Federasul: Com atitude as mulheres chegam onde quiserem. Programação com seis convidadas encerra as programações do mês da mulher

Federasul: Com atitude as mulheres chegam onde quiserem. Programação com seis convidadas encerra as programações do mês da mulher

Comportamento Destaque Negócios Poder Política

As palavras determinação e atitude definem a trajetória de seis profissionais que revestidas pela ousadia reafirmam a certeza de que “lugar de mulher é onde ela quiser”. O tradicional ”Tá na Mesa” da Federasul deixou de lado, nesta quarta-feira (29/03), as discussões sobre política e economia do Estado e do Brasil para encerrar o mês da mulher com um tema voltado às tendências de comportamento. No palco a empresária e cientista política, Karin Misculin, a empresária rural, Beth Cirne Lima, a médica e chefe do setor de pesquisa do Hospital de Clínicas, Patrícia Prolla, a jornalista Kelly Mattos, a chef churrasqueira, Clarice Chwartzmann e a vereadora e ex-comandante da Brigada Militar, Nádia Gerhard, relataram experiências de vida e mostraram o que pensam sobre o futuro do universo feminino.

Ao dar as boas-vindas às convidadas, a presidente da Federasul, Simone Leite, ressaltou que o espaço da entidade é de todas as mulheres gaúchas e destacou que com entusiasmo e coragem é possível a presença feminina em todos os ambientes profissionais. Simone, que é a primeira mulher presidente da Federasul em 88 anos de história, ponderou: “somos o resultado das nossas escolhas e temos que ir em frente”.

Mesmo nos ambientes em que os homens ainda aparecem como maioria, as mulheres protagonizam com sua presença avisou a empresária rural, Beth Cirne Lima, embora com participação ainda baixa no agronegócio. Segundo Beth, elas são 13% dos agricultores. Destas 88% são independentes e 60% possuem ensino superior. “Mas ainda temos que conviver com muito preconceito. Mais de 70% das mulheres relatam experiência de discriminação por questão de gênero”, revelou. Assim como no agronegócio, na política elas também estão em minoria. A presença da mulher nos espaços políticos fica na marca dos 10% conforme informou a empresária e cientista política Karin Miskulin. Para ela, a receita para reverter o quadro está na capacidade que cada mulher tem de descobrir o seu caminho e ousar nas suas atitudes. “ Fiz de tudo para conquistar minha independência e inclusive apendi muito com os homens”, frisou.

A presença da mulher que ainda é baixa na política, não intimida a atuação da vereadora, Nádia Gerhard, que após mais de 20 anos na Brigada Militar foi escolhida a primeira mulher a assumir o comando de um batalhão de policiamento, em Estrela. “O olhar feminino e o masculino se completam e fazem com que os resultados sejam aprimorados”, sugeriu ela. A combinação entre homens e mulheres também temperou ao programa Sala de Redação, da rádio Gaúcha. No tradicional espaço masculino, os debates esportivos ganharam a sensibilidade da voz da jornalista Kelly Mattos. “Não queremos ser melhores do que ninguém. Queremos ser iguais”, defendeu ela ao comentar que o melhor caminho é o respeito entre os gêneros “já que vivemos em um período de intolerâncias”, completou.

A sensibilidade feminina também é o impulso para a coragem de mudar os rumos da vida. Ao chegar aos 50 anos a publicitária e agora chef churrasqueira, Clarice Chwartzmann, descobriu que lugar de mulher também é perto do fogo e que elas podem “orquestrar” com maestria um belo churrasco. “Enfrentei preconceito, mas isso não paralisou a minha vontade de exercer influências no mundo”, disse ela que hoje ministra cursos sobre a melhor forma de elaborar um churrasco para turmas de mulheres. A experiência em breve vai se tornar um livro e uma exposição. Diante de tantas escolhas, a mulher assumiu a tarefa de “inspirar” as pessoas aconselhou a chefe do setor de pesquisa do Hospital de Clínicas, Patrícia Prolla. Para ela, daqui para frente, as conquistas do universo feminino devem ser compartilhadas com maior frequência nos ambientes profissionais, familiares e nas rodas de amigos. “Não é fácil sair do padrão. Para acabar com o preconceito temos que replicar as experiências positivas e inspirar as novas gerações”, finalizou.