Porto Alegre: Hospital da Restinga realiza mais um mutirão de vasectomias

Porto Alegre: Hospital da Restinga realiza mais um mutirão de vasectomias

Destaque Notícias Porto Alegre Saúde

O Hospital da Restinga e Extremo-Sul, em Porto Alegre, promove, nesta sexta-feira (21), mais um mutirão de cirurgias urológicas, a partir das 9h. A equipe da instituição realizará 30 vasectomias e, na próxima semana, fará outros 30 procedimentos.

O bloco cirúrgico do Hospital foi inaugurado no último dia 11 e está apto a realizar operações de baixa e média complexidade (lipomas, hérnias, vasectomia, vesícula, apendicite, entre outras). São quatro salas que compõem o espaço, sendo três para cirurgias previamente agendadas (tanto pela Central de Regulação quanto pelas consultas realizadas no Ambulatório de Cirurgia Geral e Urologia) e uma disponível para a emergência.

Entre os equipamentos do local estão um Arco em C (ecógrafo móvel para realização de ecografia durante procedimentos cirúrgicos), duas torres para cirurgia laparoscópica e dois carrinhos de parada cardíaca. Conforme o presidente da Associação Hospitalar Vila Nova, Dirceu Dal’Molin, a expectativa é que sejam feitas, em média, 19 cirurgias por dia no bloco. Ele adianta que, para o final deste mês, está prevista a abertura dos dez leitos da UTI do Hospital e a realização de endoscopia digestiva.

A Associação Hospitalar Vila Nova assumiu, em 21 de agosto, a gestão da operação do Hospital Restinga e Extremo-Sul após vencer edital de chamada pública lançado pela Prefeitura da Capital. A partir daí, a instituição e o Executivo municipal firmaram Termo de Cooperação para o início da prestação de serviços, ampliando a capacidade e diminuindo o tempo de espera para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Nova campanha da Santa Casa de doação de órgãos traz histórias reais.  Objetivo é trazer a proximidade com o espectador

Nova campanha da Santa Casa de doação de órgãos traz histórias reais. Objetivo é trazer a proximidade com o espectador

Comportamento Destaque Publicidade Saúde

A campanha de doação de órgãos da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre aposta em histórias verdadeiras. A ideia é que o conceito traga proximidade com as pessoas que a assistem, ao demonstrar as etapas que empregam o processo. Todos os protagonistas são reais e contam sua trajetória e os caminhos percorridos durante o procedimento. Com o mote ‘#1salva8’, o objetivo é ressaltar que cada doador de órgãos pode salvar até oito vidas.

Por meio de hotsite (http://santacasa.org.br/1salva8) estão disponibilizadas as histórias completas dos personagens do vídeo da campanha. Além de entrevistas, mitos, verdades e dados informativos, há matérias especiais sobre o tema na plataforma. A ação tem anúncios para jornal, mídia externa, rádio, TV e materiais veiculados nas redes sociais. Nesta semana, kits compostos por material informativo e camiseta alusiva ao propósito foram enviados a parceiros da Santa Casa e influenciadores digitais para potencializar a conscientização da causa.

O vídeo da campanha pode ser assistido por aqui. A produção e mídia da campanha, segundo a instituição, não custou nada para o hospital e foi realizada com parceiros que contribuíram para a divulgação da ação.

Ficha técnica:

Agência: Blend Comunicação

Cliente: Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

Criação: Cado Bottega, Rafael Sarmento e equipe marketing Santa Casa

Planejamento: Mkt Santa Casa – Bruna Salgado

Produção Gráfica: Mkt Santa Casa – Carla Golbert e Alexandre Fritsch

Mídia on e off: Mkt Santa Casa – Carla Golbert e Dierli Santos

Produtora de Áudio: Radioativa

Locução spots: Rildo Alves

Produtora de Filme: Zap Filmes

Fotógrafo: Raul Krebs

Aprovação: Andréa Schüür, Leila Jaggi e Dr. José Camargo                                                                             (Coletiva.net)

Pelotas: Atas da UBS Bom Jesus aparecem e mostram que Prefeitura foi avisada.

Pelotas: Atas da UBS Bom Jesus aparecem e mostram que Prefeitura foi avisada.

Notícias Saúde

 

A CPI dos Exames Pré-Câncer da Câmara de Vereadores segue apurando as denúncias de irregularidades nos exames citopatológicos realizados na rede pública de Pelotas. Outras frentes de investigação também estão analisando o caso, como o Ministério Público e Polícia Federal.

Até agora, um Memorando datado de 04 de julho de 2017 é uma das peças-chave que comprova a denúncia. Em depoimento à CPI, a enfermeira Aline Geppert que atua como coordenadora da Rede Bem Cuidar, revelou a existência de outro documento que teria sido entregue à Secretaria Municipal de Saúde, porém não soube precisar quando nem a quem entregou tal documento, mas que tudo havia sido registrado em atas das reuniões da Unidade Básica de Saúde Bom Jesus.

Como havia apenas o testemunho verbal da enfermeira Aline, os vereadores solicitaram cópias das atas ao Ministério Público, que está de posse dos livros de atas desde julho, quando esse material foi recolhido pela então Secretária de Saúde interina, Paula Schild Mascarenhas e depositado no MP, aos cuidados da Promotora Rosely de Azevedo Lopes.

No destaque, a data de quando o documento foi lavrado

No destaque, a data de quando o documento foi lavrado

Os vereadores querem os documentos para dar mais credibilidade ao que disse a depoente. No popular, querem “ver para crer”. Pois então o DIÁRIO DA MANHÃ mostra.

A reportagem do DM teve acesso com exclusividade às Atas das reuniões da UBS Bom Jesus.

A ata da “reunião de equipe” da UBS Bom Jesus, datada de 13 de janeiro de 2016 – registrada nas páginas 22 e 23 de um dos livros apreendidos e de posse do MP – relata mais uma das várias tentativas dos servidores públicos em avisar sobre a desconfiança com relação ao serviço prestado pelo laboratório contratado pelo município para a realização dos exames.

A Ata foi redigida pela Dra. Júlia Kanaan Recuero. Em determinado trecho ela diz: “Eu, Júlia, entrego à Enf. Aline um documento assinado pelos médicos e enfermeiros da UBS endereçado à Saúde da Mulher. Neste há um questionamento a respeito dos resultados dos CP’s (Citopatológicos) aqui realizados…”.

A reportagem completa está no Diário da Manhã.

Porto Alegre: Saúde prepara operação para manter atendimento de gestantes

Porto Alegre: Saúde prepara operação para manter atendimento de gestantes

Comunicação Notícias Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que a partir de sábado, 15, o Hospital Fêmina iniciará reforma estrutural nas colunas hidrossanitárias do Centro Obstétrico e Unidade de Terapia Intensiva e Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal. A ação visa à substituição de todas as colunas hidrossanitárias – vazamento ocorrido em fevereiro deste ano causou o fechamento da casa de saúde e atingiu diversos setores da instituição.

O Centro Obstétrico deverá ficar fechado por dois meses para que sejam executados os reparos. Com o objetivo de causar menor impacto na rede, o Hospital Materno Infantil Presidente Vargas abrirá mais quatro leitos de UTI Neonatal e seis leitos de UCI. O Fêmina conta atualmente com dez leitos de UTI Neonatal e 20 leitos de UCI (cuidado intermediário neonatal). Durante o período de reforma, a instituição terá seis leitos de UTI Neonatal e 12 leitos de UCI em funcionamento em outra área do hospital. A medida busca manter a capacidade de atendimento nesse segmento.

“A orientação para os serviços de saúde que necessitarem transferir gestantes ou recém nascidos para UTI/UCI neonatal é acessar os painéis das maternidades, identificando a maternidade com condições de receber o paciente”, destaca o secretário municipal de saúde, Erno Harzheim. A SMS e Secretaria Estadual de Saúde acertaram que esta orientará as maternidades da Região Metropolitana e Interior para evitarem encaminhar gestantes de baixo risco de suas regiões para as maternidades de Porto Alegre, especialmente durante esse período.

Bolsonaro volta para a UTI e reage bem após nova cirurgia, diz hospital; por Matheus Lara/O Estado de S.Paulo

Bolsonaro volta para a UTI e reage bem após nova cirurgia, diz hospital; por Matheus Lara/O Estado de S.Paulo

Destaque Eleições 2018 Saúde
O candidato do PSL à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, voltou à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein nesta quinta-feira, 13, depois de passar por uma nova cirurgia de emergência em razão de uma obstrução intestinal.

De acordo com o boletim médico divulgado pelo hospital, o candidato “evoluiu bem” após a cirurgia, feita na noite de quarta. “A limpeza abdominal foi realizada como feito rotineiramente. O procedimento teve duração de duas horas.”

O hospital explicou que, após apresentar um quadro de inchaço na região abdominal, uma tomografia computadorizada a que o candidato foi submetido confirmou o diagnóstico de obstrução intestinal.

“O paciente foi levado para a cirurgia de urgência onde foram desfeitas as aderências do intestino e liberado o ponto de obstrução. Além disso, constatou-se um extravasamento de secreção entérica (secreção intestinal) a montante do ponto de obstrução em uma das suturas realizadas anteriormente para correção dos ferimentos intestinais”, diz o boletim. “Em grandes traumas abdominais esta complicação é mais frequente do que em cirurgias programadas.”

Bolsonaro está internado desde a última sexta em São Paulo. No dia 6, o candidato foi esfaqueado durante um ato de campanha em Juiz de Fora, e teve perfurações no intestino grosso e no intestino delgado.

‘Noite delicada, mas 100% contornada’, diz filho

Um dos filhos do candidato, Carlos Bolsonaro, disse nesta madrugada que o militar da reserva passou uma noite “delicada”, mas que a situação foi contornada. “Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos de enfermagem; estou vendo de perto o trabalho dessas pessoas desde o início e só temos a agradecer. Noite delicada, mas 100% contornada”, escreveu Carlos no Twitter. “O velho é forte como um cavalo; não é a toa que seu apelido de Exército é ‘cavalão’.”

Leia na íntegra da notícia e o boletim médico sobre o estado de saúde de Bolsonaro divulgado nesta quinta, em O Estado de São Paulo.

Comissão do Congresso aprova MP da Saúde

Comissão do Congresso aprova MP da Saúde

Destaque Saúde

A comissão especial de deputados e senadores aprovou esta tarde (11) o relatório da Medida Provisória (MP) 848, que permite operações de crédito de 5% do programa anual de aplicações do Fundo de Garantia do Tempo do Serviço (FGTS) a santas casas e hospitais filantrópicos que atuem complementarmente ao Sistema Único de Saúde (SUS). O Ministério da Saúde estima que esse montante alcance R$ 4 bilhões este ano. Segundo o relator da chamada MP da Saúde, senador Lasier Martins (PSD-RS), caso o texto seja aprovado pelo plenário do Congresso, as entidades beneficiadas poderão oferecer créditos que tenham a receber de terceiros, leia-se valores devidos pelo SUS pela prestação de serviços, como garantia da operação.

O projeto indica a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES como agentes das operações e estabelece as condições melhores oferecidas pelo mercado, como juros do financiamento habitacional, tarifa única de 0,5% do valor da operação e risco a cargo dos próprios agentes.

Lasier propôs duas modificações ao texto original da MP. Uma reforça a condição de que seja prestado ao menos 60% dos serviços ao SUS para ser beneficiado pelo financiamento do FGTS. A outra prevê que os recursos do fundo disponibilizados pela MP e não contratados sejam devolvidos para serem destinados às áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana.

Os hospitais filantrópicos atravessam grave situação financeira, com dívidas acima de R$ 21 bilhões. Esses estabelecimentos representam um terço dos leitos do país e metade das cirurgias do SUS, muitas das quais de alta complexidade. Eles têm o dever legal de prestar no mínimo 60% dos serviços ao sistema e, em vários municípios, são as únicas unidades hospitalares existentes.

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Em discurso, senador Lasier Martins  (PDT-RS).  Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.
Senador Lasier Martins (PSD-RS).
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado.
Hospital diz que Bolsonaro terá de fazer nova cirurgia ‘de grande porte’

Hospital diz que Bolsonaro terá de fazer nova cirurgia ‘de grande porte’

Destaque Saúde

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) terá que passar por uma nova cirurgia de grande porte para reconstruir o trânsito intestinal e retirar bolsa de colostomia, informou o boletim médico divulgado na manhã desta segunda-feira pelo Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Atingido por uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG), na quinta-feira, o candidato segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A colostomia foi feita em função de lesões graves do intestino grosso e delgado. Ainda de acordo com o comunicado, o estado do presidenciável “ainda é grave”, mas sem sinais de infecção.

Bolsonaro permanece também com sonda gástrica aberta e em paralisia intestinal, que ocorre habitualmente depois de grandes cirurgias e traumas abdominais.

A rotina de Bolsonaro inclui sessões de fisioterapia respiratória e motora e ele se alimenta por via endovenosa.

Os relatórios médicos de Bolsonaro só são divulgados após aprovação da família.

Como manter o foco em um mundo hiperconectado. Assunto será tema de palestra gratuita

Como manter o foco em um mundo hiperconectado. Assunto será tema de palestra gratuita

Agenda Cidade Notícias Saúde Tecnologia

A psicóloga Anissis Moura Ramos fará palestra sobre como manter o foco em um mundo hiperconectado no próximo dia 17 de setembro, às 19h30min, na Livraria Saraiva do Shopping Praia de Belas. O evento é gratuito. Conforme Anissis, vivemos em um mundo permanentemente repleto de estímulos. A quantidade e a frequência dessas conexões interferem na concentração do indivíduo, dispersando a atenção com muita facilidade e gerando prejuízos de ordem psicológica, emocional e até econômica.

Anissis Moura Ramos é especialista em Psicologia Clínica, mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do RS, psicóloga Clínica com experiência na identificação de doenças e sintomas. Atua em consultório privado como psicóloga clínica e é psicóloga Perita credenciada pelo TJRS e professora dos Cursos de Perícia Psicológica em Vara de Família; Alienação Parental e Falsas Memórias.

A psicóloga destaca que no encontro será questionada a possibilidade de uma convivência saudável nesse mundo hiperconectado e abordados sintomas de algumas patologias que levam à distração. O ponto principal será a apresentação de técnicas para manter o foco sem isolar-se socialmente.
Tópicos da palestra:
– Bombardeio de informações tiram o foco.
– Desatenção provocada pela depressão e pela ansiedade
– Déficit de Atenção e Hiperatividade

Serviço
Nome do Evento: Como manter o foco em um mundo hiperconectado
Palestrante: Psic. Anissis Moura Ramos CRP 07/11.688
Dia: 17/09/18
Horário: 19h30m
Local: Saraiva Praia de Belas
Evento gratuito. Não precisa inscrição

Saúde: Fernando Lucchese recebe Prêmio da Academia 2018

Saúde: Fernando Lucchese recebe Prêmio da Academia 2018

Destaque Saúde
O cirurgião cardíaco e diretor médico do Hospital São Francisco Fernando Lucchese, recebeu o Prêmio da Academia 2018, distinção máxima oferecida pela Academia Riograndense de Medicina que reconhece o trabalho desenvolvido por seus acadêmicos na área médica. Lucchese já realizou mais de 30 mil procedimentos cirúrgicos, em sua maioria de alta complexidade, e possui importante atuação em pesquisas clínicas, principalmente nas áreas de cirurgia, estimulação cardíaca artificial, saúde e espiritualidade.

Médico formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1970, Lucchese atua como cirurgião cardiovascular e cardiologista, tendo títulos de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular e Sociedade Brasileira de Cardiologia. Realizou fellow em cirurgia cardiovascular pela Universidade do Alabama (EUA), também é professor-adjunto de cirurgia cardiovascular da Universidade de Ciências da Saúde de Porto Alegre.

Porto Alegre: Simpósio celebra os 20 anos da Emergência do Hospital Moinhos de Vento

Porto Alegre: Simpósio celebra os 20 anos da Emergência do Hospital Moinhos de Vento

Cidade Notícias Saúde

Os 20 anos do setor de Emergência do Hospital Moinhos de Vento foram celebrados, nesta quarta-feira (22), com um simpósio multidisciplinar que reuniu médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e outros profissionais que atuam no local. O evento foi realizado Anfiteatro Schwester Hilda Sturm, na própria instituição, na Capital.

A abertura do Simpósio contou com a presença de membros do Comitê Executivo do Hospital Moinhos de Vento, como o superintendente Executivo, Mohamed Parrini, o superintendente Administrativo, Evandro Moraes, a superintendente de Operações e Governo, Tanira Andreatta Pinto, e a superintendente Assistencial, Vania Röhsig.

Mohamed Parrini destacou a grande transformação ocorrida nestas últimas duas décadas na instituição e no atendimento à população. “A concepção da Emergência é um marco para o hospital e está à serviço da cidade”, afirmou. Já Vania Röhsig parabenizou a todos os profissionais que integram ou que já fizeram parte do setor. “É uma bonita história de superação e muita dedicação”, declarou.

Chefe do Serviço de Emergência do Hospital, Paulo Schmitz foi o primeiro a palestrar. Após fazer um breve resgate da história da própria organização, ele falou sobre o início da emergência, desde a destinação de um espaço físico até a seleção dos primeiros médicos e técnicos de enfermagem. E, em um momento de emoção, mostrou um caderno histórico no qual eram anotados, à mão, todos os atendimentos e dados do setor nos primeiros anos de funcionamento.

Contando atualmente com uma área três vezes maior que a inicial – que era de aproximadamente 560m² –, com ênfase em Cardiologia, Neurologia e atendimentos clínicos em geral, a Emergência do Moinhos se consolida como uma das mais modernas e bem equipadas do Sul do Brasil. Mas o desenvolvimento e aperfeiçoamento profissional e de infraestrutura prossegue. “Em breve vamos inaugurar uma nova área física para a emergência pediátrica, ampliar a emergência cardiológica e queremos, cada vez, mais especializar nossos médicos para que o Hospital Moinhos de Vento seja o melhor lugar para ser atendido nos casos de emergência”, projetou Paulo.

Para Sidiclei Machado Carvalho, coordenador assistencial da Emergência, o trabalho realizado nesses 20 anos está mudando a forma de ver e atuar. “Cada vez mais os profissionais da área da saúde que trabalham em emergências estão se valorizando, efetuando os melhores protocolos para se ter os melhores resultados”, avaliou.

Aprendizado e homenagens

Alguns dos temas abordados durante a programação de palestras do Simpósio, sob a coordenação científica de Paulo Schmitz, foram o uso de antibióticos, protocolo de AVC, cuidados paliativos, novidades para procedimentos em parada cardiorrespiratória, unidade de doenças respiratórias, além de fluxo de atendimento e indicadores, e a contribuição do fisioterapeuta na sala de urgência.

O dia de celebração pelos 20 anos da Emergência do Hospital Moinhos foi encerrado com uma homenagem aos colaboradores e antigos chefes da área. Dentre os agraciados estiveram alguns que estão no setor desde o início das atividades, em 1998.