Feliz aniversário Rádio Sobral !! A Voz da Região Carbonífera completa 40 anos no ar e de alguma forma eu também

Feliz aniversário Rádio Sobral !! A Voz da Região Carbonífera completa 40 anos no ar e de alguma forma eu também

Comunicação Destaque

 

No fim do ano de 1978, Butiá foi agitada pelo início dos testes experimentais da novidade, e eu deixava um radinho de pilha  com o “dial cravado” no 1140 AM. Não importava se havia ou não transmissão, o aparelho ficava ligado. D. Ilda não gostava muito: “Desliga isso, tá  gastando pilha. Dinheiro não dá em árvore”. De tempos em tempos, o silêncio era quebrado por algum teste, na maioria das vezes, o som de um vinil do Harpo tocando “San Franciscan Nights” ecoava pela casa. Cada vez que ouço a canção, lembro imediatamente da “Voz da Região Carbonífera”. Veio o natal, a virada de ano e finalmente, no dia 16 de janeiro de 1979, às 6h da manhã, a Rádio Sobral entrou no ar com o Programa Roda de Chimarrão, comandado pelo grande Heron Oliveira. Claro que naquele dia, diferente de todos outros da minha vida, acordei feliz às 05h50.

collares
Trabalhando na cobertura do encontro A Região Carbonífera em luta pelo mercado de carvão da Jacuí I, Clube Butiá, 21/12/90.

A rádio tinha uma programação totalmente popular, com a participação dos ouvintes pelo telefone. Naquela época, Butiá tinha cerca de 15 mil habitantes e 250 telefones de magneto. O sistema chamado de magneto funcionava com uma fonte de alimentação, sempre próxima ao equipamento para alimentar a transmissão de voz. A gente tirava o “telefone de gancho” e uma corrente elétrica era produzida, acionando a telefonista de plantão na CRT (Companhia Riograndense de Telecomunicações), que conectava os usuários com quem eles queriam conversar. Pois Seu Romeu era o feliz proprietário de um telefone, e o filho dele, um louco por participar. Inaugurei a interatividade da emissora.

fusca
Greve da Busato, 1986: Grevistas espalharam “miguelitos”, com dois pneus furados e sem macaco, a solução foi levantar o carro na mão.

Heron, Luis Carlos Oliveira, Sérgio Fernandes, Alfeu Oliveira… todos promoviam um “quiz”, e lá ia eu responder. Como eram perguntas fáceis, o índice de acerto era alto, e eu, um aficionado pela rádio, me tornei um inconveniente ou, no popular, uma mala sem alça. Foi então que, em meados de fevereiro, me chamaram na Sobral, fizeram vários elogios e, para me afastar do telefone, propuseram que eu virasse uma espécie de “repórter mirim”. Aos 13 anos, eu iria cobrir os eventos esportivos da quadra da Brigada Militar, onde a gurizada jogava futebol de salão, e relataria na programação esportiva noturna chefiada pelo sargento Brasil de Oliveira Lucas. Convite feito, convite aceito. Missão dada, missão cumprida.

O vírus do rádio estava inoculado, e eu nunca quis saber de vacina para ele. Aos 16 anos, me tornei operador de áudio – como aprendiz do Pedro Rosa – e aí uma história curiosa: na primeira semana, José de Oliveira me levou para uma transmissão externa, com o objetivo de ensinar a montar os aparelhos que permitiam realizar programas de fora do estúdio. Era um sábado, e as Lojas Lebes haviam comprado uma ação de merchandising. O âncora da rádio se deslocava até a filial e lá entrevistava clientes e falava nas ofertas. Fomos para o local, e nada do colega chegar. O pessoal na sede começou a ficar nervoso. Uma série de intervenções teriam que ser feitas e não daria tempo porque havia uma jornada esportiva pela frente. O Zé me explicou o que estava acontecendo, e eu disse que faria. Ele parou, pensou… e como não tinha mais ninguém, vai tu mesmo. Fiz, fui elogiado e nunca mais deixei o microfone. Hoje, sou apresentador do SBT Rio Grande – Segunda Edição, adoro TV, mas sigo apaixonado pelo rádio.

foto
Transmitindo um pronunciamento do diretor da CRM, Jorge Gavronski.

Da Sobral, fui para a Charqueadas FM e, de lá, para a RBS ( Rádios Gaúcha, CBN e Itapema FM, RBS TV e TVCOM), a Band RS (Rádios Band AM, Bandnews FM e Band TV) e a Rádio Guaíba, onde apresentei um dos programas de maior credibilidade e longevidade do rádio brasileiro, o “Agora”. Aquele menino que escutava a Guaíba na casa do tio João enquanto ele lia o velho Correio do Povo fez o programa do Flávio Alcaraz Gomes, Adroaldo Streck, Amir Domingues… trabalhou com Ranzolin, Ruy, Lauro, Belmonte, Lasier, Copstein, Glênio Reis, Paulo Denis… e, bem ou mal, em maior ou menor grau, substituí todos eles.

Eu não seria quem sou se não fosse a emissora fundada pelo Padre Frederico Antonio Assmann, Zeferino Gonçalves, Romeu Carlos Leite, Walter Coiado e vários outros sócios que formaram a Sociedade Butiaense de Radiodifusão Ltda. No início, sua potência era de 250w, passou para 1 Kw e atualmente tem a potência de 2 Kw, atingindo além de Butiá as cidades de Minas do Leão, Arroio dos Ratos, São Jerônimo, Charqueadas, Eldorado do Sul, Barão do Triunfo, General Câmara, Triunfo, Venâncio Aires, Taquari, Estrela, Pantano Grande, Encruzilhada do Sul,  Rio Pardo e on-line em qualquer lugar do planeta. Quarenta anos após sua fundação a emissora continua firme e forte sob o comando de Antonio Correa (Jajá) e Francisco Garcia (Quico), cumprindo com o que uma emissora regional tem que fazer: informar o seu público sobre o que acontece na comunidade.

 

Hoje, a Rádio Sobral completa 40 anos de comunicação e, de alguma forma, eu também.

 

 

 

50314616_2289026248035910_566524706241380352_n
Estúdio antigo, antena de transmissão e prédio da Sobral. Fotos: Facebook da Rádio Sobral
REDEMAC inaugura segunda loja em Butiá. Em quatro meses, rede abre duas unidades na cidade

REDEMAC inaugura segunda loja em Butiá. Em quatro meses, rede abre duas unidades na cidade

Aécio Negócios Notícias

Em pleno processo de expansão, a Redemac, maior rede associativa de materiais de construção do sul do país, inicia a segunda operação em Butiá. A filial de 342m2 abre suas portas no próximo dia 27 de outubro na Rua Julieta Carvalho Gonzáles, 517, com um mix de 6.500 produtos. Esta é a segunda loja do associado Redemac Bella Morada que já havia inaugurado em junho seu primeiro ponto na cidade.

A festa de abertura começa às 9h com cerimônia de inauguração e coquetel para clientes, que contarão também com promoções especiais e sorteio de brindes.

“Ficamos tão satisfeitos com o retorno que tivemos com a nossa primeira operação que já nos sentimos motivados a abrir nossa segunda loja em Butiá. Esta movimentação só confirma a força da Redemac no Estado e o potencial econômico do município”, comenta Kaito Garcia, lojista associado da Redemac Bella Morada.

“Estamos muito orgulhosos com o desempenho da Redemac em Butiá. A abertura de uma segunda loja em tão pouco tempo nos mostra que estamos no caminho certo como rede associativa. Hoje já estamos presentes em 68 municípios gaúchos com 85 lojas no RS e vamos continuar crescendo”, afirma Edson Berbigier, presidente da rede.