Banrisul oferece pagar R$ 1,27 bilhão para controlar a folha do funcionalismo gaúcho até 2026. Em parcela única, banco propôs administrar contas durante dez anos; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Banrisul oferece pagar R$ 1,27 bilhão para controlar a folha do funcionalismo gaúcho até 2026. Em parcela única, banco propôs administrar contas durante dez anos; por Lucas Rivas/Rádio Guaíba

Direito Direito do Consumidor Economia Negócios Notícias Poder Política

O Banrisul encaminhou, nesta terça-feira, a proposta de pagar R$ 1,275 bilhão para renovar o direito de operar a folha de pagamento do funcionalismo estadual até 2026. Em parcela única, o banco propôs controlar as contas dos servidores pelos próximos dez anos. A data para o repasse deve ser definida entre as partes. Hoje, o Banrisul já controla a folha do funcionalismo, mas sem contrapartida ao governo estadual.

O ingresso bilionário pode trazer fôlego para que o Piratini faça o pagamento do 13° salário do funcionalismo de 2015, já pago para os servidores que aceitaram fazer um empréstimo com o banco. Hoje, há aproximadamente 347 mil contas vinculadas ao Poder Executivo, em um valor mensal estimado em R$ 1,3 bilhão.

Por meio de fato relevante, o Banrisul informou que o valor ainda pode sofrer ajuste em razão da variação da taxa Selic e das projeções de inflação, após os primeiros cinco anos de vigência do contrato.

Nessa segunda-feira, foram aprovados os termos do contrato pelo Conselho de Administração do Banrisul. Agora, o banco dá início à negociação dos demais itens pendentes. A conclusão do negócio ainda deve passar pelo crivo da Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e da Secretaria da Fazenda. (Lucas Rivas/Rádio Guaíba)

Grupo chinês compra 23,7% da Azul por R$ 1,7 bi. Aérea HNA Group terá direito a assento no conselho de administração

Economia Mundo Negócios Notícias

 

Avião da Azul – Paulo Fridman / Bloomberg News

SÃO PAULO – A Azul Linhas Aéreas Brasileiras assinou com o HNA Group acordo para a venda de 23,7% da companhia aérea por R$ 1,7 bilhão, dando à empresa chinesa direito a assento no conselho da companhia brasileira. De acordo com a Azul, o investimento faz com que a empresa atinja valor de mais de R$ 7 bilhões. Com o negócio, o HNA se torna o maior acionista individual da Azul.

“Esse investimento trará importantes benefícios para a Azul em vários aspectos, tais como: fortalecimento do caixa; continuidade do plano de renovação de frota; melhoria de produtos e serviços para nossos clientes; além de amortização de dívidas”, disse a companhia aérea em comunicado.

A Azul é a terceira maior companhia aérea do país e o negócio tem o objetivo de aproveitar o aumento substancial do tráfego de passageiros entre China e Brasil. Com a parceria, as duas empresas vão cooperar por meio do compartilhamento de voos, desenvolvimento de novas rotas e expansão dos programas de fidelidade.

A parceria une duas empresas dos dois mercados de aviação que mais crescem no mundo. A Azul oferece mais de 900 voos diários a 100 destinos. Já o HNA é o quarto maior grupo de aviação da China em termos de frota e opera 561 aeronaves em 630 rotas domésticas e internacionais. A reportagem completa está no site de O Globo.