“É uma mentira deslavada”, diz Marco Maia sobre delação de Delcídio do Amaral. Segundo revista IstoÉ, senador afirmou em delação premiada que deputado gaúcho cobrava para livrar empreiteiros da CPI da Petrobras; por Carolina Bahia/Zero hora

“É uma mentira deslavada”, diz Marco Maia sobre delação de Delcídio do Amaral. Segundo revista IstoÉ, senador afirmou em delação premiada que deputado gaúcho cobrava para livrar empreiteiros da CPI da Petrobras; por Carolina Bahia/Zero hora

Não consegui contato com o Deputado Federal, Marco Maia-PT/RS. Mas, segundo informou o Jornal Nacional, ele disse que não foi investigado pela Lava Jato. Afirmou ainda que, como relator da CPI da Petrobras, pediu o indiciamento de mais de 50 pessoas. E que se a delação de Delcídio realmente existir, terá sido feita com a intenção de desgastar o Partido dos Trabalhadores. Já a colunista de Zero Hora, Carolina Bahia, conversou com ele. Confira abaixo a entrevista que ela realizou:

Reportagem da Revista IstoÉ sobre a delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) cita o deputado Marco Maia (PT-RS). Delcídio teria dito que o gaúcho e outros parlamentares da CPI da Petrobras cobravam dinheiro para que empreiteiros não fossem prestar esclarecimentos na comissão. Confira o que Maia, que relatou a CPI, diz sobre o caso.

O senhor cobrou propina de empreiteiros para que eles não fossem convocados a prestar depoimento na CPI da Petrobras?
Isso é um negócio absurdo, fora do contexto. Eu não tinha relação próxima do Delcídio. Nunca tive nenhuma reunião com ele, e não há nada no meu relatório da CPI que possa deixar dúvidas sobre o meu comportamento. Inclusive, sugeri o indiciamento de todas aquelas pessoas citadas.

Mas o senhor cobrou alguma coisa dos empresários para eles que não fossem à CPI?
Jamais cobrei. É uma mentira deslavada. E também nunca recebi contribuições das empresas investigadas. Além disso, nos últimos 45 dias da CPI eu estava doente e não fui às sessões. Nem conseguia me levantar.

Então, por que Delcídio citaria o seu caso em uma situação tão séria quanto uma delação?
Pode ter sido vingança. Fui o primeiro a pedir o indiciamento do Nestor Cerveró (ex-diretor da Petrobras) lá na CPI.

E as acusações contra o ex-presidente Lula e a presidente Dilma? Quais os efeitos?
Acho que ele (Delcídio) viajou . O José Eduardo Cardozo (ministro da AGU) deu informações interessantes de como são feitas as indicações do ministro do STJ e de que não há nada daquilo que ele acusa a presidente Dilma.

O que o senhor pretende fazer com essas informações?
Vou ver se a delação é real. Depois, vou tomar as medidas cabíveis. Nunca vi nada tão fora de propósito. Hoje, qualquer um pode falar o que bem entende.

 

(Felipe Vieira com informações do JN e Carolina Bahia/Zero Hora)

Negócios Notícias Poder Política