Porto Alegre: Presidente do PMDB descarta dança de cadeiras na Prefeitura após apoio do PTB a Marchezan Dívidas com impostos somam mais de 2 bilhões. Foto: Fernando Mainar/CulturaMix

Porto Alegre: Presidente do PMDB descarta dança de cadeiras na Prefeitura após apoio do PTB a Marchezan

Mesmo com o apoio do PTB ao candidato Nelson Marchezan Jr. (PSDB) na disputa de segundo turno em Porto Alegre, os cargos dos trabalhistas na gestão atual não correm risco. Pelo menos por enquanto, nada muda em relação às quatro secretarias chefiadas pela sigla. O prefeito José Fortunati (PDT) não quis se pronunciar sobre o tema. A assessoria de imprensa do pedetista disse que não pode confirmar se alguma mudança pode ocorrer posteriormente. A gestão termina no último dia de dezembro.

Conforme o presidente do PMDB da Capital, Antenor Ferrari, o governo municipal não retaliou nenhum partido da coligação que resolveu ter candidato próprio a prefeito. “A nossa característica é a de não fazer retaliações contra ninguém e assim age o prefeito. Ele apoiou a escolha dos partidos em ter candidatos próprios”, sustenta.

A coligação do candidato derrotado no primeiro turno, Mauricio Dziedricki (PTB), confirmou hoje o apoio a Marchezan. Com isso, a aliança em torno do tucano passa de cinco para 11 partidos.

O presidente do diretório municipal do PTB, Everton Braz, admitiu que, além do alinhamento de propostas, a decisão de apoiar Marchezan passou pela possibilidade de protagonismo em um eventual governo. Ontem, ele disse à reportagem que o objetivo é contribuir para o enxugamento da máquina pública. (Samantha Klein/Rádio Guaíba)

Destaque Eleições 2016 Poder Política Porto Alegre prefeitura