Expointer 2017: Novilha da raça Simental é vendida por 1 bitcoin; por Danton Júnior/Correio do Povo Pagamento foi efetuado há dois meses e moeda virtual se valorizou e hoje está cotada em R$ 16 mil. Foto: Guilherme Testa/ Correio do Povo

Expointer 2017: Novilha da raça Simental é vendida por 1 bitcoin; por Danton Júnior/Correio do Povo

 Uma transação inédita ocorreu nesta quarta-feira no pavilhão de bovinos de corte do Parque Assis Brasil. A venda de uma novilha da raça Simental, da Fazenda Santa Terezinha, de Jaquirana, foi efetivada por meio do bitcoin, moeda virtual que permite operações financeiras sem intermediários.

O comprador foi o empresário Cícero Saad Cruz, de Campo Grande (MS), que adquiriu a novilha Fst Tenderly Draco T4 (box 1386) por um bitcoin. O pagamento foi efetuado há dois meses, quando a criptomoeda valia o equivalente a R$ 9 mil. Porém, como ocorre no mercado de ações, a moeda virtual se valorizou, e hoje está cotada em R$ 16 mil. “É muito mais simples, rápido e não tem burocracia”, resume Cruz, que dirige uma empresa do setor e decidiu investir na raça Simental em razão dos avós, que são criadores dos zebuínos Nelore e Guzerá.

O formato da venda foi proposto por Cruz depois que o pecuarista Eduardo Borges de Assis, da Fazenda Santa Terezinha, visitou algumas propriedades em Mato Grosso do Sul. Entusiasta de tecnologias, como a utilização de drones e da energia solar, Assis pesquisou sobre o tema e decidiu fechar o negócio. “Estudando a tendência de utilização da moeda, resolvi aceitar e está dando sorte, pois (a moeda) está se valorizando”, afirma o pecuarista. Embora a venda tenha sido efetivada em bitcoin, na nota fiscal, consta o valor em reais.

Consultor internacional em criptomoedas e criptoeconomia e membro fundador da Global Bitcoin Alliance, Christian Eugen, que acompanhou a venda, afirma que, na América Latina, não havia até então notícia de negócio semelhante envolvendo a venda de animais. Segundo ele, a utilização da moeda ainda é pequena no Brasil, mas está em crescimento, o que implica valorização. “O pagamento é rápido e altamente seguro. Não existe possibilidade de contestação.” O bitcoin foi criado em 2008, após a crise econômica daquele ano, como alternativa ao sistema bancário.

Agronegócio Comportamento Destaque Direito do Consumidor Economia Negócios