Impeachment não é golpe, diz ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto; Rodrigo Russo/Folha de São Paulo Carlos Ayres Britto

Impeachment não é golpe, diz ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto; Rodrigo Russo/Folha de São Paulo

Ao comentar a decisão do ministro Teori Zavascki de que as investigações sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sejam enviadas ao Supremo Tribunal Federal por envolverem autoridades com foro privilegiado, o jurista Carlos Ayres Britto, 73, avalia que os fatos contidos nas conversas “ao que tudo indica são delituosos”.

Ayres Britto integrou a mais alta corte do país de 2003 a 2012, nomeado por Lula em seu primeiro ano de governo. Mestre e doutor em direito pela PUC-SP, o advogado em 1981 foi também professor de direito constitucional como assistente do atual vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB).

Na interpretação constitucional de Ayres Britto, a voz das urnas não é suficiente para legitimar um governo. “É investidura e exercício, a presidente tem que se legitimar o tempo todo”, afirma. Para o jurista, não há que se falar em golpe caso o processo de impeachment avance, desde que respeitadas as garantias para a defesa da presidente. Leia na Folha de São Paulo os principais trechos da entrevista, concedida por telefone na tarde desta quarta-feira (23).

Direito Notícias Poder Política