Aprovada por unanimidade indicação de Alexandre Postal a conselheiro do TCE. Vaga de deputado deve ser ocupada pelo hoje secretário de Turismo, Juvir Costella (PMDB)

Aprovada por unanimidade indicação de Alexandre Postal a conselheiro do TCE. Vaga de deputado deve ser ocupada pelo hoje secretário de Turismo, Juvir Costella (PMDB)

Notícias Poder Política

Por seis votos a zero, o Pleno do Tribunal de Contas do Estado aprovou, na tarde de hoje, o nome do deputado Alexandre Postal (PMDB) para o cargo de conselheiro da Corte. A indicação partiu do governador José Ivo Sartori (PMDB). Postal vai ocupar o cargo vago após a morte do conselheiro Adroaldo Loureiro, no início do ano. A posse ocorre na próxima segunda-feira.

Pela primeira vez, o ingresso de um conselheiro teve de passar pelo crivo do Pleno, que examinou a vida pregressa e as qualificações do indicado. A medida foi tomada após a aprovação de um resolução nesse sentido, em 2015. O corregedor-geral do TCE, conselheiro Estilac Xavier, relatou o texto validando a indicação de Postal para o cargo.

Troca-troca na Assembleia

Com a saída do peemedebista da Assembleia, a cadeira passa a ser ocupada pelo suplente Juvir Costella, hoje secretário de Turismo e Esportes do governo Sartori. A substituição ainda depende de uma reunião entre Costella e o governador, prevista para ocorrer entre hoje e amanhã. O secretário estima, contudo, que o desfecho seja positivo para ele passe a atuar no Parlamento.

“Vamos encontrar um meio termo porque para mim também é importante exercitar o cargo de deputado em um primeiro mandato”, ressaltou.

Costella já havia informado a intenção de deixar a Secretaria de Turismo após a passagem da tocha olímpica pelo Rio Grande do Sul. No dia 9, a chama seguiu para Santa Catarina. (Rádio Guaíba)

Sartori confirma indicação de Alexandre Postal ao TCE. Deputado Gabriel Souza (PMDB) passará a líder do governo na Assembleia; por Voltaire Porto/ Rádio Guaíba e Correio do Povo

Sartori confirma indicação de Alexandre Postal ao TCE. Deputado Gabriel Souza (PMDB) passará a líder do governo na Assembleia; por Voltaire Porto/ Rádio Guaíba e Correio do Povo

Notícias Poder Política

Em cerimônia na manhã desta segunda-feira no Palácio Piratini, o governador José Ivo Sartori deu posse a três novos secretários e confirmou a indicação do ex-líder do governo na Assembleia Legislativa e deputado estadual, Alexandre Postal, para o Tribunal de Contas do Estado. No discurso, Sartori reafirmou que seguirá fazendo as mudanças que o Rio Grande do Sul necessita para voltar a crescer.

“A verdade nos permite ter a compreensão e o respeito da população gaúcha para seguir em frente. Ela é a base para todas as transformações que ainda precisam acontecer. Sempre tenho dito para todos os secretários e em todas as reuniões, se tem mudanças que tem que ser feita, quem apresentemos a mudança da legislação. Temos que ter coragem e determinação para cumprir esse papel de transformação e mudança”, declarou o governador.

Tomaram posse nesta segunda-feira Raffaele Di Cameli, na pasta de Modernização Administrativa e Recursos Humanos; o deputado estadual Catarina Paladini (PSB) assume a Secretaria do Trabalho e do Desenvolvimento Social e Secretaria da Educação, o governo oficializa Luís Antônio Alcoba de Freitas. A ex-deputada e professora Iara Wortmann assume como adjunta da pasta.

Sartori anunciou ainda que o deputado Gabriel Souza (PMDB) será o líder do governo na Assembleia Legislativa.

 

Eleições e indicação de Postal para o TCE vão fomentar dança de cadeiras no secretariado de Sartori. Próximos dias preveem substituições nas pastas de Turismo e Esporte, Modernização Administrativa, Trabalho e Educação; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Eleições e indicação de Postal para o TCE vão fomentar dança de cadeiras no secretariado de Sartori. Próximos dias preveem substituições nas pastas de Turismo e Esporte, Modernização Administrativa, Trabalho e Educação; por Voltaire Porto/Rádio Guaíba

Direito Economia Eleições 2016 Notícias Poder Política Porto Alegre

O cenário de desembarques do primeiro escalão e a indicação iminente do governador José Ivo Sartori para que o deputado estadual Alexandre Postal, do PMDB, se torne conselheiro do Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul (TCE-RS) devem promover uma dança das cadeiras no secretariado. A indicação de Postal para o TCE deve ser publicada no Diário Oficial, a qualquer momento. Já o prazo para que os demais secretários abandonem as pastas para concorrer, em outubro, termina nesta quinta-feira.

A nomeação de Postal como conselheiro deve causar impactos na Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer. O responsável pela Pasta, Juvir Costella, é suplente da bancada do PMDB e mostra interesse em exercer o mandato de deputado com a intenção de concorrer a reeleição à Assembleia em 2018. Nesse caso, ele passa a ocupar a cadeira de Postal no Parlamento.

Mais duas vagas serão abertas no secretariado e Sartori ainda estuda nomes para as substituições. Miki Breier, do PSB, vai concorrer a prefeito de Cachoeirinha e retoma o mandato como parlamentar, abandonando a Secretaria do Trabalho. Já houve um acordo com o PSB, porém, para que o suplente do partido na Assembleia, Catarina Paladini, ocupe o cargo interinamente.

O secretário de Modernização Administrativa e Recursos Humanos, Edu Olivera, do PSD, também quer concorrer a prefeito em Santana do Livramento. A tendência é de que Raffaele Di Cameli, chefe de gabinete do vice-governador, José Paulo Cairoli, assuma o posto.

Entretanto, a situação de definição não é a mesma na Secretaria da Educação. Não há um nome certo para substituir Vieira da Cunha, que confirmou o desembarque do governo hoje à tarde. Caso o PDT permaneça no governo, são cotados para substituir Vieira os deputados Eduardo Loureiro e Juliana Brizola.

Outra missão do governador é aliviar a sobrecarga e a demanda redobrada sobre as costas da primeira-dama Maria Helena Sartori, do PMDB. Ela ocupa as funções do gabinete de Políticas Públicas para Mulheres e, ao mesmo tempo, acumula a função de secretária da Justiça. O governador deve aproveitar a necessidade de promover um remanejo no secretariado para indicar um novo responsável para a segunda Pasta.

Líder do governo: valores não sacados de depósitos judiciais eram destinados aos demais poderes. Na segunda-feira, deputados da oposição vão encaminhar denúncia sobre o tema ao Ministério Público de Contas

Líder do governo: valores não sacados de depósitos judiciais eram destinados aos demais poderes. Na segunda-feira, deputados da oposição vão encaminhar denúncia sobre o tema ao Ministério Público de Contas

Notícias Poder Política

Para o líder do governo na Assembleia Legislativa gaúcha não existe polêmica sobre os recursos disponíveis na conta dos depósitos judiciais e que não foram utilizados para pagamento de salários no último dia 31. O deputado Alexandre Postal (PMDB) contesta a denúncia da oposição e diz que os R$ 270 milhões que foram deixados na conta dos depósitos judiciais tinham como destino os repasses para o Judiciário, Legislativo, além de órgãos como Tribunal de Contas do Estado e estatais. Os valores, segundo ele, foram mantidos na conta dos depósitos judiciais para não serem sequestrados pela União.

“O governo nunca escondeu (esse valor). Esses R$ 270 milhões foram botados na conta dos depósitos judiciais porque se sabia que no dia 1º o Estado teria as suas contas bloqueadas pela União. E se não fosse assim não teríamos a reserva do Tribunal de Justiça, do Ministério Público, do Tribunal de Contas, da Assembleia, das empresas estatais, inclusive o dinheiro que se paga de juros dos depósitos”, defendeu.

Na segunda-feira, deputados do PT, PCdoB e PSol vão levar ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ao Ministério Público de Contas (MPC) o extrato de movimentação da conta dos depósitos judiciais. O extrato mostra que no dia 31 de agosto havia cerca de R$ 270 milhões possíveis de serem sacados. No entendimento da oposição, os recursos deveriam ter sido utilizados para pagar uma primeira parcela de quase R$ 1,4 mil, ao invés dos R$ 600 que foram depositados a cada servidor. (Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba)

Líder do governo reúne base na manhã desta terça para buscar coesão em votações na Assembleia

Líder do governo reúne base na manhã desta terça para buscar coesão em votações na Assembleia

Economia Negócios Notícias Poder Política

Com 13 projetos tramitando em regime de urgência e grande parte deles trancando a pauta da Assembleia Legislativa a partir desta terça, lideranças do governo dizem apostar na união da base. A pauta da sessão plenária só deve ser definida durante a reunião de líderes, no fim da manhã. ”Para isso, vamos manter o debate com nossos aliados. Amanhã, o próprio chefe da Casa Civil, Marcio Biolchi vai receber deputados da base para um café da manhã e repassar orientações para a votação da tarde”, adiantou o líder do governo, Alexandre Postal (PMDB).

Parte das matérias enfrenta resistência, inclusive entre os governistas, a exemplo da extinção da Fundação de Produção e Pesquisa em Saúde (Fepps), que já teve a garantia de contrariedade integral da bancada do PDT. A proposta de alterar o regime previdenciário, com pagamento complementar, também deve ser apreciada em função do prazo.

A sustentação do Palácio Piratini para convencer aliados e a sociedade segue sendo a mesma. O argumento é de que para vencer a crise, dentro da estratégia do governo, é fundamental aprovar todos os projetos do pacote de ajuste fiscal. “Temos que ter a compreensão de que precisamos de uma solução definitiva para o Estado e não apenas momentânea para poder pagar salários, ou esta e aquela conta. Por isso, todos os projetos são importantes e se complementam dentro do que é projetado pelo governo”, avaliou Postal.

O deputado disse ter consciência de que é um desafio convencer a base para votar favoravelmente e, na íntegra, todas as matérias. Além do PDT, que resiste à extinção da Fepps, outros partidos, como PSB e PP, não tomaram uma decisão sobre o tema dos impostos, por exemplo.(Voltaire Porto / Rádio Guaíba)