RS: Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem em Triunfo terá robô colaborativo

RS: Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem em Triunfo terá robô colaborativo

Notícias Tecnologia Trabalho

A inovação e o processo de transformação digital da Braskem estão avançando nos Centros de Tecnologia de Triunfo e de Pittsburgh com a instalação de robôs que ampliarão a disponibilidade de dados e a capacidade de análise e pesquisa dos profissionais que atuam na criação de novas soluções. No CTI de Triunfo, está sendo instalado um robô colaborativo. Esta tecnologia pressupõe que o ser humano e a máquina possam trabalhar de forma conjunta. Enquanto o robô realiza movimentos repetitivos de forma mecânica, o profissional do laboratório poderá se concentrar na análise dos dados, que chegarão em maior quantidade e velocidade, programar ajustes e efetivar melhorias para obter resultados mais precisos, o que resulta em ganhos de produtividade.

“A tecnologia colaborativa permite que se combine o que o ser humano e a máquina tem de melhor. O robô apresenta precisão, força e resistência. Já as pessoas têm a capacidade de resolver problemas imprecisos, o que faz toda a diferença na inovação. Além disso, há um incremento na segurança, ergonomia, confiabilidade de resultados e, consequentemente, produtividade”, avalia o líder dos Laboratórios de Polímeros do CTI, Paulo Cezar dos Santos.

Inicialmente, o robô será instalado no laboratório de ensaios físicos para apoiar a análise de módulos de flexão. Nos próximos meses, serão agregadas novas funcionalidades de registro e análise de dados.   A tecnologia faz parte da chamada Indústria 4.0, um conceito que descreve uma nova fase do desenvolvimento industrial, com máquinas capazes de gerar grande quantidade de dados, com capacidade de conexão à internet e à nuvem, que podem ser operadas remotamente e têm flexibilidade para atender a diferentes tipos de tarefas.

De acordo com o gerente do CTI, Alessandro Cauduro, também está em andamento a instalação do software permitirá uma sinergia ainda maior entre os laboratórios, que poderão agilizar o desenvolvimento de soluções integradas: “As informações poderão ser compartilhadas de forma otimizada dentro da estrutura global de inovação da Braskem, ampliando a colaboração entre os laboratórios do Brasil, Alemanha, México e dos Estados Unidos. É uma ação que está alinhada com uma série de iniciativas para incorporar cada vez mais inteligência e eficiência ao processo de inovação”, adianta.

Braskem reforça compromisso em Economia Circular na Feiplastic 2019

Braskem reforça compromisso em Economia Circular na Feiplastic 2019

Negócios Notícias Tecnologia

 

A Braskem reforçará durante a Feiplastic, maior feira do setor plástico da América Latina, seu posicionamento em prol da Economia Circular, conceito de consumo que busca formar um ciclo sustentável da produção ao descarte. Durante o evento, o público poderá conferir novidades no portfólio da companhia, como a ampliação das soluções em pós-consumo. Entre as atrações que será levada à feira, está o projeto “Reciclar é Transformar”, que fez a sua estreia na Virada Sustentável de Porto Alegre, no início deste mês. A ação interativa contempla uma estrutura circular que mostra todo o processo da reciclagem ao público, desde a separação até a transformação em um novo produto. A Feiplastic será realizada de 22 a 26 de abril, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

 “Estamos empenhados em contribuir para a transformação da Economia Linear, pautada pela produção e descarte, em uma Economia Circular, que considera o descarte e a produção de forma cíclica. Acreditamos que a Feiplastic será um importante canal para ampliarmos a discussão a favor deste tema, sensibilizando a cadeia onde estamos inseridos”, explica Edison Terra, vice-presidente da Unidade de Poliolefinas América do Sul e Europa.

Criada com o objetivo de estimular negócios que valorizam o resíduo plástico pós-consumo, a iniciativa Wecycle evolui trazendo novos grades ao mercado. O novo portfólio de resinas recicladas reforça o compromisso da Braskem com a cadeia do plástico no Brasil, a inovação e a sustentabilidade, alinhadas ao posicionamento em Economia Circular.

Fabiana Quiroga, diretora de Reciclagem e Plataforma Wecycle da Braskem, explica que a companhia está comprometida com a educação e engajamento de toda a cadeia do plástico para com a reciclagem do material. “Acreditamos que iniciativas como a ação ‘Reciclar é Transformar’ são importantes para aumentar o conhecimento, bem como a valorização de resíduos plásticos na economia e, principalmente, o papel de todos nós no processo”, afirma a executiva.

Outras soluções sustentáveis da companhia também serão destaque no evento, como o portfólio renovável I’m green™, que conta com o Plástico Verde e o EVA Verde, ambas resinas produzidas a partir da cana-de-açúcar e a linha Maxio, composta por resinas que proporcionam redução do consumo de energia, maior produtividade e redução de peso do produto final.

Durante a Feiplastic, a Braskem participará também do Inova Plastic. Fabio Buckeridge, CDO da companhia, estará no painel “A Inovação na Era Digital”, abordando como soluções disruptivas contribuem para a competitividade e a produtividade da indústria química e petroquímica, favorecendo a cadeia do plástico e, no espaço reservado para reciclagem. Neste local, a Braskem participará com o 3R – Um novo conceito de resina reciclada. 

Braskem registra EBITDA de R$ 3,1 bilhões

Braskem registra EBITDA de R$ 3,1 bilhões

Negócios Notícias Poder Política

A Braskem manteve a consistência em seus resultados dos últimos trimestres e apresentou um EBITDA de R$ 3,1 bilhões no primeiro trimestre de 2016, uma alta de 106% sobre igual período do ano anterior. Os principais fatores que impulsionaram esse desempenho foram o maior volume de exportação de resinas termoplásticas, o contínuo bom desempenho das operações nos Estados Unidos e Europa, os melhores spreads dos produtos petroquímicos básicos e de resinas no exterior, além da desvalorização média de 37% do real frente ao dólar no período. Em dólar, o EBITDA da companhia avançou 54% para US$ 780 milhões.

As unidades industriais dos Estados Unidos e Europa seguem operando acima de sua capacidade nominal. A forte demanda por polipropileno nos Estados Unidos tem impulsionado a taxa média de operação das plantas industriais para 100%. A produção totalizou 499 mil toneladas e as vendas somaram 500 mil toneladas, registrando altas de 8% e 9%, respectivamente, ante o primeiro trimestre de 2015. No período de janeiro a março de 2016, as unidades dos Estados Unidos e Europa apresentaram EBITDA de R$ 855 milhões, representando quase um terço do consolidado da Companhia.

No Brasil, as centrais de matérias-primas operaram a 89% de sua ocupação e se mantiveram em linha com o primeiro trimestre do ano passado. Na comparação com o último trimestre de 2015, a taxa média, porém, avançou 6 pontos percentuais, depois da normalização da operação do cracker de São Paulo e da melhoria operacional da central petroquímica de Triunfo (RS). As exportações de resinas totalizaram 436 mil toneladas, um aumento de 70% sobre igual trimestre de 2015, o que compensou a retração do mercado doméstico. No primeiro trimestre deste ano, as operações brasileiras, incluindo as exportações, apresentaram EBITDA de R$ 2,16 bilhões, alta de 61% em relação ao mesmo período do ano passado.

A demanda por resinas no mercado brasileiro alcançou 1,2 milhão de toneladas no primeiro trimestre de 2016. Esse resultado significou uma queda de 18% em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, período que foi favorecido pela recomposição de estoques na cadeia de transformação. As vendas da Braskem no mercado doméstico totalizaram 782 mil toneladas e em linha com a queda do mercado brasileiro.

O lucro líquido da Braskem foi de R$ 747 milhões no primeiro trimestre de 2016. A receita líquida consolidada da Braskem alcançou R$ 12,2 bilhões, um crescimento de 19%, influenciado pelos melhores patamares dos preços de petroquímicos quando convertidos em reais. O nível de alavancagem financeira da Braskem, medido pela relação entre dívida líquida por EBITDA em dólar, voltou a cair e fechou o trimestre em 1,72x, o mais baixo patamar em dez anos.

PRODUÇÃO DE POLIETILENO NO MÉXICO

Em abril, o Complexo Petroquímico do México, operado pela Braskem Idesa, começou a produzir polietileno, marcando o avanço da Braskem em sua estratégia de internacionalização e diversificação de matéria-prima. Localizado no estado mexicano de Veracruz, o complexo petroquímico tem capacidade anual de produção de mais de 1 milhão de toneladas de polietileno, fabricado a partir do etano fornecido pela PEMEX.

“A Braskem tem conseguido manter uma estratégia consistente graças aos resultados obtidos com suas exportações e com suas operações no exterior”, diz Fernando Musa, presidente da Braskem(foto). “Diante deste cenário, a Companhia se mantém firme no propósito de buscar maior competitividade em suas operações”.

Fernando Musa é indicado à presidência da Braskem

Fernando Musa é indicado à presidência da Braskem

Economia Negócios Notícias Poder Política

A Braskem, líder na produção de resinas plásticas nas Américas, dentro do seu plano de sucessão empresarial, anuncia a indicação de Fernando Musa como novo presidente em substituição a Carlos Fadigas. A mudança ocorre depois da conclusão de uma etapa importante na internacionalização da Braskem com a entrada em operação do Complexo Petroquímico no México, onde foram investidos cerca de US$ 5 bilhões.

Carlos Fadigas continuará com atividades no Grupo Odebrecht, especialmente em apoio ao novo ciclo de internacionalização da Braskem. Durante a liderança de Fadigas ao longo dos últimos cinco anos, a Braskem iniciou suas operações industriais na Europa, conquistou a liderança do mercado norte-americano de polipropileno e concluiu o maior investimento de sua história no México. A Companhia consolidou a posição de sexta maior produtora de resinas plásticas do mundo, alcançando EBITDA recorde de R$ 9,4 bilhões em 2015.

Fernando Musa é graduado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e tem MBA pelo Insead, na França. Atuou em diversas empresas como McKinsey, Editora Abril e Monitor Group.

Musa ingressou na Braskem em 2010 como vice-presidente da área de Planejamento Estratégico. Desde março de 2012, ocupava a presidência da Braskem America, unidade responsável pelos negócios da Braskem nos Estados Unidos e na Europa. Durante a sua gestão, a Braskem integrou os ativos adquiridos da Sunoco e Dow e iniciou importantes projetos estratégicos para o fortalecimento da presença da Companhia nos EUA. A experiência internacional de Musa nos últimos anos foi fundamental para a sua indicação como o novo líder da Braskem no próximo ciclo de crescimento.

“Uma das minhas prioridades será aprofundar a bem sucedida estratégia de crescimento e internacionalização, reforçando a competitividade em todas as nossas operações e buscando novas oportunidades de investimento no Brasil e no exterior”, diz Fernando Musa.

A nomeação de Fernando Musa será submetida ao Conselho de Administração da Braskem.

 

Plástico Verde chega ao Japão em tampas de garrafas PET

Plástico Verde chega ao Japão em tampas de garrafas PET

Economia Negócios Notícias

A Suntory, fabricante de bebidas líder no Japão e de atuação global, acaba de anunciar a adoção de Plástico Verde nas tampas de suas garrafas de água mineral de 550 ml. A resina de origem renovável será fornecida pela Braskem, com produção no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). A partir deste mês, o Polietileno Verde representa 30% do plástico usado nas tampas da água “Suntory Aso Tennensui”, cuja produção anual é estimada em 26 milhões de unidades. Com a decisão, a empresa japonesa reforça seu compromisso com a sustentabilidade e se torna a primeira do mundo a adotar a resina em tampas de garrafas PET. A parceria amplia a presença do Plástico Verde no mercado asiático.

O Plástico Verde da Braskem é produzido a partir do etanol da cana-de-açúcar, uma matéria-prima 100% renovável e tem como principal diferencial a captura 2,15 quilos de CO2 a cada quilo de material produzido. Outro aspecto positivo para o mercado é que as propriedades mecânicas e de processabilidade da resina são idênticas àquelas apresentadas pelo petroquímico convencional.

 

Braskem sedia “Campeãs da Inovação” no Polo Petroquímico de Triunfo. Evento acontece nesta quarta-feira e premiará as empresas destaque em inovação do Sul do país

Braskem sedia “Campeãs da Inovação” no Polo Petroquímico de Triunfo. Evento acontece nesta quarta-feira e premiará as empresas destaque em inovação do Sul do país

Agenda Economia Negócios Notícias

A unidade da Braskem no Polo Petroquímico de Triunfo (RS) sediará a premiação “Campeãs da Inovação” da Revista Amanhã nesta quarta-feira (27/04), a partir das 14h. Após as premiações, os convidados farão uma visita guiada pelas plantas industriais do polo para conhecerem o processo produtivo de uma petroquímica. Realizado por AMANHàe Edusys, com o respaldo técnico da Fundação Dom Cabral, o prêmio identifica as 50 companhias que desenvolvem as práticas mais inovadoras e criativas no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. O levantamento coloca em evidência desde operações de multinacionais já consagradas até experiências de startups locais.

A vencedora deste ano foi a Whirlpool – fabricante de eletrodomésticos Whirlpool, dona das marcas Consul e Brastemp. É a quarta vez que a empresa figura na lista das mais inovadoras. A segunda colocada é a Grendene, fabricante de calçados com sede em Farroupilha (RS). A publicação também lista as companhias mais inovadoras do Sul em 25 setores-chave da economia.

 

Xisto em vez de Petrobras

Xisto em vez de Petrobras

Economia Negócios Notícias Poder Política

Após anos de disputa com a petroleira para fechar acordo sobre o fornecimento de seu principal insumo, a nafta, matéria-prima do plástico, empresa vai importar ‘shale gas’ dos EUA. Isso diminuirá a dependência da Petrobrás, que fornece 70% da demanda de nafta, matéria prima da petroquímica. Por isso, a Braskem decidiu diversificar e fechou acordo para importar dos EUA gás de xisto. A reportagem completa está em O Estado de São Paulo.

​ Braskem alcança EBITDA de R$ 9,4 bilhões em 2015. Desempenho operacional, recorde de exportação, operação no exterior e spreads internacionais garantem bom resultado

Economia Negócios Notícias

Graças ao bom desempenho operacional de suas fábricas, das maiores vendas nas operações dos Estados Unidos e da Europa, da elevação das exportações, associados ao efeito positivo do câmbio e dos spreads petroquímicos internacionais, a Braskem obteve um EBITDA de R$ 9,37 bilhões no ano passado, alta de 67% em relação ao período anterior. Em dólar, o EBITDA da companhia chegou a US$ 2,8 bilhões, avançando 17% em relação a 2014.

Em 2015, a Braskem apresentou taxa média de utilização dos crackers de 89%, 3 pontos percentuais acima do ano anterior, refletindo o bom desempenho operacional da companhia com o recorde da produção da unidade de petroquímicos básicos. Se fosse desconsiderado o fornecimento insuficiente de matéria-prima para o polo do Rio de Janeiro, a taxa de operação no ano teria sido de 92%. No último trimestre do ano, a taxa média de uso dos crackers foi de 83%, impactada pelo incidente no polo petroquímico de Mauá (SP).

Nos EUA e na Europa, as plantas de polipropileno (PP) operaram acima de sua capacidade nominal, atingindo taxa média de 101% no quarto trimestre e refletindo tanto uma maior eficiência operacional como também a maior demanda pelo produto nos Estados Unidos. No período, a produção bateu novo recorde e totalizou 510 mil toneladas, alta de 9% sobre igual trimestre do ano anterior. No acumulado do ano, a taxa média de operação das unidades industriais nos EUA e na Europa foi de 98%, 6 p. p. superior a 2014.

Por conta da fraca demanda brasileira de resinas (PE, PP e PVC), o mercado doméstico retraiu-se 7,6% em relação a 2014, somando 4,9 milhões de toneladas. No ano passado, a participação de mercado da Braskem avançou 1 ponto percentual e as vendas da companhia totalizaram 3,4 milhões de toneladas, com queda de 6% em relação a 2014, menor que a retração ocorrida no mercado. De forma a compensar essa queda no front interno, a Braskem aumentou suas exportações de resinas em 28% e de petroquímicos básicos em 1%.

O lucro líquido da Braskem alcançou R$ 2,89 bilhões em 2015. No quarto trimestre de 2015, o lucro foi de R$ 158 milhões, revertendo o prejuízo em igual período do ano anterior. O nível de alavancagem financeira da Braskem, medido pela relação entre dívida líquida por EBITDA em dólar, encerrou o trimestre abaixo de 2 vezes (1,91x), o mais baixo patamar em nove anos.

“Apesar do fraco desempenho da economia brasileira, o resultado da companhia foi muito positivo graças à maior eficiência operacional no Brasil e no exterior e à estratégia de direcionar parte da produção para a exportação, além de importantes fatores conjunturais externos, como o câmbio e os spreads petroquímicos internacionais”, diz Carlos Fadigas, presidente da Braskem. “Mas, diante de um cenário desafiador para 2016 no Brasil, a Braskem continuará empenhada na busca de maior competitividade com programas internos de redução de gastos, no apoio à cadeia de transformados plásticos e no esforço de exportação”.

PARTIDA NAS OPERAÇÕES NO MÉXICO

Neste primeiro trimestre de 2016, a Braskem está dando partida na operação do Complexo no México, que traz importante diversificação de matéria-prima e geográfica no portfólio de ativos da Companhia. Localizado em Nanchital, no estado mexicano de Veracruz, o complexo petroquímico, fruto de um investimento de US$ 5,2 bilhões em parceria com a empresa Idesa, tem capacidade de produção de mais de 1 milhão de toneladas de Polietileno (PE) fabricado a partir do etano fornecido pela PEMEX. Ao longo do ano, a expectativa é que a curva de operação aumente de forma gradual e de forma mais acentuada a partir do segundo semestre.

Braskem investe R$ 45 milhões em sistema elétrico de planta em Triunfo (RS)

Braskem investe R$ 45 milhões em sistema elétrico de planta em Triunfo (RS)

Negócios Notícias

A Braskem vai investir aproximadamente R$ 45 milhões em dois projetos ligados ao sistema elétrico de sua unidade de Petroquímicos Básicos – UNIB 2 RS, localizada no Polo Petroquímico de Triunfo (RS). O primeiro projeto irá melhorar o sistema de distribuição de energia elétrica de alta tensão das subestações principais das unidades operacionais. O segundo foi elaborado para modernizar e otimizar o sistema de rejeição de cargas em situações de possíveis quedas no fornecimento de energia pela concessionária. Este sistema prioriza o envio de energia elétrica para as áreas operacionais mais críticas, como as plantas de Eteno Verde, Aromáticos e Utilidades, possibilitando que a produção no polo não seja interrompida. O investimento engloba a instalação de transformadores e painéis de alta potência, além da substituição dos cabos de força e comando da distribuição em alta tensão, entre outros processos.

 

Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem inaugura dois novos laboratórios em Triunfo. Investimento total na construção e ampliação foi de R$ 1,5 milhão

Economia Negócios Notícias

O Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem, um dos mais modernos centros de pesquisa em Polímeros da América Latina, localizado no polo petroquímico de Triunfo (RS), inaugurou em janeiro dois novos laboratórios, operacionalizando novos equipamentos. O investimento total nas obras de ampliação do Centro foi de R$ 1,5 milhão. Um dos novos laboratórios está dedicado à análise de barreiras à passagem de gases em filmes ou placas de polímeros. Essa propriedade é importante no desenvolvimento de tanques de combustível, bombonas e embalagens de produtos alimentícios e farmacêuticos no que diz respeito à segurança e maior durabilidade do que está armazenado. O outro tem foco em análises de Raios-X, utilizado para avaliação de conteúdo metálico e propriedades de cristalinidade dos plásticos. “As duas novas áreas ampliam nossa capacidade de atendimento aos clientes e permitem maiores avanços nos projetos de inovação dos produtos”, diz Cristiane Azeredo, coordenadora dos laboratórios de Caracterização do CTI.

Desde sua inauguração, o Centro recebeu mais de 12 mil visitantes de 22 países. Em 2015, o CTI de Triunfo realizou 62 mil análises, das quais 16 mil foram destinadas ao apoio de mais de 450 clientes, através de suporte à novos produtos, processos e desenvolvimento de mercado. O Centro de Tecnologia também é responsável pela geração de fichas técnicas, materiais de referência, atualização de normas externas e unificação de metodologias analíticas.