Presidente da FETAG/RS condena discurso de secretário da Contag feito no Palácio do Planalto pregando violência

Economia Entrevistas Notícias Poder Política Vídeo

O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RS (Fetag-RS) no Rio Grande do Sul, Carlos Joel da Silva, disse que as declarações do secretário da Contag foram feitas no calor da discussão. Em entrevista, ele disse que a entidade não apoia em nenhuma vírgula o que disse Aristides. Destacou que os agricultores querem a reforma agrária dentro dos termos da Constituição Federal, pois a entidade preza pela harmonia e a legalidade.

Ao ser questionado sobre o que deve acontecer no RS durante o Grito da Terra deste ano, adiantou que serão negociadas com os governos estadual e federal as tradicionais pautas de valorização do agricultor familiar, incluindo preços mínimos, a luta por uma saúde por qualidade e a segurança pública. Esclareceu que o dever da Fetag é representar os agricultores, não sendo uma entidade partidária contra ou em defesa do governo. Sobre a posição política da entidade, disse ser contra a corrupção, destacando que quem é culpado tem que sair, sem penalizar o país com desemprego batendo à porta e com elevação dos custos para o produtor rural. Para ele o Congresso tem que conduzir com isenção o processo de impeachment da presidente Dilma.

Hoje à tarde foi distribuída a imprensa uma nota oficial da Contag Região Sul, reafirmando às críticas feitas ao secretário da Confederação em evento no Palácio do Planalto Confira a íntegra do texto.

 

SOBRE PRONUNCIAMENTO DO SECRETÁRIO DE FINANÇAS E  NOTA DA REGIÃO SUL DA CONTAG
As Federações dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul,  Santa Catarina e Paraná, componentes da Regional Sul da Contag, após tomar conhecimento do pronunciamento do Secretário de Finanças e Administração da CONTAG, Sr. Aristides Veras dos Santos, na última sexta-feira, dia 01, em evento no Palácio do Planalto, manifesta-se publicamente de forma contrária à posição e a forma colocada pelo mesmo.

A CONTAG, as Federações, os Sindicatos e os movimentos sociais, precisam lutar pela melhoria das condições de vida e de trabalho dos trabalhadores rurais. Devem buscar a reforma agrária, recursos para financiamento rural, a manutenção dos direitos previdenciários e demais direitos sociais, mas sempre de maneira pacífica. Criticamos a utilização da violência contra os trabalhadores, quando estes se manifestam pelos seus direitos. Por isso entendemos que não são os  trabalhadores que devem incentivar a utilização de meios radicais e violentos na busca de seus direitos, se querem justamente a liberdade e o direito de se manifestar.

A Região SUL se manifesta veementemente contra o conteúdo do pronunciamento do Secretário de Finanças e Administração da CONTAG, no que se refere à forma de atuação do Movimento Sindical. Esse não reflete o entendimento da base, que quer Justiça Social, mas não quer violência, não quer retaliação e quer que a corrupção e a roubalheira sejam investigadas e os culpados sejam punidos, sejam eles quem quer que os tenham cometido, porque o desvio de recursos públicos prejudica muito toda a sociedade e são os trabalhadores que mais sofrem em razão disso. E se não há recursos para garantir terra, saúde, previdência, segurança, educação, é também porque o dinheiro é mal aplicado.

Reiteramos nosso posicionamento em favor da defesa dos direitos e contra qualquer tipo de violência, qualquer que seja a origem e a causa e também, o total apoio à investigação de todos os crimes cometidos contra a população, inclusive a corrupção. Pois é entendimento do MSTTR do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná de que o papel do MSTTR em todas as suas
instâncias é de defender, amparar e organizar os trabalhadores e trabalhadoras,  e sempre lutar para manter os direitos dos trabalhadores e tendo a isenção de bandeiras politicas partidárias.

Assim, solicitamos um esclarecimento do Companheiro Presidente da CONTAG sobre tal declaração, para que possamos esclarecer o assunto junto a nossa base estadual e regional, a qual o Senhor é oriundo.

Carlos Joel da Silva,                                                  Ademir Mueller

Presidente FETAG-RS.                                         Presidente da FETAEP.

Expointer 2015: Agronegócio é valorizado na abertura oficial

Expointer 2015: Agronegócio é valorizado na abertura oficial

Economia Expointer Negócios Poder Política

O discurso da relevância do setor do agronegócio para ajudar a superar a crise econômica do Estado e a união de diversas entidades e governo para viabilizar a realização da feira marcaram a abertura oficial da 38ª Expointer 91351088646259_minirealizada hoje (4/9). A cerimônia aconteceu na Pista Central do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. O evento contou com uma maciça presença de autoridades governamentais e representantes de entidades agrícolas e federações de raças, entre elas o governador do RS, José Ivo Sartori, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, e o presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto(foto). O público presente na solenidade assistiu ao Desfile dos Campeões da Exposição. Em seu pronunciamento, Sperotto dirigiu-se aos manifestantes que aproveitaram a presença do governador na feira e reforçou a importância do trabalho do produtor rural: “Vocês podem ficar tranquilos, pois terão almoço garantido em casa, porque tem quem produz”. Sperotto destacou que o sucesso da Feira mostra o quão pujante é o setor. “O atual governo do Estado assumiu como herança um governo quebrado. Mas o Rio Grande do Sul está inteiro e, juntos, passaremos por essa crise”, afirmou.

35275942152277_miniA ministra Kátia Abreu (foto) elogiou Sartori em seu discurso. “Trata-se de um competente governador, sério, digno, honesto. Tenho a mais absoluta convicção de que Sartori vai superar os problemas criados ao longo de outros governos”, afirmou a ministra. Kátia aproveitou a solenidade para dar boas notícias aos produtores do Estado, como o atendimento da solicitação de fazer o zoneamento agrícola para a nova fronteira gaúcha da soja, a regulamentação da pequena agroindústria, o encaminhamento da regulamentação da cadeia produtiva do leite e a criação do laboratório Mosca Sul na Embrapa Vacaria. A ministra também fez um apelo aos bancos para não criarem dificuldades com pedidos de mais garantias para a liberação de financiamentos pra os produtores rurais. Sartori abriu sua fala agradecendo as palavras da ministra Kátia que expressam a confiança no futuro e o desejo de construir um país e uma sociedade diferentes. O governador do RS destacou a relevância do apoio de entidades rurais recebido pelo governo para viabilizar a realização da Expointer 2015 após o Parque Assis Brasil ter 70% de sua estrutura destruída no final do ano passado por um temporal. “Nunca deixamos de acreditar e hoje chegamos a uma das edições mais bonitas e mais bem organizadas da história da Expointer, com mais de R$ 735 milhões em negócios até o momento e público superior a 300 mil pessoas”, afirmou. O governador destacou a confiança que tem no potencial do agronegócio. “O setor primário já é e continuará sendo a principal aposta para o desenvolvimento do nosso Estado. A Expointer nos ensina e nos inspira. Vamos sair dessa situação financeira delicada.”

O presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), Carlos Joel da Silva, destacou na solenidade que a crise econômica só não é pior porque a agricultura e a pecuária impulsionam o desenvolvimento do estado e do país. No setor da agricultura e da pecuária, não há espaço para o aumento da carga tributária.

A solenidade contou ainda com as presenças do presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins da Silva Júnior, do secretário da Agricultura, Ernani Polo, do ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Edson Brum, do prefeito de Esteio, Gilmar Rinaldi, do presidente da Ocergs, Vergílio Perius, do presidente da Febrac, Eduardo Finco, e do presidente do Simers, Cláudio Bier, entre outras autoridades.