Sala de Redação comemora hoje 45 anos Programa foi criado por Cândido Norberto (sentado, ao microfone) em 1971 Foto: Roni / Agencia RBS

Sala de Redação comemora hoje 45 anos

O Sala de Redação completou 45 anos e junho e realiza hoje uma grande comemoração. Há uns 40 sou ouvinte do programa e entre 1989 e 1999 eventualmente participei com informações como repórter do jornalismo da Rádio Gaúcha. Muitas vezes assisti quieto o programa de dentro do Estúdio. Aprendi com Ruy, Lauro, Cid, Foguinho, Sant’ana, Ibsen, Kenny, Guerrinha, Pedro… Me irritei e indignei várias vezes com outras figuras. Ri muito, me preocupei outras vezes com o tom ríspido das brigas, ouvi concentradíssimo, abandonei o programa… Mas, sempre voltei a ouvi-lo mesmo que sem a fidelidade da década de 80.  Por isso, estou curioso para ler o livro e ver o documentário sobre estas quatro décadas e meia. O Jones Lopes da Silva, escreve hoje na Zero Hora: “O Sala de Redação está no ar. O radialista Cândido Norberto vai começar o programa e assume um dos microfones que estão improvisados em pequeno estúdio montado na redação de Zero Hora, já no prédio da Avenida Ipiranga. Ele sai a entrevistar os editores e repórteres que estão tocando o jornal, quer saber das novidades, e abre depois o debate das notícias com os convidados. É 1971 e começa assim um dos modelos mais característicos do rádio gaúcho, o modelo do Sala de Redação.

Agora, 45 anos depois de sucesso contínuo e consagrar o estilo do debate noticioso no rádio gaúcho, depois de fazer a cabeça de gerações de torcedores acalorados e ouvintes de assuntos gerais, depois de lançar e sustentar polêmicas fervorosas, pois agora o “Sala de Redação” também é nome do livro que os jornalistas Cléber Grabauska e Júnior Maicá lançam hoje no Gaúcha Sports Bar. Tem mais. Os dois autores mais Eduardo Santos também apresentam hoje um documentário em CD com uma hora e meia de duração com a história e revelações dos bastidores dos programas.

Se você é do tipo ouvinte que trata o programa de “Sala”, com intimidade, se você quer saber se as brigas do Sant’Ana com o Ruy eram verdadeiras, se as altercações do Sant’Ana (sempre ele) com Kenny Braga, Ibsen Pinheiro ou David Coimbra eram reais, leia o livro (Editora Bairrista, 2016) e veja o documentário.” A reportagem completa está no site da Zero Hora.

Sala-de-Redação-Aos-45-do-primeiro-tempo-831x1200O lançamento do livro e do documentário ‘Sala de Redação – Aos 45 do primeiro tempo’, ocorrerá logo mais à noite no Gaúcha Sports Bar. A partir das 19h30, o público poderá comprar a obra e pegar autógrafos de integrantes e ex-integrantes da atração.

O livro resgata a memória do Sala, que foi pesquisada pelos comunicadores Cleber Grabauska e Junior Maicá desde maio de 2015. No total, 27 pessoas foram entrevistadas, entre elas o jornalista Cláudio Brito, um dos integrantes da primeira formação do programa, e Lauro Santos, filho de Cândido Norberto, criador da atração. Pesquisas no acervo de Zero Hora, realizadas por Letícia Coimbra, e imagens no arquivo da RBS TV também compõem as peças.

Conforme a empresa de mídia, a ideia surgiu de Grabauska, que já havia escrito a obra ‘Sala de Redação – A Divina Comédia do Futebol’, em 1998, com a participação do professor José Coiro. “O primeiro livro era uma série de entrevistas com pessoas que fizeram ou faziam parte do Sala. Esse é um resgate histórico que relaciona o programa com o esporte, e a Rádio Gaúcha com o Jornalismo”, explica o comentarista.

Criado em 1971 por Cândido Norberto, o Sala de Redação ficou marcado por sua informalidade. O programa foi responsável por reviver o departamento de esportes da emissora que havia sido fechado após a Copa de 1970. Já passaram pela atração nomes como os dos jornalistas Cid Pinheiro Cabral, Ibsen Pinheiro, Oswaldo Rolla (Foguinho), Ruy Carlos Ostermann, Lauro Quadros e Paulo Sant’Ana.

A formação atual conta com o apresentador Pedro Ernesto Denardin; os jornalistas Adroaldo Guerra Filho (Guerrinha) e Wianey Carlet; o ex-presidente do Grêmio Luiz Carlos Pereira Silveira Martins (Cacalo); o ator e colunista Zé Victor Castiel; e o músico João de Almeida Neto. “O Sala de Redação, inegavelmente, é um dos maiores programas de rádio no Brasil. Para a Rádio Gaúcha, ele tem uma importância transcendental. Por ali passam ou passaram grandes grifes e, até hoje, o programa se mantém com grande sintonia, discutindo tudo que tem a ver com futebol”, afirma Pedro Ernesto.

Vida longa ao Sala!!! (Felipe Vieira com Zero Hora e Coletiva.net)

Cidade Comunicação Cultura Esporte Notícias Olimpíada Porto Alegre Vídeo

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *