Reprovação do Congresso atinge patamar recorde Segundo o Datafolha, 60% da população avalia como ruim ou péssimo o trabalho de deputados e senadores. Foto: EBC

Reprovação do Congresso atinge patamar recorde

A rejeição ao trabalho do Congresso atingiu o maior nível na história recente. Pesquisa do Datafolha feita nos dias 29 e 30 de novembro mostra que 60% dos brasileiros consideram ruim ou péssimo o desempenho dos atuais 513 deputados federais e 81 senadores. O número oscilou dois pontos percentuais em relação aos levantamentos de dezembro de 2016 e abril de 2017, que mostravam reprovação recorde de 58%. O índice daqueles que consideram a atuação boa ou ótima caiu a 5%, também o pior número já registrado.


A série de pesquisas do Datafolha sobre o desempenho dos parlamentares, iniciada em 1993, permite dizer que a atual legislatura é, na média, a mais mal avaliada. De 2015 até agora, a taxa de reprovação nunca ficou abaixo de 41%. Já a aprovação dos congressistas jamais foi maior do que 12%. A margem de erro do levantamento atual é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Nas seis legislaturas anteriores, os resultados também foram, em geral, negativos, mas nunca com indicadores tão ruins. No segundo semestre de 1993, último ano da hiperinflação e data em que veio à tona o escândalo dos Anões do Orçamento, 56% da população rejeitava o trabalho de deputados e senadores. Recentemente, a Lava Jato atingiu as duas Casas. O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB) está preso. O atual, Rodrigo Maia (DEM), e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), também são alvo de investigações. Eles negam irregularidades.  A reportagem completa está na Folha de São Paulo.

Destaque