Supremo proíbe condução coercitiva Decisão, por 6 votos a 5, é resposta à Lava-Jato. Instrumento foi aplicado 227 vezes, segundo o relator da ação, ministro Gilmar Mendes. Força-tarefa prevê crescimento do uso de prisão temporária

Supremo proíbe condução coercitiva

Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pelo fim da condução coercitiva de investigados para prestar depoimento. A decisão é uma clara resposta à Lava-Jato, que já usou o instrumento 227 vezes, de acordo com o relator da ação, ministro Gilmar Mendes. O uso da força policial para obrigar acusados a depor está suspenso desde dezembro, graças a liminar concedida por ele em ação proposta pelo PT. Mas os depoimentos feitos dessa forma no ano passado não serão anulados. Força- tarefa da Lava-Jato avalia que haverá mais prisões temporárias.

(O Globo)

Comunicação Destaque Notícias