Nova moda da internet, bronzeamento do períneo traz riscos, dizem especialistas

Nova moda da internet, bronzeamento do períneo traz riscos, dizem especialistas

Comunicação Notícias Saúde

Uma prática perigosa está se popularizando pelas redes sociais: o bronzeamento do períneo. Depois que uma influenciadora digital publicou uma foto alegando que a atitude traria benefícios — como aumento da energia vital, da libido e melhora na qualidade do sono — outras pessoas passaram a imitá-la. Mas especialistas alertam que a exposição solar desta região pode trazer riscos à saúde.

Leia mais em O Globo

Combate à doença de Chagas terá investimento de US$ 20 milhões

Combate à doença de Chagas terá investimento de US$ 20 milhões

Comunicação Notícias Saúde

A Central Internacional para a Compra de Medicamentos contra a AIDS, Malária e Tuberculose (Unitaid, sigla em inglês) publicou nesta segunda-feira (25) edital para a contratação de pesquisas visando a eliminação da infecção congênita da doença de Chagas e o desenvolvimento de estratégias e de ferramentas para aperfeiçoar prevenção, diagnóstico e tratamento. A pedido do Ministério da Saúde (MS) é a primeira vez que a central investe em Doença de Chagas.

A entidade, criada pelo Brasil Chile, França, Noruega e Reino Unido, vai aportar US$ 20 milhões, mais de R$ 80 milhões, conforme cotação do Banco Central, para redução da transmissão materno-fetal, tratamentos mais céleres e formulação de medicamentos com menos efeitos colaterais do que os nitroderivados Benznidazole (disponível no Brasil) e Nifurtimox (equivalente usado em outros países).

A expectativa da agência financiadora, que é parceira da Organização Mundial da Saúde, é que instituições de pesquisa de mais de um país façam consórcios para a busca de soluções. No Brasil, além da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantã, dezenas de universidades públicas (federais e estaduais) têm pesquisa avançada em medicina tropical. Essas instituições de pesquisa mantêm convênios com outros centros de excelência na Argentina, Bolívia, Colômbia e Peru.

“Essas grandes instituições possuem maior capilaridade no sentido de articular uma proposta nessa magnitude”, assinala Júlio Henrique Rosa Croda, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do MS.

Sete milhões infectados
A doença de Chagas existe no Brasil e em outros 20 países da América Latina e atinge a cerca de 7 milhões de pessoas em todo mundo, entre essas pelo menos 2 milhões são mulheres em idade fértil. A estimativa é que só no Brasil haja 1 milhão de pessoas infectadas, a grande maioria sem conhecimento da doença. Também têm registros da doença Estados Unidos (estimativa de 600 mil casos) e a Espanha (70 mil casos), e outros que recebam migração latino-americana.

De acordo com o Ministério da Saúde, 4,5 mil pessoas morrem anualmente da doença no Brasil, após anos de contágio e o desenvolvimento de problemas cardíacos e no sistema digestivo. “No ano passado, ocorreram 380 casos da doença de Chagas Aguda no Brasil, sendo 92% das ocorrências na região Norte do país, principalmente no estado do Pará (290). A incidência da doença aguda foi de 0,18 casos para cada 100 mil habitantes”, descreve nota do MS.

Além da transmissão da mãe infectada para o filho no ventre, é recorrente no Brasil a contaminação pela ingestão de alimentos contaminados (como açaí e cana-de-açúcar) com as fezes ou urina do barbeiro (em algumas regiões chamado de bicudo) que transmitem o protozoário Trypanosoma cruzi. A picada do barbeiro direta na pele causa irritação e provoca coceira que também oportuniza o contágio, isso pode acontecer em áreas rurais (casas de barro e sem saneamento) ou mesmo na floresta.

Conforme especialistas, afora os riscos de contágio, o tratamento é um problema porque a população pobre, mais vulnerável, tem dificuldades para acessar médicos, medicamentos e laboratórios, e não faz exames clínicos periódicos, o que dificulta diagnóstico antes do desenvolvimento da doença e o rastreamento da infestação nas regiões pelas amostras de sangue.

Doença negligenciada
Segundo a chefe do Laboratório de Biologia Celular da Fiocruz, Maria de Nazaré Correia Soeiro, “a doença de Chagas é uma das 20 doenças negligenciadas pela indústria farmacêutica”, porque o desenvolvimento do medicamento não desperta interesse nos fabricantes. “A visão é que investimento em pesquisa sobre Doença de Chagas não teria retorno financeiro, uma vez que a população que necessita de tratamento é extremamente pobre”.

Na avaliação de Júlio Croda, a falta de visibilidade da população dificulta o combate à doença e o desenvolvimento de ferramentas para tratamento. “O acesso ao diagnóstico não é fácil. Por isso esse investimento. A gente quer desenvolver um teste igual ao do HIV. Aquele teste rápido. Que possa ser feito na atenção primária, e possa ter resposta no mesmo momento.”

Segundo ele a pesquisa a ser patrocinada pela Unitaid “é o maior investimento em pesquisa sobre doença de Chagas na história, e vai culminar com uma nova política e novas estratégias de saúde para Doença de Chagas, principalmente integrado com atenção primária”.

A iniciativa é elogiada pela chefe do Laboratório de Biologia Celular da Fiocruz, que teme efeitos do aumento da pobreza e da desigualdade no Brasil que ocorre desde 2014, associados à falta de saneamento para grande parte da população, acesso à educação e saúde. “Os ganhos de controle precisam de sustentação de medidas. É preciso garantir o rastreamento da doença.”

Agência Brasil

Hospital Moinhos de Vento preside maior congresso de gestão hospitalar da América Latina. Paciente está no foco do debate sobre o futuro da saúde

Hospital Moinhos de Vento preside maior congresso de gestão hospitalar da América Latina. Paciente está no foco do debate sobre o futuro da saúde

Destaque Saúde

 Diante da necessidade de equilibrar a equação entre a qualidade do serviço entregue ao paciente e os custos da saúde, surge o conceito de saúde baseada em valor. O tema foi escolhido para nortear as discussões da sétima edição do Congresso Nacional de Hospitais Privados, o Conahp, que acontecerá nos dias 26, 27 e 28 de novembro, no Transamerica Expo Center, na cidade de São Paulo. Serão cerca de 30 horas de conteúdo ministrado pelos mais de 80 palestrantes, nacionais e internacionais, confirmados na programação. No total, serão especialistas de mais de 10 países.

“Quando pensávamos em valor, a primeira coisa que vinha à cabeça era o viés monetário, o quanto custa. Nos últimos anos, esse conceito se modificou principalmente no setor da saúde, que começou a enxergar uma ótica mais ampla da palavra e o que ela significava para sua maior prioridade: o paciente”, pontua Marco Aurélio Ferreira, diretor-executivo da Anahp. O papel do hospital como integrador do sistema para que haja uma melhor entrega será discutido a partir das perspectivas de experiência do paciente, modelos assistenciais, e informação e tecnologia, durante o evento.

Para debater esses eixos que serão abordados, o congresso contará com Don Berwick, presidente emérito e membro sênior do Institute for Healthcare Improvement (IHI) – instituição responsável pela construção do conceito Triple Aim, base desta nova otimização do sistema de saúde. Além dele, a programação contará com outros importantes nomes internacionais como Shawn Achor, pesquisador da ciência da felicidade e autor do livro “O jeito Harvard de ser feliz”, Martin Ingvar, professor, há mais de 20 anos, do Instituto Karolinska, e Daniel Kraft, presidente da Faculdade de Medicina da Singularity University.

“A democratização da informação trouxe um importante empoderamento do paciente nos últimos anos, o que fez com que ele começasse a exigir mais do que o ofertado nos protocolos padrões de consultas rápidas e sem grandes interações por parte do médico”, afirma Mohamed Parrini, presidente do comitê científico do Conahp. A partir daí, as instituições de saúde perceberam que precisariam modificar suas culturas e fornecer um serviço mais humanizado e personalizado aos seus clientes, uma vez que, além da insatisfação ser motivo suficiente para que ocorressem tais mudanças, isso acarretou um crescimento considerável das despesas no setor.

Tendências e desafios da tecnologia na saúde, como a telemedicina e a saúde 4.0, também serão temas abordados ao longo do congresso. Além disso, serão debatidos os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e como ela auxilia na geração de valor para o paciente. A programação completa pode ser conferida aqui.

Serviço:

Congresso Nacional de Hospitais Privados 2019

Data: 26, 27 e 28 de novembro
Local: Transamérica Expo Center – Hall B – Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro – São Paulo / SP
Para mais informações (11) 3122-6244 / (11) 3122-6240 | inscricoes@anahp.com.br

 

Vidas transformadas: Emoção marca a formatura de 38 novos técnicos em enfermagem

Vidas transformadas: Emoção marca a formatura de 38 novos técnicos em enfermagem

Destaque Educação Saúde Trabalho

ENFERMAGEM3

“Essa é a realização de um sonho que talvez eu não conseguisse alcançar sozinha.” As palavras da então estudante e recém graduada Glória Soares, 22 anos, resumem o sentimento dos alunos da 10ª turma do curso de Técnico em Enfermagem para moradores da Restinga e do Extremo-Sul de Porto Alegre, promovido pelo Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Programa de Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS). A formatura, realizada na noite de quinta-feira (14), marcou o início de uma nova caminhada para 38 profissionais da área da saúde.

Para Glória, mais do que uma carreira, o curso representa a transformação de uma vida. “Eu estava procurando emprego quando surgiu essa oportunidade. Trabalhar com a saúde sempre foi um sonho. Agora, tenho uma profissão e vou pode fazer aquilo que eu gosto: cuidar das pessoas”, disse, ao cair em lágrimas, a caçula de quatro irmãos. Dois deles estavam na solenidade: o mais velho, Luiz, e a do meio, Edina. “A conquista dela é restauradora. Esse canudo também é nosso”, comemorou a irmã.

A emoção de Glória foi compartilhada por Alexandre Guedes Motta, de 28 anos. “Quando apareceu a oportunidade do curso técnico na Restinga, eu agarrei com unhas e dentes. Era a chance que eu tinha para tomar o meu caminho. Eu senti que viver o Moinhos e trabalhar com profissionais de larga experiência era o meu futuro”, celebrou o orador da turma. “A formatura foi um momento ímpar na minha vida”, concluiu.

ENFERMAGEM2O misto de sentimentos, no entanto, não estava restrito aos alunos. O corpo docente e a direção da instituição emocionaram-se com a conclusão da 10ª turma do curso. “Escolhemos uma região vulnerável de Porto Alegre para oferecer gratuitamente vagas nos cursos técnicos. Educação transforma. E, dando essa oportunidade, podemos ver uma efetiva transformação social”, destacou o superintendente de Educação, Pesquisa e Responsabilidade Social do hospital, Luciano Hammes.

Festejada pelos alunos, a diretora da Escola Técnica do Hospital Moinhos de Vento, Rosângela Maria da Rosa Vieira, foi a responsável pela seleção e pelo acompanhamento dos alunos ao longo do curso. Foi uma espécie de “ponte” entre o passado e o futuro dos novos técnicos em enfermagem. “Temos a oportunidade, através da formação profissional, de transformar indivíduos e famílias. E, assim, contribuir para a condição e a inserção social de uma comunidade”, enalteceu.

Os 38 novos técnicos em enfermagem se somam aos outros 232 graduados ao longo das dez edições do curso. A formação é inteiramente gratuita, e os alunos recebem, além de uma bolsa, transporte, uniforme e material. Ao todo, 270 moradores da Restinga e do Extremo-Sul tiveram suas vidas transformadas pelo Hospital Moinhos de Vento.

Exemplo para o Brasil

O curso, com duração de 1,6 mil horas, tornou-se um case de sucesso e será replicado em todo o país. O projeto, em parceria com o PROADI-SUS, iniciou com a formação profissional de moradores do bairro Restinga para atuação no Hospital Restinga e Extremo-Sul e chegou à sua 10ª turma em 2019. “O Moinhos tem graduação, pós graduação e, desde sua fundação, ensino técnico. E nós pensamos: porque não dividir esse conhecimento com o SUS?”, questionou Hammes.

Reconhecido pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Educação, o programa deu tão certo que motivou o Hospital Moinhos de Vento a apresentar o projeto ao governo federal para replicá-lo em outros estados. “Estamos compartilhando nossa metodologia de ensino e os nossos currículos para multiplicar com todo o Brasil”, explicou.

A formação ocorre de acordo com as metodologias de ensino da Escola Técnica do Hospital Moinhos de Vento e visa qualificar a assistência no âmbito do SUS. A intenção é melhorar o atendimento nas instituições de saúde e proporcionar geração de emprego e renda aos egressos do curso.

Porto Alegre: Na primeira noite sob gestão de empresa privada Pronto Atendimento (PA) da Lomba do Pinheiro registra falta de médicos

Porto Alegre: Na primeira noite sob gestão de empresa privada Pronto Atendimento (PA) da Lomba do Pinheiro registra falta de médicos

Destaque Saúde

unnamed(16)Pacientes que buscaram a emergência pediátrica do Pronto Atendimento (PA) da Lomba do Pinheiro na noite desta terça-feira (12/11) perderam a viagem. No primeiro plantão sob gestão da empresa SPDM, não havia pediatra na unidade. Apenas clínicos gerais atendiam no local. O quadro previsto para o turno da noite em contrato é composto por dois clínicos e dois pediatras. Em junho, a SPDM venceu uma concorrência aberta pela prefeitura da Capital para assumir a gestão PAs dos bairros Lomba do Pinheiro e Bom Jesus. A empresa assumiu ontem a gestão na Lomba do Pinheiro e, na próxima semana, deve iniciar os trabalhos na Bom Jesus.

O Simers visitou a unidade PA Lomba do Pinheiro ontem e constatou a falta de profissionais. A ausência de pediatra foi informada em cartaz afixado na porta de entrada do PA, indicando a ausência do especialista das 19h do dia (12/11) às 7h do dia seguinte. Pais que buscavam atendimento para seus filhos eram orientados a procurarem o Hospital da Restinga, distante 8 quilômetros Lomba do Pinheiro. Confira abaixo um vídeo c com a manifestação do presidente do Simers sobre o assunto.

“A situação do atendimento de urgências nas upas está sendo prejudicado devido a forma imediatista que está sendo tratada a saúde pela prefeitura. A forma em que as empresas terceirizadas deixam para definir as escalas e buscar os profissionais nos últimos instantes leva a tensão pela parte dos médicos e desassistência aos pacientes”, afirma o diretor o Simers Guilherme Peterson, que visitou o PA Lomba do Pinheiro.

Espera de até 9 horas no PA Lomba do Pinheiro

No que se refere ao atendimento clínico geral, o PA Lomba do Pinheiro registrava na noite de ontem superlotação, mesmo com dois médicos na escala. A espera pelo atendimento poderia chegar a 9 horas.

Escala de quarta-feira no PA Lomba do Pinheiro

Na manhã desta quarta-feira (13/11), o Simers retornou ao PA Lomba do Pinheiro e constatou a presença de apenas um pediatra, quando a escala do turno prevê dois médicos realizando o atendimento.

O Simers tem denunciando os riscos da terceirização do atendimento nas unidades de saúde municipais, incluindo o histórico da SPDM em outros locais onde atuou. Em Santa Catarina, por exemplo, onde foi responsável pela gestão dos Hospitais Regional de Araranguá e de Florianópolis, a empresa figura com ré em 38 ações judiciais. A Prefeitura de Porto Alegre, ainda não se manifestou sobre o assunto

Porto Alegre: Hospital da Restinga promove mutirões de cirurgias e consultas pelo Novembro Azul

Porto Alegre: Hospital da Restinga promove mutirões de cirurgias e consultas pelo Novembro Azul

Agenda Notícias Saúde

O Hospital Restinga e Extremo-Sul (HRES) e a São Pietro Saúde promovem ações em prol da campanha Novembro Azul, iniciativa que busca combater o câncer de
próstata por meio da prevenção. No dia 9 deste mês, a partir das 8h, realizarão mutirão de cirurgias. No dia 12 de novembro, um mutirão de consultas médicas para homens está programado e no dia 19, a partir das 19h, no auditório do complexo hospitalar, acontecerá a palestra “Saúde do homem”.
A entrada é gratuita e a capacitação é aberta para toda a comunidade. O HRES está localizado na avenida João Antônio da Silveira, 3.700, em Porto Alegre, e tem atendimento 100% SUS.

Câncer de Pulmão: Imunoterapia, radioterapia e cirurgia são focos de debate em simpósio internacional

Câncer de Pulmão: Imunoterapia, radioterapia e cirurgia são focos de debate em simpósio internacional

Agenda Notícias Saúde

Os diferentes aspectos do câncer de pulmão e a aplicação das novas tecnologias para o tratamento da doença foram as pautas principais do II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão. Promovido pelo Hospital Moinhos de Vento (HMV), o encontro ocorreu nessa sexta-feira (1) e sábado (2), no Hotel Sheraton, e trouxe três palestrantes internacionais, além de 30 nomes conhecidos no cenário nacional, para discutir os avanços na área.

O simpósio foi moldado em cima de casos clínicos do cotidiano. “O nosso grande objetivo era dar essa característica ao encontro: trazer assuntos aplicáveis ao dia a dia dos profissionais, de acordo com os recursos que cada um tem nos locais onde trabalham”, explicou o chefe do Serviço de Pneumologia do Moinhos de Vento, Marcelo Gazzana. O evento contou com a presença de cerca de 150 participantes ao longo dos dois dias.

Dra Natasha Leighl
Dra Natasha Leighl Foto: Leonardo Lenskji

O ponto alto da programação ficou por conta da sessão plenária, no final da tarde de sexta, com as palestras de oncologistas internacionais. O francês Elie Fadel, a canadense Natasha Leighl e o brasileiro radicado no Canadá, Sergio Faria, discutiram temas relativos ao limite da cirurgia na doença, à imunoterapia do câncer de pulmão e aos aspectos relacionados à radioterapia estereotáxica.

Fadel abriu a plenária com a palestra “Qual o limite da cirurgia na doença localmente avançada?”. Para responder à provocação, o francês apresentou dados referentes a procedimentos clínicos e cirúrgicos. O tratamento da doença, de acordo com o palestrante, deve ser envolvido em uma discussão multidisciplinar entre cirurgião, oncologista, radioterapeuta e equipes de apoio nas áreas da pneumologia, radiologia e patologia.

Leighl trouxe um tema atual e que vem se desenvolvendo muito nos últimos anos: a imunoterapia. Há mais de mil estudos abertos na área, de diferentes tipos de câncer – o de pulmão conta com o maior número de pesquisas. A oncologista canadense projetou um cenário de avanços para os próximos anos. “Olhamos para o horizonte e enxergamos resultados muito promissores pela frente, a partir desses estudos”, frisou.

Faria, por sua vez, abordou o papel da radioterapia em pacientes selecionados. O brasileiro radicado no Canadá ressaltou o uso da tecnologia nos mais diversos tratamentos dos pacientes em estágio avançado da doença.

Atento às palestras, o coordenador da Unidade de Oncologia Torácica da instituição, Guilherme Geib, enalteceu a importância de discutir, de forma multidisciplinar, os diferentes aspectos da neoplasia. “A conexão das três aulas ressalta como temos de estar muito bem integrados enquanto equipe na hora de tomar as decisões nos tratamentos de nossos pacientes, resumiu o oncologista.

Dados alarmantes

O Rio Grande do Sul lidera o ranking dos estados com maior incidência de câncer de pulmão. O índice de mortes pela doença no Estado chega a 33%. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a neoplasia maligna de traqueia, brônquios e pulmões registra 49,5 casos para cada 100 mil homens. O número reduz entre as mulheres, mas ainda se mantêm no topo – são 27,6 casos para cada 100 mil.

Entre as capitais não é diferente. Porto Alegre desponta na estatística negativa entre os municípios brasileiros, com 50,49 casos para 100 mil homens e 37,64 para cada 100 mil mulheres. “Previnir é o melhor caminho. Mas, os casos existem. E o que aumenta realmente as chances de cura da doença é a identificação precoce e o tratamento com os métodos mais adequados, de forma multidisciplinar”, comentou Gazzana.

Psiquiatra Nelio Tombini lança site e reforça trabalho nas redes sociais com insights comportamentais

Psiquiatra Nelio Tombini lança site e reforça trabalho nas redes sociais com insights comportamentais

Comportamento Cultura Destaque Saúde Tecnologia Trabalho

Nelio Tombini, psiquiatra, escritor, palestrante e consultor especializado em relações institucionais e corporativas, acaba de lançar seu site www.neliotombini.com.br.  Autor do livro A Arte de Ser Infeliz , o médico criou uma forma simples e verdadeira de se comunicar com as pessoas sobre problemas e questões que perpassam a vida de todos nós. São esses insights que ele leva para suas palestras por todo o Brasil e que têm como mote o tema Desarmando as Armadilhas Emocionais.

nelio_400x400Em 1989, criou o Serviço de Doenças Afetivas da Santa Casa de Porto Alegre, onde foi coordenador da Psiquiatria por 18 anos. Foi responsável por implementar terapias de grupo para dar conta das demandas dos pacientes do SUS. Atualmente, desenvolve um projeto de suporte psicológico aos médicos residentes na Santa Casa. Fundou e dirige a Clínica de Psicoterapia Breve – Psicobreve. Colaborador de vários veículos de comunicação, já escreveu artigos para o jornal Zero Hora, Jornal do Comércio, Pioneiro e NH. Tem inserções frequentes na Rádio e TV Gaúcha e na Band. Colunista do programa Happy Hour BandNews FM de Porto Alegre.

Empresas como Claro São Paulo, Fasa América Latina, Unimed, Panvel, Petrobras, Tintas Killing, RBS e laboratórios Weinmann já contrataram suas palestras, além de instituições e órgãos públicos como Santa Casa de Porto Alegre, Prefeitura de Porto Alegre, Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul, AJURIS, Universidade de Caxias do Sul, IPE, Amrigs, Federasul e Hospital Mãe de Deus, entre outros.

O psiquiatra, escritor e palestrante desenvolve workshops sobre conflitos emocionais no trabalho e levou para o YouTube a série de vídeos “5 minutos com o psiquiatra Nelio Tombini”, nos quais aborda os aspectos emocionais vinculados ao cotidiano.

 

http://neliotombini.com.br

https://www.instagram.com/drneliotombini/

https://www.facebook.com/psicobreve/

https://www.youtube.com/user/Psicobreve

Saúde: Palestrantes internacionais falam sobre câncer de pulmão no Hospital Moinhos de Vento

Saúde: Palestrantes internacionais falam sobre câncer de pulmão no Hospital Moinhos de Vento

Agenda Notícias Saúde Tecnologia Trabalho

O Rio Grande do Sul é o estado com maior incidência de câncer de pulmão do país. Entre as capitais, Porto Alegre lidera o ranking. Diante desses dados alarmantes, o Hospital Moinhos de Vento promoverá encontros para discutir o avanço da doença na população gaúcha. Entre sexta-feira (1º) e sábado (2), será realizado o II Simpósio Internacional de Câncer de Pulmão.

Arquivo Pessoal (2)O encontro contará com uma série de mesas redondas. “A intenção é discutir, de forma multidisciplinar, os diferentes aspectos da doença e a aplicação das novas tecnologias disponíveis para o tratamento da neoplasia”, diz o coordenador da Unidade de Oncologia Torácica do Moinhos de Vento, Guilherme Geib. No Hotel Sheraton, a programação trará 30 palestrantes nacionais e três oncologistas internacionais.

“Enormes avanços no manejo ocorreram nos últimos anos, como o rastreamento e diagnóstico precoce com a tomografia de baixa dose, tratamento com a cirurgia robótica, imunoterapia e terapias alvo. Tudo isso e vários outros aspectos serão abordados no simpósio”, explica o chefe do Serviço de Pneumologia do Moinhos de Vento, Marcelo Gazzana.

O ponto alto do seminário será a sessão plenária, na sexta, às 18h. O painel reunirá a canadense Natasha Leighl, o francês Elie Fadel e o brasileiro radicado no Canadá Sérgio Faria. O grupo debaterá temas relacionados à imunoterapia do câncer de pulmão, o limite da cirurgia na doença e aspectos relacionados à radioterapia estereotáxica.

Clique aqui e confira a programação completa.

Porto Alegre: Especialistas propõem ações para combater clínicas geriátricas irregulares

Porto Alegre: Especialistas propõem ações para combater clínicas geriátricas irregulares

Comportamento Notícias Porto Alegre Saúde Trabalho
IMG_1357
Evento do SINDIHOSPA e da OAB/RS discutiu desafios no cuidado dos idosos. Fotos: Antonio Purcino

O reforço de políticas públicas na atenção à população idosa é chave para combater a proliferação de clínicas geriátricas irregulares. Esse é o consenso de especialistas reunidos no workshop “ILPIs – Desafios e tendências em moradia para idosos”, que ocorreu nesta segunda-feira (28), na OAB Cubo, em Porto Alegre. Desde o ano passado, operações da Polícia Civil e de secretarias municipais fecharam diversos locais clandestinos na capital gaúcha.

“A população de idosos no Rio Grande do Sul já é superior à de crianças e adolescentes. Esse é um fenômeno demográfico irreversível. Temos de aproveitar as oportunidades e discutir como sociedade e poder público estão preparados para esse tema”, ressaltou Cristiano Martins Lisboa, membro do Núcleo de Residenciais Geriátricos do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA) e presidente da Comissão Especial dos Direitos da Pessoa Idosa da OAB/RS, entidades que organizaram o encontro.

Diretora de Atividades Culturais da Escola Superior da Advocacia da OAB/RS (ESA), Cristiane da Costa Nery destacou que “os residenciais sérios são verdadeiros centros de convivência”, que oferecem um tratamento adequado à terceira idade. Presidente do Conselho Municipal do Idoso, Lélio Luzardi Falcão ressaltou que Porto Alegre foi recentemente reconhecida como Cidade Amiga do Idoso. “Precisamos trabalhar para que ela seja a melhor cidade para essa população viver”, salientou. “É necessário fortalecer a rede de acolhimento. Somos poucos os que trabalhamos nessa área. Temos de nos unir e discutir cada vez mais”, apontou Cristine Ramos, titular da Delegacia do Idoso.

Atuação do MP

Com mais de 100 participantes no local e 300 assistindo pela internet, o workshop teve como destaque o painel sobre o trabalho do Ministério Público na fiscalização das clínicas irregulares. Maristela Schneider, promotora de Justiça do MP de Cachoeira do Sul, apresentou a experiência do Projeto Cuidar, realizado na cidade.

“Cachoeira virou um nicho de mercado para casas geriátricas. Havia situações extremas, com péssimas condições, idosos misturados com deficientes e outras pessoas”, afirmou. Desenvolvido desde 2015, o projeto formou uma força-tarefa que fechou diversas casas irregulares. Com o apoio do poder público, articulou uma rede de proteção, encaminhando as pessoas para locais adequados. “A família tem de se fazer presente nessas instituições, não apenas jogá-las naqueles locais”, orientou.

Edes Cunha, da Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos de Porto Alegre, falou da atuação na capital para combater os espaços insalubres. “A fiscalização, além de cumprir a lei, tem de garantir um atendimento de qualidade, dentro de um preço razoável. Não podemos inviabilizar as entidades que prestam um serviço relevante”, disse. O promotor pediu ainda que a população denuncie os locais irregulares pelo Disque 100, ou no próprio MP.

Fórum Nacional de ILPIs

Na sequência do evento, a diretora técnica da Senescentis, Michelle Clós, palestrou sobre as inovações em moradias para idosos, como condomínios, apartamentos e hotéis adaptados para essa população. Ela ainda abordou aspectos que devem ser levados em conta na decisão da mudança para um residencial geriátrico. “Esse é um processo difícil. Ninguém acorda e decide ir para um residencial. A escolha de um modo de modo de morar é também a escolha de um jeito de viver”, alertou.

Encerrando as atividades, o encontro marcou o lançamento do 1º Fórum Nacional de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), que acontecerá no dia 24 de abril de 2020, em Porto Alegre. “Será uma grande oportunidade de discutirmos, com especialistas e empresas de todo o país, as necessidades do segmento, como legislação, fiscalização e novos tipos de moradia”, salientou Henri Siegert Chazan, presidente do SINDIHOSPA.

Rogério Guaraldi, coordenador do Moderna Idade – Núcleo de Residenciais Geriátricos do Sindicato, apresentou o trabalho desenvolvido pelo grupo, que hoje reúne 17 empresas, com mais de 300 profissionais e 600 leitos na capital. “Não adianta termos uma instituição barata, mas sem condições de cumprir o que promete. Precisamos ter gestão e nos diferenciar pelo cuidado aos idosos”, ressaltou.