Brasil conquista prêmios no Campeonato Mundial de Robótica e se consolida como referência internacional

Brasil conquista prêmios no Campeonato Mundial de Robótica e se consolida como referência internacional

Economia Negócios Notícias Tecnologia

O bom trabalho em robótica feito pelo Brasil foi reconhecido no principal campeonato do gênero, realizado pela FIRST entre os dias 17 e 20 de abril em Houston, nos Estados Unidos. O mundial , que reuniu mais de 15 mil estudantes de 74 países, terminou neste sábado. Os alunos brasileiros levam para casa prêmios em diversas categorias. Na FIRST LEGO League (FLL), em que competem jovens de 9 a 16 anos dos ensinos fundamental e médio, o país conquistou três troféus importantes: ficou em primeiro lugar nas categorias Mechanical Design (Design do Robô) e Gracious Professionalism (Profissionalismo Gracioso) e em segundo em Strategy and Innovation (Estratégia e Inovação).

Na FIRST Robotics Competition (FRC), com jovens de 14 a 18 anos do ensino médio, duas equipes levaram o Rookie All Star, premiação máxima concedida aos iniciantes da disputa (eram mais de 60 concorrentes estreantes). Assim, das 10 equipes brasileiras presentes em Houston, cinco foram premiadas. De acordo com o diretor de operações do SESI Nacional, Paulo Mól, os prêmios conquistados mostram o potencial dos jovens brasileiros. “Os alunos que participam de torneios de robótica ficam muito mais preparados para o mercado de trabalho, aprendem a lidar com projetos, a discutir, a falar, a trabalhar em equipe. Isso transforma a vida deles e é extremamente importante para a construção de um país com mais tecnologia e riqueza”, ressalta.

32704129137_535d6f9999_k
Maior delegação brasileira da história do mundial, formada por 10 equipes com 106 estudantes, conquistou troféus e foi finalista nas três modalidades da disputa. Evento foi realizado em Houston, nos Estados Unidos. Foto: CNI

FIRST LEGO LEAGUE – A equipe Red Rabbit, da escola SESI de Americana (SP), foi reconhecida por ter o melhor Design do Robô entre as 108 equipes que participaram da FLL no mundial de Houston. Nesta categoria, os juízes avaliam a estrutura do robô desenvolvido pelos competidores e os conceitos de engenharia utilizados.

Entre os itens analisados estão a inovação, durabilidade, velocidade, mecanização, força e execução das missões pelo robô. No caso da Red Rabbit, vencer esta categoria teve um significado especial: a equipe modificou todo o robô depois do Festival SESI de Robótica, em março, no Rio de Janeiro. O bom desempenho na etapa brasileira classificou os alunos para o internacional.

“Ao receber o resultado no Brasil da avaliação do nosso robô, nós vimos o nosso ponto fraco e o que tinha que melhorar. Percebemos, pelo feedback dos juízes, que o nosso robô não teria condições de competir em Houston”, explica Dênis Santana, técnico da Red Rabbit. “Iniciamos um novo robô, desmontamos aquele e fizemos esse novo em 23 dias. Um robô totalmente diferente daquele que competiu no Rio de Janeiro, com um número menor de testes. Estamos felizes porque deu certo”, complementa.

Na análise de Luigi Fagundes,13 anos, o robô foi bem analisado pelos juízes pelo caráter inovador: o grupo usou um mecanismo pneumático para ajudar nas curvas, o que deixou a navegação mais segura na mesa. “Eu, particularmente, não acreditava que íamos ganhar. No entanto, a gente sabia do potencial e estávamos confiantes porque trabalhamos para isso”.

Outra equipe vencedora foi a Techmaker, do SESI de Blumenau (SC). O time levou o troféu Gracious Professionalism (Profissionalismo Gracioso). Esta modalidade avalia a capacidade do time de demonstrar os valores do torneio, como o compartilhamento de informações, profissionalismo e simpatia.

O técnico da equipe, Thiago Bettega, afirma que para conseguir esse resultado contou com apoio de profissionais como a psicóloga e a supervisora da escola. Com o prêmio em mãos, ele espera que o projeto da robótica cresça cada vez mais. “O próximo passo é não deixar isso morrer. Esses jovens continuam com os seus projetos de vida, mas no SESI vamos continuar o trabalho de desenvolvimento e a missão de transformar a vida das pessoas”.

A Jedi’s, do SESI de Jundiaí, ficou em segundo lugar na categoria Estratégia e Inovação. Neste quesito, os juízes avaliaram a criatividade para a realização do robô e como a equipe deixou o equipamento mais rápido na execução das missões. “O robô tinha uma base direcional diferenciada que deixou o robô preciso, tanto que, nesta temporada, ele conseguia cumprir quase todas as missões da mesa”, avalia Clayton Rafael Ribeiro Júnior, técnico da Jedi’s.

A estudante Beatriz Corrêa da Silva, 16 anos, ressalta o esforço da equipe Jedi’s para a conquista do prêmio. “A gente sempre treinou bastante, lutou muito para alcançar os nossos objetivos. A gente sempre corre atrás de trazer algo inovador e que nos traga benefícios”.

Na edição 2019, participaram 108 equipes de países de todo o mundo. O grande prêmio da FLL foi entregue para a equipe italiana IDB Tech-no-logic.

47593795442_a04c6b106d_zFIRST TECH CHALLENGE – Na categoria FTC, o Brasil foi um dos seis finalistas da categoria Motivate Award (Prêmio de Motivação), com a equipe Geartech, do SESI Vila Canaã, de Goiânia, que concorreu com outras 59 equipes de diferentes países. “O Prêmio de Motivação reconhece a equipe que mais divulgou a FIRST, inspirando e ajudando outras equipes a participarem das competições de robótica. É um reconhecimento importante”, comemora José Rodrigues Júnior, técnico da equipe.

PRÊMIOS INÉDITOS NA FRC – O Brasil brilhou na principal categoria do Campeonato Mundial de Robótica, a FIRST Robotics Competition (FRC). Entre os mais de 60 times estreantes, só três receberam o Rockie All Star – premiação concedida a equipes que participam pela primeira vez do mundial e consideradas as que melhor trabalharam os valores da competição. A Robonáticos #7565 e a Octopus #7567, ambas do SESI/SENAI de São Paulo, foram premiadas. A terceira equipe campeã foi a Avengers Robotics, da Geórgia, Estados Unidos.

“É um reconhecimento para o nosso trabalho. Foram 5 meses de muita pesquisa, muito estudo, muitos projetos sociais que realizamos. A robótica surgiu de uma hora pra outra na minha vida, sou muito grata ao SESI por isso, porque a minha cabeça mudou muito em tão pouco tempo, eu me tornei muito mais comunicativa. Robótica pra mim é paixão, é comunicação e tecnologia”, conta Maria Sophia de Brito Rocha, 15 anos, estudante do SESI/SENAI de São Paulo, da Robonáticos #7565.

Para o membro da equipe Octopus #7567 Leonardo Mandotti, 17 anos, estudante do 2º ano do ensino médio e do curso de Mecânica Automotiva do SENAI de Bauru (SP), ganhar o prêmio máximo para um estreante em mundial é uma prova de que a equipe deu o seu melhor.

“A nossa pré-temporada começou em outubro, foi quando criamos a equipe e nossas redes sociais. A gente ralou muito desde o começo. É uma oportunidade única participar disso tudo. Antes eu pensava que robótica fosse só matemática e exatas, mas na FRC há o business, o empreendedorismo, e isso foi muito importante pra mim, eu hoje quero ser um empreendedor. Robótica é mudança de vida”, disse Leonardo.

O QUE É A FRC – Nesta categoria, considerada a mais complexa do mundial, os estudantes precisam projetar robôs industriais de até 56 quilos para executar tarefas em uma arena, como movimentar bolas e discos para reservatórios num tempo determinado.

A agilidade, o design e a quantidade de objetos transportados pelas alianças – equipes diferentes devem tabalhar montando estratégias de atuação conjuntas – são quesitos avaliados pelos juízes. Além disso, os times são avaliados por questões como o trabalho em equipe, o projeto e a forma como levaram ciência e tecnologia para a comunidade.

Um total de 400 equipes participaram da categoria FRC no mundial, mais de 60 eram estreantes. O Brasil foi representado por quatro equipes: além das duas premiadas do SESI/SENAI, a Under Control #1156, do Colégio Marista Pio XII, de Novo Hamburgo (RS), e a Taubatexas #7459, formada por alunos de escolas públicas de Taubaté (SP).

O campeonato é realizado pela FIRST, uma organização não governamental que promove educação, ciência e tecnologia pelo mundo, e tem como parceiras empresas como a Qualcomm, Google, Boch, Lego Education, Apple, Boeing, entre outras.

O SESI é o parceiro oficial da FIRST no Brasil. Desde 2013 promove torneios de robótica da FIRST LEGO League (FLL) com jovens de 9 a 16 anos. Em 2019, passou a organizar mais uma categoria de robótica, a FIRST Tech Challenge (FTC).

47593778692_6e3fdf50a0_k
Maior delegação brasileira da história do mundial, formada por 10 equipes com 106 estudantes, conquistou troféus e foi finalista nas três modalidades da disputa. Evento foi realizado em Houston, nos Estados Unidos. Foto: CNI

Desde 2006 o SESI investe em robótica em sala de aula. Todas as 501 escolas da instituição no Brasil possuem a metodologia no currículo.

Resultados do Brasil no Campeonato Mundial de Robótica 2019

FIRST LEGO League (FLL)
Techmaker (SESI de Blumenau/SC) – 1º lugar em Gracious Profissionalism
Red Rabbit (SESI de Americana/SP) – 1º lugar em Design do Robô
Jedi’s (SESI de Jundiaí/SP) – 2º lugar em Estratégia e Inovação

FIRST Tech Challenge (FTC)
Geartech Canaã (SESI de Goiânia) – foi uma das 6 finalistas do Prêmio Motivação

FIRST Robotics Competition (FRC)
Robonáticos #7565 – campeã Rockie All Star
Octopus #7567 – campeã Rockie All Star

Telegrama secreto dos EUA relata corrupção na ditadura militar. Documento de 1984 diz que escândalos abalaram a confiança da população no governo; por Leandro Loyola/O Globo

Telegrama secreto dos EUA relata corrupção na ditadura militar. Documento de 1984 diz que escândalos abalaram a confiança da população no governo; por Leandro Loyola/O Globo

Comunicação Destaque Mundo Notícias Poder Política

Como era de sua rotina, no dia 1º de março de 1984, a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil despachou para o Departamento de Estado, em Washington, o telegrama com carimbo “confidencial” número 1413z. Era um dos grandes. Impresso, preenche quatro páginas — três delas com o texto digitado em duas colunas com letras bem pequenas. O conteúdo era extenso porque o tema era vasto: a corrupção no país.

O assunto dominava o noticiário à época e, segundo os informantes americanos, não apenas enfraquecia o governo de João Figueiredo (1979-85), como indicava o apodrecimento e o fim próximo da ditadura militar, no poder desde 1964.

O telegrama, obtido pelo GLOBO, faz parte de um lote de 694 documentos enviados pelo governo do então presidente Barack Obama ao de Dilma Rousseff. Foram três remessas, entre 2014 e 2015, para a Comissão da Verdade, que examinou abusos de direitos humanos durante a ditadura. Devido ao prazo curto para o relatório final da Comissão, vários deles deixaram de ser analisados.

Numa introdução didática para burocratas de Washington, o telegrama explica o que é o “jeitinho”, um fenômeno social brasileiro, seu papel na prática cotidiana e como, devido a isso, a corrupção seria parte indissociável da política e da economia no país. A partir daí, o texto traça um quadro da decadência do governo Figueiredo, ao mencionar uma série de acusações de corrupção. “No nível nacional existem muitos escândalos que lançam nuvens sobre o governo Figueiredo”, diz o informe.

Certamente o homem mais poderoso na economia durante o regime militar, o então ministro do Planejamento, o economista Delfim Netto, é citado como um exemplo de alvo de acusações do alto escalão de Brasília. São dois os casos. Num deles, o das polonetas, havia suspeitas em torno de empréstimo de US$ 2 bilhões à Polônia a taxas de juros consideradas baixas. Em outro, um documento conhecido como “relatório Saraiva” — que nunca veio a público na íntegra — acusava Delfim de, quando embaixador em Paris, receber propina para intermediar negócios entre bancos estrangeiros e estatais brasileiras.

Um país onde “jeito is king”
Corrupção chegava a altos cargos, dizem EUA

Delfim nega qualquer relação ou irregularidade nos dois casos — como negou na ocasião:

— As polonetas o governo da Polônia pagou, em um momento de grande dificuldade para o Brasil, US$ 3 bilhões. O relatório Saraiva foi arquivado pelo SNI porque não havia nada de concreto — diz Delfim, que minimiza o papel dos informantes americanos. — Esses funcionários vinham para o Brasil e fingiam trabalhar enviando a Washington informações que já estavam em todos os jornais.

SBT RS e O Bairrista criam projeto para torcer pelo Brasil no Mundial

SBT RS e O Bairrista criam projeto para torcer pelo Brasil no Mundial

Comunicação Destaque Esporte Negócios Tecnologia Vídeo

De olho na Copa do Mundo da Rússia, que se inicia no próximo mês, o SBT RS e O Bairrista criaram o projeto Torcida Campeã. A iniciativa consiste em um conjunto de ações multiplataforma para torcer pelo Brasil durante o Mundial. A partir da estreia da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, em, 17 de junho, a emissora e a plataforma receberão convidados especiais e parceiros na casa Embaixada RS, com eventos temáticos com música, gastronomia e cultura.

Leia mais em Coletiva.net

“É essa vida que vocês realmente querem?”, questiona Roger Waters em post com imagem de Temer

“É essa vida que vocês realmente querem?”, questiona Roger Waters em post com imagem de Temer

Cultura Destaque Vídeo
O ex-baixista da banda inglesa Pink Floyd Roger Waters, famoso pelos posicionamentos políticos, surpreendeu os fãs brasileiros ao fazer uma publicação citando o presidente Michel Temer.
roger-waters
Roger Waters

Na imagem, a capa do novo álbum de Waters é sobreposta com uma foto de Temer, com os dizeres “Essa é a vida que realmente queremos?”, tradução literal do título do álbum.

O texto da postagem, já com mais de 20 mil reações e 12 mil compartilhamentos, ainda questiona: “Brasil, é essa vida que vocês realmente querem?”.

“Is This the Life We Really Want?” é o primeiro álbum solo do artista em 25 anos. Com 12 faixas inéditas, ele deve ser lançado em 2 de junho. (Correio do Povo e Rádio Guaíba)

 

 

 

Jogos de Azar: Congresso FESTURIS abordará os impactos da legalização no Brasil. Painel ocorre no dia 5 de novembro, às 8h30, no Palácio dos Festivais em Gramado, e abordará a legalização de bingos, cassinos e jogos do bicho e o impacto da aprovação nos setores hoteleiro e turístico

Jogos de Azar: Congresso FESTURIS abordará os impactos da legalização no Brasil. Painel ocorre no dia 5 de novembro, às 8h30, no Palácio dos Festivais em Gramado, e abordará a legalização de bingos, cassinos e jogos do bicho e o impacto da aprovação nos setores hoteleiro e turístico

Destaque Negócios Poder Política Turismo

Além de fomentar negócios o FESTURIS Gramado- Feira Internacional de Turismo proporciona debates e novas abordagens no mercado turístico através do seu Congresso. Serão dois dias com oferta de muito conhecimento, nas manhãs dos dias 4 e 5 de novembro, no Palácio dos Festivais, com uma série de painéis relevantes para o setor turístico. Um assunto debatido atualmente no Brasil é a liberação dos jogos de azar que está passando por análises no Plenário da Câmara dos Deputados e no Senado Federal.

O painel “Legalização de Jogos e o Impacto sobre a Atividade Turística” abordará o assunto e tem mediação do jornalista Claudio Schapochnik com a presença do presidente do Instituto Jogo Legal, Magnho José, e como debatedores o presidente da Federação Nacional de Hotéis, Alexandre Sampaio, o presidente da Associação Brasileira de Resorts, Luigi Rotunno e o presidente do Sindetur RS, Paulo Artur Chagas de Queiroz.

Segundo Magnho José, se houver vontade política ainda em 2016 os jogos podem ser implantados até maio de 2017. “Temos um atraso de 70 anos e retirar os jogos da ilegalidade para a legalidade gera ganhos imediatos. Hoje, os jogos clandestinos movimentam R$ 20 bilhões ao ano e nem o estado e nem a sociedade tem um ganho com isso. Com a legalização dos jogos vamos atrair mais investimentos, gerar empregos, tributos mensais para o estado e para o país.” ressalta.

Para o setor hoteleiro, Magnho afirma que o Brasil é o maior exportador de jogadores do mundo e assim exporta consumo, dividendos e divisas na área de jogos para Las Vegas e países do Mercosul. Com a implantação dos jogos no Brasil, os brasileiros podem ficar no país e os hotéis e resorts vão gerar empregos e renda. “Na rede hoteleira de quatro ou cinco estrelas, existem hoje cerca de 0,6 a 1 funcionário por apartamento. Caso for aprovada a legalização, pode ocorrer um aumento de 3,2 funcionários por apartamento. Os cassinos são um equipamento do turismo e geram 85 novas profissões que não tem em um hotel normal”. salienta, Magnho.

Sobre o painel que acontece às 8h30 do dia 5 de novembro, durante o FESTURIS em Gramado, Magnho irá abordar o mercado atual de jogos legais e ilegais, duas leis que estão tramitando no Congresso e qual o melhor modelo para colocar em prática no país e os benefícios dos jogos  para o setor turístico.

Para participar do Congresso FESTURIS basta comparecer no local, o Palácio dos Festivais, no dia do evento. Mais informações e programação completa pelo site www.festurisgramado.com.

 

‘Pokémon Go’ começa a funcionar no Brasil.  Por enquanto, game não está disponível nas lojas de aplicativo; somente quem já tem o app instalado, a partir de lojas de terceiros, consegue caçar pokémons no País; por Redação Link /O Estado de S. Paulo

‘Pokémon Go’ começa a funcionar no Brasil. Por enquanto, game não está disponível nas lojas de aplicativo; somente quem já tem o app instalado, a partir de lojas de terceiros, consegue caçar pokémons no País; por Redação Link /O Estado de S. Paulo

Comportamento Comunicação Destaque Negócios Tecnologia

A espera pela captura de pokémons em território nacional chegou ao fim. O aguardado gamePokémon Go começou a funcionar no Brasil nesta quinta-feira, 3. Contudo, por enquanto, somente aqueles que já haviam baixado o aplicativo do game no smartphone estão conseguindo caçar pokémons no País. O aplicativo ainda não está disponível para quem busca na App Store e Google Play – lojas de aplicativos para iPhone e Android, respectivamente – brasileiras. A Niantic não confirma o lançamento iminente no Brasil, mas é provável que o game seja disponibilizado nas próximas horas. Confira a notícia completa em O Estado de São Paulo.

Olímpiada 2016: Cubano deserta no Pan, fica rico e volta ao Rio “cantando o hino” do Catar; por Matheus Tibúrcio e Thierry Gozzer/GloboEsporte

Olímpiada 2016: Cubano deserta no Pan, fica rico e volta ao Rio “cantando o hino” do Catar; por Matheus Tibúrcio e Thierry Gozzer/GloboEsporte

Destaque Economia Esporte Mundo Notícias Olimpíada

Capote tinha apenas 19 anos quando fugiu da Vila Pan-Americana. O objetivo era partir em busca de melhores condições de vida e vislumbrar uma carreira de maior sucesso que ele não pensava que teria se continuasse em Cuba. Numa noite chuvosa, ele superou a segurança que tentava evitar a fuga de desertores do país, saiu por debaixo de uma cerca e correu em busca de um ônibus. O destino era o estado de São Paulo, na casa do goleiro cubano Michel, que havia fugido de equipe do país em 2005, defendia o São Caetano e estava em contato com o compatriota todos os dias lhe dando as coordenadas. Capote vendeu roupas e dormiu na rua por alguns adias até ter dinheiro suficiente para pegar um táxi e seguir viagem até a casa de Michel. Confira a história completa em GloboEsporte.

Dez são presos por atos preparatórios de terrorismo nos Jogos Olímpicos

Dez são presos por atos preparatórios de terrorismo nos Jogos Olímpicos

Esporte Notícias Olimpíada Segurança Tecnologia Turismo

Dez pessoas foram presas nesta quinta-feira durante a primeira operação da Polícia Federal (PF) baseada na lei antiterror. O ministro da Justiça e da Cidadania, Alexandre de Moraes, confirmou que o grupo foi detido por iniciar atos preparatórios para realizar ataques terroristas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Os suspeitos detidos não haviam definido o alvo.

“Prendemos essas pessoas a partir do nosso rastreamento. Identificamos esses suspeitos, que faziam simples comentários de atentados e agora se preparavam para um ataque. Ele saíram daquele estado de quase apologia para um status de atuação. A partir de uma solicitação de uma AK 47 a um site de armas do Paraguai nós decidimos agir”, disse Alexandre de Moraes.

Conforme o ministro, alguns integrantes do grupo realizaram contato via internet com pessoas ligadas ao Estado Islâmico. “Eles entraram em contato e fizeram inclusive um juramento. A partir disso, toda situação foi progredindo até essa solicitação da arma. Não temos a informação de que o armamento tenha chegado às mãos do suspeito, mas a tentativa de compra já demonstra um ato preparatório”, explicou.

Durante o monitoramento do grupo, o serviço de inteligência brasileiro encontrou comentários em que os suspeitos comemoram o atentado contra uma boate em Orlando, nos Estados Unidos, e o ataque terrorista feito em Nice, na França. “Cumprimos mandado de busca e apreensão e confiscamos celulares, computadores e outros equipamentos. Há ainda duas pessoas que não foram encontradas, mas já foram rastreadas”, completou Alexandre de Moraes. ( Radio Guaíba e Correio do Povo)

Humor com Brasil melhora e investidor volta a apostar no País. Economistas dizem que reação completa só virá com aprovação de reformas

Humor com Brasil melhora e investidor volta a apostar no País. Economistas dizem que reação completa só virá com aprovação de reformas

Economia Negócios Notícias Poder Política

Depois de três anos de crise, grandes investidores começam a reavaliar o mau humor em relação ao Brasil e a apostar as primeiras fichas na retomada do crescimento. Nos últimos meses, o real se valorizou em mais de 20% e a Bovespa acumulou ganho de 28%, com perspectiva de manutenção da alta. Uma das medidas mais usadas para avaliar o risco de inadimplência dos países, a taxa do CDS, caiu quase à metade do fim do ano passado para cá. Como consequência, fundos de investimento já avaliam a possibilidade de desembolsar cerca de US$ 50 bilhões no País, neste ano e no próximo. O economista Affonso Celso Pastore concorda que o clima mudou, mas lembra que a virada completa só virá quando o governo aprovar medidas capazes de reduzir os gastos e, principalmente, frear o crescimento da dívida. “A dívida é o indicador que mais preocupa os investidores”, diz. A informação completa está em O Estado de São Paulo.

Brookfield vai às compras
Com US$ 17 bilhões em ativos no País, gestora canadense negocia divisão de gasoduto da Petrobrás e busca operações em infraestrutura. (O Estado de São Paulo)

Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Pesquisa inédita realizada pelo IBOPE Inteligência traça o perfil dos proprietários de pets no Brasil

Comportamento Comunicação Crianças Notícias
 O IBOPE Inteligência, em parceria com o Centro de Pesquisa WALTHAM® – a principal autoridade científica em bem-estar e nutrição de pets – e o Professor Doutor Ricardo Dias, docente da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma pesquisa inédita para estudar o padrão de comportamento do brasileiro na interação com seus pets, além de entender as principais barreiras para aqueles que, atualmente, não possuem animais de estimação, mas gostariam de adquirir um. A pesquisa foi encomendada pela Mars Brasil, líder no mercado de alimentação para cães e gatos com marcas como PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS® E EUKANUBA™.
O Brasil possui, atualmente, 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos sendo que, dos 65 milhões de domicílios do país, 44,3% possuem pelo menos um cachorro e 17,7% pelo menos um gato, de acordo com dados do IBGE. A pesquisa IBOPE Inteligência mostrou que a maioria dos brasileiros proprietários desses cães é homem, casado, mora com mais de uma pessoa e é de classe AB. Já os proprietários de gatos são, em sua maioria, mulheres, solteiras, que moram em apartamentos e são de classe BC.
A pesquisa comprovou, ainda, a conexão emocional dos brasileiros com seus animais de estimação, assunto amplamente estudado por WALTHAM® no mundo todo. Para o Centro de Pesquisas, os pets representam uma parte essencial da sociedade e fornecem um apoio valioso em facilitar a interação humana e os contatos sociais, além de proporcionar companhia. As evidências científicas têm demonstrado os inúmeros benefícios advindos dos pets, não só para os seus donos, mas também para a sociedade como um todo. Tese comprovada no Brasil por meio dos resultados da inédita pesquisa realizada pelo IBOPE Inteligência.
“Existem dados referentes ao comportamento do proprietário de cães e gatos publicados em outros países, mas no Brasil é a primeira vez que temos acesso a essas informações em nível nacional, reforçando a relevância social dos animais de estimação e contribuindo para inúmeras pesquisas acadêmicas realizadas hoje na Medicina Veterinária”, ressalta o professor Ricardo Augusto Dias.
Donos de cães
A pesquisa mostrou que os proprietários de cães são, em sua maioria (51%), casados, têm, em média, 41 anos e 93% moram com mais de uma pessoa. Além disso, observou-se que 82% são de classe AB (na classe A são 24%), 59% moram em casas e 24% adotaram seus cães, sendo 59% deles SRD (sem raça definida).
Dos entrevistados, 68% acreditam que os cães trazem conforto emocional e 44% veem seus cachorros como filhos, sendo que a maioria desses respondentes são mulheres solteiras de até 40 anos. Os donos de cães levam, em média, 2,8 vezes por ano seus cães ao Médico-Veterinário, sendo que 79% levam pelo menos 1 vez no ano para vacinação. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para os cães, já que 95% dos donos optam por alimentação seca.
Na fase qualitativa da pesquisa, foram identificados três perfis de donos de cães: os pragmáticos, aqueles que possuem uma relação racional com seus pets; os envolvidos, no qual os cães podem
frequentar apenas áreas sociais da casa; e os apaixonados, que possuem alto nível de envolvimento, apego e dedicação com seus pets. Os perfis predominantes entre os brasileiros são os envolvidos e apaixonados, dado reforçado na fase quantitativa, que mostrou que 64% dos entrevistados deixam os cães dormirem dentro de casa.
Donos de gatos
Em relação aos donos de gatos, a pesquisa mostra que 61% são mulheres, têm em média 40 anos e 62% moram em casas. Dos entrevistados, 48% acreditam que os felinos entendem o humor dos donos e 45% veem seus gatos como filhos, sendo a maioria desses respondentes, mulheres solteiras de até 40 anos.
Na fase qualitativa, foram identificados três perfis de donos de gatos: os apaixonados, defensores da categoria, que podem ser chamados de gateiros ou cat lovers; os resignados, aqueles que gostariam de ter cachorro, mas acabaram por ter gato e os convertidos, aqueles que não pensavam em ter, foram influenciados por conhecidos e viraram fãs. Observou-se, também, que as características relacionadas aos gatos apontadas pelos entrevistados são mais voltadas ao que ele é e menos ao que ele significa – alguns exemplos: gatos são mais independentes, são menos carentes, não precisam tomar banho com frequência, entre outras.
Dos proprietários de gato, 39% também têm cães e a porcentagem de donos de felinos (42%) que acreditam que pets são boa companhia para crianças é numericamente maior do que a de proprietários de cães (40%). Se comparado aos proprietários de cães, os proprietários de gatos levam menos os pets ao Médico-Veterinário – média de 2,3 vezes por ano. A alimentação manufaturada foi apontada como a melhor opção para o pet, pois 94% dos entrevistados optam por alimentação seca.
Não proprietários
A pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados que não possuem pets são casados, têm, em média, 37 anos, 25% moram com filhos de até 9 anos, 57% moram em apartamento e 94% deles já tiveram um animal de estimação antes. Dentre os aspectos apontados para justificar o porquê de não possuírem um pet estão: não ter alguém em casa para cuidar enquanto estão no trabalho, compromisso por muitos anos e o fato dos custos com cuidados serem altos. A vontade de adquirir/comprar/adotar um animal de estimação é apontada por 100% dos entrevistados, sendo que 90% pretendem adquirir um cão e 20% têm a intenção de ter um gato.
Sobre a pesquisa
A pesquisa foi dividida em duas etapas, sendo que a qualitativa foi feita com 13 grupos de discussão em São Paulo, Recife e Porto Alegre. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos, divididos em três grupos: donos de cães, donos de gatos e não possuidores – com intenção de ter um pet nos meses de janeiro e fevereiro de 2015.
A etapa quantitativa tem uma base de 900 entrevistados, sendo 300 donos de cães, 300 donos de gatos e 300 não possuidores – com intenção de ter. As entrevistas foram realizadas com homens e mulheres a partir de 25 anos em São Paulo, Rio de Janeiro, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Salvador e Distrito Federal entre os dias 25 de junho a 17 de julho de 2015. A margem de erro da pesquisa é de 6 pontos percentuais por segmento e de 3 pontos percentuais no total da amostra.
Sobre a Mars, Incorporated
A Mars, Incorporated é uma empresa familiar, privada, com mais de 100 anos de história e dona de algumas das marcas mais amadas do mundo, como M&M’S®, TWIX®, SNICKERS®, PEDIGREE®, ROYAL CANIN®, WHISKAS®, EUKANUBA™ e UNCLE BEN’S®. Sediada em McLean, no estado norte-americano da Virginia, a Mars tem faturamento acima de US$ 33 bilhões em vendas oriundas de seis distintas linhas de negócio: Petcare, Chocolate, Wrigley, Food, Drinks e Simbiocience. Mais de 75 mil colaboradores de 74 países estão reunidos sob os Cinco Princípios da empresa: Qualidade, Eficiência, Responsabilidade, Mutualidade e Liberdade, e lutam, diariamente, para desenvolver o relacionamento com públicos de interesse, a fim de estimular o crescimento do qual a empresa se orgulha.
Sobre o WALTHAM® Research Center
Já celebrando mais de 50 anos de ciência inovadora, o WALTHAM®, Centro de nutrição e bem-estar animal atua como uma importante autoridade científica no desenvolvimento das fronteiras de pesquisa sobre a nutrição e a saúde de animais de estimação. Situado em Leicestershire, Inglaterra, o renomado instituto de ponta de ciências da Mars, Incorporated gera conhecimentos que permitem o desenvolvimento de produtos inovadores, que atendem as necessidades dos animais de estimação de uma maneira prática. Desde a publicação de sua primeira pesquisa original, em 1963, o WALTHAM® é o pioneiro de muitos avanços importantes no campo da nutrição de animais domésticos e interação humana-animal, resultando em mais de 1.700 publicações, incluindo mais de 600 revisões por pares de trabalhos científicos. Hoje, o WALTHAM® continua a colaborar com os melhores institutos científicos do mundo, gerando a visão de cuidados com os animais domésticos da Mars para criar um mundo melhor para os animais e fornecer a ciência e a expertise que sustenta importantes marcas da Mars, como WHISKAS®, PEDIGREE®, NUTRO®, TRILL®, CESAR®, SHEBA®, KITEKAT®, DREAMIES™, AQUARIAN®, WINERGY®, BANFIELD® Pet Hospital e a marca ROYAL CANIN.
Sobre o IBOPE Inteligência
O IBOPE Inteligência é uma empresa privada brasileira que contribui para seus clientes terem conhecimento e compreensão adequados da sociedade e dos mercados onde atuam, auxiliando na tomada de decisões táticas e na elaboração de estratégias no planejamento de negócios. Seu diferencial está baseado em uma equipe multidisciplinar integrada, profissionais altamente qualificados e especialistas no conhecimento do cidadão e do consumidor.
Sobre o professor Ricardo Dias
Graduado em Medicina Veterinária pela Universidade de São Paulo (USP), com mestrado e doutorado em Epidemiologia também pela USP, atualmente é Professor Doutor na Faculdade de Medicina Veterinária da mesma Universidade. O Professor Ricardo Dias acumula ainda ampla experiência em Epidemiologia Animal, tendo atuado no Ministério da Agricultura e colaborando, atualmente, em programas sanitários nacionais e estaduais.