Confiança do industrial gaúcho mantém trajetória de recuperação. ICEI-RS divulgado pela FIERGS cresce 2,9 pontos em agosto ICEI-RS divulgado pela FIERGS cresce 2,9 pontos em agosto. Foto: Gilson Abreu

Confiança do industrial gaúcho mantém trajetória de recuperação. ICEI-RS divulgado pela FIERGS cresce 2,9 pontos em agosto

Sustentado principalmente pelas expectativas futuras, o que indica um maior dinamismo da atividade industrial gaúcha nos próximos meses, o Índice de Confiança do Empresário Industrial gaúcho (ICEI-RS) cresceu 2,9 pontos em agosto, atingindo 59. Foi o segundo aumento seguido, o que o levou ao maior patamar desde abril de 2019 (60,9 pontos). Lembrando que, entre fevereiro e junho, caiu 11,3 pontos, mas a aprovação da Reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados e a nova redução das taxas de juros são fatores que ajudam a explicar esse novo comportamento, segundo os empresários consultados na pesquisa divulgada nesta terça-feira (20) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS).

Prova de que o otimismo começa a se propagar entre os industriais é que todos os componentes do ICEI-RS – condições atuais e expectativas futuras – avançaram em relação a julho e ficaram acima dos 50 pontos em agosto, denotando condições melhores e otimismo. Para os próximos seis meses, o Índice de Expectativas avançou pelo segundo mês consecutivo. Atingiu 62,9 pontos em agosto, ante 60,8 em julho. Os empresários gaúchos ficaram mais otimistas com o desempenho futuro da economia brasileira e da própria empresa. Os respectivos índices atingiram 61 e 64 pontos, crescendo 3,1 e 1,7 na comparação com o mês anterior. Metade dos empresários gaúchos está otimista com o futuro da economia brasileira. Somente 5,8% estão pessimistas e 44,2% avaliam que a situação deve permanecer a mesma.
Já o Índice de Condições Atuais voltou ao campo positivo ao alcançar 51,1 pontos, um crescimento de 4,3 relativamente a julho. Foi a maior alta desde novembro do ano passado. Além disso, após três meses seguidos de deterioração, as condições da economia brasileira estabilizaram-se na avaliação dos empresários gaúchos: o subcomponente registrou 50,1 pontos este mês, 4,3 a mais do que julho e praticamente no nível neutro (50 pontos). O Índice de Condições das Empresas, por sua vez, registrou 51,2 pontos, aumento de 4,1 ante julho.
A pesquisa foi realizada de 1º a 13 de agosto com 208 empresas, sendo 53 pequenas, 73 médias e 82 grandes.

Destaque Economia