RS: Modelo dos pais é fundamental na prevenção ao uso de drogas Dia 26 de junho marca a data escolhida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o Dia Internacional de Combate às Drogas.

RS: Modelo dos pais é fundamental na prevenção ao uso de drogas

Desmitificar a áurea e glamour que a droga sempre trouxeram através de modelos familiares e publicidade é um dos maiores desafios para quem lida com crianças e adolescentes. O tema preocupa pais e médicos e o consenso é que o melhor tratamento é a prevenção.

– Não adianta apenas dizer que a droga é ruim. O principal aspecto a ser salientado é a prevenção. Quanto mais tarde o adolescente tiver contato, menor o malefício. Assim como cresce a mão, o pé e o corpo como um todo, o cérebro também vai sendo desenvolvido. Quando as drogas agem no cérebro não sabemos se o dano será reversível ou não no futuro. Trabalhos atuais mostram que quem usam maconha tem um déficit cognitivo com baixa no QI de até 8 pontos. Além disso, a maconha faz com que o jovem perca habilidades em áreas específicas que serão usadas na vida adulta – explica a médica da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Lilian Day Hagel.

Para a pediatra, o modelo dos pais é fundamental.

– Não posso dizer que não pode fumar, se eu fumo. Não posso afirmar que o álcool é ruim, se eu bebo em casa. O que a criança vê, é muito mais marcante do que aquilo que ela ouve. Além disso, não dá para usar meias palavras. Se quer que o adolescente não experimente, os pais devem ser muito claros – disse.

O tema é estudado internacionalmente e traz estatísticas, geralmente, preocupantes. Segundo dados do National Center on Addiction and Substance Abuse da Columbia University. três quartos dos estudantes já experimentares cigarros ou bebidas alcóolicas e mais da metade, ou seja, 46,1% são usuários correntes. As diretrizes recentes da American Academy of Pediatrics (AAP) mostram que o uso de drogas ilícitas e álcool está associado com altas taxas de morbidade e mortalidade. Mais de 30% das mortes entre adolescentes estão associadas com o uso de álcool ou outras substâncias tóxicas.

Comportamento Comunicação Crianças Destaque Notícias Saúde Segurança