Missão internacional: Sartori na Argentina

Missão internacional: Sartori na Argentina

Destaque Mundo Poder Política

 O governador José Ivo Sartori embarca para a Argentina na próxima segunda-feira (15). Viaja acompanhado de secretários, parlamentares federais e estaduais, e dirigentes de entidades setoriais e de instituições de ensino. A missão é para fortalecer as relações comerciais, científicas e tecnológicas com o país vizinho e principal parceiro do Mercosul. Terça-feira (16), Sartori terá reuniões com os governadores das províncias de Buenos Aires e Entre Ríos. A agenda inclui ainda visitas aos ministérios da Agroindústria, Produção, Transportes e Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva. O incremento de acordos bilaterais é visto como alternativa para expandir a economia do RS e estimular o crescimento do Estado.

Serra propõe ‘atualizar’ o Mercosul

Serra propõe ‘atualizar’ o Mercosul

Direito Direito do Consumidor Economia Mundo Negócios Notícias Poder Política Turismo

O chanceler José Serra vai discutir mudanças no Mercosul, em sua primeira viagem internacional, hoje, à Argentina. Ele quer mudar as regras do bloco para facilitar a negociação de acordos comerciais. Além disso, Serra pretende melhorar a relação do Brasil com os EUA, informa Eliane Cantanhêde. (O Estado de São Paulo)

Juiz americano anula medidas contra a Argentina e país deixa a moratória

Juiz americano anula medidas contra a Argentina e país deixa a moratória

Economia Mundo Negócios Notícias Poder Política

O juiz federal dos Estados Unidos, Thomas Griesa, suspendeu nesta sexta-feira suas medidas contra a Argentina, tirando o país da moratória, depois de o país ter pago seus credores por títulos públicos vencidos desde 2001. “Tendo revisado de maneira cuidadosa as apresentações da República, o tribunal encontra agora que as condições precedentes foram cumpridas. Desse modo, as medidas cautelares ficam anuladas em todos os casos”, afirmou Griesa em um texto divulgado pouco depois de ter recebido as provas de que a Argentina recebeu esses pagamentos.

A Argentina notificou nesta sexta-feira o juiz federal americano Thomas Griesa sobre o pagamento aos fundos “abutres” e outros demandantes da dívida em default desde 2001. O governo argentino pediu ao juiz a suspensão definitiva das medidas que impedem que o país tenha acesso mercados financeiros.

Em uma carta enviada por seu advogado Michael Paskin, o governo do presidente Mauricio Macri informou que “a República realizou o pagamento completo conforme os termos específicos de cada acordo” com os demandantes com os quais se comprometeu até 29 de fevereiro.

Depois de cumprir com este requisito final, a Argentina pediu ao juiz Griesa que assine uma ordem para confirmar a “suspensão das cautelares em todas as causas” contra e deixe definitivamente o default de 2001, ficando livre para voltar aos mercados financeiros sem qualquer restrição. A Argentina pagou aos fundos “abutres” NML Capital e Aurelius e outros demandantes com dinheiro proveniente de uma emissão de 16,5 bilhões de dólares autorizada por Griesa. (Correio do Povo)

Projeto Comprador da Movelsul Brasil prevê US$ 35 milhões em exportações

Agenda Economia Negócios Notícias

Trinta compradores da Argentina, Bulgária, Catar, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, França, Marrocos, México, Moçambique, Panamá, Paraguai e São Martinho desembarcam em Bento Gonçalves na próxima semana para rodadas de negócios do Projeto Comprador da 20ª Movelsul Brasil, principal feira de móveis e complementos da América Latina. Assim como na última edição, em 2014, a estimativa é gerar US$ 35 milhões em negócios. “Em relação à importação mundial de móveis, de um valor de aproximadamente US$ 160 bilhões, o Brasil detém menos de 0,5% desse mercado. Existe um grande potencial e as exportações brasileiras ainda tem muito espaço para crescer. Além disso, a desvalorização do real em frente ao dólar coloca o Brasil em um momento muito mais competitivo. Por isso, estamos apostando bastante no mercado externo como forma de impulsionar os negócios desta edição”, avalia o presidente do Sindmóveis, Henrique Tecchio.

Iniciativa do Sindmóveis Bento Gonçalves, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o projeto ocorre desde 2000 entre empresas brasileiras e compradores estrangeiros. Além das marcas expositoras, as rodadas deste ano terão a participação de indústrias do Projeto Brazilian Furniture, iniciativa da Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel) e da Apex-Brasil para incentivar as exportações brasileiras de móveis. A feira acontece entre os dias 14 e 18 de março, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves.

 

Localização na feira: Pavilhão E

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Família argentina esquece filha em posto de combustíveis de Eldorado do Sul. Foi o segundo caso parecido em pouco mais de duas semanas

Notícias

Uma família argentina esqueceu, nesta tarde, a filha de 19 anos em um posto de combustíveis da BR 290, em Eldorado do Sul, na região Metropolitana de Porto Alegre. A família segua pra casa depois de passar férias em Florianópolis, Santa Catarina. Federica Sosa desceu do carro para colocar lixo na lixeira, quando os pais retomaram a viagem de retorno a Buenos Aires. A jovem já foi devolvida aos familiares.

O caso ocorreu por volta das 14h30, no posto do km 107 da rodovia. Outra família argentina foi abordada por policiais rodoviários para que ficasse com a jovem até o reencontro, que ocorreu cerca de 45 minutos depois de ela ser deixada. Patrulheiros emitiram alerta para que as equipes de ronda abordassem o veículo Toyota Corolla cor prata em que a menina estava. Antes disso, no entanto, os pais perceberam e voltaram para buscá-la. Os pais alegaram que não se deram conta que ela não estava mais no carro e seguiram mais de 60 km para sentirem falta da filha.

Em janeiro, outra argentina foi esquecida, mas pelo marido, em um posto de combustíveis na BR-285, em Passo Fundo, no Norte do Estado. A família também retornava de férias no Brasil. A mulher estava no banco traseiro e saiu para ir a loja de conveniência. O marido já havia rodado cerca de 160 km e voltou para buscar a esposa. (Samuel Vettori / Rádio Guaíba)

Dilma recebe o presidente eleito da Argentina Mauricio Macri

Dilma recebe o presidente eleito da Argentina Mauricio Macri

Economia Mundo Notícias

A presidenta Dilma Rousseff recebe hoje (4) o presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri. O encontro, a convite de Dilma, terá o formato de uma audiência, pois o argentino ainda não assumiu o cargo. Segundo a assessoria de imprensa da Presidência, não há uma pauta específica para ser discutida, a intenção é tratar dos temas da agenda de integração bilateral, bem como de assuntos de interesse comum nos planos regional e internacional. O encontro está marcado para as 10h no Palácio do Planalto. O Brasil será o primeiro destino internacional do presidente eleito da Argentina.

O novo chefe de Estado e de Governo do país vizinho toma posse no próximo dia 10. A viagem ocorre em meio a divergências entre Macri e Dilma em relação à adoção da cláusula democrática contra a Venezuela no âmbito do Mercosul. A cláusula democrática prevê desde a aplicação de sanções comerciais atá a suspensão do país acusado de romper a ordem democrática, mas precisa de consenso para ser aplicada.

Em sua primeira entrevista após a eleição, na semana passada, Macri prometeu invocar a cláusula “pelos abusos que [o governo venezuelano] está cometendo, como a perseguição de opositores e [a suspensão] da liberdade de expressão”.

No dia 30 de novembro, durante entrevista em Paris, onde participou da abertura da Conferência do Clima, a COP21, Dilma discordou de Macri sobre posicionamentos a serem tomados no âmbito do Mercosul. Ela disse que não vai apoiar a utilização da cláusula democrática, como pretende o argentino, com o objetivo de retaliar a Venezuela.

Segundo a presidenta, é necessário um fato determinado para que a medida seja adotada no bloco regional que reúne, além dos três países, o Paraguai e o Uruguai. A próxima cúpula de líderes do Mercosul está marcada para o dia 21 de dezembro, na capital paraguaia, Assunção.

Após a visita a Brasília, Macri segue para São Paulo, onde vai se reunir com empresários. (Agência Brasil)

Eleição para presidente na Argentina terá inédito segundo turno

Mundo Notícias

Novo pleito reunirá o kirchnerista Daniel Scioli e o conservador Mauricio Macri  | Foto: Montagem sobre fotos de Juan Mabromata e Eitan Abramovich / AFP / CP

Novo pleito reunirá o kirchnerista Daniel Scioli e o conservador Mauricio Macri | Foto: Montagem sobre fotos de Juan Mabromata e Eitan Abramovich / AFP / CP

A Argentina vai escolher, em 22 de novembro, num inédito segundo turno, o novo presidente, entre o “kirchnerista” Daniel Scioli e o conservador Mauricio Macri. Nenhum candidato obteve os votos suficientes nas eleições desse domingo. Quando estavam apurados mais de dois terços dos votos, Mauricio Macri liderava a contagem, com 36%, contra 35% de Daniel Scioli.

No entanto, faltavam ainda contabilizar os votos da província de Buenos Aires – reduto do candidato “kirchnerista”. Sergio Massa aparecia em terceiro entre os seis aspirantes à Presidência argentina, com cerca de 21% dos votos. De acordo com a lei argentina, para chegar à Casa Rosada no primeiro turno, um candidato tem que obter 45% dos votos ou 40%, com 10 pontos de vantagem sobre o segundo mais votado.

Os primeiros resultados começaram a ser difundidos apenas seis horas depois do encerramento das urnas e quando estavam apurados os votos em aproximadamente dois terços das mesas. O mecanismo de dois turnos nas eleições presidenciais foi introduzido em 1973, mas nunca o país sul-americano viu uma disputa percorrer todo o caminho até culminar numa segunda votação.

O único antecedente que quase levou a um segundo turno ocorreu em 2003, entre dois peronistas: o ex-presidente Carlos Menem e Néstor Kirchner dispitaram voto a voto com 24,45% e 22,24%, respetivamente, nas eleições presidenciais. Contudo, Menem desistiu e Kirchner alcançou a Presidência. (Agência Brasil)