Dilma: eleição de 2018 vai ser o “segundo tempo do golpe” Ex-presidente comentou que as gestões petistas vêm sendo punidas pelos benefícios que concederam às classes populares. Foto arquivo: Wilson Dias/Agência Brasil

Dilma: eleição de 2018 vai ser o “segundo tempo do golpe”

 A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou, nessa sexta-feira, que o debate sobre as regras para a eleição de 2018 fazem parte do “segundo tempo” do “golpe de Estado” de que disse ter sido vítima. “Eles não podem dar o golpe e deixar que em 2018 volte tudo atrás. O segundo tempo do golpe será extremamente perigoso”, afirmou, durante o evento Ato pela Reconstrução do Estado Democrático e de Direito, realizado na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também esteve no painel. As informações foram divulgadas pelo jornal O Estado de S.Paulo.

“O golpe de Estado no Brasil foi um processo, está sendo e será um processo. A segunda etapa do golpe é gravíssima porque abre margem para outras etapas”, disse Dilma, que foi ovacionada por uma plateia formada por estudantes de direito e militantes de movimentos de esquerda. Em vários momentos do evento, antes e após o discurso, o público entoou em coro “Dilma, guerreira / do povo brasileiro”, “olê, olê, olá, Dilma, Dilma” e outras frases.

A ex-presidente defendeu Lula: “A condenação de Lula é uma imensa injustiça porque ele é inocente. Não há provas, indícios nem bases de sustentação nesse denúncia e condenação”, afirmou. Na avaliação de Dilma, a sequência de ataques a Lula é estratégia usada anteriormente pela ditadura: “Mantinham a gente na cadeia dividindo os processos. Eu mesma respondi a três”, lembrou.

Dilma comentou que as gestões petistas vêm sendo punidas pelos benefícios que concederam às classes populares: “Essa denúncia se dá pelos nossos acertos, e não pelos erros. Não que a gente não tenha erros, nós temos, mas nós somos julgados pelos benefícios (às camadas sociais mais pobres)” Dilma também criticou duramente o governo de Michel Temer (PMDB): “Desmoralizaram 54,5 milhões de votos e tiram direitos da população”, afirmou, conclamando a plateia a “resistir”: “Nossa arma é a democracia. Temos que resistir, essa é a nossa arma”. (Correio do Povo, com AE)

Destaque