Palocci é preso em nova fase da Lava Jato. Operação investiga relação entre ex-ministro com comando da Odebrecht Palocci Foto: Marcelo Camargo / Folhapress / CP Memória

Palocci é preso em nova fase da Lava Jato. Operação investiga relação entre ex-ministro com comando da Odebrecht

A Polícia Federal (PF), com apoio da Receita Federal, deflagrou na manhã desta segunda-feira a 35ª fase da Operação Lava Jato e prendeu o ex-ministro Antonio Palocci. A ofensiva, chamada de Omertà, deve cumprir 45 ordens judiciais, sendo 27 mandados de busca e apreensão, três mandados de prisão temporária e 15 mandados de condução coercitiva. Cento e oitenta policiais e auditores fiscais cumprem as determinações judiciais em cidades nos estados da Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo, além do Distrito Federal.

Nesta fase da operação Lava Jato são investigados indícios de uma relação criminosa entre o ex-ministro da Casa Civil e da Fazenda com o comando da principal empreiteira do país. Segundo a Federal, Palocci atuou diretamente como intermediário do grupo político do qual faz parte perante o Grupo Odebrecht.

Vultosos valores ilícitos

Há indícios de que o ex-ministro atuou de forma direta para propiciar vantagens econômicas ao grupo empresarial nas mais diversas áreas de contratação com o Poder Público. Palocci e outras pessoas do que seu grupo político teriam sido beneficiados com vultosos valores ilícitos.

Dentre as negociações identificadas foi possível delinear as tratativas entre o Grupo Odebrecht e o ex-ministro para a tentativa de aprovação do projeto de lei de conversão da MP 460/2009 (que resultaria em imensos benefícios fiscais), aumento da linha de crédito junto ao BNDES para país africano com a qual a empresa tinha relações comerciais, além de interferência no procedimento licitatório da Petrobrás para aquisição de 21 navios sonda para exploração da camada pré sal.

O italiano

Outro núcleo da investigação apura pagamentos efetuados pelo chamado “setor de operações estruturadas” do Grupo Odebrecht para diversos beneficiários que estão sendo alvo de medidas de busca e condução coercitiva. São apuradas as práticas, dentre outros crimes, de corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro. O nome “Omertà” dado à investigação policial é uma referência a origem italiana do codinome que a construtora usava para fazer referência ao principal investigado da fase (“italiano”), bem como ao voto de silêncio que imperava no Grupo Odebrecht que, ao ser quebrado por integrantes do “setor de operações estruturadas” permitiu o aprofundamento das investigações.

Além disso, remete a postura atual do comando da empresa que se mostra relutante em assumir e descrever os crimes praticados Nos casos dos investigados para os quais foram expedidos mandados de condução coercitiva, estes estão sendo levados às sedes da PF nas respectivas cidades onde foram localizados a fim de prestarem os esclarecimentos necessários. Os investigados serão liberados após serem ouvidos no interesse da apuração em curso. Os presos serão levados à PF em Curitiba onde permanecerão à disposição das autoridades responsáveis pela investigação. (Correio do Povo)

Destaque