Porto Alegre: Adolescente que assassinou juiz por não aceitar término de namoro é indiciado pela Polícia. Jovem de 17 anos confessou ter atirado em Cláudio Ost, no sábado passado O crime ocorreu na rua Zenóbia Lúcia de Deus, no bairro Vila Nova. Foto: Alina Souza/CP

Porto Alegre: Adolescente que assassinou juiz por não aceitar término de namoro é indiciado pela Polícia. Jovem de 17 anos confessou ter atirado em Cláudio Ost, no sábado passado

A Polícia Civil indiciou por homicídio duplamente qualificado o adolescente de 17 anos que confessou ter matado o juiz do trabalho Cláudio Roberto Ost, de 50 anos, na zona Sul de Porto Alegre, no sábado passado. O inquérito chegou hoje ao Ministério Público. Desde domingo, o jovem está internado provisoriamente na Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase). O motivo do crime é passional.

Conforme o delegado Christian Nedel, a vítima levou cinco tiros pelas costas porque o menor não aceitou o relacionamento da ex-namorada, Marla Souza, com o magistrado. “Foi indiciado por homicídio duplamente qualificado por motivo fútil e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Ele alegou motivo passional, traição por parte da suposta namorada dele ao admitir o término do namoro”, explica o policial.

O crime ocorreu na rua Zenóbia Lúcia de Deus, no bairro Vila Nova. O juiz, lotado na Comarca de Santa Rosa, foi surpreendido pelo assassino ao chegar de uma viagem na companhia do filho, da namorada e de uma amiga. Os quatro entraram na casa da companheira do magistrado e foram recebidos pelo adolescente. Houve uma discussão e o jovem deixou o local. Ele só atirou mais tarde, no momento em que Ost saía da residência.

Nesse domingo, o adolescente se entregou à Polícia. Ainda segundo delegado Daniel Mendelski, da equipe de pronto atendimento da Delegacia de Polícia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DPHPP), o jovem confessou o crime. “Ele relatou que foi por ciúmes e disse que o relacionamento continuava ativo com ela e a surpreendeu na companhia do juiz. O resultado foi trágico”, completou. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Direito Notícias Segurança