Polícia autua em flagrante três funcionários de clínica onde sete pacientes morreram em incêndio, em Arroio dos Ratos Incêndio em centro de reabilitação matou sete em Arroio dos Ratos | Foto: Samuel Vettori / Record / Especial/ CP

Polícia autua em flagrante três funcionários de clínica onde sete pacientes morreram em incêndio, em Arroio dos Ratos

Três funcionários de uma clínica de reabilitação de Arroio dos Ratos, na Região Carbonífera, foram autuados em flagrante pelo incêndio que matou sete pacientes, na madrugada de hoje. O delegado Pedro Urdangarin informou nessa manhã, em entrevista à Rádio Guaíba, que um coordenador, um supervisor e um monitor do Centro Novos Horizontes foram autuados por homicídio qualificado com dolo eventual, agravado por situação de cárcere privado e omissão de socorro. A expectativa é de que a Justiça acate pedido de prisão preventiva dos três, nas próximas horas.

Mais quatro pessoas da administração da clínica devem sofrer algum tipo de responsabilização, conforme o responsável pelo caso. O proprietário da instituição privada chegou a ser conduzido à delegacia, mas fugiu após ser agredido por populares. As vítimas, em tratamento para dependência de drogas e álcool, estavam em um espaço de contenção isolado por grades e fechado com cadeado.

“Os internos tomam medicações, têm acompanhamento médico. Em princípio, ocorreu o incêndio e não houve tempo para socorrer. Os que estavam na ala ao lado conseguiram sair. (…) O que sabíamos é que a clínica tem boa apresentação, limpeza, acompanhamento de especialistas e é bem estruturada. Esse problema da contenção a gente desconhecia. O problema é que eles estavam dentro da grade com cadeado”, destacou o delegado.

Uma das suspeitas é de que os próprios internos da área de contenção tenham provocado o incêndio, por acidente ou de forma voluntária, na tentativa de fugir. A clínica atuava há cerca de cinco anos em Arroio dos Ratos e atendia pacientes particulares ou através de convênios com prefeituras. Um caso de morte súbita no mesmo local, no ano passado, ainda é investigado.

Ao menos mais quatro pacientes sofreram ferimentos no incêndio, sendo que três são atendidos em estado grave na Capital — nos hospitais de Pronto Socorro e Cristo Redentor. Os outros cerca de 30 pacientes escaparam das chamas e foram encaminhados a casas de familiares, onde devem ser ouvidos pela polícia.

Conforme o delegado, as vítimas fatais foram identificadas como Gabriel Souza Roso, Samir Prestes Ferreira, Paulo Herivelto, Gustavo de Brito Fagundes, Elivelton Silva, Adriano Souza Antunes de Souza e Matheus Scheidt Petrich, que chegou a ser encaminhado ao hospital e não resistiu. (Bibiana Borba/Rádio Guaíba)

Notícias Segurança