Entre os homenageados, o médico Arnaldo José da Costa Filho, registrado no Cremers com o número 378. Foto: MUHM

OAB/RS e Movimento Unificado dos Servidores Públicos reforçam posição conjunta contra projeto das RPVs

Em coletiva de imprensa na sede da OAB/RS, nesta quarta-feira (07), a Ordem gaúcha e o Movimento Unificado dos Servidores Públicos, que reúne 44 entidades, reforçaram o posicionamento conjunto de repúdio ao projeto de redução do pagamento das Requisições de Pequeno Valor (RPVs) de 40 para sete salários mínimos (de (R$ 31.520,00 para R$ 5.516,00).

Se o PL 336/2015, apresentado pelo Executivo, for aprovado pelos deputados da Assembleia Legislativa, os valores superiores a sete salários mínimos serão transformados em precatórios. O Estado do Rio Grande do Sul é o quarto maior devedor de precatórios, com uma dívida de quase R$ 9 bilhões.

Nas últimas três semanas, a OAB/RS tem percorrido os gabinetes dos deputados e vem garantindo a retirada do projeto da pauta de votação, o que ocorreu nos dias nos dias 22 e 29 de setembro e na última terça-feira (06). Na mesma linha, os presidentes das 106 subseções da OAB no Estado estão postulando a rejeição da matéria junto aos deputados de suas regiões.

Na abertura da coletiva, o vice-presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, criticou a falta eficiência da gestão pública e reformou o apoio do Conselho federal da OAB. “Nós temos que produzir mais. A sociedade brasileira espera dos nossos governantes e dos agentes públicos outras soluções que não sejam recursos simplistas e simplórios, como esse projeto que é verdadeiramente inconcebível e a sociedade do Rio Grande tem que dizer não”, afirmou.

O presidente da OAB/RS, Marcelo Bertoluci, reafirmou que esse projeto tem caráter inconstitucional e de calote institucional. “Não é aceitável esta medida, pois o Estado do RS vai ostentar o topo do ranking da fila de precatórios. Estes valores têm caráter alimentar, sendo fundamentais para a compra de medicamentos e de comida. O projeto é um verdadeiro deboche ao cidadão-credor do Estado”, frisou Bertoluci.

A coordenadora do Movimento Unificado dos Servidores Públicos e presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, enfatizou que esses precatórios e RPVs foram criados por governos que não cumpriram a lei. “Não estamos pedindo um favor. Queremos apenas que respeitem nosso direito. Precisamos chamar a atenção da sociedade gaúcha para isto. Este projeto é de morte e está impedindo que muitos professores e servidores em geral, que abriram mão de seus precatórios, não tenham condições de arcar ao menos com seus tratamentos médicos”, ressaltou Helenir, em nome de 44 entidades do movimento.

 

Direito Notícias Poder Política