Jungmann diz que ameaça a Rosa Weber ‘obviamente representa um crime’; por  Amanda Pupo/O Estado de S.Paulo Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber Foto: Dida Sampaio/Estadão

Jungmann diz que ameaça a Rosa Weber ‘obviamente representa um crime’; por Amanda Pupo/O Estado de S.Paulo

O ministro da Segurança Pública Raul Jungmann afirmou nesta terça-feira, 16, que “obviamente representa um crime” a mensagem enviada ao  Tribunal Superior Eleitoral (TSE), direcionada à presidente da Corte, ministra Rosa Weber, em tom de ameaça. Recebida através de uma rede social do TSE, o texto fala que o presidenciável Jair Bolsonaro, do PSL, está “matematicamente eleito”, e que “se as urnas forem fraudadas”, a população irá para as ruas até que tenha nova eleição com voto impresso. “Experimente deixar que isso aconteça”, diz parte da mensagem, que será investigada pela Polícia Federal (PF) a pedido da Corte Eleitoral.

“O que eu sei é que ontem, na reunião que tivemos com diretor-geral da PF (Rogério Galloro) e também do secretário nacional da Segurança Pública, Brigadeiro Fiorentini, é que ela (Rosa) fez essa queixa informalmente, e que iria formalizar, e que a Polícia Federal imediatamente ia apurar para chegar aos responsáveis por essa ameaça, que obviamente representa um delito, representa um crime, e tem de ser identificado quem o fez para ser legalmente punido”, afirmou Jungmann na tarde desta terça-feira, após assinar um termo do Ministério da Segurança Pública junto ao TSE relativo a atuação dos mesários no segundo turno das eleições.

A resposta vai ser dada, a Polícia Federal vai investigar, e nós vamos trazer para vocês um resultado”, completou o ministro.

A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

Destaque