CDL Porto Alegre participa da Febravar 2016

CDL Porto Alegre participa da Febravar 2016

Negócios Notícias

A CDL POA estará presente na Feira Brasileira do Varejo (Febravar), que será realizada de 6 a 8 de julho, no Centro de Eventos do BarraShoppingSul, na Capital. O estande da entidade contará com toda infraestrutura para receber os visitantes interessados em conhecer melhor alguma de suas soluções e produtos CDL POA para a gestão de todo o ciclo do negócio, tais como Prospecção Qualificada, Gerenciamento de Carteira, Empresarial Gold, SCPC NET Pessoa Física e Jurídica, CDL Cobrança e Crédito Garantido.

images (1)
Jornalista Millena Machado

Em paralelo à 4ª edição do evento promovido pelo Sindilojas Porto Alegre, também ocorre o Congresso Brasileiro do Varejo, com mais de 20 palestras e painéis. No dia 6 de julho, Alcides Debus, presidente da CDL POA e diretor-presidente das Lojas Rabusch, irá participar do painel “Marcas que contam uma história” no Auditório Sicredi, ao lado da superintendente do Grupo Lins Ferrão, proprietária das Lojas Pompéia e Gang, Carmem Ferrão e do diretor de operações da Tumelero, Sérgio Bandeira. A mediação será da jornalista Millena Machado.

Ainda durante a feira, a CDL promove no dia 8, das 15 às 18h, no auditório 2, a palestra “ Vender Mais e o Risco no Crédito – O perfil do Inadimplente e a Busca Assertiva dos melhores Consumidores”, com o Gestor Comercial da CDL POA, Paulo Roberto Borba. Serão analisados indicadores de desempenho do varejo, perfil de inadimplência e como trazer clientes de maior potencial para seu negócio a partir de uma prospecção qualificada. A inscrição é gratuita e pode ser feita por meio do e-mailcdl.evento@cdlpoa.com.br. Vagas limitadas.

“Quero que você me aqueça nesse inverno” é lema dos apaixonados gaúchos neste Dia dos Namorados gelado

“Quero que você me aqueça nesse inverno” é lema dos apaixonados gaúchos neste Dia dos Namorados gelado

Cidade Economia Negócios Notícias Poder Política Porto Alegre Previsão do Tempo Publicidade Turismo

“Só quero que você me aqueça nesse inverno” poderia ser o “hino” deste Dia dos Namorados, que prevê temperaturas baixíssimas no Sul do Estado. Esta é uma das leituras que pode ser feita para o resultado da pesquisa para a data, realizada pela CDL POA e Sindilojas Porto Alegre. “De acordo com o nosso levantamento, os namorados já pretendiam dar roupas, por ser algo útil, individual e, também, especial. Portanto, aproveitaram a queda brusca nos termômetros dos últimos dias para comprarem casacos, jaquetas, calças e blusões, o que também coincide com a nossa expectativa, pois vimos que a maioria dos apaixonados deixa para comprar os presentes na véspera da data”, avaliou o presidente da CDL POA, Alcides Debus. Do total de consultados, 52% afirmaram que deixariam para adquirir o presente do seu amor, na última semana.

Segundo o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, as projeções dos lojistas são muito positivas. A estimativa é de que o período mais romântico do ano movimente R$ 70 milhões no comércio da Capital, considerando, especialmente, as vendas nestes primeiros dias de junho. O ticket médio deve ficar em torno de R$ 180,00. “A data exige um empenho maior, pois errar na escolha do presente pode representar um desinteresse ou a falta de conhecimento sobre os gostos do parceiro, por isso a compra tem um valor muito mais simbólico”, observou Kruse. Assim, os artigos mais citados na pesquisa foram roupas (38%), itens de perfumaria ou maquiagem (16%), acessórios (15%), calçados (11%) e eletrodomésticos e eletrônicos (5%). Sendo que a maioria dos entrevistados (67%) planeja pagar à vista em dinheiro. O levantamento foi realizado pela Zooma Consumer Experience, entre os dias 18 e 29 de abril.

Vendas mostram-se positivas em abril, segundo CDL POA

Vendas mostram-se positivas em abril, segundo CDL POA

Economia Notícias Poder Política

O crescimento médio das vendas em abril, de acordo com enquete feita com os integrantes da diretoria da CDL Porto Alegre, foi de 5,6% na comparação com o mesmo período do ano passado. Observa-se, porém, uma variação de 9,1% para o setor de moda e 2,5% para os demais segmentos do varejo neste período. “Os valores ainda se encontram abaixo da inflação, o que indica queda real mesmo com crescimento nominal. Ainda assim, os dados têm mostrado uma tendência positiva desde que este levantamento começou a ser feito, em janeiro de 2016, com dados desde dezembro do ano passado. A expectativa para maio é de crescimento médio de 8,1% no agregado”, aponta Victor Sant’Ana, economista da entidade.

 

Levantamento da CDL Porto Alegre revela que lojistas gaúchos preferem não contabilizar prejuízo com a falta de segurança

Levantamento da CDL Porto Alegre revela que lojistas gaúchos preferem não contabilizar prejuízo com a falta de segurança

Cidade Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Segurança Turismo

Com a crescente sensação de insegurança nas ruas da Capital e em cidades do interior gaúcho, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Porto Alegre realizou uma pesquisa com lojistas e associadas do Rio Grande do Sul para saber, de fato, o quanto cada um dos estabelecimentos comerciais entrevistados já somou de prejuízo e no que precisou investir para tentar reverter o quadro atual, no período de janeiro a março de 2016.

As 86 respostas obtidas em uma semana de enquetes revelaram um dado inquietante: 44,2% responderam que preferem não contabilizar o quanto tiveram de prejuízo por falta de segurança. Outros 30,2% também trouxeram uma questão que preocupa, ao salientarem que não teriam como estimar este valor e 17,4% observaram que tiveram um gasto entre R$ 20 mil e R$ 50 mil. Outros 4,7% dos entrevistados mensuraram um gasto acima de R$ 100 mil e 3,5%, entre R$ 50 mil e R$ 100 mil.

Segundo o presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus, esta pesquisa condiz com a realidade enfrentada pelo setor. “Os varejistas gaúchos têm sofrido muito com a falta de segurança que, além de prejudicar a marca do empreendimento, também compromete a sua venda, uma vez que a população acaba ficando com medo de circular pelas ruas em determinados dias e horários, o que diminui o consumo”, enfatiza. “Aliás, entre as respostas abertas, percebemos que o sábado, dia tradicional de vendas altas, acabou ficando bastante prejudicado, pois alguns lojistas optaram em não abrir nestes dias ou em fechar a loja mais cedo”, acrescenta Debus. Conforme a amostragem, 47,7% salientaram que tiveram que alterar o horário e as datas de funcionamento de suas lojas em virtude da falta de segurança.

Entre as atitudes tomadas para tentar reverter esta situação e se sentir um pouco mais seguro em seu estabelecimento comercial, um total de 45,9% disseram que instalaram equipamentos de monitoramento, outros 18,9% colocaram novos sistemas de alarmes e, um mesmo percentual, disseram que substituíram portões e grades externas. Entre os entrevistados, 29,1% comentaram que tiveram sua loja furtada neste primeiro trimestre, outros 16,3% roubada (assaltada) e 47,7% que algum de seus funcionários teria sido assaltado neste período.

Do total, 87,2% dos entrevistados eram representantes de lojas de rua, 2,3% de shopping e 10,5% de ambos. Entre os segmentos estavam lojas de vestuário (39,5%), de eletroeletrônicos (16,3%), de material de construção (12,8%), de móveis e decoração (11,6%), concessionárias de veículos (8,1%), farmácias (7%), supermercados e hipermercados (3,5%) e postos de gasolina (1,2%). Vale lembrar que a CDL Porto Alegre já tem realizado reuniões periódicas sobre a Segurança Pública, com lojistas e representantes de entidades privadas e do poder Executivo e Legislativo, em busca de soluções ou alternativas para os varejistas.

 

Opinião: Até quando nossos governantes farão vista grossa para o contrabando e o comércio ilegal? CDL POA e Smic unem esforços em prol do comércio regular

Opinião: Até quando nossos governantes farão vista grossa para o contrabando e o comércio ilegal? CDL POA e Smic unem esforços em prol do comércio regular

Cidade Comportamento Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Opinião Poder Política Porto Alegre prefeitura

Eu não sei você caro leitor, mas eu fico impressionado quando ando pelo Centro de Porto Alegre e a toda hora sou abordado por vendedores de produtos ilegais e contrabandeados. É um absurdo o que acontece a céu aberto, sem que a gente note uma “guerra” da prefeitura de Porto Alegre e Governo do Estado a esta pouca vergonha. Esses dias ao transitar entre a Praça da Alfândega e o Palácio do Comércio, no trajeto Rua da Praia/Borges de Medeiros fui abordado por vendedores de cigarros, óculos de sombra e grau, relógios, CDs e DVDs, eletrônicos, tênis e obviamente maconha. Não é possível que os governos sigam cobrando altos impostos de quem produz, vende legalmente, gera emprego e renda e pouco combatam estas ilegalidades.

Não fumo, mas apesar de todas campanhas em contrário existe quem fume e o fumo gera renda no campo e cidade. A situação é tão grave no contrabando, que a Souza Cruz fechou uma fábrica em Cachoeirinha. Não pelo motivo de que a crise diminuiu o número de consumidores ou as pessoas estão cuidando mais da saúde. Não, a verdadeira causa do fechamento da indústria e postos de trabalho, foi o fato de que os governos que cobram altos impostos de quem consome os cigarros, não tem competência para garantir os empregos de quem trabalha na produção e indústria. Perderam-se empregos e arrecadação, sem que se tenha diminuído o número de fumantes. O que fizeram nossos governantes? Lamentaram e só. Não tomaram uma atitude real para fechar nossas fronteiras ao contrabando que causa diminuição da arrecadação de impostos, da renda do trabalhador legal e claro desemprego.

Em fevereiro de 2009, foi inaugurado o Centro Popular de Compras (Camelódromo) em Porto Alegre. Chegou com a promessa de colocar ordem no “comércio informal” da Capital, muita gente dizia que não daria certo. Por um tempo deu. Ao fim e ao cabo, percebe-se no entanto que eles estavam certos. A fiscalização diminuiu e os vendedores de tabuleiros voltaram a invadir o centro da Capital. A prefeitura divulga que 1400 óculos foram apreendidos no primeiro trimestre de 2016. Sei que milhares de outros produtos foram recolhidos e destruídos por órgãos municipais, estaduais e federais. Mesmo assim, o número é pífio perto dos que estão sendo vendidos em um raio de 250 metros do gabinete de José Fortunati e do praticamente vizinho dele, Secretário Estadual da Fazenda, Giovani Feltes que se queixa diariamente de falta de dinheiro. Talvez os dois e a Receita Federal de Dilma desprezem esse valores, afinal há volumes bem maiores em outros setores para serem cobrados. Deveriam aprender com a galinha que de grão em grão enche o papo e lembrar que esses recursos, por menor que sejam – e não são – , significariam mais segurança, educação e saúde para a população.

13041344_918854458233126_4090736127207119476_o
O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Porto Alegre (CDL POA), Alcides Debus, em visita à SMIC onde foi recebido pelo secretário Antonio Kleber de Paula. Foto: SMIC

O presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus, visitou esta semana o secretário municipal da Produção, Indústria e Comércio (SMIC), Antonio Kleber de Paula.  Na pauta do encontro, o crescente e desordenado aumento do comércio informal nas ruas da Capital gaúcha. “Precisamos coibir a comercialização ilegal de produtos concorrentes ao comércio regular, que paga impostos, aluguéis e funcionários”, observou Debus. De acordo com o secretário, o número de fiscais da Smic que faziam as vistorias nos pontos mais críticos reduziu drasticamente, passando de 170 para 73. “Hoje, percebemos que até nos espaços definidos, como a Praça da Alfândega, Azenha e Assis Brasil existe um número maior do que o previsto para os licenciados. Além disso, onde deveriam ser vendidos apenas artesanatos, são comercializados produtos industrializados, na maioria chineses”, analisou. Sim! O Secretário sabe o que acontece, o que me deixa mais indignado!  Onde está o poder público que não une esforços? Juntem os 73 fiscais da Prefeitura, o pessoal da Secretaria Estadual da Fazenda e a Receita Federal e abram uma verdadeira guerra contra esta máfia. Na hora que o Estado tem que ser forte, ele simplesmente abre o flanco para contrabandistas e com isso vê a arrecadação de impostos cair. Como todos nós sabemos, ali na frente a sociedade pagará a conta com aumento de impostos.  A solução para o problema de Porto Alegre será um trabalho conjunto da CDL com a prefeitura. Farão um levantamento sobre os segmentos mais prejudicados e em que áreas da cidade estão sendo comercializados. Alô! No Centro, não precisa pesquisa e sim ação da SMIC, BM, Fazenda Estadual, Receita e Polícia Federal . Sim, PF também. Esses produtos não caem do céu né? Tem que haver uma guerra declarada e sem trégua ao contrabando de produtos ilegais.

O pior é que essas vendas ilegais acontecem em frente ao comércio legalmente estabelecido. Lojistas que nos últimos meses, em função da crise e incompetência dos governos tem que cortar postos de trabalho formal. Isso quando não fecham as portas por perderem clientes que adquirem produtos ilegais vendidos em suas próprias calçadas. A crise brasileira é grave? É ! Contudo, se “nossos líderes”  focassem nesta questão seria um pouco menor. E talvez uma das manchetes de hoje fosse um número diferente que o estampado nos sites de informação nesta sexta-feira: Cerca de 120 mil pessoas foram demitidas em março, diz Caged.

A soma de tudo isso, pode ser chamada de descaso, desleixo ou mais apropriadamente in-com-pe-tên-cia. Todos nós sabemos a solução que os “gatos gordos” dos governos que dormem em berço esplêndido darão… aumento de impostos. Com raríssimas exceções – não me pergunte quais – esta é a única saída que eles encontram para equilibras as contas públicas. Desequilibrar ainda mais as nossas, que nos vimos obrigados a diminuir o consumo de itens essenciais para pagar a conta do pesado Estado brasileiro, sua incompetência e corrupção. Como sempre, o ciclo se fechará com menos consumo legal, mais contrabando e sonegação, mais desemprego e mais impostos. Até quando governantes incompetentes?

CDL Porto Alegre realiza 7ª Convenção de Vendas

Comunicação Economia Negócios Notícias

As equipes das áreas Comercial e Estratégica da CDL Porto Alegre e membros da Diretoria se reúnem nesta quinta e sexta-feira. O encontro ocorre no Hotel Continental, em Canela, na Serra gaúcha. Em ano Olímpico, nada melhor do que temas voltados aos esportes para trabalhar o espírito de competição e determinação das equipes da entidade. “Queremos motivar o nosso pessoal a continuar com foco na busca por resultados, como fazem as grandes equipes nos mais diversos esportes, para que fechem excelentes negócios no decorrer do ano”, observou Paulo Borba, gestor comercial da CDL Porto Alegre.

Varejo aponta melhora em levantamento da CDL Porto Alegre

Economia Negócios Notícias Porto Alegre

A CDL Porto Alegre realiza enquetes quinzenais entre os membros da diretoria para monitorar o andamento das vendas. No levantamento feito nesta semana, a estimativa de crescimento nominal médio para as lojas de varejo da Capital em março ficou em 6,1 % positivo na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Quando dividido por segmentos, os índices do setor de moda apontam alta de 8,1% no mês, e os demais apresentaram + 4,7%.

Vale ressaltar que os dados de janeiro (-1,5%) e de março mostram recuperação do crescimento nominal frente aos mesmos meses do ano anterior. Fevereiro registrou indicador positivo de 7,4%. “Embora isso ainda represente uma queda real, há uma tendência de melhora neste início de ano”, destaca Victor Sant’Ana, economista da entidade.

 

Pesquisa da CDL POA indica um cenário positivo ao varejo gaúcho: o consumidor irá além dos ovos de chocolate

Economia Negócios Notícias

Apesar de alguns indicadores econômicos apontarem para uma Páscoa mais magrinha neste ano, uma pesquisa realizada pela equipe da CDL Porto Alegre com consumidores da Capital e Região Metropolitana trouxe um dado positivo para o varejo gaúcho: além do chocolate, cerca de 40% dos 254 entrevistados irá dar outro presente na data. Ou seja, nesta Páscoa o coelhinho trará alternativas diferenciadas, além dos tradicionais ovos de chocolate.

Entre as opções desejadas, as roupas estão em alta, obtendo 28% da preferência. Brinquedos (26%), livros (14%) e calçados (7%) também estão na lista. “Observamos que o consumidor está mais aberto e criativo na hora de escolher um presente. Além do chocolate, quer dar presentes úteis, especialmente para filhos, afilhados e sobrinhos”, observou o presidente da CDL Porto Alegre, Alcides Debus. “Assim, é importante que todo o comércio esteja, a cada ano, mais preparado para oferecer novas opções na Páscoa, além dos segmentos mais habituais, como supermercados e lojas especializadas”, recomendou.

Dos entrevistados, 184 eram mulheres e 70 eram homens. Sendo que, 40,2% do público feminino disse que iria dar outro presente além do chocolate e, do masculino, 37,1%, chegando a uma média muito similar. As entrevistas foram realizadas na última semana.

CDL lança nota oficial sobre a crise política e econômica vivida pelo País

Economia Negócios Notícias Poder Política

Mais uma entidade divulga sua posição sobre o momento que o País vive. Desta vez é a CDL, presidida pelo empresário Alcides Debus (Rabusch).

Comunicado Oficial da CDL Porto Alegre

A CDL Porto Alegre, que há 55 anos representa o comércio varejista da Capital e do Rio Grande do Sul, e que, ao longo de sua trajetória, já vivenciou importantes crises no País, vem acompanhando este novo período de amadurecimento e superação que vive o Brasil. A entidade, assim como os demais brasileiros, nunca viu uma crise nesta proporção e com tamanho impacto no grau de confiança da população e na produção econômica nacional. Assim, a CDL Porto Alegre manifesta a sua preocupação com o cenário brasileiro e defende que haja uma retomada urgente da estabilidade política e econômica, confiando no trabalho das instituições brasileiras para que a justiça seja feita e que os fatos sejam esclarecidos. A entidade espera que o País esteja próximo à conclusão desta fase tão instável, para que o setor do varejo possa retomar o seu papel de proporcionar o acesso aos bens de consumo da sociedade gaúcha. Desta forma, acreditamos que a economia voltará a girar, o País voltará a crescer e será retomada a confiança de toda uma nação.

Cerimônia de posse da nova Diretoria da CDL POA será nesta quinta-feira

Negócios Notícias

À frente da CDL Porto Alegre desde o dia 1º de janeiro deste ano, Alcides Debus e os novos diretores recebem convidados no Clube dos Jangadeiros, na noite desta quinta-feira (10), para a cerimônia de posse da nova Gestão 2016/2017. Diretor-presidente da rede de lojas Rabusch, composta por lojas próprias e franqueadas, Debus é formado em Administração – Habilitação em Comércio Exterior pela Unisinos, com  MBA Executivo em Gestão Empresarial, na ESPM-Sul. Desde 2006, integra o Conselho Administrativo e a Diretoria da CDL POA, mas esta é a primeira vez em que assume o comando da entidade.

Entre as novidades, propôs uma mudança no Estatuto, criando a função de novos vice-presidentes, que totalizam 10, dos quais seis terão pastas específicas. Debus substitui Gustavo Schifino (Trópico), que presidiu a entidade nos últimos quatro anos.

Conheça, abaixo, a nominata completa da nova Diretoria:

Alcides Debus (Rabusch) – Presidente

José Galló (Lojas Renner) – 1º Vice-Presidente

Otelmo Drebes (Lebes) – 2º Vice-Presidente

Júlio Mottin Neto (Panvel) – 3º Vice-Presidente

Peter Furukawa (Lojas Quero-Quero) – 4° Vice-Presidente

Sérgio Galbinski (Casa Louro) – Vice-Presidente Administrativo e Financeiro

Miguel Raoni (Farmais) – Vice-Presidente Comercial

Octávio Scheibe (Canal Concept) – Vice-Presidente de Relações Políticas e Institucionais

José Roberto Resende (Sleep Shop) – Vice-Presidente de Marketing

Carlos Frederico Schmaedecke (Confraria Masculina) – Vice-Presidente para Micro e Pequenas Empresas

Nilva Bellenzier (Bellenzier Pneus) – Vice-Presidente de Relações com o Mercado

Ana Cláudia Bestetti (Café do Porto) – Diretora para Sustentabilidade

Vilson Noer (Livraria Idiomas) – Diretor do Núcleo de Varejo

Tiago Langer Jacobus (Guido A. Jacobus) – Diretor Comercial

Ricardo de Oliveira (Ferragem Thony) – Diretor para Inovação

Rafael Wainberg (Rainha das Noivas) – Diretor de Marketing

Carlos Klein (Ishtar) – Diretor para Micro e Pequenas Empresas

Geovane Konrath (Magazine Luiza) – Diretor do Núcleo de Varejo

Cesar Augusto de Souza Camargo (Multisom) – Diretor do Núcleo de Varejo

Nelson Jawetz (Aduana) – Diretor de Relações com o Mercado

Ana Luiza Ferrão (Gang) – Diretora do Projeto Talentos Universitários

Andreas Mentz (Spirito Santo) – Diretor do Núcleo de Varejo