Carris: Marchezan dá prazo de um ano para equilibrar contas da empresa, diz delegada sindical. Em entrevista a TVU, futuro prefeito não estipula prazo para analisar a medida

Carris: Marchezan dá prazo de um ano para equilibrar contas da empresa, diz delegada sindical. Em entrevista a TVU, futuro prefeito não estipula prazo para analisar a medida

Cidade Destaque Eleições 2016 Poder Política Porto Alegre

O prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr., deu prazo de um ano para que a empresa Carris consiga reequilibrar contas para evitar uma possível privatização. Conforme a delegada sindical Rosângela Machado, o tucano conversou com servidores durante a campanha e disse que havia uma estimativa de um ano para alterar o cenário com déficit de mais de R$ 50 milhões.

“O candidato Marchezan nos informou que daria um prazo de um ano para a empresa se reerguer para então pensar em privatização. E nós nos colocamos à disposição deles para juntos resgatar a Carris de antigamente. Nos posicionamos também de que a Carris precisa reformular a gestão. O essencial é diminuir o prejuízo pra começar a dar lucro”, disse Rosângela. A delegada sindical afirmou que funcionários temem a privatização da empresa, já que muitos atuam há décadas e gerações na empresa.

Em entrevista a TVU, Marchezan não comentou sobre prazos para uma possível privatização da empresa. No entanto, o futuro prefeito de Porto Alegre afirmou que, se a empresa não der lucro, será privatizada. “Não é meta de governo, não é plano de governo privatizar. Isso é resumir o plano de governo. Se ela der prejuízo, (vai ser privatizada) por mim ou pelo próximo prefeito”, afirmou.

Conforme Marchezan, a previsão é de que a Carris feche com saldo negativo superior a R$ 50 milhões em 2016. “Com R$ 50 milhões a mais, Porto Alegre se torna uma cidade muito mais segura”, destacou ele. (Eduardo Paganella / Rádio Guaíba)

Porto Alegre: Novo ônibus elétrico começa a ser testado nesta sexta-feira. Modelo será usado nas linhas circulares C1, C2 e C3 da Carris

Porto Alegre: Novo ônibus elétrico começa a ser testado nesta sexta-feira. Modelo será usado nas linhas circulares C1, C2 e C3 da Carris

Cidade Notícias Política Porto Alegre prefeitura

A prefeitura, por intermédio da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e da Carris, apresentou na tarde desta quinta-feira o novo modelo de ônibus elétrico que será testado nas ruas da Capital. Uma viagem de apresentação foi realizada, com a presença do vice-prefeito Sebastião Melo, do diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, e do diretor-presidente da Carris, Sérgio Zimmermann. A partir desta sexta-feira, a inovação será empregada nas linhas circulares C1, C2 e C3 da Carris, que rodam na área central da cidade, para avaliação da adequação do veículo às características das ruas e avenidas, terreno e trânsito da região. O ônibus elétrico é da empresa chinesa BYC, montado no Brasil, e emprega tecnologia de ponta, com motor mais potente do que modelo que já esteve em testes no ano passado.

“A sobrecarga na mobilidade urbana está tornando muitas cidades insustentáveis. Em Porto Alegre, 70% da emissão de gás carbono vêm dos veículos automotores. Por isso, é importante buscar por uma melhor qualidade de vida pelo transporte coletivo. Se esse ônibus for aprovado nos testes, trará um ganho significativo para o futuro”, afirmou Sebastião Melo.

O coletivo tem ar-condicionado e acessibilidade. Além das vantagens em relação à economia e sustentabilidade, é silencioso e confortável. No interior, há mais espaço para os passageiros graças ao tamanho das baterias, que estão ainda mais compactas, e ao posicionamento destes componentes, que ficam localizados no teto do ônibus. Os ônibus atuais custam de R$ 800 a R$ 900 mil enquanto cada elétrico custa R$ 1,5 milhão.

“O ônibus é 100% elétrico e diferente dos outros dois que testamos via Carris. Este atende a todas as normas da cidade. O valor dele é mais caro que de um ônibus a diesel. Porém, a não utilização de combustível é um diferencial. Outro fator que analisaremos é a manutenção”, disse Vanderlei Cappellari.

As baterias do protótipo em testes serão carregadas à noite em uma central elétrica na Carris. A durabilidade é de 250 quilômetros rodados, com vida útil de 30 anos. Isso permite mais autonomia do que o modelo anterior, dando a possibilidade de atender melhor às necessidades da cidade de Porto Alegre. O ônibus elétrico permanecerá em testes por 60 dias.

“Os passageiros vão notar melhorias neste modelo em relação àquele testado pela Carris no ano passado. Além de ter ar-condicionado, o interior é mais adequado ao padrão do sistema da Capital”, avaliou o diretor-presidente da Carris, Sérgio Zimmermann. (Correio do Povo)