Despesa do Judiciário com salários sobe na crise

Despesa do Judiciário com salários sobe na crise

O gasto do Poder Judiciário do país com a folha de pagamento cresceu 11% (ou R$ 8,1 bilhões) de 2014, ano do início da crise econômica, a 2017. No mesmo período, a economia se retraiu 5,6%. A despesa com salários, benefícios e penduricalhos subiu acima da inflação, mostra relatório do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O documento reúne informações das Justiças Estaduais, Federal, do Trabalho e Militar e dos tribunais estaduais, regionais e superiores, excluindo somente o Supremo Tribunal Federal. Em 2017, a remuneração custou R$ 82,2 bilhões ao erário, um recorde. Há quatro anos, as despesas foram de R$ 74,1 bilhões, em valor atualizado pela inflação. “Se isso já é bastante difícil de conceber em tempos de normalidade, em momentos de crise chega a ser uma afronta ao interesse público”, diz Luciana Zaffalon, doutora em administração pela FGV, que estuda o tema. CNJ, Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) e AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) não se pronunciaram.

(Folha de S. Paulo)

Comunicação Destaque Notícias