Porto Alegre: PT estuda entrar na Justiça para garantir vaga em rodízio à presidência da Câmara. Quatro siglas firmaram acordo estabelecendo revezamento a partir de 2017

Porto Alegre: PT estuda entrar na Justiça para garantir vaga em rodízio à presidência da Câmara. Quatro siglas firmaram acordo estabelecendo revezamento a partir de 2017

Faltando um mês para a posse dos novos vereadores eleitos na Câmara Municipal de Porto Alegre, as principais bancadas – com maior número de cadeiras – ainda não resolveram o imbróglio referente ao rodízio de partidos para presidir a Casa na próxima legislatura. Com a possibilidade de o Partido dos Trabalhadores (PT) ficar de fora do comando do Legislativo, a sigla estuda ingressar na Justiça para manter valer o acordo que garante revezamento às quatro maiores bancadas do Parlamento.

Quatro siglas firmaram acordo estabelecendo rodízio para presidir a Câmara, a partir de 2017, contrariando o regimento interno. Pelo combinado, ficou definido que PMDB, PTB, PP e DEM vão se revezar no comando da Casa nos próximos quatro anos. Contudo, as bancadas mais numerosas do próximo mandato são PMDB (cinco vereadores), PP, PTB e PT (todos com quatro vereadores). O rodízio envolvia, até então, as quatro maiores bancadas a fim de atingir maioria absoluta da Casa, de 19 vereadores. Com o acordo renovado, sem o PT, elas vão contabilizar 17, o que não configura maioria.

O DEM sustenta, porém, que formou um bloco com pequenos partidos com um ou dois vereadores para se alçar ao posto. A saída do PT do rodízio não é aceita pelos vereadores da sigla. Reeleito, Adeli Sell revela que o partido estuda acionar o Judiciário para resolver o entrave.

Conforme a previsão inicial, o vereador Valter Nagelstein (PMDB) deve ser o presidente em 2017, seguido de Elizandro Sabino (PTB), em 2018. Já o PP define entre Mônica Leal ou José Carlos Nedel pra 2019. Em 2020, Reginaldo Pujol preside a Câmara pelo DEM. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Cidade Destaque Poder Política Porto Alegre