Porto Alegre: Instituto do Câncer Infantil realiza 15ª edição do tradicional Jantar Anual

Porto Alegre: Instituto do Câncer Infantil realiza 15ª edição do tradicional Jantar Anual

Destaque Porto Alegre Saúde Trabalho

LKF_8180

Solidariedade e união em uma noite dourada. O Instituto do Câncer Infantil (ICI) realizou nesta quinta-feira (30) a 15ª edição do Jantar Anual com o tema “Noite Dourada, a Nossa Esperança Brilha Mais Forte”. O evento contou com a presença do governador do Estado Eduardo Leite e demais autoridades, anfitriões importantes da sociedade gaúcha e representantes da Dupla Grenal, como o colorado D’Alessandro e o gremista Cortez. A festa foi embalada com os cantores Leo Pain, vencedor do The Voice Brasil 2018, Thomas Machado, vencedor do The Voice Kids 2017 e Banda Dublê.

LKF_8289

Realizado na Associação Leopoldina Juvenil, a noite foi marcada pela emoção. No telão, foram apresentados depoimentos de familiares de ex-pacientes sobre como enfrentaram a doença e da importância do trabalho realizado pelo Instituto do Câncer Infantil. Após, os pacientes que participaram do vídeo entraram no salão ao som de Aquarela, interpretada por Thomas Machado. A noite ainda contou com a Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul, o DC Project Live e a ginasta Andressa Jardim.

O presidente Conselho Deliberativo do ICI, Lauro Quadros, falou da importância do apoio à causa pela sociedade: “O ICI nos arrepia, vem na memória tanta coisa nesses 28 anos. Esse número espetacular de voluntários e funcionários é ótimo, mas nossos bons resultados também vêm da sociedade, que confia na nossa credibilidade”. Para o dr. Algemir Brunetto, diretor presidente do ICI, a noite celebrou a solidariedade e a união em prol da causa: “Que festa maravilhosa, fico emocionado, porque é apenas uma vez por ano, mas enche nosso coração de alegria. Significa uma oportunidade para dizermos muito obrigado para quase 500 pessoas e mais tantas nesse nosso Rio Grande, que ajudam nosso instituto”, destaca.

LKF_8458O jantar teve o objetivo de reunir a sociedade em prol da causa da instituição, além de mostrar o trabalho realizado, o engajamento e apresentar os futuros projetos. Dr. Brunetto ainda destacou a importância dos anfitriões da festa ao trazerem amigos e aumentar a rede solidária do ICI: “Assim vamos construindo uma corrente que faz nosso instituto ficar cada vez mais firme, forte, o instituto crescer e ajudar cada vez mais crianças e famílias”, completa.

Foram cerca de 500 pessoas que participaram do evento, que ainda contou com a presença do secretário de Desenvolvimento do Estado, Ruy Irigaray, secretária de Desenvolvimento Social e Esporte de Porto Alegre, Comandante Nádia, empresas como Shopping TOTAL, Leopoldina Juvenil, Dimed, Pestana Leilões, Martins Costa e Keunecke Advogados, Hardlink, Dália e um espaço do salão de beleza Mirage Três Figueiras. Também participaram personalidades como Bruna Tramontina, Martha e Evane Becker, Letícia Brunetto, Andrea Taffarel, Ana Brandt, Letícia Dubal, Débora Czupriniaki, Xuxa Pires, Mariana Diefenthäler, Juliana Sanmartin, Lana Silvia e Monica Jacques.

 

LKF_8331
, Thomas Machado, vencedor do The Voice Kids 2017
Hospital Moinhos de Vento promove  Simpósio de Enfermagem em Endoscopia

Hospital Moinhos de Vento promove Simpósio de Enfermagem em Endoscopia

Comunicação Destaque Educação Notícias Saúde Trabalho

O Hospital Moinhos de Vento promoverá, no dia 2 de junho, o 1º Simpósio de Enfermagem em Endoscopia. O encontro tem a intenção de ampliar as discussões focadas na enfermagem para o serviço. A programação é voltada para a atuação do enfermeiro na promoção de segurança e qualidade no procedimento.

A coordenadora Assistencial do Serviço de Endoscopia, Dialise e Cardiologia, Belisa Marin Alves, ressalta a importância de fortalecer as evidências baseadas em desfechos nas melhores práticas assistenciais. “Nosso objetivo é realizar um evento com foco na experiência do paciente ambulatorial e que reafirme os processos de qualidade e segurança. Temos o desafio de encantar o paciente em áreas nas quais temos uma curta permanência durante o atendimento”, explica.

Entre os temas abordados estarão os cenários nacional e internacional, indicadores e programa de qualidade, manutenção e preservação de equipamentos, entre outros assuntos. O encontro terá palestrantes parceiros de outras instituições de saúde de Porto Alegre, além de contar com palestras do chefe do Serviço de Endoscopia do Hospital Moinhos de Vento, Dr. Ismael Maguilnik, e do chefe do Serviço de Pneumologia, Dr. Marcelo Gazzana.

O evento acontece das 8h às 17h, no Anfiteatro Schwester Hilda Sturn (Rua Ramiro Barcelos, 910 – Bloco C – 4° andar). Interessados podem se inscrever através do link pelo site.

Lasier cumprimenta Santa Casa de Porto Alegre pelo pioneirismo em transplantes

Lasier cumprimenta Santa Casa de Porto Alegre pelo pioneirismo em transplantes

Notícias Poder Polícia Saúde

Lasier Martins (Pode-RS) destacou esta tarde (29) na tribuna do Senado o 30º aniversário do primeiro transplante de pulmão na América Latina, realizado em 16 de maio de 1989 pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. “Referência internacional em transplantes, a instituição centenária celebra seu pioneirismo hoje em cerimônia na capital do estado”, informou o senador. A Santa Casa foi também responsável pelos primeiros transplantes no país de córneas, em 1938, de rim e pâncreas, de forma conjugada, em 1987.
O parlamentar gaúcho aproveitou o registro para defender a aprovação, pela Câmara dos Deputados, de projeto de sua autoria que facilita a doação de órgãos para transplantes no Brasil. Aprovado semana passada por unanimidade pela CCJ e em caráter terminativo, o PLS 453/2017 impede que a família desautorize a retirada de órgãos de uma pessoa com morte cerebral que tenha manifestado em vida a vontade de doar. Hoje é necessária a liberação de cônjuge ou parente maior de idade, até o segundo grau.

Livros: João Pedro Gebran Neto e Clenio Jair Schulze autografaram “Direito à Saúde” nesta terça-feira no TRF4

Livros: João Pedro Gebran Neto e Clenio Jair Schulze autografaram “Direito à Saúde” nesta terça-feira no TRF4

Cultura Destaque Direito Direito do Consumidor Saúde Trabalho

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), e o juiz federal Clenio Jair Schulze, da 1ª Vara Federal de Brusque (SC), lançaram nesta terça-feira a segunda edição do livro “Direito à Saúde”. O evento de lançamento ocorreu no auditório da corte, durante o curso de Currículo Permanente de Direito Processual Civil, promovido pela Escola da Magistratura (Emagis).

Os autores definiram a racionalização dos critérios de decisão como pilar importante dessa nova edição da obra. Gebran comentou sobre a complexidade de procedimentos e entendimentos que envolvem o tema. “Temos várias agências que regulam a área de saúde e nem sempre são estabelecidos critérios para reexame dessas instâncias administrativas, então um dos capítulos trata disso”, explicou.

gebran5627
Sessão de lançamento ocorreu no auditório do TRF4. Foto: TRF4

Schulze também destacou os pontos agregados sobre o tema. “Os principais aspectos são a nova Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, que traz questões que envolvem as consequências da decisão, e também os entendimentos baseados em evidências e principalmente os critérios de decisão nesses casos da judicialização da saúde”, comentou o juiz.

Durante a ocasião, Gebran ainda ressaltou o aperfeiçoamento da obra. “Esse livro é bem enrobustecido em comparação à edição anterior, trazendo novas considerações sobre essa matéria que vem evoluindo com o tempo”, definiu o desembargador.

Saúde em julgamento

Com o enfoque no crescimento dos processos ligados à demanda de acesso a medicamentos, internações e cuidados médicos, os magistrados se baseiam nas análises teóricas do Direito Constitucional.

Além dos critérios jurídicos, os autores também abordam aspectos que buscam resolver alguns problemas recorrentes, como a escassez de recursos na área e a realidade do sistema público de saúde.

Os magistrados somam a bagagem teórica com a avaliação prática, advinda de seus anos de experiência no tema. Ambos são membros do Fórum Nacional da Saúde do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Gebran é fundador do Comitê Executivo Estadual da Saúde do Paraná e possui título de Doutor Honoris Causa na Saúde. Já Schulze faz parte do Comitê Executivo da Saúde de Santa Catarina.

Porto Alegre: Campanha contra o câncer bucal leva exames ao Largo Glênio Peres

Porto Alegre: Campanha contra o câncer bucal leva exames ao Largo Glênio Peres

Comunicação Notícias prefeitura Saúde

Exames bucais, ações de conscientização e atividades educativas serão oferecidos ao público nesta quarta-feira, 29, das 8h às 17h, no Largo Glênio Peres, junto ao Mercado Público, Centro Histórico de Porto Alegre. Alusiva à campanha Maio Vermelho – Mês de Luta contra o Câncer Bucal, a iniciativa lembra o 31 de maio, Dia Estadual de Combate ao Câncer Bucal e Dia Mundial sem Tabaco, principal causa da doença.

O local terá dez consultórios onde serão realizados exames clínicos com a orientação de profissionais da área de odontologia para alertar quanto aos riscos da doença, objetivando o diagnóstico precoce. O câncer de boca é uma doença crônica não transmissível e possui como principal fator de risco o tabagismo. Para se prevenir, as dicas são evitar fumar, não ingerir bebidas alcoólicas e evitar exposição solar excessiva.

“As pessoas devem ficar atentas a feridas na boca que não cicatrizam há mais de 15 dias, o que pode caracterizar estágio inicial da doença”, destaca a coordenadora da área de Saúde Bucal da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Caroline Schirmer. Em caso de dúvida, a orientação é procurar a unidade de saúde de referência, conforme endereço de moradia, onde as equipes de saúde bucal estão capacitadas para fazer o rastreamento de lesões. Clique aqui e confira a lista para residentes em Porto Alegre.

Quando diagnosticado precocemente e o paciente é submetido ao tratamento indicado, dados apontam que a possibilidade de cura fica em torno de 80%. Da mesma forma, o diagnóstico tardio pode levar a um tratamento mais agressivo e mutilador. Conforme dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), em 2018 ocorreram cerca de 14,7 mil novos casos de câncer de boca. Desse total, estima-se que 11,2 mil são homens e 3,5 mil mulheres.

Maio Vermelho – A promoção é uma iniciativa conjunta da SMS e Fecomércio-RS, pelo Sesc-RS, com apoio do Comitê de Entidades de Classe da Odontologia (Cecors), Conselho Regional de Odontologia, Secretaria Estadual da Saúde, Faculdades de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Realizado anualmente, o Maio Vermelho pretende ser um fórum de discussão permanente entre os profissionais, com o objetivo de qualificar a atenção à saúde desses pacientes.

Em 2018, foram examinadas 550 pessoas no evento da campanha, das quais 30% possuíam alguma lesão bucal. Do total de pessoas examinadas, 17,7% eram fumantes, 27,2% ex-fumantes e 55,1% não fumantes. Todos os pacientes do município de Porto Alegre encaminhados aos Centros de Especialidades Odontológicas saíram do local com a consulta agendada.

Saúde divulga números sobre aumento da demanda por emergências

O aumento da busca por serviços de urgências e emergências é uma preocupação da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. O órgão municipal emitiu nota, na quarta-feira, 22, para comunicar o registro atípico de aumento de busca por serviços de urgência e emergência na capital. Os locais estão operando no limite da capacidade técnica.
Nesta sexta-feira, 24, as equipes de atenção hospitalar e regulação finalizaram a análise dos números, comparando os dados de abril e maio de 2018 e 2019. “Nos últimos 30 dias houve um aumento de 106% nos encaminhamentos por problemas respiratórios e 88% de solicitações vindas de outros municípios quando comparado a 2018, o que vem causando o grande número de busca por atendimentos na rede de emergência”, destaca o secretário municipal de saúde, Pablo Stürmer.

No período 22 de abril até 23 de maio, deste ano, foram registradas 280 solicitações de leito de enfermaria pediátrica, enquanto no mesmo período de 2018 foram 136 solicitações. Com relação a atendimentos de pacientes pediátricos vindos do interior, foram 235 solicitações e 125 em 2018.

Stürmer reforça o objetivo de garantir a prestação de atendimento de forma adequada ao cidadão, orientando a população para que busque emergências hospitalares, pronto atendimentos e UPA somente em casos urgentes. Casos leves podem ser encaminhados em umas das 140 Unidades de Saúde, quatro delas com atendimento até as 22 horas (Modelo, Tristeza, São Carlos e Ramos), sem necessidade de agendamento. A medida busca evitar esperas prolongadas por atendimento.

Porto Alegre: Hospital Moinhos de Vento realiza Grand Round no dia 28 de maio.  Evento terá retrospectiva e apresentação de projetos futuros da instituição

Porto Alegre: Hospital Moinhos de Vento realiza Grand Round no dia 28 de maio. Evento terá retrospectiva e apresentação de projetos futuros da instituição

Notícias Porto Alegre Saúde Tecnologia Trabalho

O Hospital Moinhos de Vento realizará no próximo dia 28 de maio (terça-feira), a partir das 12h15, no Anfiteatro Schwester Hilda Sturm, na própria instituição, uma nova edição do Grand Round, debate mensal promovido em parceria com a Johns Hopkins Medicine International.

Esta edição, aberta a colaboradores e corpo clínico, terá como tema “A Saúde do Hospital Moinhos de Vento – Retrospectiva e Projetos Futuros”. Os palestrantes serão o superintendente executivo, Mohamed Parrini, e o superintendente médico, Dr. Luiz Antonio Nasi.

Para Parrini, trata-se de uma oportunidade de compartilhar a visão estratégica de crescimento do Moinhos de Vento para os próximos anos. “Cada liderança, colaborador e médico do nosso Corpo Clínico tem um papel fundamental na instituição e é essencial que todos entendam para onde estamos indo e os desafios que temos pela frente e esta é uma jornada colaborativa”, afirma o superintendente executivo.

De acordo com o superintendente médico, o evento também permitirá alinhar os compromissos futuros com o corpo clínico, sempre tendo como parâmetro as experiências vividas pela instituição até aqui. “O Hospital Moinhos de Vento tem diversos projetos médicos, expandindo as áreas de atuação e preparando-se para a medicina dos próximos anos, focada em tecnologia, desfechos médicos, interdisciplinaridade e pesquisa”, aponta Nasi.
 Informações

O Grand Round terá duração de aproximadamente uma hora. As inscrições, que são gratuitas, poderão ser feitas no local. Outras informações podem ser obtidas no setor de Eventos Científicos, através do telefone (51) 3537-8735 ou do e-mail eventoscientificos@hmv.org.br.

Saúde: AGU cobra de fabricantes de cigarro ressarcimento de gasto com tratamento de fumantes

Saúde: AGU cobra de fabricantes de cigarro ressarcimento de gasto com tratamento de fumantes

Destaque Direito Direito do Consumidor Economia Saúde

A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou nesta terça-feira (21/05), na Justiça Federal do Rio Grande do Sul, uma ação civil pública em que pede a condenação das maiores fabricantes de cigarros do Brasil e suas matrizes estrangeiras a ressarcir os gastos da rede pública de saúde com tratamentos de doenças causadas pelo tabaco. O pedido abrange os gastos da União nos últimos cinco anos com o tratamento de pacientes com 26 (vinte seis) doenças cuja relação com o consumo ou simples contato com a fumaça dos cigarros é cientificamente comprovada. A AGU também solicita a reparação proporcional dos custos que terá nos próximos anos com os tratamentos e o pagamento de indenização por danos morais coletivos.

São alvo da ação as maiores fabricantes de cigarros do Brasil: Souza Cruz LTDA,  Philip Morris Brasil Indústria e Comércio LTDA e Philip Morris Brasil S/A, que juntas detêm aproximadamente 90% do mercado nacional de fabricação e comércio de cigarros, e suas controladoras internacionais (British American Tobacco PLC e Philip Morris International).

“Como o lucro desse comércio é remetido para o exterior, para essas multinacionais, nada mais justo que elas venham a ter que esse pagar esse ônus que estão deixando com a sociedade brasileira”, explicou o coordenador Regional de Atuação Proativa da Procuradoria-Regional da União na 4ª Região, Davi Bressler, durante entrevista coletiva.

A responsabilização civil e a compensação dos danos ocasionados pelo tabagismo faz parte dos compromissos dos mais de 180 países, dentre eles o Brasil, que assinaram a Convenção-Quadro sobre Controle do Uso do Tabaco (CQCT). De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo.

Os problemas de saúde relacionados ao consumo de cigarro refletem no tratamento de doenças que custam anualmente, segundo estudos realizados no Brasil, dezenas de bilhões de reais à rede pública de saúde.

Quantia

O valor total que deverá ser ressarcido será calculado futuramente, caso a sentença seja favorável à União. A comprovação do prejuízo é possível por meio do chamado nexo causal epidemiológico, que conta com provas científicas para apurar o percentual de relação direta entre cada doença e o tabagismo. Somente nos casos de câncer de pulmão, por exemplo, 90% deles se devem à dependência de cigarros, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

“Uma vez estabelecido que a indústria tem que ser responsabilizada, já indicamos na ação todos os parâmetros que podem ser utilizados na liquidação da sentença para calcular o montante exato que deve ser ressarcido”, disse Vinicius Fonseca, advogado da União que atua no caso.

Um dos argumentos utilizados pela AGU na ação diz respeito à responsabilidade objetiva, uma vez que as despesas das empresas com a saúde dos consumidores – que já eram consequência esperada da atividade desenvolvida – estão sendo repassadas de forma inadequada à sociedade. A indenização cobrada também se baseia no conceito econômico das externalidades negativas, uma vez que as fabricantes têm deixado de arcar com os custos correspondentes aos riscos decorrentes da atividade da qual obtêm seus ganhos.

A ação também se fundamenta nas condutas danosas caracterizadas durante vários anos pela ocultação dos reflexos nocivos do cigarro à saúde. As fabricantes de cigarro podem ser condenadas, com isso, ao pagamento de indenização por danos morais coletivos.

Por meio da teoria da responsabilidade subjetiva, a AGU enumera condutas de má-fé praticadas pelas empresas ao longo das últimas décadas, como: omissão e manipulação de informações sobre os malefícios do tabagismo, do fumo passivo e do poder viciante da nicotina; venda de cigarros classificados como “light” como menos prejudiciais à saúde; e promoção de estratégias de marketing e propagandas voltadas ao público jovem.

“É um trabalho de pesquisa e coleta de evidências que vem sendo feito há mais de dois anos. É uma ação bastante densa, com diversos documentos anexados”, assinalou a procuradora-regional da União na 4ª Região, Mariana Filchtiner Figueiredo.

A ação não tem como objetivo proibir ou impedir a atividade das fabricantes de cigarros, que continuarão funcionando normalmente. Ela em nada atinge a produção interna de tabaco e a condição do Brasil de líder mundial em exportação de folhas do produto (já há 26 anos) e, por consequência, os ganhos dos produtores brasileiros. Cerca de 70% da produção nacional de tabaco é destinada ao mercado externo.

Precedente internacional

A partir de 1994, os estados que compõem os Estados Unidos da América começaram a ajuizar ações com o mesmo intuito contra as principais fabricantes de cigarros. Parte dos processos culminou com a assinatura de um acordo com 46 estados, em que as empresas se comprometeram a realizar pagamentos perpétuos àquelas unidades federadas e se submeterem a medidas como: restrições quanto a formas de publicidade, vedação de seu direcionamento a jovens e proibição à realização de declarações falsas sobre os efeitos do cigarro na saúde. Como resultado desses processos, a indústria do cigarro já pagou mais de R$ 500 bilhões aos estados norte-americanos nos últimos 20 anos.

Em 2006, uma juíza da Vara de Columbia proferiu uma decisão histórica concluindo que a indústria do fumo atuou de forma organizada desde a década de 1950 para distorcer informações sobre os reflexos do cigarro, mesmo sabendo dos efeitos da nicotina à saúde das pessoas. A sentença determinou que 11 empresas de tabaco alvo da ação movida pelo governo dos Estados Unidos publicassem dados de alerta à sociedade em veículos de comunicação.

As chamadas declarações corretivas deveriam reconhecer que as fabricantes minimizaram os efeitos do uso do tabaco, negaram a capacidade de a nicotina gerar dependência química e apresentaram cigarros ligth como menos perigosos à saúde. Além dos casos pioneiros ocorridos na justiça norte-americana, ações similares já foram ajuizadas no Canadá, na Nigéria e na Coreia do Sul.

O tabagismo

Segundo o Instituto Nacional de Câncer, o tabagismo é responsável pelos seguintes cânceres: de bexiga, pâncreas; fígado; colo do útero, esôfago, rins, laringe (cordas vocais), na cavidade oral (boca), de faringe (pescoço), de estômago e leucemia mielóide aguda, além do mais conhecido, câncer de pulmão. Somado à enfisema pulmonar e aos problemas cardiovasculares, existem mais de 50 doenças cujo fator de risco mais importante é a dependência química dos fumantes à nicotina.

O Inca aponta que, devido ao fato de 80% dos fumantes iniciarem o uso de cigarro antes dos 18 anos, o tabagismo é considerado uma doença pediátrica. Embora desconhecido por parte da população, o contato com a fumaça do cigarro é fator de risco significativo para acidentes cerebrovasculares e ataques cardíacos, inclusive em fumantes passivos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que o hábito de fumar é responsável por 12% da mortalidade adulta mundial. Há a estimativa de que cem milhões de pessoas faleceram no século XX devido ao consumo de cigarro. Os dados sobre o tema revelam que cerca de seis milhões de pessoas ainda morrem por ano em razão do tabagismo.

Assinada em 2003 e em vigor no Brasil desde 2006, a Convenção-Quadro sobre Controle do Uso do Tabaco foi o primeiro tratado internacional de saúde pública, responsável por criar padrões mundiais no controle do tabagismo e propondo medidas de proteção às políticas nacionais contra os interesses da indústria do tabaco e de restrição à propaganda, patrocínio e combate ao comércio ilícito de cigarros. Além de buscar o ressarcimento dos danos provocados pelo cigarro, o Estado brasileiro tem envidado esforços para eliminar o mercado ilegal de produtos derivados do tabaco.

Saúde: Unimed Porto Alegre abre nova unidade na capital

Saúde: Unimed Porto Alegre abre nova unidade na capital

Notícias Saúde

Unimed Porto Alegre lança na capital gaúcha uma novidade no setor de saúde: a Unidade Carlos Gomes do Laboratório Unimed. O espaço abriga um conjunto de serviços que inclui atendimento para coleta de exames laboratoriais, incluindo exames ginecológicos, teste do pezinho, exames genéticos e de biologia molecular, exames ecográficos, clínica de vacinas e ainda um espaço para comercialização de planos de saúde. Tudo com muito conforto, localização privilegiada e estacionamento. A unidade funciona das 7h às 19h de segunda à sexta-feira, aos sábados, das 7h às 13h, e a partir de junho abrirá também aos domingos.

O novo laboratório representa a crença da cooperativa na tecnologia com o olhar humano. Para o presidente do Conselho de Administração da Unimed Porto Alegre, Flávio da Costa Vieira, esta unidade do Laboratório é a materialização do cuidado aliado a inovação. “No setor de saúde, a tecnologia chega para auxiliar na busca de uma melhor qualidade de vida e precisa caminhar junto com o contexto de vida das pessoas e com o conhecimento e especialidade dos médicos”, afirma. Acreditar que a tecnologia é um meio, e não um fim, também é um dos conceitos da Unidade Unimed da Carlos Gomes, segundo o diretor de Recursos e Serviços Próprios, Gustavo Adolpho Moreira Faulhaber. “A Unimed Porto Alegre desenvolveu o novo laboratório sob o conceito da união dos olhares humanizados e tecnológicos para oferecer às pessoas um futuro mais saudável e confortável”. Logo, estaremos estendendo a tecnologia entregue nesta unidade em outras unidades do laboratório para que a experiência do cliente seja cada vez melhor, complementa.

Com serviços que atendem a todos os públicos, o novo laboratório oferece um ambiente sustentado pela tecnologia. Entre os diferenciais estão o check in online, o auto-atendimento, preparo de exames personalizado, realidade virtual, recursos especiais, coleta especializada para pediatria. A estrutura ainda possui sala especial para coletas com maior permanência, clínica de vacinas, exames ecográficos e uma base do SOS Unimed para atendimentos pré-hospitalares.

Espaço Infantil

Além dos óculos 3D, o público infantil também terá espaço especial na nova unidade do laboratório da Unimed Porto Alegre. O local equipado com brinquedos educativos e jogos digitais interativos para os pequenos que aguardam atendimento.

Óculos 3D para exames pediátricos

Para o público infantil, óculos 3D são utilizados antes das coletas laboratoriais e na aplicação de vacinas  para minimizar o desconforto dos pequenos pacientes. Eles são convidados a assistir filmes que o levam ao fundo do mar, ao Pólo Norte e em uma viagem ao redor do mundo. Essa tecnologia pode ser encontrada ainda na Unimed Zona Sul, no laboratório do Shopping Total e na unidade de Canoas (laboratório e clínica de vacinação).

Unidade Carlos Gomes - Laboratório Unimed 2
O local oferece em estrutura de saúde inédita. O novo laboratório, localizado na Avenida Carlos Gomes, alia inovação, tecnologia e saúde. Foto: Clarissa Londero – Cora Produtora

Coletas de exames

Espaço para coletas de longa permanência e especial atenção às coletas pediátricas. Por meio do site e aplicativo Unimed Porto Alegre é possível realizar ainda um pré-cadastro para exames laboratoriais, onde o cliente recebe as instruções de preparo e um QRcode para agilizar seu atendimento. No dia marcado, é preciso apenas fazer o check-in nos terminais de autoatendimento e aguardar o atendimento, reduzindo consideravelmente o tempo de atendimento.

Clínica de vacinas

Mais de 20 tipos de vacinas estão disponíveis para qualquer fase da vida, desde o nascimento até a terceira idade. O atendimento será voltado ao público em geral e aos clientes Unimed, que possuem condições especiais. Este serviço é disponível no turno da tarde.

Exame de imagem

A nova unidade oferece exames ecográficos; ecografia geral, gineco-obstétrica, ecocardiografia fetal, pediátrica e adulta, incluindo a tecnologia 4D. O objetivo  oferecer conforto para os usuários que precisam realizar exames laboratoriais e também ecográficos, com os dois serviços em apenas um lugar.

Cooperados Unimed Porto Alegre

Além de todos os serviços voltados ao público, o médico cooperado que cuida dos pacientes também ganhou uma atenção especial. A unidade conta com um espaço exclusivo para cooperados que também são clientes Unimed e chegam ao local para a realização de atendimentos. O espaço oferece toda a conveniência para o conforto dos médicos em atendimento na unidade.

SOS Unimed

Por ser um local de fácil acesso, virou ponto estratégico para saída de ambulâncias do SOS Unimed. A unidade abriga uma base do serviços de atendimento pré-hospitalar da Unimed.

 

Saúde: Maira Caleffi discute Cobertura Universal em evento em Genebra. Médica gaúcha falou no painel “Além das manchetes: o que será necessário para enfrentar o crescente impacto do câncer?”,

Saúde: Maira Caleffi discute Cobertura Universal em evento em Genebra. Médica gaúcha falou no painel “Além das manchetes: o que será necessário para enfrentar o crescente impacto do câncer?”,

Agenda Destaque Mundo Saúde

No painel “Além das manchetes: o que será necessário para enfrentar o crescente impacto do câncer?”, realizado nesta terça-feira(21)  em Genebra, Dra. Maira Caleffi, médica mastologista do Hospital Moinhos de Vento e presidente voluntária da FEMAMA, falou sobre cobertura universal da saúde e a necessidade de trazer o câncer para o centro desse debate. O painel ocorreu durante a 72ª Assembleia Mundial da Saúde, da Organização Mundial da Saúde que acontece até o dia 28 de maio. O encontro acontece anualmente em Genebra, Suíça e é o órgão de decisão mais alto da OMS. Reúne delegações de todos os países membros para discutir os principais tópicos de saúde, desenvolver, debater e decidir as futuras prioridades da OMS e trabalhar para supervisionar o plano de trabalho atual.

MairaCaleffi4543
Painel “Além das manchetes: o que será necessário para enfrentar o crescente impacto do câncer?, na 72ª Assembleia Mundial da Saúde. Foto: FEMAMA

A cobertura universal de saúde pressupõe que todos os indivíduos e comunidades recebam os serviços de saúde de que precisam, sem que isso comprometa sua situação financeira. Inclui todo o espectro de serviços de saúde essenciais e de qualidade, desde a promoção até a prevenção, tratamento, reabilitação e cuidados paliativos. O Brasil adotou este modelo na Constituição Federal em 1988, no artigo que determina que a saúde é direito de todos e dever do Estado, e instituiu o Sistema Único de Saúde (SUS) para efetivar esse preceito. De acordo com a médica, no entanto, após 30 anos estamos longe de ter na prática o que a lei define, principalmente para pacientes com câncer. “Esperar por tratamentos de câncer no Brasil leva tanto tempo que muitos pacientes desistem e aceitam seu diagnóstico como destino”, afirma.

Segundo Caleffi, algumas dificuldades que precisam ser enfrentadas para mudar as taxas de mortalidade crescentes para os tipos mais prevalentes de câncer são:

1. Tempo de espera longo de diagnóstica de pacientes sintomáticos, o que aumenta os casos de diagnósticos tardios;
2. Opções limitadas de tratamento para pacientes de câncer que dependem do sistema público de saúde;
3. Falta de acesso a abordagens multidisciplinares para o tratamento do câncer;
4. Falta de programas de prevenção e rastreamento para a maioria dos cânceres.

Para a presidente da FEMAMA, qualquer modelo de cobertura universal de saúde deve abordar o impacto econômico e garantir um programa de financiamento para o câncer e outras doenças crônicas. Uma das questões mais prementes é como fazer do câncer uma questão de atenção prioritária, uma vez que essa é a segunda causa de morte em saúde no mundo.

“Vamos aprender com os erros dos países que possuem um modelo de cobertura universal de saúde. Não podemos nos dar ao luxo de gastar mais tempo, mais dinheiro, mais vidas cometendo os mesmos erros. Para que os pacientes tenham voz ouvida é mandatório abrir o diálogo, ter mais transparência e encontrar soluções!”, declara.

O painel teve como moderadora a premiada jornalista inglesa Shuilie Ghosh. A cobertura universal em saúde é um dos principais assuntos a serem discutidos por delegações do mundo inteiro na Assembleia.