Por Todas Elas: Ato no Centro de Porto Alegre, no final da tarde, propõe ampliar debate sobre cultura do estupro; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba Manifestação é organizada em mais de 50 cidades brasileiras, entre hoje e amanhã. Ilustração: Matheus Ribs/Divulgação

Por Todas Elas: Ato no Centro de Porto Alegre, no final da tarde, propõe ampliar debate sobre cultura do estupro; por Bibiana Borba/Rádio Guaíba

Milhares de pessoas são esperadas no ato Por Todas Elas, a partir das 17h desta quarta-feira, na Esquina Democrática, em Porto Alegre. A manifestação contra a cultura sexista no Brasil é organizada em mais de 50 cidades brasileiras, entre hoje e amanhã, segundo as organizadoras. Além de prestar solidariedade à adolescente vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro, o protesto denuncia que o caso não é isolado, já que a maioria das mulheres não denuncia o abuso sexual.

O ato também cobra políticas públicas efetivas para o melhor acolhimento das vítimas de violência de gênero no país. Foi recebida com indignação, por exemplo, a notícia de que a secretária de Políticas para Mulheres nomeada pelo governo Temer, Fátima Pelaes (PMDB), defende que o aborto não seja permitido em casos de estupro. Uma das organizadoras da manifestação de hoje em Porto Alegre, Nathália Bittencurt — integrante dos coletivos Juntas e Porto Alegre das Gurias —, destaca que a permissão parcial para aborto no Brasil, como ocorre hoje, ainda não é suficiente para evitar milhares de mortes em procedimentos clandestinos.

“A indicação para a Secretaria de Mulheres de uma figura pública que já tem um posicionamento, para nós, retrógrado, de ser contra o acolhimento de pessoas que foram vítimas de abuso sexual e negar a possibilidade de elas decidirem se querem ter um filho desse acontecimento, é bastante grave. Não somos contra crenças e religiões. O que a gente se preocupa é com que isso não interfira nas políticas públicas, porque a gente acha que é uma questão de saúde da mulher. É uma questão de lidar com muitas mortes que acontecem todos os dias”, avaliou.

Mais de 12 mil pessoas confirmaram presença através da página do Facebook, até esta manhã, na manifestação promovida em Porto Alegre. A ideia é iniciar a concentração na Esquina Democrática e, conforme o público, definir um trajeto para caminhada por ruas da região central.

No Rio Grande do Sul, também são organizados atos Por Todas Elas, no final da tarde de hoje, em Pelotas (em frente ao Mercado Público), em Santa Maria (Praça Saldanha Marinho) e em Caxias do Sul (Praça Dante Alighieri). Em São Paulo, o ato acontece em frente ao Masp, na avenida Paulista. No Rio de Janeiro, os manifestantes se reúnem na Cinelândia. (Bibiana Borba/Rádio Guaíba)

Cidade Comportamento Crianças Cultura Direito Notícias Saúde Segurança

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *