Execução no Salgado Filho: Infraero esclarece que segurança no saguão cabe à BM. Crime ocorreu na área de embarque do Terminal 2, em uma ‘área pública do aeroporto’ Amigos e familiares assistiram a execução no saguão do aeroporto Salgado Filho. Foto: Guilherme Testa/Correio do Povo

Execução no Salgado Filho: Infraero esclarece que segurança no saguão cabe à BM. Crime ocorreu na área de embarque do Terminal 2, em uma ‘área pública do aeroporto’

A Infraero esclarece que a segurança do saguão do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, deve ser feita pela Brigada Militar, conforme estabelece o Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil contra Atos de Interferência Ilícita (PNAVSEC). Em nota, divulgada nesta segunda-feira, a Infraero sustenta que o assassinato de Marlon Roldão Soares, de 18 anos, ocorrido na área de embarque do Terminal 2 do Salgado Filho ocorreu em uma “área pública do aeroporto”. A vítima foi executada com cerca de 20 tiros, no fim dessa manhã.

A Infraero ainda esclarece que o crime não impactou nos embarques e desembarques de passageiros no terminal aeroviário. O órgão também se solidariza com a família da vítima e garante estar colaborando com as investigações da Polícia Civil.

Confira a nota na integra:

Sobre o ocorrido com o jovem Marlon Roldão Soares, 18 anos, nesta manhã, por volta das 11h15 no terminal 2 do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, a Infraero se solidariza com a família e colaborará com as investigações da Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, com apoio da Delegacia de Proteção ao Turista do aeroporto.

A Infraero ainda esclarece que não houve impacto nos embarques e desembarques de passageiros. O assassinato ocorreu em área pública do aeroporto, onde a responsabilidade pela segurança é da Polícia Militar, conforme o Programa Nacional de Segurança da Aviação Civil contra Atos de Interferência Ilícita (PNAVSEC – Decreto n° 7.168/2010).                                        (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Destaque