Porto Alegre: Guarda Municipal recebe capacitação para abordagem à tentativa de suicídio

Porto Alegre: Guarda Municipal recebe capacitação para abordagem à tentativa de suicídio

Comportamento Destaque Porto Alegre prefeitura Saúde Segurança Trabalho

Agentes da Guarda Municipal foram capacitados para abordagem técnica à tentativa de suicídio nesta sexta-feira, 27, na Orla Moacyr Scliar. A psicóloga da Secretaria Municipal de Segurança (SMSeg), Paula Rodrigues Morroni , ensinou ao grupo de 15 agentes técnicas de identificação de atitudes de pessoas com ideias suicidas.

“Tratamos de questões que facilitam o acolhimento para que a intervenção seja feita de maneira adequada. E um processo diferente do que a Guarda está acostumada a fazer, pois utiliza mais técnicas operacionais no seu dia-a-dia. Qual a melhor fala, a melhor conduta, como conduzir essa pessoa e qual o serviço mais adequado para se buscar para evitar que a pessoa tire a própria vida”, explica a profissional.

Para o secretário municipal de Segurança, Rafael Oliveira, essa ação é de extrema relevância, pois ajudará os guardas a identificarem possíveis pessoas que queiram cometer o suicídio. “Aquele que quer tirar a própria vida sempre avisa, de um jeito ou de outro, pois até mesmo um gesto corporal pode ser um sinal de que pretende cometer o suicídio. E nesse Setembro Amarelo, a Guarda Municipal não poderia ficar de fora dessa campanha tão importante já que a nossa atividade é preservar vidas”, observa.

A atividade é alusiva ao Setembro Amarelo, campanha brasileira de prevenção ao suicídio. A iniciativa busca promover, durante o mês, eventos que abram espaço para debates e divulgação do tema, alertando a população sobre a importância de sua discussão.

Governador do Rio quer processar Paraguai na ONU por tráfico de armas

Governador do Rio quer processar Paraguai na ONU por tráfico de armas

Destaque Poder Política Segurança Tecnologia
O governador do Rio Wilson Witzel pretende processar o Paraguai junto à Organização das Nações Unidas (ONU) pelo tráfico de armas ao Brasil, um dos principais vetores de violência no estado, segundo ele. Witzel disse que uma das soluções é fechar com forças de segurança a fronteira paraguaia e se prontificou em enviar policiais do estado para ajudar na tarefa. Ele falou com a imprensa nesta sexta-feira (27), no Palácio Guanabara, após um evento dirigido a empresários.

“Vamos fechar a fronteira com o Paraguai. Não comercialmente, mas policialmente. Eu colaboro, mando policiais para a fronteira. E vou pedir a outros estados que mandem policiais para lá. Não é possível que o Brasil continue sangrando com essas armas e ninguém faça nada. Determinei à Procuradoria-Geral do Estado que iniciasse estudos para nós representarmos o Paraguai perante a ONU e a Corte Interamericana dos Direitos Humanos. O Paraguai é um grande comerciante de armas e não tem controle para quem as vende. As armas do Paraguai, dados da Polícia Rodoviária Federal, indicam que vêm pela fronteira à vontade”, disse Witzel aos jornalistas.

Questionado como faria isso, Witzel salientou que a violência no Rio de Janeiro não é responsabilidade exclusivamente do governador, mas de todos, principalmente do governo federal.

“Não sou eu que patrulho fronteiras. Não sou eu que determino o que a Polícia Federal tem que investigar. A responsabilidade da fronteira não é minha e a responsabilidade por processar o Paraguai nem é minha. É o Ministério das Relações Exteriores que deve tomar as providências para orientar o presidente da República a exigir do Conselho de Segurança da ONU retaliações ao Paraguai, à Colômbia e à Bolívia pelo tráfico de armas e de drogas que inundam a América do Sul”, declarou Witzel.

Além de responsabilizar os países sul-americanos pelo tráfico de drogas e de armas, o governador do Rio também pretende processar as fábricas de armas, por comercializarem seus produtos a países que não controlam o destino das mesmas.

“Determinei um estudo, se for o caso a contratação de um escritório, para processar as empresas que vendem essas armas de forma irresponsável para esses países que não têm controle da venda de armas. Serão processadas, em cortes internacionais, com indenização ao povo do Rio de Janeiro. Porque essas famílias que estão sangrando não podem ficar apenas como mais um dado na estatística. Nós não vamos mais ficar calados. Vamos enfrentar essa questão nas cortes internacionais, nas sedes dessas empresas, porque elas têm que ser responsabilizadas. Esses fuzis não são produzidos no Brasil”, disse.

Metrô

Em outro assunto abordado na coletiva com os jornalistas, o governador anunciou que pretende terminar a Estação Gávea, da Linha 4 do metrô, até o próximo ano. Depois de inicialmente ter dito que aterraria o buraco da estação, por falta de dinheiro para terminá-la, Witzel mudou de ideia e revelou que terá dinheiro para começar as obras ainda este ano. Ele esteve em Brasília para tratar do repasse de royalties do petróleo para o estado referentes aos leilões do pré-sal.

“O advogado-geral da União me disse que já estava ultimando o parecer para que nós possamos ter em torno de R$ 350 milhões, imediatamente, e iniciarmos as obras da Linha 4 do metrô, para finalizar a estação da Gávea. Vão faltar outros R$ 400 milhões ou R$ 600 milhões, mas como nós vamos receber de bônus de assinatura 3%, o que vai dar em torno de R$ 2,5 bilhões, vamos ter que investir isso em obras. Com mais um ano, estaremos inaugurando a Linha 4 da Gávea. Acredito ser possível iniciar as obras ainda este ano”, contou o governador. (Agência Brasil)

Porto Alegre: Secretária Nacional da Justiça fala sobre projeto anticrime e Pacto pela Mulheres na ACPA

Porto Alegre: Secretária Nacional da Justiça fala sobre projeto anticrime e Pacto pela Mulheres na ACPA

Destaque Política Segurança Trabalho

A Secretária Nacional da Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Maria Hilda Marsiaj, entende que o governo federal só pode enfrentar o crime organizado, a violência, com medidas fortes e confisco do dinheiro, “que retroalimenta o crime”.

Ela palestrou nesta segunda-feira, 23/09, no MenuPoa, promovido pela Associação Comercial de Porto Alegre sobre o projeto anticrime do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, que propõe a alteração parcial de 14 leis, envolvendo o combate a corrupção, combate a crimes violentos e combate a organizações criminosas. E explicou também o projeto Pacto pelas Mulheres.

LV_02228 _20x30_ @LuisVentura2019
Maria Hilda Marsiaj e Paulo Afonso Pereira Foto: Luis Ventura

O presidente da ACPA Paulo Afonso Pereira abriu evento, realizado no Salão Nobre do Palácio do Comércio, afirmando que a punição e o afastamento da vida pública dos agentes corruptos de forma célere, como aconteceu na Operação Lava Jato, mudou um paradigma da vida política brasileira, que era a impunidade.  “Além disso, induz ao servidor a agir visando o interesse público e não se servir.” Para ele, neste momento, tanto o Judiciário como o Legislativo precisam ajudar para a aprovação das reformas tão necessárias para que a País retome o crescimento.

Segundo Maria Hilda Marsiaj, o projeto anticrime aumenta as possibilidades de aceleração dos acordos entre o Ministério Público e os réus; ataca a parte financeira das organizações criminosas e endurece o regimento de cumprimento de pena.

A segunda metade de sua palestra foi sobre o Pacto pelas Mulheres, que visa a implementação de políticas públicas de prevenção e combate a violência contra a mulher. Ela explicou que o Pacto surgiu da cooperação entre representantes do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário para coordenar as diversas políticas públicas existentes para mulheres em situação de vulnerabilidade.

Os pactuantes se comprometem a trabalhar na proposição de medidas de combate à violência com ações educativas preventivas, de alternativas para garantir a independência financeira, combate ao tráfico de mulheres e de aperfeiçoamento do atendimento por parte dos agentes de segurança pública às mulheres vítimas de violência.

Agro:  SENAR-RS dá início a novas turmas de qualificação dentro do programa Deriva Zero

Agro: SENAR-RS dá início a novas turmas de qualificação dentro do programa Deriva Zero

Agenda Agronegócio Economia Educação Negócios Notícias Segurança Tecnologia Trabalho

O SENAR-RS tem nova agenda de ações do programa Deriva Zero acontecendo pelo Estado. dia 26 de setembro, as ações ocorrem em Alpestre e no início de outubro (14 a 23) o treinamento acontece em Lavras do Sul. em São Borja o evento está programado para acontecer dia 21 de outubro.

O Deriva Zero é voltado a produtores rurais de segmentos que usam defensivos agrícolas ao longo do desenvolvimento de suas lavouras e a trabalhadores envolvidos na aplicação de defensivos. A abordagem teórica e prática envolve atualização em tecnologia de aplicação, uso correto e seguro de agrotóxicos, transporte, armazenamento e preparo dos produtos, legislação (procedimentos preconizados na NR 31.8 quanto ao uso dos agrotóxicos), rotulagem e sinalização de segurança, formas de exposição direta e indireta, sinais e sintomas de intoxicação, primeiros socorros, equipamentos de proteção individual, equipamentos de pulverização, regulagem e calibração de equipamentos e controle de deriva, entre outros temas.

A qualificação oferecida pelo SENAR-RS atende à nova Instrução Normativa SEAPDR n° 06/2019, que estabelece o cadastro de aplicadores de produtos agrotóxicos hormonais do grupo das auxinas incluindo o princípio ativo do 2, 4-D, regulamenta sua aplicação e dá outras providências.  O SENAR-RS faz parte do Grupo de Trabalho, junto à secretaria Estadual de Agricultura e Pecuária, para tratar das questões relativas à utilização do agrotóxico 2, 4-D no Estado e oferece programas para combater a deriva, que surge quando partículas de agrotóxico são dispersadas pelo vento ou através da evaporação e atingem áreas fora do alvo da aplicação. Alexandre Prado, coordenador de Programas Especiais do SENAR-RS, comenta que a receptividade dos produtores à capacitação tem sido muito boa, especialmente em razão da obrigatoriedade de adequação. A dificuldade, ressalta, fica por conta do curto prazo até o plantio”, comenta Prado

Os interessados devem procurar o Sindicato Rural dos municípios para participar.

Sobre as novas normas

As novas normas publicadas pela SEAPDR estabelecem a criação de um Cadastro Estadual de Aplicadores de Agrotóxicos. Para se cadastrar, os produtores devem ter qualificação para a aplicação de agrotóxicos hormonais de forma segura, evitando assim problemas, como o que foi observado com o uso de produto 2,4-D em 24 municípios do Rio Grande do Sul. Os municípios abrangidos são Alpestre, Bagé, Cacique Doble, Candiota, Dom Pedrito, Encruzilhada do Sul, Hulha Negra, Ipê, Jaguari, Jari, Lavras do Sul, Maçambará, Mata, Monte Alegre dos Campos, Piratini, Rosário do Sul, Santiago, São Borja, São João do Polêsine, São Lourenço do Sul, Santana do Livramento, Silveira Martins, Sobradinho e  Vacaria.

A instrução normativa institui que a nova regra valerá inicialmente para estes 24 municípios, mas, a partir de junho de 2020, todos os aplicadores de agrotóxicos hormonais do Rio Grande do Sul terão de ser cadastrados.

O que é a deriva?

A deriva é um problema que causa prejuízos ao próprio produtor, em condições desfavoráveis, a produtores vizinhos, que podem ter seus cultivos danificados pela ação indevida destes produtos químicos. No entanto, de acordo com o coordenador de Programas Especiais do SENAR-RS, Alexandre Prado, o problema não está no produto em si, mas na falta de conhecimento dos aplicadores, já que a pulverização pode ser afetada por uma série de fatores como o vento, a temperatura, a escolha das pontas de pulverização, entre outros fatores que determinam o resultado da aplicação.

TRF4 decide que piloto de avião tem direito a contagem de tempo especial

TRF4 decide que piloto de avião tem direito a contagem de tempo especial

Destaque Direito Economia Negócios Notícias Saúde Segurança Tecnologia Trabalho Turismo

A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou sentença que condenou o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a reconhecer a especialidade de atividades exercidas por um piloto de avião de Porto Alegre (RS). Dessa forma, o instituto deverá conceder ao segurado o benefício de aposentadoria por tempo de contribuição proporcional ou integral, conforme cálculo a ser realizado posteriormente pelo INSS.

O segurado da Previdência Social ajuizou ação contra o INSS após ter seu pedido de aposentadoria negado pelo instituto, sob a justificativa de que ele não teria atingido o tempo mínimo de contribuição exigida. Segundo o autor, o período de 24 anos e 10 meses em que trabalhou como piloto de avião deveria ter sido calculado como atividade especial, devido a sua exposição à alta pressão atmosférica.

O juízo da 1ª Vara Federal de Canoas (RS) entendeu que ficou comprovada nos autos a exposição do piloto a agentes nocivos e determinou que o INSS reconhecesse a especialidade do período trabalhado.

Dessa forma, ambas as partes recorreram ao tribunal postulando a reforma da sentença. O INSS sustentou que a especialidade não teria ficado demonstrada em 11 dos 24 anos trabalhados pelo piloto. Já o segurado pleiteou o cômputo dos dois anos em que seguiu trabalhando no período entre o requerimento negado e o ajuizamento da ação.

A Turma negou provimento à apelação do INSS e deu parcial provimento ao recurso do segurado, determinando a implantação da aposentadoria por tempo de contribuição proporcional ou integral.

A relatora do acórdão, juíza federal Taís Schilling Ferraz, destacou em seu voto que mesmo somando o tempo de trabalho reconhecido, o piloto não possui tempo suficiente à concessão da aposentadoria por contribuição integral, apenas proporcional.

“É possível, porém, considerar para fins de concessão de benefício previdenciário a contribuição realizada após o requerimento administrativo da aposentadoria. Na hipótese, computado o tempo de serviço laborado após o requerimento, é devida a aposentadoria por tempo de contribuição integral, a contar da data do ajuizamento da ação”, concluiu a magistrada.

Porto Alegre: Rodrigo Pimentel foi o palestrante da 10ª Convenção de Colaboradores REDEMAC

Porto Alegre: Rodrigo Pimentel foi o palestrante da 10ª Convenção de Colaboradores REDEMAC

Agenda Negócios Notícias Porto Alegre Segurança Trabalho

Aconteceu durante o final de semana, a 10ª Convenção de colaboradores da Redemac, maior rede  associativa de materiais de construção do sul do país, com 90 lojas em 73 municípios gaúchos.

71390389_651158748709704_5152749123450961920_nA grande atração do dia foi a palestra motivacional “Missão Dada, Missão Cumprida”, com o Capitão Rodrigo Pimentel, ex- integrante do Bope, co-produtor do “documentário Ônibus 174”, autor do livro “Elite da Tropa” e atualmente  reconhecido consultor na área de segurança. Na palestra, Pimentel motivou os 1.200 colaboradores a se transformarem em uma verdadeira TROPA DE ELITE, prontos para alcançar alta performance e superar qualquer desafio.

O evento, que é realizado a cada dois anos, também contou com o Prêmio Melhores Práticas Redemac, além de sorteio de prêmios, Food Park e Baile do Maquito.

Sentinela Security participa do evento Mind The Sec. Principal canal no Brasil da israelense IntSights, empresa gaúcha marca presença com palestra sobre Dark Web

Sentinela Security participa do evento Mind The Sec. Principal canal no Brasil da israelense IntSights, empresa gaúcha marca presença com palestra sobre Dark Web

Agenda Destaque Economia Negócios Segurança Tecnologia Trabalho

Pela primeira vez, a empresa gaúcha Sentinela Security participará do Mind The Sec, principal conferência sobre Segurança da Informação e Tecnologia do continente, que acontece nos dias 17 e 18 de setembro, em São Paulo. Além de levar um time de engenheiros para realizar demonstrações de produtos, a Sentinela será responsável por uma das palestras do evento: “Dark Web Tour”, com Juan Marin (Sales Engineer Manager for LATAM, IntSights Cyber Intelligence), que aterrissa diretamente dos Estados Unidos para o evento.

O que era antes uma fábula da imaginação, a Dark Web evoluiu para algo semelhante à uma loja online onde, nações, hackers e até cybers criminosos menos sofisticados, podem comprar malware, crimeware-as-a-service, emails e senhas de pessoas importantes, números de cartão de crédito, contas de banco e mais.

Fundada em 2004, em Porto Alegre, por André Fávero, a Sentinela Security colabora com inúmeras organizações que buscam se proteger de ataques de toda ordem. Atualmente, a Sentinela Security é o principal canal no Brasil da IntSights, empresa israelense de Threat Inteligence que possui uma plataforma de monitoramento de ameaças externas como planejamento de cyber-ataques, vazamento de informações, sites falsos para roubo de informações, informações de VIPs, páginas em redes sociais falsas, aplicativos da empresa com malwares e proteção de marca. Possui módulos de automatização de resposta a incidentes e um suporte 24 horas com analistas de diversas partes do mundo, que monitoram constantemente fóruns de hackers.

RS: Frente Parlamentar Brasil-Israel é lançada em encontro com Embaixador Israelense. Deputado Zucco apresentou carta de intenções com os principais pontos a ser trabalhado em conjunto pelos parlamentos dos dois países

RS: Frente Parlamentar Brasil-Israel é lançada em encontro com Embaixador Israelense. Deputado Zucco apresentou carta de intenções com os principais pontos a ser trabalhado em conjunto pelos parlamentos dos dois países

Agenda Destaque Mundo Segurança Tecnologia Trabalho

O deputado Tenente-Coronel Zucco (PSL) lançou a Frente Parlamentar Brasil-Israel no Memorial da Assembleia Legislativa. O evento contou com a presença do Embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelly. Em sua manifestação, Zucco destacou os investimentos históricos do país amigo nos segmentos de tecnologia que resultaram em avanços em segurança, agricultura e educação que são destaques mundiais.

70513678_2375246642729022_1600652706840576000_n
Embaixador presenteou Zucco com uma xícara “porque todo negócio começa com um bom café”.

O parlamentar enfatizou o estreitamento de relações do Brasil com Israel, a partir da visita do Presidente da República, Jair Bolsonaro àquele país, logo após a posse. “Na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, este intercâmbio já mostrou os primeiros resultados, através do auxílio valioso de Israel através do envio de especialistas em resgate, além do reforço com equipamentos e tecnologia que serão importante para o Brasil enfrentar outros eventos semelhantes”, afirmou Zucco. No final do pronunciamento, o deputado entregou ao embaixador uma carta de intenções com os principais pontos que inspiraram a criação da frente parlamentar.

Já o embaixador destacou que o clima amistoso entre os dois países é fundamental para implementar programas de intercâmbio e viabilizar troca de experiências. “O primeiro passo foi dado. Agora vamos engajar os empresários e instituições de ensino superior para incrementar os negócios”, afirmou. Yossi Shelley acrescentou que a partir da criação da Frente Brasil-Israel “teremos novas missões pela frente, entre elas, a desburocratização dos negócios porque os dois países são grandes parceiros”. O presidente da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, Sebastian Watenberg, disse que a criação da frente parlamentar “representa um guarda-chuvas de pautas entre Israel e o Rio Grande do Sul que exigirá a elaboração de um cronograma de eventos”.

O diplomata também afirmou que outra tarefa será identificar áreas prioritárias para trabalhar de maneira conjunta e estratégica. Participaram ainda do lançamento o secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia do RS, Luiz Lamb; o promotor de Justiça, Alexandre Saltz; Tarso Teixeira, superintendente Regional do INCRA, e a Desembargadora Federal Marga Inge Barth Tessler, em nome do TRF-4, entre outras autoridades.

Abin monitora o Sínodo  da Amazônia sem infiltrar agentes, afirma GSI

Abin monitora o Sínodo da Amazônia sem infiltrar agentes, afirma GSI

Comportamento Comunicação Mundo Notícias Segurança

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República informou, em documento oficial obtido pelo Estado, que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) não infiltrou agentes para espionar bispos da Igreja Católica na preparação do Sínodo da Amazônia. Segundo o GSI, a Abin acompanha o sínodo por meio de informações obtidas em fontes abertas e repassadas por outros órgãos federais.

Capturar
Augusto Heleno

“Movimento social, membros da igreja, comunidades indígenas e quilombolas, assentamentos rurais ou ONG não estão sendo monitorados por parte da Abin. Ocorre, no entanto, o acompanhamento por meio de fontes abertas para atualização de cenários e avaliação da conjuntura interna”, diz o documento, assinado pelo ministro Augusto Heleno. “Cabe à inteligência entender determinados fenômenos com fim exclusivo de averiguar seu potencial efeito lesivo à sociedade e ao Estado. Isso não se reflete, necessariamente, na realização no monitoramento de pessoas.”

Leia mais em O Estado de S.Paulo

PRF apreendeu 326 quilos de cocaína e US$ 300 em um fundo falso no assoalho de uma caminhonete. Veja no vídeo a engenhosidade dos traficantes

PRF apreendeu 326 quilos de cocaína e US$ 300 em um fundo falso no assoalho de uma caminhonete. Veja no vídeo a engenhosidade dos traficantes

Notícias Poder Polícia Segurança Trabalho

 

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 326,2 quilos de cloridrato de cocaína na quinta-feira (5) na BR-116 em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba. A droga estava escondida em um compartimento oculto, sob o assoalho de uma caminhonete. A abordagem ocorreu por volta das 8h15, em frente à Unidade Operacional Taquari, na Rodovia Régis Bittencourt. Além da cocaína, acondicionada em 298 tabletes, os agentes da PRF também apreenderam dois pacotes com maços de notas de dólares que totalizaram US$ 300 mil, o equivalente a R$ 1,23 milhão.

20190905_cocaina_dolares_taquari4
Foto: PRF

Nervoso, o motorista, de 35 anos de idade, começou a se sentir mal logo no início da abordagem policial. Ele apresentou a carteira de habilitação do irmão como se fosse sua.

O comportamento do motorista fez a equipe da PRF promover uma busca detalhada no veículo. Dentro da cabine da caminhonete foi encontrada uma pequena porção de maconha.

Na carroceria, os policiais rodoviários federais descobriam um compartimento oculto, no formato de uma gaveta, entre as longarinas do chassi do veículo.

O compartimento, onde estavam os tabletes de cocaína e o dinheiro, foi acessado com o apoio de um desencarcerador hidráulico.

O preso disse que saiu de São Paulo (SP) e que entregaria o veículo em Paranaguá (PR). Ele responderá pelos crimes de tráfico de drogas, uso de identidade alheia e porte de droga para consumo pessoal.

A PRF encaminhou a ocorrência para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. ( Fernando Oliveira/Agência PRF)