Rodrigo Maia afirma que, se pudesse, votaria pela cassação de Eduardo Cunha O presidente eleito da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), durante o programa Roda Viva. Foto: Chello Fotógrafo/Futura Press/Estadão Conteúdo

Rodrigo Maia afirma que, se pudesse, votaria pela cassação de Eduardo Cunha

O presidente recém-eleito da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que votaria a favor da cassação do deputado federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), seu antecessor no cargo e afastado de suas funções pelo STF (Supremo Tribunal Federal). A declaração foi feita nesta segunda-feira (18) durante entrevista no programa “Roda Viva”, da TV Cultura. Por ser presidente da Câmara, ele não votará, de acordo com regimento interno da Casa.

Maia afirmou ainda que a votação sobre a cassação de Cunha será em agosto, mas se recusou a anunciar uma data. “A sessão deve ser realizada entre 5 e 15 de agosto, mas não quero adiantar uma data sem antes conversar com os líderes partidários porque não quero ser acusado de estar acelerando ou atrasando o processo”.

O presidente da Câmara definiu a situação de Cunha como “muito difícil” e disse que o peemedebista “não é adversário, nem aliado”. Chegou a elogiar o primeiro ano da gestão de Cunha à frente da Casa, mas disse que o ex-presidente “acabou misturando os problemas [dele] com a gestão da Câmara.”

Pedro Ladeira/Folhapress

Rodrigo Maia foi eleito para presidente da Câmara para um mandato-tampão de seis meses

‘Caos’ na eleição de 2016

Ao ser questionado sobre o tema da reforma política, Rodrigo Maia afirmou que haverá “caos” nas próximas eleições municipais por conta da proibição do financiamento empresarial de campanha. “Eu acredito que candidatos a prefeitos e a vereadores farão despesas que não terão condições de bancar. Veremos o caos. As pessoas físicas não querem se envolver no processo. Eu acredito que campanhas serão essencialmente financiadas pelo fundo partidário”.

Em relação à pauta de votação da Câmara, Maia voltou a defender que nos meses de setembro e outubro, as sessões do Legislativo sejam realizadas às segundas e terças. “Sou a favor desse esforço concentrado porque o país precisa que o Legislativo continua trabalhando”. Ele estabeleceu como prioridade a votação de três projetos do Executivo na área econômica: a renegociação das dívidas do Estado, a proposta de impor limite aos gastos públicos e a lei do pré-sal.

Maia declarou ainda que é favorável à manutenção da legislação do aborto quando foi questionado sobre temas de caráter social. “Sou contra a legalização da maconha e contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas a favor da união civil”, declarou Maia. Ele se declarou ainda favorável a “uma grande auditoria” no Programa Bolsa Família. “É preciso que haja prazo para que as pessoas não fiquem indefinidamente no programa”. (UOL)

Economia Notícias Poder Política