Odebrecht relata pressão do BNDES para doar a Dilma Coutinho e Mantega cobravam empresas com projetos fora do país, diz empreiteiro em pré-delação; ambos negam acusação.

Odebrecht relata pressão do BNDES para doar a Dilma

O empreiteiro Marcelo Odebrecht disse a procuradores da Lava Jato, em negociação de delação premiada, que Luciano Coutinho, presidente do BNDES, e Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda, o pressionavam por doações para a campanha de Dilma Rousseff (PT) em 2014. Segundo ele, ambos cobravam empresários que tinham financiamento para projetos no exterior, relatam Marina Dias e Valdo Cruz. Presodesdejunhode2015, Odebrecht tenta acordo para reduzir suas penas. Ele já foi condenado a 19 anos de prisão por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. A Lava Jato cobra detalhes do financiamento de empresas no exterior e do papel do ex-presidente Lula no caso. Em delação, executivos da Andrade Gutierrez disseram que o PT cobrava 1% de propina dos empréstimos, mas não implicaram o BNDES. Odebrecht confirmou ainda que Dilma deflagrou ofensiva para garantir a liberdade de empreiteiros presos na Lava Jato, inclusive a dele. A trama teria contado com a nomeação de Marcelo Navarro para o STJ, como revelou o senador Delcídio do Amaral (ex-PT) em delação. Coutinho, Mantega, Dilma e Navarro negaram todas as acusações. (Folha de São Paulo)

Notícias Poder Política

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *