresentou ferramentas para aumentar a segurança de pacientes. Ela citou o sistema utilizado na área e parâmetros inseridos para apoiar no controle das recomendações. “Além desses exemplos, para o acerto no uso, também incluímos na intranet uma série de perguntas frequentes para consultas da assistência”, explicou, detalhando o cuidado em manter sempre atualizados os indicadores no sistema.

A utilização segura de medicamentos – especificamente os antimicrobianos – também foi tema da coordenadora de Farmácia Clínica do Hospital 9 de julho (SP), Daniela de Faria Appoloni. Durante sua palestra, foram expostos dados da última reunião da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a resistência de bactérias a antibióticos e a importância do controle de indicações indevidas.

A palestrante falou sobre o método Antimicrobial Stewardship, diretriz internacional de controle da prescrição de drogas dessa linha. Utilizado pela instituição onde atua, a metodologia revisa as recomendações médicas a partir de uma equipe multidisciplinar – que inclui infectologistas, farmacêuticos e profissionais de saúde que trabalham no controle de infecções.

Gestão e assistência farmacêutica

Estratégias para o engajamento de pessoas e importância de feedbacks foram alguns dos assuntos trazidos por Renata Bidone, da RB Consultoria em Desenvolvimento. Consultora e mentora em desenvolvimento de pessoas, ela enfatizou o papel do farmacêutico como líder de equipes e peça importante na gestão da farmácia hospitalar.

A logística farmacêutica também foi assunto da jornada, em painel da gerente nacional de Logística Hospitalar da RV Ímola (SP), Patrícia Lazzarini. Rodrigo Aranda, da Bionexo, falou sobre tecnologia e inteligência na garantia de cobertura e nível dos serviços de estoques hospitalares.

Para fechar a programação, o painel sobre Assistência Farmacêutica reuniu três especialistas: Marinei Campos Ricieri, do Hospital Pequeno Príncipe (PR), falou sobre pediatria; Luana Velasco, do Hospital Moinhos de Vento, tratou de cuidados paliativos; e Bruno Simas da Rocha, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, abordou geriatria. A mediação foi de Gabrielli Guglielmi, do Hospital Mãe de Deus.

Brasilit disponibiliza website para cadastramento de ex-empregados expostos ao amianto

Brasilit disponibiliza website para cadastramento de ex-empregados expostos ao amianto

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Saúde Segurança Tecnologia Trabalho

Por força de conciliação firmada perante o Ministério Público do Trabalho, a Brasilit disponibilizou na internet um website para o cadastramento de ex-trabalhadores das unidades da empresa em Belém (PA), Capivari (SP), Contagem (MG), Esteio (RS), Recife (PE), São Caetano do Sul (SP), São Paulo (SP) e Senador Camará (RJ), com o objetivo de disponibilizar meios para a realização de exames periódicos de controle de ex-empregados que trabalharam nas plantas fabris até o ano de 2002.

Segundo os termos do acordo, os ex-empregados têm o prazo de 30 anos para realizá-los, a partir da data de sua rescisão contratual. Os exames serão realizados gratuitamente com a seguinte periodicidade: a cada 3 anos para trabalhadores com período trabalhado de 0 a 12 anos; a cada 2 anos para aqueles que trabalharam de 12 a 20 anos; e anual para trabalhadores com período trabalhado acima de 20 anos. A empresa deve informar aos trabalhadores sobre os resultados dos exames, entregando cópia do laudo médico e dando o devido encaminhamento para tratamento. O website ficará ativo até o ano de 2032. A medida tem como objetivo fazer o diagnóstico de doenças relacionadas ao amianto, especialmente devido ao seu período de latência, que pode variar de 30 a 40 anos.

 Clique aqui e acesso o site com formulário para o preenchimento de dados.
O Ministério Público do Trabalho e a Brasilit celebraram acordo judicial, pelo qual a empresa se comprometeu a doar o valor de R$ 25 milhões para encerrar ações em trâmite pela 8ª Vara do Trabalho de Campinas. A verba será destinada para a construção de uma Clínica de Diagnóstico na Santa Casa de Capivari (SP), que será utilizada para fazer o diagnóstico de doenças relacionadas ao amianto em empregados e ex-empregados da Brasilit, além de atender a população da cidade em geral. O projeto prevê que a unidade tenha uma área construída de aproximadamente 1.200m², e que seja equipada com aparelhos de ressonância magnética, tomografia, mamografia, endoscopia, ultrassom e 2 salas de raio-x, entre outros.

Parte da indenização será direcionada para o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) de Piracicaba (SP) e outras unidades dos CERESTs do Estado de São Paulo, que deverá utilizar o valor para estruturar o serviço de busca ativa de pessoas que trabalharam na unidade fabril da Brasilit em Capivari e de outras empresas da região de Campinas, que utilizaram o amianto em seu processo produtivo, com o objetivo de identificar possíveis problemas de saúde nesses trabalhadores. A Universidade de Campinas (UNICAMP) também será beneficiária da verba e a utilizará para capacitar equipes médicas para o diagnóstico e atendimento de doenças relacionadas ao amianto, além de compra de equipamentos para atendimento dos trabalhadores expostos. A conciliação prevê que a Brasilit deve manter meios para a realização dos exames periódicos de controle de ex-empregados até 2032, sendo que os ex-empregados têm o prazo de 30 anos, a partir da rescisão contratual, para realizá-los.

A empresa deve informar aos trabalhadores sobre os resultados dos exames, entregando cópia do laudo médico, e dando o devido encaminhamento para tratamento. Os beneficiários podem buscar o atendimento no website disponibilizado pela Brasilit, que ficará online até o ano de 2032. A empresa também deverá veicular anúncios em rádio chamando os ex-trabalhadores da fábrica para realizar os exames todos os anos, até 2032.