Festival de Gramado: Fenando Alves Pinto, Murilo Rosa e Thiago Larcerda são condecorados embaixadores do cinema gaúcho pelo IECINE Zeca Brito, do Iecine, e Daniela Schmitt, diretora do museu do festival, homenagearam os três atores - Foto: Laura Moglia / Divulgação

Festival de Gramado: Fenando Alves Pinto, Murilo Rosa e Thiago Larcerda são condecorados embaixadores do cinema gaúcho pelo IECINE

 Os atores Fenando Alves Pinto, Murilo Rosa e Thiago Larcerda são, a partir de hoje (22), oficialmente, embaixadores do cinema gaúcho. A “condecoração” dos artistas foi anunciada na manhã desta quinta-feira, em um encontro descontraído, dentro da programação do 47º Festival de Cinema de Gramado.

A homenagem aos atores é uma iniciativa do Instituto Estadual de Cinema (IECINE -RS) e do Museu do Festival de Gramado, como forma de valorizar a produção audiovisual do Rio Grande do Sul e a dimensão simbólica da nossa cultura. “A cultura gaúcha também é brasileira, faz parte da identidade do país. Estes atores não nasceram no Rio Grande do Sul, mas já são parte da nossa história com seu talento”, destaca o cineasta Zeca Brito, diretor do IECINE.
A gestora do Museu do Festival, Daniela Schmitt, lembra a importância da instituição para preservar a memória do festival. “Contamos com a comunidade para receber acervos e doações”, explica. A parceria entre IECINE e o Museu vai seguir na organização de um Fórum de Memória e Cinema, marcado para março de 2020.
Durante o encontro, os três atores receberam broches com o brasão do Rio Grande do Sul e também um pequeno símbolo representativo de produções que realizaram no Estado. Alves Pinto, de “Anahy de las Misiones” (1997) ganhou uma boleadeira; Lacerda, que protagonizou “O Tempo e o Vento” (2013), ficou com o estribo de prata; e Murilo Rosa, de “A Cabeça de Gumercindo Saraiva (2018), ganhou uma pequena cuia de chimarrão.
 Alves Pinto diz que está feliz em oficializar sua gauchice, já que nasceu gaúcho em “Anahy” – seu segundo filme. Para Lacerda, realizar história e entrar em cena para interpretá-las também é um ato político. Enquanto Rosa lembra do quanto foi agradável formar laços afetivos com o sul. “Foi uma delícia conhecer este povo do interior do Rio Grande”, completa.
Na abertura do encontro, o diretor do IECINE convidou  representantes de duas entidades do cinema gaúcho para lerem, em conjunto, uma carta em defesa da ANCINE,  redigida no dia 21 de agosto, durante o Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura, no Rio de Janeiro, assinada por 22 estados – entre as assinaturas, a da secretária da Cultura do RS, Beatriz Araujo.
A leitura em conjunto foi feita pela cineasta Daniela Strack, presidente da APTC-RS (Associação dos Profissionais e Técnicos de Cinema), e pelo diretor Rogério Rodrigues, do Sindicato do Audiovisual RS. Zeca Brito também saudou o trabalho de Edison Vara, fotógrafo oficial do Festival de Gramado há 32 anos e responsável por registrar a história de um dos principais festivais de cinema do Brasil.

 

Cultura Destaque