Protestos no domingo em Porto Alegre não devem se aproximar Condenação após prisão em segunda instância e defesa do ex presidente Lula são as motivações que devem levar milhares às ruas de Porto Alegre.

Protestos no domingo em Porto Alegre não devem se aproximar

Dois dos organizadores à frente dos movimentos pró e contra a manutenção de Dilma Roussef na presidência da República participaram do programa A Cidade é Sua, da Rádio Guaíba. Eles detalharam as atividades, que já ocorrem na Capital, e chamaram a população para que participe dos eventos até domingo. Não está previsto que os grupos se aproximem durante as atividades.

Nasson Santana, da Frente Brasil Popular, destacou a atividade de hoje à tarde, a partir das 17h, no Centro de Porto Alegre. Os participantes sairão da praça da Matriz, onde estão acampados, e retornarão para o mesmo lugar, às 19h, depois de ato público na Esquina Democrática. No domingo, às 10h, uma caminhada até a praça ocorre após manifestação em frente ao Auditório Araújo Vianna, no Parque da Redenção. Durante a tarde a concentração é na Praça da Matriz, com telão para os ativistas acompanharem a votação que ocorre em Brasília e que vai decidir sobre a admissibilidade do processo de Impeachment.

Já Paula Cassol, do Movimento Brasil Livre, explicou que vai haver uma aula pública no Parcão, no sábado à tarde, sobre os primórdios da história brasileira. No domingo à tarde, o grupo que está acampado no local recebe outros ativistas contrários à manutenção da presidente Dilma Roussef no poder. Também vai haver telão para acompanhar o voto dos deputados no plenário da Câmara, em Brasília.

A Brigada Militar montou um esquema de prontidão permanente para prevenir distúrbios no domingo. De acordo com o governador José Ivo Sartori, vai haver reforço “na área da segurança pública e em todas as instituições, sejam elas municipais, estaduais ou federais, controle e gerenciamento de todo o processo de forma integrada e coletiva”. “Como governador, espero que tudo se faça dentro da normalidade democrática, sem violência e sem prejuízos à democracia e às instituições”, complementou Sartori.

Segundo o comandante-geral da BM, coronel Alfeu Freitas Moreira, a chegada de militantes vindos do interior, também vai ser acompanhada. “Não permitiremos que grupos de posições diferentes em relação ao impeachment se manifestem no mesmo local”, disse o coronel. (Rádio Guaíba)

dilma Notícias Opinião

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *